Da vocação para festividade

.maira villela.
.wado.
1
joao xavi · São João de Meriti, RJ
8/4/2008 · 186 · 9
 

O cantor alagoano Wado surgiu aos meus olhos, ou seriam ouvidos?, no ano de 2001. Naquela situação o cantor dava os primeiros passos em direção a carreira solo após um período de atividades junto a sua antiga banda, Santo Samba. Se bem me lembro a primeira canção de Wado que ouvi foi Ontem eu sambei, a música me chamou atenção em meio a tantas outras da coletânea encartada numa já falecida revista de música independente. O saculejo e a viagem visual propostos pelo sambinha serviram de refresco em meio a confusão sonora típica de toda coletânea. Fiquei curioso e, depois de uma busca apurada por lojas e sebos consegui encontrar o disco Manifesto da arte periférica.

O álbum de estréia é curto e grosso. Vale a pena registrar que a produção é assinada pela dupla, também alagoana, Sonic Júnior. Ao contrário do que se pode imaginar a partir do título, o disco não tem o menor tom panfletário. Os arranjos são soltos e as letras passam longe de qualquer discurso chato e convencional. A proposta é de uma arte periférica recheada de leveza e paixão pela vida. Em “Alagou as”, Wado canta: “Os rios são as veias da terra / a terra é um Rei de sangue azul. / Alagou as terras do meu coração / molhou, encheu de lágrimas”. Em seguida recita o desejo de aproximar a margem e centro, “levanto esta bandeira, a bandeira da diversidade, dos compositores de bairros distantes. Levo esse estandarte”. Acho que essa idéia sintetiza bem o tom do manifesto que vem embalado em ilustrações assinadas pelo próprio Wado.

Continuei na busca por novidades sobre o músico. Tive a sorte de assistir a um show aqui no Rio e logo depois encontrar Cinema Auditivo. O segundo álbum do artista mergulha fundo em duas direções opostas: O disco é ainda mais singelo, em músicas como Poema de Maria Rosa, e ainda mais gingado/pesado como em Tarja preta, onde o cantor alerta: “Esse funk é tarja preta, remédio forte”. De fato, a química desse som é pesada, mas sem contra indicação para qualquer idade, sexo, cor ou religião. No velho esquema boca-a-boca falei e mostrei Wado pra vários amigos. Tenho, inclusive, um carinho especial por esse disco que me ajudou a conquistar uma grande paixão na época.

Realismo fantástico, além de um estilo literário, batiza a banda com que Wado gravou A farsa do samba nublado (2004). Neste disco as guitarras e distorções aparecem com mais intensidade, em contra-ponto, também é perceptível uma maior apuração poética. Talvez nem exista essa pretensão, mas alguns dos jogos poéticos construídos por Wado e seus parceiros lembram bons momentos de compositores como Chico Buarque e Arnaldo Antunes. Digo isso porque existe na música de Wado um traço de crônica e uma elaboração lírica muito visual. Escuto os discos e vejo cenários de Alagoas, do Rio de Janeiro, é o que acontece com a audição de Carteiro de Favela:

Era carteiro de favela, que coisa bela, que contradição.
Rua sem nome, beco, viela, pulando esgoto minha função
Faltando dado, número errado, uma labuta, sorte e viés
De rosto em rosto vida novela, e calo nestes pés
No fim do dia uma cerveja no bar e o coração tranqüilo
No fim do dia uma cerveja no bar e meu dever cumprido


A boa surpresa foi receber a notícia do lançamento de um disco novo. Soube que, depois de andar um tempo entre Rio e SP, Wado havia voltado para Alagoas, tinha encontrado velhos amigos músicos e estava botando mais um trabalho na rua. Terceiro mundo festivo começa na cadência das obras passadas, mas vai crescendo faixa a faixa e revela um Wado como ele nunca foi. A nova roupagem agrega, fundamentalmente, elementos de música eletrônica. Seja com pequenos ecos do bom e velho funk carioca, seja com as timbragens de bateria que nos remetem a boas produções de rap americano. Pouco a pouco o disco vai correspondendo ao subtítulo Brazilian electro / Funk / Disco / Reggaeton / Afoxe.

As letras expõe Wado como um compositor, no melhor sentido da palavra, maduro. Os calos adquiridos na intensa carreira são poeticamente cantados do início ao fim do disco. O descontentamento com a indústria fonografia surge na seqüência Reforma agrária do ar/Fita bruta. Nas duas canções o que fala é a voz do artista tolido pelo contexto que cerca os processos de escoamento de sua arte. A reforma agrária se coloca “contra o artista mudo, contra o ouvinte surdo é contra o latifúndio das ondas do rádio”, ao passo que a poesia de Fita bruta detona: “Ficamos na fita bruta que algum filha-da-puta decupou. Não entramos na comédia e é preciso fazer média com o maldito diretor”.

Mais uma vez, a exemplo do primeiro disco, engana-se quem imagina que o manifesto soe em tom de lamurio. O mérito de Terceiro mundo festivo é ser um disco contemporâneo, que diz respeito ao hoje, e tem prazo de validade indeterminado. Não é inocente, mas é leve. Não é panfletário, mas é posicionado. Não é revolucionário, mas é pertinente. Por fim, entre negações e afirmativas, é um disco que celebra nossa vocação para a festividade. Soa como uma boa conversa de botequim, mesclando papo sério e brincadeira, sempre ao som de um batuque que faz até mesmo o ouvindo mais desritmado a bater o pezinho na cadência bonita do nosso electro / Funk / Disco / Reggaeton / Afoxé. Viva Wado!

Todos os discos estão disponíveis para download no site oficial de Wado.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Lili Reston
 

Oi, amo música e sou de São João de Meriti como vc, quero pedir sua atenção pra te apresentar uma dupla e sua dançarina mumia, e sua história, aproveita e vota, pode deixar um comentário pra saber sua opinião!!! Boa sorte.

o atalho...
http://www.overmundo.com.br/overblog/a-verdade-sobre-perebah-jair-1

Lili Reston · São João de Meriti, RJ 7/4/2008 12:44
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Valdo Aguiar
 

Um meritiense tem que apoiar sempre o outro.
Teu trabalho tá 10. votei.
Dá uma força pra A VIDA.
Um abraço.

Valdo Aguiar · Rio de Janeiro, RJ 8/4/2008 11:17
sua opinião: subir
Marcelo Cabral
 

Muito bom Xavi! O disco está massa e esse passeio pela trajetória do Wado no seu texto também.
Abraço!

Marcelo Cabral · Maceió, AL 9/4/2008 11:33
sua opinião: subir
Hermano Vianna
 

gosto cada vez mais deste disco! bom reencontrá-lo aqui no Overmundo!

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 9/4/2008 16:16
sua opinião: subir
FILIPE MAMEDE
 

Poxa Xavi, me bateu uma curiosidade cara... Vou procurar aqui pra ver se acho... Um abraço.

FILIPE MAMEDE · Natal, RN 9/4/2008 23:29
sua opinião: subir
joao xavi
 

fala marcelo, beleza?
o legal, nesse esquema da trajetória, é baixar todos os discos e ir ouvindo na seqüência.

felipe, dá pra baixar todos os discos no site do wado. molezinha...

joao xavi · São João de Meriti, RJ 10/4/2008 00:01
sua opinião: subir
FILIPE MAMEDE
 

Hey Xavi, o som do cara é muito bom mesmo...

FILIPE MAMEDE · Natal, RN 11/4/2008 08:38
sua opinião: subir
Nicolle freire
 

Wado dispensa mais comentários. Xavi, que belo texto, parabéns!

Nicolle freire · Maceió, AL 21/4/2008 14:09
sua opinião: subir
Reuben da Cunha Rocha
 

Maravilha! Vi Wado ao vivo há poucas semanas, o peso dos discos tava todo lá. Legal a coincidência das pautas, João!

Reuben da Cunha Rocha · São Paulo, SP 10/2/2009 12:42
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

.terceiro mundo festivo - R$5, ou de graça no site. zoom
.terceiro mundo festivo - R$5, ou de graça no site.
.terceiro mundo festivo - R$5, ou de graça no site. zoom
.terceiro mundo festivo - R$5, ou de graça no site.
.wado em ação. zoom
.wado em ação.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados