Ele, Egberto

Anankè Assef
Gismonti: do Brasil para o mundo, sem alarde.
1
Edson Wander · Goiânia, GO
7/6/2007 · 250 · 20
 

Egberto Gismonti anda sumido do cenário musical brasileiro. Pelo que aferi da conversa recente que tive com ele por telefone, por ocasião de um show aberto num shopping de Goiânia, parece um sumiço voluntário. Ao menos do Brasil, já que ele mantém uma agenda requisitada no exterior.

Achei-o meio amargurado, fruto provavelmente de um descaso do complexo midiático-industrial-fonográfico, em que pese ele dizer fugir disso como o demo da cruz hoje em dia. Deve ser a mesma amargura que acometeu Tom Jobim no fim da vida, de resto bem compreensível. Noutros momentos, Gismonti me pareceu até meio xiita, já que tem se recusado a ter os discos dele e do selo dele, a Carmo Discos, distribuídos no Brasil.

Mas é sempre interessante ouvir um cara como ele. Leiam e tirem suas conclusões:

Nos anos 70 e 80 você teve uma produção intensa no Brasil. Isso continua? Como está a sua carreira em termos de produção de show, de música etc?
Na realidade, você está falando uma coisa que provavelmente chegou a você. É o seguinte: nos anos 70, 80 e 90, ou seja, praticamente nessas três décadas aí, eu fiz 60 discos. Quem faz 60 discos, tem de parar para pensar e não fazer bobagem daí para a frente. Sessenta discos já é coisa demais! É número de disco para três ou quatro pessoas. Então, o que aconteceu nos últimos quatro anos é que não saiu disco meu.

O último foi aquele com Charlie Haden?
Não. Esse foi lançado porque esse show de Montreal em 2001 foi muito bonito e tal. Aí lançaram. O último que por coincidência também é um show de Montreal, mas foi com Zeca Assumpção e Nando Carneiro, que até passou na tevê fechada, volta e meia eles reprisam.

Isso foi em que ano?
Isso foi há três ou quatro anos. Foi o último a ser lançado. Só que nesse período de espera eu estou gravando muitas apresentações sozinho, com orquestras, para poder fazer um lançamento mais interessante.

Você está falando de DVD?
Não, não. DVD não. Nisso eu não tenho o menor interesse por enquanto. Também não tenho interesse só em fazer disco mais. Tenho interesse nesse lançamento próximo, que vai ser uma caixa com quatro ou cinco discos, não é só ter uma caixa e não é só compilação. Compilação eu tive várias. Mas não é isso. Agora posso me dar ao luxo de ser o co-produtor de uma caixa de quatro ou cinco discos com a ECM Records. Por que eu quero ser co-produtor? Porque eu vou realizar um sonho de quatro, cinco ou seis anos, que é fazer uma caixa com discos e vendê-los baratésimo para pessoas que na realidade construíram a minha vida profissional. Não é barato de custar R$ 20, é barato para custar R$ 7 ou R$ 8 cada disco. A minha intenção é essa, porque passados todos esses anos, depois de fazer tantos discos, o meu objetivo não é mais fazer discos simplesmente. Eu tenho discos demais, tenho filmes demais, trilhas demais, o que me interessa agora é mexer com outros departamentos relacionados à música. Como em anos passados eu mexi com as questões dos direitos dos fonogramas.

Você fala da recuperação dos direitos da sua obra e a parceria com a ECM Records?
Sim, consegui muita da coisa da EMI e outras gravadoras. E isso já abriu possibilidades de uma outra história. E agora eu quero abrir um troço que está me custando muita discussão nos últimos tempos. Porque as companhias pelo mundo afora, os editores, não aceitam que o disco seja vendido tão barato. Então, para conseguir que o disco custe muito barato, eu tenho de ser o co-produtor disso, porque não é justo eu pedir ao outro que gaste dinheiro e não ganhe dinheiro. Então, eu tenho que ser o co-produtor para fazer com que o disco caia de preço. Meu próximo passo é esse. E não estou fazendo isso daí para ser bonzinho com ninguém, é porque quem faz uma carreira durante trinta e tantos anos como eu estou fazendo, com tantos discos, tantas coisas, é porque teve apoio de gente pra diabo. É uma maneira de agradecer às pessoas. Se eu pudesse dar de graça, eu faria. Vai ser o primeiro passo bacana da Carmo como parceira da ECM, porque antes a Carmo produzia os discos e a ECM distribuía. Agora não. Agora é uma produção ECM-Carmo, as duas empresas juntas.

Muitos falam no preço como um dos fatores do cataclismo da indústria do disco, será?
Não sei, mas de graça eu não posso dar, porque eu não tenho fábrica de discos. Não sou fonógrafo. Eu preciso ter o mínimo. Eu não sei se você sabe, mas existe um negócio chamado preço de venda. A fábrica vende para os lojistas por um preço "x". O lojista cobra 100%, 150% em cim ado preço. Se o disco custa R$ 30, R$ 35 na loja, é porque custou R$ 15 para o lojista. Aí, depois de fazer todos os cálculos, eu concluí que o disco hoje, pagando direito a todo mundo, mas não tendo tal lucro-vendas, pode ser vendido nessa faixa de preço. Porque eu não quero deixar de pagar direito a ninguém, do compositor, do fotógrafo, músico etc -, mas acho que o disco pode custar uns R$ 8 ou R$ 9 que paga todo mundo.

E o que será o repertório dessa caixa?
Tem muita coisa nova; tem um disco que fiz de piano-solo no Teatro Cólon, na Argentina, que ficou uma beleza; tem dois discos gravados em Cuba, orquestra não sei de quê; tem disco de dueto com meu filho tocando dois violões, enfim.

A mudança de ambiente tecnológico, a era do MP3, interferiu na sua produção musical?
Não, em nada. Tem um disco meu gravado no início da década de 80, final de 70 para 80, um disco chamado Alma, que dentro do disco vieram as partituras todas impressas em computador. Quer dizer, eu já uso computador há 20, 30 anos. E-mail para mim é um negócio que tem quinze anos de idade. Como eu trabalho com a ECM Records, que é uma companhia que tem muita ligação com a tecnologia, talvez você se lembre que eu fiz um disco chamado Trem Caipira, que vinha um carimbo na capa dizendo assim, "Primeira Gravação em PCM Digital". Quer dizer, o MP3, eu sei disso há dez anos. Hoje em dia você compra o MP3 por dez merrecas, em qualquer esquina. Mas eu já conheço isso há muito. E para mim não passa de mais um instrumento que a tecnologia disponibilizou para facilitar a vida das pessoas.

Mas hoje o tráfego digital das músicas é mais intenso e livre
A única coisa que eu diria é que se faça uma compressão de melhor qualidade. Faça uma compressão de 128 kbps e não de 60, porque estão desrespeitando até a qualidade da música. Se você comprime para 60, 70 kbps, você perde toda a câmara de harmônicos e aí não adiantou nada o cara gravar bem. Quer piratear, pirateie, mas faça direito (risos).

A este respeito, há estudiosos que afirmam que para a música de concerto, o MP3 é uma tragédia. Concorda?
Não concordo. Há diferentes níveis de compressão em MP3, eu não sei que tipo de computador as pessoas usam, mas se você usa um computador melhorzinho um pouco, você tem a opção do nível de compressão. O nível de compressão é que determina a qualidade final de audição.

Eles falam exatamente isso: do que jeito que se comprime hoje é prejudicial para a qualidade do que se ouve
É porque a maioria das pessoas usa uma conecção lenta, aí não convém ficar mandando coisas com mais de 700, 800 kbps. Uma coisa bacana, um disco bem comprimido, vai ter cerca de 15 a 18 megas. Isso daí, o nego não pode ficar enviando e baixando. Quando você entra na iTunes, por exemplo, no negócio da Apple, você baixa, paga, e vem com 256 kbps, que é o dobro do necessário para você converter isso em 40 mil hertz e colocar num CD, é muito bom. Ai você pode avaliar melhor o que está gravado, qualquer tipo de música. O que eu acho de piano digital? Piano digital está ótimo se o piano for bom. Tem piano digital que você dá para criança e tem piano digital que o nego pode carregar para onde quiser e tocar bem. O que é o violão? Violão, se você tiver um violão mais ou menos, está ótimo. Se você tiver um violão melhor amplia seu alcance sonoro, claro. É igual a qualquer outro objeto utilitário para para nossas atividades profissionais. O que você acha de um carro faltando três rodas? Está ótimo? Só que é um carro que não vai andar. Eu não sou contra nada não, eu tenho é contra coisa ruim. O cara comprime muito mal. eu de vez em quando me dou ao luxo de entrar nesses lugares para dar uma olhada. Às vezes eu olho, digo "cassete, os caras estão comprimindo a 60, 70 kpps, que porcaria de qualidade". Mata a música. É nessas horas que penso, pôxa para quê que levei essa orquestra desse tamanho para gravar? Por que a gente ensaiou tanto dentro de casa para ouvir essa porcaria de som aí? O problema é só esse.

Você acha que a mídia CD vai morrer?
Eu não sei. Acho que nisso aí tem muita previsão fácil. É chutódromo puro, porque quem pode saber? Acho que a pergunta melhor seria assim, "vai existir música?" (risos). Porque na levada que está aí, o cara que quiser tocar um piano, um violão, vai estar dentro da sala de um museu.

Você se destacou inicialmente como pianista e depois foi para o violão. Como foi essa passagem?
Eu não sei. De fato, o violão apareceu profissionalmente para mim mais tarde. Acho que uma explicação possível é familiar. O meu pai era um árabe que chegou de Beirute junto com a família dele ao Brasil; e minha mãe é italiana. Quando eu comecei a estudar música, meu pai fez questão que eu estudasse piano, porque Beirute naquela época era um lugar aristocrático, aí tinha que estudar piano. E a minha mãe, mais para a frente, como italiana típica que era, dizia "piano está muito bem, mas cadê a guitarra para a serenata?" Ela falava guitarra se referindo ao violão. Aí eu comecei a mexer. E você sabe que o negócio é se você pega uma criança de 6, 7 anos de idade e começa a falar três línguas com ele, quando ele tiver 10, fala as três línguas e não sabe que tem diferença de uma para outra. Música para mim foi assim. Comecei a estudar e a tocar dois instrumentos ao mesmo tempo. Hoje em dia eu tenho consciência de que violão não tem nada a ver com piano e vice-versa.

São instrumentos que têm linguagens próprias. Até para criar...
Sim, é o que eu estou comentando. Como esse troço me foi mostrado muito cedo, sem preconceito, ficou muito assim "toque piano, que é o melhor instrumento que há no mundo" e minha mãe veio e falou "não é nada, toca violão, porque é o melhor". Aí eu toquei os dois.

As poucas vezes que você cantou sua música não ficou ruim, por que não explorou mais esse lado na carreira?
Você é que está falando que ficou legal, agradeço, mas eu não achei não. É que eu não queria entrar num departamento em que não me sinto à vontade. Às vezes as pessoas comentam comigo assim 'ah, mas até o fulano tá cantando agora', se referindo a algum músico não acostumado com o canto. Mas aí eu respondo que quando eu toco violão, não se diz que 'até eu estou tocando violão'. Eu não faço quando eu não dou conta direito. Eu quis experimentar e experimentei algumas vezes. Achava que estava bom, mas quando passavam seis meses, um ano, eu dizia 'opa, esse troço tá muito ruim'. Volta e meia eu encontro uns malandros por aí que dizem 'pôxa, era tão ótimo'. Eu respondo 'então, tá bom. Você achou, mas eu não achei não'. Era um negócio que quando eu ia gravar um disco instrumental, eu gravava em três, quatro dias. Já para botar voz eu levava 20 mil vezes a mais. Aí eu concluí 'não, esse negócio tá errado'.

Quando você começou, a música instrumental no Brasil tinha um espaço que acabou. No entanto, há uma produção independente hoje que tem facilitado a produção desse tipo de música. Como avalia isso?
Para quem produziu a quantidade de coisas que produzi, sem a própria gravadora, sem a própria editora, e vive muito bem obrigado, não está melhor nem pior. Está a mesma coisa. O que eu acho e falo sempre para os meus filhos é que hoje, para se começar uma carreira, é muito mais difícil do que há trinta anos, não tenha dúvida. Na realidade, a facilidade de antes é porque os chamados produtores, as gravadoras, estavam se instalando no Brasil e precisavam correr atrás dos artistas. Então você encontra na década de 70 uma turma da minha geração que estava começando nessa época. Vamos pegar aí João Bosco, Milton Nascimento, eu, todo mundo que começou nesse período, e se você espremer, vai ver que todos nós começamos gravando três, quatro, cinco discos, que não venderam nem 15 cópias, nem para nossas famílias vendíamos (risos). As companhias faziam contrato para fazer quatro, cinco discos. Elas precisavam arriscar. E estavámos despontando numa época em que música popular era cantada por Elis Regina, composta por Tom Jobim, uma outra época de música. Hoje em dia mudou muito o conceito da coisa e aumentou muito a produção, é verdade. Mas significa que quem vendia um número muito pequeno de disco, continua proporcionalmente vendendo o mesmo tanto, só que mais espalhado e pode significar até um aumento em alguns casos. A turma que gosta da música mais sofisticada continua gostando e ajuda a disseminá-la aos poucos. Casaram, tiveram filhos e vai por aí. Falo isso porque a música que faço pode ser definida naquele dito popular de grão em grão a galinha enche o papo. Eu gravo um disco hoje, ele sai em 40 países. Não vende muito não, mas vede 300 mil cópias. Ou seja, está dentro daquela margem que você produzia antes para um país só.

A nova geração de músicos do gênero instrumental tem um ambiente melhor para produzir?
Olha, não sei. Recebo muito disco, muito demo por aí e poderia responder que o que está acontecendo na música é algo que está acontecendo de maneira geral na cultura. Todo mundo tem um acesso imenso à informação, mas o que está sendo esquecido é que informação sozinha não quer dizer nada. A única coisa que tem sentido é quando a informação é sedimentada dentro de cada um e se transforma na própria cultura de cada um. Não adianta nada você ter acesso a todas as livrarias do mundo por meio de um navegador qualquer, porque as informações vão continuar lá. Quando se tinha pouca facilidade para chegar à informação, valorizava-se muito mais isso. Eu me lembro que na minha época eu custei a tocar profissionalmente. Quando eu queria uma partitura de algum músico, eu corria atrás e copiava. Para copiar você precisava saber escrever música. Hoje você baixa não sei de quê, faz um xerox aqui, usa um scanner ali. Então, hoje a facilidade é grande demais, mas as pessoas não sabem o que fazer com ela. Evidentemente tem exceção, mas boa parte do material que recebo, me parece um mergulho muito rasinho ainda. Não tem como aproveitar.

Então é o velho problema da formação?
Pode ser. Eu sei que na época em que eu tinha 20 anos, que é a idade da moçada que está me mandando material, a gente tinha como referência Tom Jobim, João Gilberto, Pixinguinha, Villa-Lobos etc. A referência era essa. E a hora que queria aprender uma música, tinha de correr atrás da partitura, aprender a tocar música tinha que ir para o show porque não tinha esse negócio de gravador para ficar gravando, muito menos pendrive para carregar daqui pra lá e assim por diante. Mas, de novo, acho que o problema é mais amplo. Esse negócio da facilitação pode ser comparável a qualquer coisa. Antigamente, tinha-se muito menos acidente de carro, claro, pois tinha menos carros, mas eles não corriam tanto. Eu ouvi uma notícia ontem dizendo que em São Paulo morre um motoboy por dia. Um motoboy por dia! Aí pensei 'pô, mas que coisa horrorosa!'. Depois meditei assim 'mas como criticar o motoboy se nós todos queremos que o serviço chegue rápido?'. Quer dizer, nós estamos numa sociedade muito contraditória, muito maluca. E o mesmo se presta para música, literatura. Entre meus amigos escritores o comentário geral é que está todo mundo tendo idéias ótimas, mas neguinho não está sabendo escrever. Você vai ler os blogs é uma brincadeira. Nem corretor gramatical neguinho está usando. Eu acho que o que acontece na escrita, está acontecendo em toda forma de expressão artística, seja música, seja pintura etc.

Você tem revelado novos músicos pelo seu selo. Quais são os últimos e com que tiragem?
Os discos da Carmo saem em cerca de 30 países, distribuídos pela ECM Records. Não temos a pretensão de grandes tiragens, nunca tivemos, então temos uma cota mínima. E eu sei que um disco da Carmo, quando o artista é totalmente desconhecido, vai poder atingir essa cota. A Carmo já passou a ter um significado, mesmo que pequeno, dentro do mercado europeu, por exemplo. Essa cota significa oito, nove mil discos. Então a gente prensa sete, oito mil discos, distribui e vê a reação nos primeiros seis meses. Se for muito boa, manda fazer mais cinco mil e por aí vai. Nossos últimos lançamentos são a Silvia Iriondo, uma cantora argentina excepcional. Tem um músico francês, que se chama Bernard Bernard Wystraëte, que tem um disco de flautas, instrumental; tem o disco de um dueto australiano, de violão e flauta doce, que é um absurdo, eu nunca vi ninguém tanto como esses dois aí. É violão popular e flauta, só que usa flauta doce. É um negócio danado de interessante. E temos também o brasileiro Quaternália (quarteto de violões).

Você é tímido na sua divulgação ou preferiu se voltar ao mercado externo?
Nem uma coisa, nem outra. O fato é que eu não tenho o menor interesse, nunca tive, em participar de mídia nenhuma. Não tenho interesse. Qual é a razão? É simplesmente por não ter, não é porque eu acho que a mídia é isso ou aquilo. Você poderia perguntar, 60 discos e por que não tem um DVD? Eu podia ter 10, mas não tenho nenhum porque eu não gosto de DVD também. Tenho várias fitas de vídeo gravada na década de 80, de shows, que os caras me aporrinharam tanto que foram lançadas algumas. Agora querem transformar em DVD e eu não concordo. Não estou a fim.

Tem algumas coisas suas no Youtube
Eu sei, tem um monte delas. Toda hora me avisam e eu vou lá. Tem um troço, inclusive, que tá dando uma briga danada, que é um show junto com Charlie Haden que colocaram lá uns 45 minutos dele, quase todo o show. Tem um monte de coisas assim, mas eu não tenho timidez nenhuma. O que me interessa está voltado para outras coisas. Eu comprei os direitos de comercialização de todos os meus fonogramas. Só que para fazer isso, eu tive de estudar direito autoral durante dois anos e meio. Então, eu gastei dois anos e meio, quinzenalmente, tomando aulas com dois advogados. Depois fui para o Xingu, passar três dias dentro de floresta para ter contato com os pajés e saber um pouco sobre esse lado brasileiro. Esse é o meu interesse. Por exemplo, qualquer pessoa que faça cinema e tivesse feito filmes com a participação de Marlon Brando, Al Pacini teria soltado foguete. Eu não soltei foguete nenhum. Qualquer pessoa que ganhasse um Grammy por disco, teria soltado foguete, eu não soltei. Estou falando de coisas que tem 15 anos. Não tenho o menor interesse. No Brasil, já ganhei seis vezes melhor trilha de cinema. Ninguém sabe disso, porque eu não tenho o menor interesse que saibam. Eu já estou satisfeito. Não gosto de ficar nessa badalação.

Tem recebido novos pedidos para trilhas?
Não param de fazer. Os últimos filmes que fiz foram Estorvo e Gaigin 2 . Tinha recebido também O Redentor, mas aí só sugeri a música do Carlos Gomes e acabei não fazendo porque não teve trilha original. E continuo fazendo, mas sem nenhum alarde. Aliás, não tem timidez. Ninguém que faz 60 discos, 30 filmes, 27 trilhas de cinema etc tem timidez. E só não gosta de ficar convivendo com a chamada mídia. Quero que entendam isso.

Mas você nem seu selo têm sites, por que?
Porque não gosto disso. Não tenho e não quero.

E a Carmo não tem distribuição no Brasil...
Não, não quero também. No Brasil está dando muita confusão, tem muita safadeza com esse negócio de disco e eu não quero me aborrecer. Eu quero viver feliz. É só isso que eu quero agora. Depois de gravar tanto, de viajar tanto, só me interessa ficar feliz.

Seus shows no exeterior continuam frequentes?
Reduziu porque eu não preciso mais passar um mês fora do Brasil em cada viagem, eu passo dez dias, faço praticamente as mesmas coisas que eu faria antes e pronto. Vou me divertindo da maneira que tenho tenho vontade.

Obrigado pela entrevista.



compartilhe

comentários feed

+ comentar
Helena Aragão
 

Sempre é bom saber o que o Gismonti anda falando. Radicalíssimo em certos pontos, mas racional e consciente em muitos outros. Lembro que fiz uma entrevista com ele na época em que comprou os fonogramas das gravadoras. Mas não sabia dessa história de aulas particulares de direitos autorais com advogados! Que loucura (bem mais louco que ir ao Xingu!:)
Tem umas coisinhas muito miúdas de digitação que você vai pescar relendo para editar. E uma sugestão: você podia falar no abre o que é a Carmo, porque quando vocês começam a falar disso na entrevista não fica muito claro. Abraço!

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 4/6/2007 13:54
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Ilhandarilha
 

Radical ou não, Egberto é um dos maiores músicos do mundo! Adorei encontrar essa entrevista aqui, tão aberta e tão pessoal. Parabéns, mesmo, Edson.
Sugiro apenas que vc tire o negrito e o itálico e deixe em negrito somente as perguntas, para ficar mais claro na leitura. Um abraço!

Ilhandarilha · Vitória, ES 4/6/2007 20:38
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Carlos Sturzeneker
 

O motivo da ironia (risos) quando o Egberto se refere à rede de computadores é simples: “direito autoral”. E como no Brasil não há respeito, pelo direito do outro. Como foi dito, Egberto prefere não se aborrecer, ele se mantém distante.
E fazendo uma conta matemática de 300000 discos vendidos, em 30 paises, a média é igual a 10 mil por pais. Com certeza dos dez mil discos do Egberto Gismonti vendidos no Brasil, ele não receberia grande parte do que teria direito a receber.
E exigir que os direitos sejam respeitados, não é radicalismo! Não importa quem faça a exigência, seja lá um grande artista como Egberto Gismonti, um operário, ou um cidadão. Por que é um direito!
Parabéns Edson Vander.

Carlos Sturzeneker · Rio de Janeiro, RJ 6/6/2007 02:46
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
crispinga
 

Lembro-me de um show do Egberto nos anos 80 em que sua apresentação terminava e o teclado continuava o show sozinho...A música eletrônica ainda engatinhava no Brasil. Grande Egberto, sempre à frente de seu tempo, não tem como ele sentir-se "deslocado" no atual panorama musical brasileiro!Ótima entrevista!

crispinga · Nova Friburgo, RJ 6/6/2007 13:11
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Aldo Votto
 

Beleza Edson!
Bom saber sobre Egberto e lembrar o tanto de música com que ele nos brindou. O tom da entrevista deu a impressão de um papo de amigos. Abraço,
Aldo

Aldo Votto · Florianópolis, SC 6/6/2007 17:43
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
CStur
 

Edson Wander,
Parabéns por ter entrevistado o Egberto Gismonti e ter disponibilizado a entrevista. Porem, suas observações preliminares estão completamente equivocadas. As suas palavras iniciais demonstram mais uma necessidade de expressar idéias preconcebidas e estão completamente fora do que foi dito pelo Egberto. Primeiramente pelo fato de tê-lo achado amargurado. Aonde encontrou amargura? Por que como foi dito por Ele: "Por exemplo, qualquer pessoa que faça cinema e tivesse feito filmes com a participação de Marlon Brando, Al Pacini teria soltado foguete. Eu não soltei foguete nenhum. Qualquer pessoa que ganhasse um Grammy por disco, teria soltado foguete, eu não soltei. Estou falando de coisas que tem 15 anos. Não tenho o menor interesse. No Brasil, já ganhei seis vezes melhor trilha de cinema. Ninguém sabe disso, porque eu não tenho o menor interesse que saibam. Eu já estou satisfeito. Não gosto de ficar nessa badalação. Ninguém que faz 60 discos, 30 filmes, 27 trilhas de cinema etc tem timidez. E só não gosta de ficar convivendo com a chamada mídia. Quero que entendam isso."
E quanto ao radicalismo, ou o comportamento meio feito um xiita, também não existe. E está bastante confusa a sua explanação. A respeito de uma distribuidora, para o selo Carmo, no Brasil, como resposta, as palavras do Egberto foram: "Não, não quero também. No Brasil está dando muita confusão, tem muita safadeza com esse negócio de disco e eu não quero me aborrecer. Eu quero viver feliz. É só isso que eu quero agora. Depois de gravar tanto, de viajar tanto, só me interessa ficar feliz."
Há muitas informações importantes, intrínsecas e explícitas, nas palavras do Egberto Gismonti; e delas podemos extrair muitas idéias sobre o universo musical de um grande músico e o deste país Brasil.

CStur · Rio de Janeiro, RJ 7/6/2007 00:24
sua opinião: subir
Paulo José
 

A entrevista está ótima, o Egberto é ótimo, mas essa letrinha itálica...

Paulo José · Alto Paraíso de Goiás, GO 7/6/2007 16:59
sua opinião: subir
Zezito de Oliveira
 

Que bom ler noticias sobre Egberto Gismonti. Gosto muito do trabalho dele. E dentre eles, o disco Amazonia. Vocês tem noticia se esse trabalho foi lançado em CD?

Zezito de Oliveira · Aracaju, SE 7/6/2007 18:50
sua opinião: subir
Edson Wander
 

Caro Zezito,
Os principais discos lançados por Gismonti estão reeditados e disponíveis no site da ECM Records (www.ecmrecords.com). São 29 deles, incluindo esse discaço aí que você busca. Só que você terá que importá-lo, se quiser tê-lo em CD. Eles não estão disponíveis para compra no Brasil. E é aí que entra o xis da questão que levanto a partir da entrevista que ele me concedeu, já respondendo também ao leitor CStur. Gismonti está, sim, amargurado com o que a música trouxe para ele no Brasil. Percebi isso claramente na conversa que tivemos. É direito dele estar assim ou assado, e não é esse o ponto. O problema é que ele virou as costas para o mercado brasileiro (e atenção, falo dos discos), e ao fazê-lo, virou as costas também para os seus fãs no Brasil. Com total direito sobre suas obras, ele poderia muito bem achar alternativas de continuar disponiblizando a obra dele no Brasil, ainda mais hoje com a viabilidade da cena independente, ainda que pequena. Ele anuncia mais um pacote de novidades, mas não disse se isso poderá chegar com facilidadade ao público brasileiro. Desconfio que vai seguir o mesmo destino dos outros, ou seja, se quisermos tê-los, teremos de desembolsar dólares e ainda esperar pelo chato trâmite da importação. O fato de admirá-lo não pode ofuscar nossa percepção das consequentes da decisão dele. E lamentarmos, naturalmente.
Amigo Paulo, não consegui corrigir esse itálico antes que o texto entrasse na sala de votação.
Abraços,
EW

Edson Wander · Goiânia, GO 7/6/2007 19:26
sua opinião: subir
Clara Bóia
 

Ah, que felicidade encontrar uma entrevista com o Gismonti recente. Apesar de andar sumido do Brasil, ano passado (ou retrasado) ele tocou em Joinville, aqui perto.
Enfim, adorei entrar no overmundo e dar de cara com sua matéria, Edson.
Abraço.

Clara Bóia · Blumenau, SC 7/6/2007 20:52
sua opinião: subir
Hermano Vianna
 

sou fã do Egberto - há tanto tempo... me lembro de uma vez, nos anos 70, que ele ia tocar na igreja do colégio Sacre-Coeur, em Copacabana - por algum motivo o show foi cancelado na hora, mas eu, adolescente, dei um jeito de ficar no local - Egberto também ficou ali e começou a tocar sintetizador - foi incrível, excelente, místico, coração futurista total - mas agora escrevendo fiquei até na dúvida: será que foi um sonho? caso afirmativo, foi o sonho mais psicodélico que já tive...

que bom encontrar esta conversa entre Egberto e Edson aqui no Overmundo

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 7/6/2007 23:59
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Marcelo V.
 

Ótima entrevista! Mas também não vi radicalismo ou amargura no Egberto...

Marcelo V. · São Paulo, SP 8/6/2007 00:22
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
toinho.castro
 

egberto gismonti é um marco musical na minha vida e sou grande admirador do seu trabalho. tenho muitos discos seus em vinil e alguns em cd. é uma vasta discografia...
lembro de uma vez, ele apresentando-se ao piano com um monte de sintetizadores para tocar a cantilena da bachianas nº 5, que ele gravou no "trem caipira". Aquele monte de tralha eletrônica não funcionou e ele arrancou uma emocionante interpretação somente ao piano. depois retornou, com as engenhocas já devidamente preparadas, e tornou a emocionar com uma execução de grande beleza, para além da frieza que, na época, as máquinas poderiam sugerir.
vi isso pela televisão, em algum concerto mundo afora... alguém mais viu?

toinho.castro · Rio de Janeiro, RJ 8/6/2007 01:49
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
capileh charbel
 

sinto que é hora salto.......

capileh charbel · São Paulo, SP 8/6/2007 14:15
sua opinião: subir
markinho
 

produzi um show do gismonti aqui em são luis foi o trem caipira faz já faz um tempo,bom ter noticias dele através desse papo com voce valeu edson!

markinho · São Luís, MA 9/6/2007 03:10
sua opinião: subir
Mansur
 

Egberto Gismonti...é um alento...caramba! É outra lógica, é outro mundo, é outro tudo...estou baixando a obra toda...tomara que esteja em 128 kbps, se estiver em 60 kpbs, vou apertar o delete sem pena e continuar a sonhar...

Mansur · Rio de Janeiro, RJ 18/7/2007 16:41
sua opinião: subir
marco sevidanes
 

Gostei muito de achar essa entrevista. Vou concordar com os outros comentaristas pois não vi nada de amargura; apenas alguém que tem real e madura compreensão das coisas e do nosso tempo. Como alguém querer participar do "oba oba" que virou a mídia ligada à arte no Brasil? O melhor que um artista consagrado mundialmente deve fazer hj no Brasil é se reservar contra isso. Chiita? enfim, é preciso ser crítico e direto contra esse estado de coisas... nunca tive saco de assistir a 5 min de um dvd musical e agora entendo que não sou só eu que repudia esse tipo de exposição plástica que mascara tanta falta de talento. Atualmente, mais do que capacidade técnica musical ou de inventividade, vale mais para a mídia um visual e uma plástica cuidadosamente acabadinha. EG vale pela obra de qualidade que nos legou, que representa um divisor de águas na história musical de nosso país. Quando descobri sua música, muita coisa em termos artísticos fez sentido para mim!

marco sevidanes · Rio de Janeiro, RJ 2/3/2008 13:57
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
marco sevidanes
 

Queria dizer: xiita

marco sevidanes · Rio de Janeiro, RJ 2/3/2008 15:26
sua opinião: subir
Ana Rita de Holanda
 

Edson,

tudo bem? Queria muito fazer um show do Egberto em Brasília. Você pode me passar o contato dele ou de repente das pessoas que realizaram o show dele em Goiania. Obrigada! Meu email é anaritadeholanda@gmail.com

Ana Rita de Holanda · Brasília, DF 9/12/2009 11:38
sua opinião: subir
Paula Lucas
 

Na minha opinião, sempre achei o Egberto meio deprê, meio amargo. Sempre com aquele ar e postura arrogante, autoritária; aquela síndrome do “Acadêmico Superior”, do crítico higiênico, o “Eu sei tudo”.

Admiro o artista extraordinário, principalmente o arranjador (pra mim, vem primeiro o arranjador, aliás, foi nesse quesito que obteve suas iniciais premiações) e depois o excelente compositor e pianista.

Nos anos 70, dava chiliques nas salas da diretoria da EMI-Odeon. Um diretor de lá, me contava em detalhes. Tudo por causa de ciúmes e despeito; porque ele achava que a gravadora estava investindo mais no fenômeno Milton Nascimento e em toda a galera minera, e não nele.

Milton, além de transformador radical do som brasileiro era na época, ao contrário de Egberto, um ser generoso e aglutinador. Abraçava as Américas do Sul, Central, do Norte, a Europa, enfim, o planeta todo. Egberto, ao contrário, metidíssimo a besta. Na época do selo Carmo, ele poderia ter sido (e dado) a necessária continuidade aos movimentos culturais ( Samba-Bossa-Tropicália-Milton-Minas) que além de geniais, também serviam de resistência contra a opressão política e estética; tanto brasileira como mundial. Disseram-me, que Egberto, agora vai tocar no “estado-recente”, Israel, promotor do maior nazi-holocausto da atualidade. Atitudes desmascaram a aparência das pessoas...

Sempre teve um raciocínio parcial, elitista, mais preocupado em corrigir a gramática dos homens do que compartilhar a sintaxe da vida e da arte! Desculpe, mas é minha opinião.

Na época da Carmo, era o grande momento dele aglutinar e chamar para seus discos todos aqueles que gravaram pelo selo dele:o especial Piry Reis, o cantor Walker, Selma Reis, o grupo Papavento, Carioca, Luis Eça, todos que gravavam por lá, e principalmente, ter trazido mais para as faixas de seus discos, a voz imprescindível e linda da Dulce Bressane, que terminou praticamente virando dublê de secretária e esposa. Mas não, ele sempre se bastava com seu serviçal trio e sua obsessão egóica .

Antes, o seu apelido no meio artístico era o de “Princesa”, mas o seu egoísmo deu-lhe o apelido definitivo: EGOBERTO Gismonti.

Paula Lucas
São paulo- SP

Paula Lucas · São Paulo, SP 21/8/2011 18:26
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter