ESTRÉIA ESPETÁCULO "O AMOR E OUTRAS CATÁSTROFES"

Geórgia Cynara
1
Georgia Cynara · Goiânia, GO
5/8/2006 · 51 · 2
 

O Tal Grupo Assim Assim estréia o espetáculo teatral "O Amor e Outras Catástrofes", concebido por Karyne Fratari e interpretado por Fernanda Pimenta, Geórgia Cynara, Karyne Fratari e Mary Baleeiro, com a participação das obras do artista plástico Guilherme Wolguemut (veja ficha técnica em anexo). As apresentações serão nos dias 11, 12 e 13 de agosto, sexta e sábado às 21 horas e domingo às 20 horas, no Centro Grande Hotel de Referência à Memória de Goiânia. Os ingressos custam 10 reais (preço único) e estão à venda na locadora C.A.R.A. Vídeo da rua 10, Centro. A montagem conta com o apoio do Espaço Quasar, C.A.R.A. Vídeo, Armarinhos Cristal, zeroum comunicação, Casa da Cultura Digital e Mitocôndria Estúdio de Idéias.

O espetáculo

A montagem de "O Amor e Outras Catástrofes" envolve teatro, dança, música, video e artes plásticas, numa investigação da linguagem cênica, com o objetivo de discutir e criar um fazer teatral com a participação do público. “O espetáculo busca a multidisciplinaridade e o diálogo com outras instâncias da arte, por meio do envolvimento de profissionais das mais diferentes linguagens, e também a interação das intérpretes-criadoras com o público, quando experiências de amor vividas por todos virão à tona e serão refletidas em movimentos, reações e interpretação”, conta Karyne Fratari, atriz idealizadora da peça.

Tema universal contemplado, desde a Antiguidade, por todas as formas de manifestação artística, o amor é tratado na montagem de forma realista e delicada; trata-se de uma visao feminina contemporânea, expressa de modo experimental, que, segundo Fratari, traz à tona as fragilidades, medos, devaneios, experiências e loucuras causadas por esse tão complexo sentimento. “Crimes passionais, derrocadas de impérios, guerras e grandes tragédias reais ou da literatura fazem do amor um tema eternamente intrigante e provocador”, analisa Karyne.

O elenco também é composto pela atriz Fernanda Pimenta, pela bailarina Mary Baleeiro e pela videomaker e violinista Geórgia Cynara, que assina a edição da video-instalação e a ambientação musical do espetáculo. A montagem conta ainda com a participação do artista plástico convidado Guilherme Wolguemut, autor das obras de arte intituladas O amor liquido, elaboradas especialmente para a peça, e que serão desconstruídas pelo público ao final dela (veja currículos em anexo).

"O Amor e Outras Catástrofes" é dividido em sete momentos, que ocorrem em sete espaços diferentes: o primeiro se inicia na rua, em frente ao Grande Hotel; no segundo, que se passa no hall do primeiro andar do prédio, o público poderá assistir à video-instalação composta por depoimentos de anônimos falando sobre suas experiências amorosas e dar o seu próprio depoimento, escrevendo nos cadernos presentes no cenário. O terceiro momento ocorre numa sala escura, na qual o público terá a oportunidade de experimentar sensações táteis, auditivas e olfativas referentes ao amor. No quarto, que ocorre num corredor, estará a instalação Pisando em ovos, montada pelo próprio grupo.

No quinto momento, Karyne Fratari, Fernanda Pimenta e Mary Baleeiro desenvolvem, respectivamente, as cenas O expurgo, Na falta de papel higiênico e Como se me amasse, todas falando de estados internos comuns aos que vivem as consequências do amor. No sexto, o público participa da construção da cena Vinho e cristal, onde as quatro intérpretes-criadoras constroem vários começos, meios e fins de histórias. E no sétimo momento, as obras de arte O amor liquido, de Guilherme Wolguemut, serao desconstruídas pelo público, num cenário composto também por elementos que mostram pequenas e grandes catástrofes cotidianas.

Agenda

Além da estréia no segundo final de semana de agosto, o Tal Grupo Assim Assim já tem a segunda apresentação marcada para os dias 1º, 2 e 3 de setembro, sexta e sábado às 21 horas e domingo às 20 horas, também no Centro Grande Hotel de Referência à Memória de Goiânia, com ingressos a 10 reais (preço único). Segundo o grupo, essas primeiras apresentações serao importantes para angariar mais patrocinadores e apoiadores e para elaborar um projeto consistente de circulação do espetáculo pelo Brasil e exterior.

Serviço

Espetáculo: "O Amor e Outras Catástrofes"
1ª apresentação: 11, 12 e 13 de agosto
2ª apresentação: 1º, 2 e 3 de setembro
Horários: sexta e sábado às 21h e domingo às 20h
Local: Centro Grande Hotel de Referência à Memória de Goiânia (Avenida Goiás, esquina com Rua 3, Centro)
Ingressos: R$10,00 (preço único), à venda na locadora C.A.R.A. Vídeo (Rua 10, Centro, ao lado da Catedral Metropolitana de Goiânia)


Ficha Técnica

"O Amor e Outras Catástrofes" (Goiânia, agosto/2006)

Concepção: Karyne Fratari
Produção, Cenografia e Figurino: Tal Grupo Assim Assim
Elenco: Fernanda Pimenta, Geórgia Cynara, Karyne Fratari e Mary Baleeiro
Artista convidado: Guilherme Wolguemut
Ambientação musical, Produção Audiovisual e Identidade Visual: Geórgia Cynara


Currículos

Karyne Fratari - Atriz profissional, graduada em Administração em turismo pela Universidade Católica de Goiás, tem participações em oficinas de dança e teatro ministrada por nomes como José Celso Martinez, além das ministradas nos vários festivais que participou. Além de indicações, foi premiada como melhor atriz no X Festival de Teatro de Goiás (2002) e IV Festival de Poesia Encenada (2002). Integrou o Grupo de Teatro Guará (UCG) de 1998 a 2005, onde, dirigida por Samuel Baldani, atuou nas peças O Auto da Compadecida, Se meu Ponto G Falasse e Torturas de um Coração. Integrou o Núcleo de Pesquisa em Artes Cênicas do Espaço Quasar (2003/2004) e participou do Ateliê de Coreógrafos Brasileiros em Salvador (2004) no espetáculo Construindo Janice, de Kleber Damaso. Seu mais recente trabalho foi a montagem de Jorge Tontim, adaptação de Molière feita por de George Dandin, por meio da Ley Goyazes. Atualmente se dedica à montagem de O Amor e Outras Catástrofes.

Fernanda Pimenta - Atriz, participou de oficinas de teatro no grupo Guará, da Universidade Católica de Goiás, no Goiânia em Cena (oficina de montagem com Marcelo e Lua), oficinas de dança contemporânea no Espaço Quasar, dentro do projeto Formação Intercâmbio, com Graziela Rodrigues e Nirvana Marinho. Participou das performances Roda, A voz da felicidade, do espetáculo Torturas de um coração (atriz substituta), e Escola de Mulheres, de Molière. Atualmente integra o Grupo de Teatro Guará,da Universidade Católica de Goiás, onde participa da peça Escola de Mulheres de Molière, na qual ganhou o prêmio de melhor atriz coadjuvante no Festival da FETEG/2006, e está na montagem do espetáculo O Amor e Outras Catástrofes.

Maryanne Baleeiro - Cursando Educação Física na Universidade Estadual de Goiás, participa desde criança de oficinas de teatro e dança. Participou do Por Quá?, grupo experimental de dança da UEG, durante três anos, dando aulas de dança contemporânea para a comunidade e logo em seguida entrou para o Núcleo de Pesquisa em Artes Cênicas do Espaço Quasar, trabalhando com Kleber Damaso e Letícia Ramos. Bailarina - intérprete convidada no Ateliê de Coreógrafos Brasileiros em 2004, com o espetáculo Construindo Janice, de Kleber Damaso. Trabalhou na produção de festivais, como Goiânia em Cena, Paralelo 16 e Goiânia Mostra Curtas e também da ONG Casa da Cultura Digital. Atualmente está na montagem do espetáculo O Amor e Outras Catástrofes.

Geórgia Cynara - Musicista, jornalista, roteirista, editora de TV e vídeo, pesquisadora, compositora e arranjadora de trilha sonora para cinema. É formada em Comunicação Social (habilitação Jornalismo) pela Universidade Federal de Goiás (2005), e atua em Assessoria de Comunicação, Jornalismo Cultural e de Terceiro Setor (voluntariado na Casa da Cultura Digital). Fez o Curso Técnico de Música na mesma universidade, em Violino e Bandolim (1999), hoje atuando como instrumentista e vocalista das bandas Cine Capri e Tokyo Radio Station. Foi premiada como compositora (2º lugar) no Festival SESI 2004, com a música Caminhos Pisados (banda Actemia). Com Resquícios, também de composição própria, ficou entre os 10 finalistas V Festival Universitário da Canção, Cultura e Arte de Blumenau (Santa Catarina, 2005). Participou do elenco do grupo de Teatro Mutambeiros (Goiânia-GO, 1999). Foi preparadora vocal do corpo de dança do Núcleo de Pesquisa do Espaço Quasar para o espetáculo Descoberto Incolor (Goiânia, 2005). Participou de oficinas com figuras ilustres da pesquisa em cinema e produção cinematográfica no Brasil,como Ismail Xavier, Walter Lima Jr. , Dib Lufti, Di Moretti, Sérgio Kieling, Sergio Penna e Luis Carlos Lacerda. Dirigiu, roteirizou, gravou e editou os vídeos universitários Avenida 24 de outubro e Anos 80 – a década que não terminou, FACOMB – Do que você tem medo? e o vídeo institucional Jovem Tec Cidadão, da Fundação Pró-Cerrado. Foi membro da Comissão de Seleção de Filmes para a Mostra da Associação Brasileira de Documentaristas / Seção Goiás, dentro do VIII Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA 2006) – mar/2006. Ministrou os minicursos Noções Básicas de Comunicação Social e Técnicas de Pesquisa e Navegação na Internet para jovens carentes atendidos na Casa da Cultura Digital, e a Oficina de Roteiro do Centro de Democratização da Informação (fevereiro e março/2006). É responsável pela co-direção, roteiro, edição, direção de arte e trilha sonora original (composição e execução) do documentário AnoniMATO (Goiânia, mar/2006), que foi selecionado para os festivais II CINEPORT, Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa, na categoria Andorinha Digital (1 a 11 de junho de 2006 em Lagos, Portugal); 29o Festival Guarnicê de Cinema (prêmio de Melhor Edição), na categoria vídeo (13 a 19 de junho em São Luís, Maranhão); 10o Florianópolis Audiovisual Mercosul – FAM 2006, na 8a Mostra de Vídeos Mercosul (02 a 09 de junho de 2006, em Florianópolis, Santa Catarina); III Mova Caparaó (5 a 8 de julho em Pedra Menina, Espírito Santo) e 4th Imaginaria Film Festival (1 a 7 de agosto em Conversano, Italia). Atualmente está montando o vídeo Guia Espiritual para Uso em Escadas Rolantes, com direção dela e roteiro adaptado do conto homônimo de Bruno Zeni, redator da Revista Ácaro (Editora 34), e fazendo a indentidade visual, produção audiovisual, ambientação musical e assessoria de imprensa do espetáculo teatral O Amor e Outras Catástrofes, idealizado por Karyne Fratari.

Guilherme Wolguemut - Estudante de Direito, artista plástico, não formado. Trabalhou como artista plástico desenvolvendo técnica de desenho em folhas de acetato no espetáculo Construindo Janice, desenvolvido pelo coreógrafo Kleber Damaso e realizado pelo Núcleo de Pesquisa em Artes Cênicas do Espaço Quasar. O espetáculo foi selecionado no Ateliê de Coreógrafos Brasileiros ano III, produzido em Salvador e apresentado no Teatro Castro Alves no ano de 2004. Realizou Exposição Individual na Casa da Cultura Digital na cidade de Goiânia, onde também ministrou oficina de técnica de desenho em acetato para a comunidade. Trabalhou em conjunto com as bailarinas Letícia Ramos, Viviane Domingues, Marta Cano Favela (México), Aki Katae (Japão) e o coreógrafo Kleber Damaso, na realização da performance de interação plástica e dança para inauguração da Concessionária Govesa da Avenida T-63. Desenvolve projeto de Iniciação Cientifica na área de Assistência Social, estudando os projetos Bolsa Escola, Renda Cidadã e Programa Nacional do Primeiro Emprego, como políticas de inclusão ao mercado de trabalho. Desenvolve monografia na área de Direito Ambiental, tendo como objeto de estudo a participação popular na elaboração de políticas ambientais. Participa do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Noturno em Bares e Restaurantes (PETIN-BR), junto à Delegacia Regional do Trabalho, através do Instituto Dom Fernando integrado à Universidade Católica de Goiás.

Mais info:
Karyne Fratari: 99862362/ 62-39419560
Assessoria de Imprensa: Casa da Cultura Digital
Geórgia Cynara: 9112-3393

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Helena Aragão
 

Oi Georgia. Sem querer parecer insistente... Você não acha que seria melhor postar isso na Agenda? Você fala da estréia, dá o serviço, quando você posta lá tem espaço para cada um desses itens. Digo isso porque o Overblog é um espaço mais destinado à opinião, aos artigos, que a divulgação propriamente dita. Mas também porque acho que na Agenda é muito mais fácil vc conseguir votação para esse tipo de conteúdo! Valeu!

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 3/8/2006 19:45
sua opinião: subir
Georgia Cynara
 

Bom dia, Helena.
Antes de postar no Overblog, acatei sua sugestão e visitei a Agenda. Por me parecer não haver espaço para info mais detalhada, como você deve ter notado ao ler a matéria, resolvi, novamente, postar aqui.
Obrigada pela compreensão.

Geórgia

Georgia Cynara · Goiânia, GO 4/8/2006 08:34
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados