ENTREVISTA: MARIA DA CONCEIÇÃO PARANHOS

1
Brida · Salvador, BA
3/3/2009 · 91 · 13
 

GUSTAVO FELICÍSSÍMO PERGUNTA
www.sopadepoesia.blogspot.com

Professora, poeta, crítica literária, contista, romancista, cronista e pesquisadora, fluente em diversos idiomas, inúmeros livros publicados. Com a palavra Maria da Conceição Paranhos.

GUSTAVO FELICÍSSIMO – Como a senhora conceitua a poesia e o poema em si?
MARIA DA CONCEIÇÃO PARANHOS – Poesia é viver o mundo como se o inaugurasse, seria uma definição? Poesia é prazer de fonemas rolando na boca e criando sons, significações, expressão do mundo experienciado pela voz por detrás do eu poético. Poema é lua-de-mel com linguagem e língua nativa, os manes observando, intervindo e aconselhando num círculo de formas e significações de amores idos e vividos, digamos assim, para designar os poetas e artistas que nos cercaram desde sempre. Poema é também inauguração – da linguagem desta vez.

GF – Em que pese ter trazido maior liberdade e certo sentido de brasilidade à nossa poesia, o Modernismo, por outro lado, segundo algum dos seus críticos, também nos prestou algum desserviço, propiciando justamente a partir dessa liberdade, que se caísse na permissividade e no vulgarismo. Como a senhora vê essa questão?
MCP – O Modernismo no Brasil foi um artefato de vanguarda de programação. Houve incalculáveis perdas e mal-entendidos que persistem, a exemplo do que se pensa ser poesia – verso livre, poema curto, poema-piada – que preexistiam, aliás, de modo não programático. Em verdade, o momento histórico de maior liberdade formal e inventividade na poesia – inclusive a brasileira – foi o Romantismo, como estilo de época, claro. O repúdio modernista ao Parnasianismo, ao Simbolismo e ao próprio Romantismo se foi benéfico no que diz respeito ao epigonismo, foi e é lamentável enquanto desfeiteia a face espaço-temporal da poesia e a faz ahistórica, distanciando-a, portanto, do pulsar expressional autenticamente brasileiro. Claro, o Modernismo de programação, em termos de avaliação crítica de suas três fases (conforme a historiografia brasileira divisou), não consegue abafar a voz dos verdadeiros poetas, mesmo daqueles como Mário de Andrade, Manoel Bandeira e Jorge de Lima – que se forçaram a ser modernistas à la carte.

GF – A chamada pós-modernidade e a ditadura midiática chegam a te apavorar?
MCP – Por que o fariam? Vivemos mergulhados nesse caldo sócio-artístico-cultural e assim nos movemos – de modo crítico desejavelmente, sem que nossa percepção amorteça com os chavões já estratificados da pós-modernidade palradora ou o anestesia da mídia.

GF – Como a senhora viu a bienal do vazio, em São Paulo? Quem merece mais a cadeia, a tal pichadora ou os seus curadores?
MCP – Olhe, não tomo partido não. Não porque tenha receio de me posicionar, mas porque gato e rato são pares inseparáveis e volta e meia começa esse minueto macabro.
A pichadora é ex-cêntrica, não é mesmo? Bem maluca. Se pensou em contribuir para com o estado mórbido de nossa cultura contemporânea, conseguiu... Os curadores, como você diz, transitam em todas as instâncias da cultura com sua armadura viciada de vícios seculares. Preferirei sempre o homem anônimo que presencia e repudia esses tristes espetáculos de uma sociedade melancólica e agonizante, geradora de subprodutos culturais.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Vilorblue
 

Prezada Poetisa.
Excelente esta entrevista com a Professora Maria da Conceição.
Ela esta correta ao afirmar que curador e pichador estão no mesmo nível, pichadora deixa-se levar pela vaidade da ousadia e curador deixa-se levar pela vaidade da incapacidade.
Gostaria muito saber, onde poderia ler esta entrevista na integra.
Parabéns.
Depois volto para votar.
Abraço.

Vilorblue · Colombo, PR 28/2/2009 05:39
sua opinião: subir
Ecila Yleus
 

Você é um orgulho para mim e quem realmente te conhece, conhece um pouco pelo menos do seu trabalho. Eu gostaria de beber toda a cultura que você dela me proporciona uma partícula. Apreendo cada vez mais com tudo que vem de vc, seja sua entrevista ou trabalhos literários. Quem me dera ser sua aluna.Beijo carinhoso parabéns.

Ecila Yleus · Recife, PE 28/2/2009 08:03
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Votado.
Abraço.

Vilorblue · Colombo, PR 2/3/2009 08:23
sua opinião: subir
Brida
 

Vitor, muito obrigada. Sua opinião é valiosa como sempre. Acima está o link do blog de Gustavo Felicissimo, ex-"oficinante' (Oficina de Poesia) da professora. Grande abraço.

Ecila, linda, venha ser minha aluna... Organizo um curso para você especialmente e abro as inscrições. Sério. Beijinho.

Brida · Salvador, BA 2/3/2009 08:58
sua opinião: subir
crispinga
 

Olá Brida,

Comecei a estudar Docência em 2007 e ano passado conseguí, finalmente, ingressar no Mestrado. É realmente apaixonante. Dona Umbelina serviu-me de inspiração e entrevistá-la foi muito prazeroso.

Pretendo trabalhar nos próximos anos com Educação em Saúde e, quem sabe, virar uma escritora, como ela.

Parabéns por sua entrevista

crispinga · Nova Friburgo, RJ 2/3/2009 09:59
sua opinião: subir
raphaelreys
 

Beleza de postado minha cara overmina! De prima! Meu voto!

raphaelreys · Montes Claros, MG 2/3/2009 10:56
sua opinião: subir
Brida
 

Obbrigada, Cris, Raphael... Beijos

Brida · Salvador, BA 3/3/2009 00:34
sua opinião: subir
Cláudia Campello
 

Brida, linda e inteligente ( i sabe que é). Somos o que somos pq absorvemos de seres esplendidos aquilo que ainda nao sabemos. Isso é tãoobvio, né ?
Adoro sua "modestia" e a lição que nos deixa: o enaltecer um outro ser inteligente e merecer aplausos dignos por saber ser plena.

(esse Gustavo ,heim ? show de materia, felicissima to eu !))

E Cláudia Almeida nos dá sopa de poesia... e eu a "degusto" com prazer.

bjssssssssssssssssssssssssss;)

Cláudia Campello · Várzea Grande, MT 3/3/2009 04:57
sua opinião: subir
O NOVO POETA.(W.Marques).
 

um ótimo texto.votado com carinho.

O NOVO POETA.(W.Marques). · Franca, SP 3/3/2009 06:48
sua opinião: subir
Claudia Almeida
 

Brida,

Obrigada pela chamada,presente, aluno mal orientado pela vida, não sou doutora em portugues,mas sou poeta,rsrsr, aqui e fora do site não me aproprio de outro nome, nem de nada...
minha poesia está aqui !
Beijinho (um beijo orkutiano)

Claudia Almeida · Niterói, RJ 3/3/2009 08:36
sua opinião: subir
Brida
 

Claudinha, fui lá em florellas te ver escondida atrás de flores... Beijo!

Brida · Salvador, BA 3/3/2009 08:44
sua opinião: subir
Erode Lino Leite
 

Excelente matéria minha amiga, contribui muito com nosso conhecimentos assuntos dessa envergadura! Bravos.

Erode Lino Leite · Campo Grande, MS 3/3/2009 12:09
sua opinião: subir
jsonsol
 

Muito legal a sua entrevista com uma especialista. Banho de cultura para todos nós. Votado!

jsonsol · Fortaleza, CE 3/3/2009 16:40
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados