Flor da Pedra

Corte de Adroaldo Bauer do Folheto/Divulgação do lançamento
Há flor e poesia na pedra. E o nome dela é Cida Almeida
1
Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS
1/12/2008 · 289 · 31
 

Cida Almeida é poeta que não teme a esfinge, que nos interroga a todos na jornada. Alma atenta, observa no desafio pedra por pedra do caminho.
Percebe nele e nelas as belezas do tempo, do chão da estrada, do vôo do pássaro, das flores que abrem lentas, dos colibris mesmo que se recolhem no inverno, para algum lugar em que apenas o coração vê.
Por tempos se afasta disso, e é apenas uma pessoa comum, como colega jornalista, como bacharel de direito, como filha, como irmã apaixonada pela família, como zelosa criatura cujas perdas são pranteadas, mas não lhe são carga, e sim doces recordações, como do avô intrépido aventureiro, da mãe zelosa da fortaleza física dos filhos tantos que gerou.
Ama o pai, ama a natureza, ama as pessoas.
Cida Almeida ama, sobretudo, a poesia que encontra nas palavras e mesmo as palavras todas, a velocidade ou a lentidão delas, do que muito sabe; o vigor ou a docilidade graciosa que revelam... A paz ou a força bruta que denotam.
Assim é que ama os poemas também e, arrisco, tem em Manuel Bandeira um guia para esse amor ao verso.
Cida Almeida ama e o diz com uma propriedade ímpar, como você vai encontrar nesse primeiro livro de poemas dela, embora, saibamos todas as pessoas que já a conhecem, sempre escreveu. E também haja dor.
Não conheço Cida Almeida pessoalmente, mas é como se sempre a tivesse a meu lado, desde que nos encontramos nas esquinas informatizadas da vida.
Pertencemos a esse mesmo novo Clube da Esquina, portanto...
É uma amiga que entrevisto, embora seja colega de profissão e eu até risque alguns versos toscos para deixar de mim aos meus.


Na apresentação desta primeira obra, a professora Maria Luiza Oswald, diz que há em Cida Almeida “poética da alteridade e produção de sentidos que põe fundura no amor que devotamos à palavra... porque escrever para o outro é inscrever-se no outro como tatuagem, e isso supõe eximir-se do esquecimento do outro”.

Quanto à leitura de Cida Almeida, Maria Luiza Oswald impressiona: “fui atravessada por sentidos adormecidos... Lendo Cida, meus sentidos explodiram: revivi, me reinventei. Só a palavra poética desentoca isso no outro, só a palavra que é forjada no mais intenso amor provoca no outro a experiência da pedra e da flor.”

O poeta Renato Torres, corrobora:

Eu espreito e temo o rolar da pedra
No rolar das pedras do dia
A pedra grande
A impensável pedra
Na fundura da espera (...)
A pedra inominável
A inarredável pedra.

Pedra que se move versus pedra inamovível – uma antítese que filosofa sem resposta, e que brinca de ser, transmutando-se. A pedra, em Cida, também é a flor. O mistério mineral, que, como no mito bíblico, ergue o barro que respira e fala – a palavra – e quer ressoar, um eco, até a última palavra.

Eu costumo dizer já há algum tempo que de poemas não se fazem resenhas.
Lê-se-os, até em voz alta; recortam-se trechos, diz-se-os, fazem-se cópias inteiras.
São sentimentos que deitam-se em palavras.
Escolho o trecho de um para ilustrar o que digo de Cida Almeida e seu Flor da Pedra.


A rosa metálica

Tilinta
No coar das tardes
A rosa metálica
Que o mágico tira da cartola

Tilinta
No eu infinito
A palavra
Abracadabra
Abra-cadabra
Abra cada
Dabra
E dobra
Dobra

Tilinta
Sem nenhuma magia
A Rosa
Metálica
No fundo da cartola
Desses dias de manhãs puídas
Dessas tardes sonâmbulas
Vagas noites que me engolem
...

Chegamos à entrevista, para conhecer um pouquinho da autora, porque Flor de Pedra você vai amar quando ler.

Adroaldo Bauer - Estás muito apreensiva, Cida, ou só muito feliz...
o filhote já cheirando à tinta?

Cida Almeida – Chegar até o cheiro da tinta é um processo sofrido e difícil, mas também de muito aprendizado. A edição do Flor da Pedra me deu novos referenciais. Mais do que escrever o livro, fazer o objeto-livro é uma aventura. Apreensiva? No começo fiquei muito apreensiva. Agora, às vésperas de deixar o livro-pássaro voar, estou muito feliz com o resultado e com o aprendizado. Espero estar preparada para o olhar do outro.

Adroaldo Bauer – Já tem a data do lançamento?
Cida Almeida – O lançamento será na próxima quarta-feira, 3 de dezembro, às 20 horas, na Fundação Jaime Câmara. O espaço da Fundação Jaime Câmara é maravilhoso, com uma galeria de artes, e tem apoiado os artistas goianos. Estou também preparando um blog do Flor da Pedra para o processo de divulgação do livro, depois do lançamento.

Adroaldo Bauer - Agora estás na boca do povo...
Cida Almeida - O que bate é aquela tamanha dúvida. Será que estou fazendo a coisa certa em me aventurar assim para a materialidade definitiva de um livro? O livro já está feito. E o resultado ficou muito bom. Está sendo publicado graças à Lei de Incentivo à Cultura do Município de Goiânia, que funciona muito bem e tem dado aos escritores goianos oportunidade de publicação. Apresentei o projeto e, sem que esperasse, foi aprovado. A partir daí, começou a aventura com a realização do projeto, o cumprimento dos prazos e a prestação de contas.

Adroaldo Bauer - O teu nome inteiro?
Cida Almeida - Maria Aparecida de Almeida

Adroaldo Bauer - Quantos são teus irmãos? Há mais algum das artes entre eles?
Cida Almeida - Somos cinco irmãos, três mulheres e dois homens. Meu pai, Jerônimo Duarte, é músico e poeta natos, isso sem ter escrito uma linha. É uma enciclopédia viva de música caipira de raiz. No aniversário dele de 73 anos, incentivado pelos acordes do meu sobrinho de 15 anos, que toca muito bem violão e viola (apaixonou-se pelo instrumento por influência do meu pai), decidiu entrar junto com ele num curso de viola. Na primeira aula já estava ensinando o professor e não ficou nem um mês no curso. Não posso nem dizer que toca de ouvido. Por um método lá dele, vai dedilhando e tirando a música do fundo da memória. De vez em quando ele dispara a falar algumas coisas que deixa todo mundo embasbacado, como a análise de um quadro que tinha a imagem de Van Gogh dentro de um vaso de areia. Foi um delírio artístico estupendo! A minha irmã caçula, Jordanna, toca piano, é professora de música e mestranda na área pela UFG e que, por sinal, escreve muitíssimo bem, fato que só descobri agora. A minha outra irmã, Gisélia, é fotógrafa. Mas o artista mesmo, lá em casa, é meu pai. Meu pai sempre foi o sonho, o delírio que habita todos nós. Já minha mãe, Diva (que faleceu há três anos), sempre foi o feijão, a praticidade em pessoa.

Adroaldo Bauer - És natural de onde?
Cida Almeida - Eu nasci em Jandaia, município distante 100 quilômetros de Goiânia, numa fazenda que o meu avô, Belisário, ajudou a abrir. Ele veio de Minas para Goiás em carro de boi. Vivo em Goiânia, desde criança, em Campinas, bairro que nasceu antes de Goiânia.

Adroaldo Bauer - Inda atuas na imprensa?
Cida Almeida - Além de Jornalismo, também fiz Direito. Fiz os dois cursos praticamente ao mesmo tempo, pela Universidade Federal de Goiás. Estudava pela manhã e à noite e trabalhava à tarde. Saí da faculdade e ingressei no mercado de trabalho. Fui repórter dos jornais Diário da Manhã e da sucursal de Goiânia do Correio Braziliense. Trabalhei como repórter em todas as áreas. Acho que só não enveredei pelo esporte. Fiquei um bom tempo em editorias de política, cultura e especial. Mas, do que gostei mesmo, foi ser repórter de Cidades. E uma das provas de fogo foi a cobertura do acidente radioativo de Goiânia, ocorrido em 1987. Atualmente trabalho com assessoria de imprensa na área de ciência e tecnologia.

Adroaldo Bauer- Quando te sentiste poeta?
Cida Almeida - Sempre gostei de escrever. Isso começou por volta dos 13 anos. A opção pelo jornalismo aconteceu como um caminho natural de alguém que gostava da palavra e, principalmente, da palavra escrita. Acho que desde sempre. Desde que me entendo por gente.

Adroaldo Bauer- Essa tua timidez de poeta (ou poetisa)?
Cida Almeida – Tanto faz. Mas poeta me agrada mais que poetisa pela sonoridade. Quando digo, sou poeta, encho a boca e a alma. E adoro aquele verso do Maiakóviski: “Sou poeta. Isso é o que me faz interessante”.

Adroaldo Bauer - Desde sempre é diferente! Vem dizer que és pessoa que escreve. Escrever é uma coisa, a poesia te cobra que ponhas as letras em torrente no rumo que a alma impõe...
Cida Almeida - Aos 20 anos eu já tinha uma produção, em poesia, que me agradava muito. Se não me engano, em 87, cheguei a ter um poema classificado em 3º lugar num concurso do Centro Acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás, que rendeu até a publicação em um livrinho artesanal. Isso me encheu de contentamento. É um poema que caberia muito bem no Flor da Pedra. Dos 20 aos 25 anos também produzi muito para as gavetas. E só retomei a coisa em 2005. Dei aquela parada brusca e fui pra vida.

Adroaldo Bauer – Parou como?
Cida Almeida - Como a poesia era muito exigente, decidi viver, tocar a vida em frente. E a poesia me agarrou de novo pelos tornozelos. A poesia é muito exigente, acaba virando uma compulsão. Então, desliguei tudo, para não deixar brechas. E foi num momento de extrema fragilidade que a poesia me pegou de jeito novamente e devolveu a alegria e o prazer da palavra. Tem um poema do Flor da Pedra, o Ela, em que falo exatamente desta relação exigente da poesia, que pode ser resumida num verso: Ela bailarina/Eu sapatilha.

Adroaldo Bauer - Pensavas que podias deixá-la ali, dormitando, a um canto, sem que te viesse a incomodar ou a percebia te vigiando, querendo te assaltar alguma noite, algum dia de chuva forte, numa outra tarde de primavera?
Cida Almeida - A poesia sempre vinha. De um jeito ou de outro. Eu só não deixava mais brechas para ela escorregar para o papel. As minhas imagens mentais, as minhas construções verbais, mesmo em pensamento, sempre foram muito poéticas.

Adroaldo Bauer - Quando te apercebes que já era um livro que podias editar, não mais versos soltos, ou histórias isoladas, separadas?
Cida Almeida - Quando comecei a publicar na Internet foi uma espécie de sentinela para a disciplina do ato de escrever diariamente ou pelo menos com mais freqüência. Aí, ficou mais fácil organizar os poemas e sistematizar uma proposta de livro. O grande teste aconteceu na Internet, com a publicação no blog e, principalmente, no Overmundo (um site sobre cultura produzida por brasileiros). O retorno imediato das impressões dos leitores acaba por encher a gente de coragem. Os poemas que compõem o Flor da Pedra foram feitos ao longo dos três últimos anos, de 2005 pra cá. Poemas que eu fazia e publicava na rede. Uma produção despretensiosa. Fui retomando o gosto pela escrita, pela poesia. Uma coisa muito prazerosa. Com certeza foi o período da minha vida em que mais produzi. Não só poesia, mas crônicas, artigos.

Adroaldo Bauer – Todos estão já na web ou há inéditos?
Cida Almeida – A maioria publiquei na Internet. Mas, alguns só estão no livro.

Adroaldo Bauer – Como foram a produção, a editoração...
Cida Almeida – Quando decidi publicar o livro, no começo de 2007, procurei o jornalista e escritor Itamar Pires Ribeiro, que é meu amigo e o melhor editor de livros de Goiás, já foi presidente do Instituto Goiano do Livro. O Itamar fez todo o projeto visual do livro, capa e miolo, além da organização dos poemas. E também está lançando o seu sexto livro (contos), Histórias da Terra Vazia, uma semana antes do meu.

Adroaldo - A decisão de mandar projeto para financiamento público foi de quando e tu mesmo preencheste a papelada ou pedste ajuda a algum produtor?
Cida Almeida - O livro já estava pronto. Amigos me incentivaram, cutucaram, insistiram para que eu participasse do edital. O mais importante eu já tinha, que era a proposta de livro, com o material todo organizado. Li o edital com um amigo escritor, Antônio Carlos, que já tinha uma experiência no ramo e partimos para a papelada, contas, orçamentos, tabelas, justificativas, propostas de contrapartida como forma de promover a socialização do produto incentivado...

Adroaldo Bauer - Tens um programa acoplado, do tipo conversar com leitores, destinar parte da produção a bibliotecas comunitárias, escolares, populares...
Cida Almeida - Além do lançamento geral, que acontecerá na Fundação Jaime Câmara, fiz pré-lançamentos em cinco escolas da rede municipal na periferia de Goiânia, todas em bairros da Região de Campinas, onde cresci e vivo até hoje. Uma delas, Escola Municipal Padre Pelágio, foi onde conclui o primário. Foi muito gratificante voltar à escola. A diretora de lá estudou comigo na escola que dirige hoje. A conversa com as crianças foi animadora. Encontrei uma escola envolvente, criativa e participava, com sala de leitura e os alunos envolvidos com arte como atividade extracurricular. Foi muito bom narrar para elas a minha experiência na escola e com o mundo da leitura. A Jordanna Duarte, minha irmã, deu um toque especial a esse pré-lançamento. Ela construiu uma historinha para uma apresentação cênica de quatro poemas do Flor da Pedra, com cartola, flor e peneira. Também doei livros para as bibliotecas e salas de leitura dessas escolas.

Adroaldo Bauer - A sessão de lançamento vai ser um sarau ou só receberás os convidados, interessados? Alguém já musicou algum poema teu que está no livro e vai tocar lá na hora e cantar. Alguém está fazendo isso para te dar de presente ou te surpreender, mas já sabes?
Cida Almeida – Haverá, durante o lançamento, um pequeno recital de poesia do Flor da Pedra, com participação da atriz e diretora teatral Valéria Braga, o professor de literatura e escritor Álvaro Catelan – responsável pela formação de muita gente boa -, dos músicos Jordanna Duarte e Hermes Soares. Fui num ensaio deles e fiquei surpresa quando a Valéria e o Rodrigo Cunha, ator que tem um trabalho fantástico com percussão vocal, improvisaram um rap com o poema Palavra de Mover Montanha. Fiquei extasiada, porque ficou lindo, lindo. Pedi que eles repetissem a brincadeira no recital do lançamento...

Adroaldo Bauer – Uma festa grande, sarau completo, então...
Cida Almeida - Mas a minha ambição com o Flor da Pedra é levá-lo para o palco. Eu gostaria muito de ver o Flor da Pedra nas mãos de um Hugo Rodas, diretor teatral de primeiríssima grandeza que mexe profundamente comigo. Depois de ver um trabalho do Hugo Rodas, o olhar da gente muda completamente. Também gosto de sonhar.

Adroaldo Bauer - A capa do livro é já esse teu sonho, um azul cascalho (seixo rolado) e um vermelho antigo. Quem a fez?
Cida Almeida – Capa, ilustrações, projeto gráfico, tudo do Itamar Pires. As ilustrações foram feitas a partir de fotos, muitas delas minhas. O livro tem um formato quase quadrado. A parte cinza, pedra vulcanizada, com essa marca menor, em formato de livro, com o nome Flor da Pedra, em vermelho, onde se pode visualizar na pedra em alto relevo um formato de asas. É uma capa muito sugestiva, que casou perfeitamente com a proposta do livro. Dá margem a algumas abstrações.

Adroaldo Bauer – É, mas é pedra, guria!
Cida Almeida - Sim. Mas o camarada tem que forçar muito a vista para ver a dimensão da pedra.

Adroaldo Bauer - Nada. Salta aos olhos. Está no título. E na imagem em camadas. Quantas páginas? E as ilustrações?

Cida Almeida – 160 páginas e muitas ilustrações.

Adroaldo Bauer – E a venda? A distribuição para livrarias? Vais vender pela Internet, pelo blog, entregar pelo correio?

Cida Almeida – Mais do que a publicação, o grande problema para os autores é a distribuição do livro. A distribuição do meu livro será feita pela Editora Kelps, aqui de Goiânia. Ainda estou acertando detalhes. Mas pretendo, sim, vender pela Internet, que é um meio muito ágil de se chegar ao leitor. Tenho comprado muito pela Internet, direto dos autores. O preço do livro é R$ 20,00.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Benny Franklin
 

Grande mostra, Aldro!

Cida é dessas poetisas que a mesa do mundo precisa como alimento.

Boa sorte a ela!

Bom trago o seu!

Em tempo: Em março, também lançarei meu parco livro de poesias.

Abçs.

Benny Franklin · Belém, PA 28/11/2008 14:12
sua opinião: subir
crispinga
 

Anotada a sugestão, querido poeta!
Volto depois, com calma, para ler a entrevista e conhecer um pouco mais a Cida.
bjk

crispinga · Nova Friburgo, RJ 28/11/2008 15:03
sua opinião: subir
Helena Aragão
 

Parabéns por essa conquista, Cida! E valeu, Adroaldo, por essa entrevista bacana. Abraços

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 28/11/2008 15:42
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Esse livro da Cida, que já o tenho em pdf e estou degustando lentamente, foi dos que mais aguardei e torci para que saísse a público em 2008. Tornei fã absoluto dela aqui em Overmundo. Aprendo um tanto a mais sempre que a Cida posta, quando conversamos sobre literatura.
Grato pelas presenças, Helena, Cris, Benny.
Ternos abraços.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 28/11/2008 15:52
sua opinião: subir
Noelio Mello
 

Adroaldo,
Sempre é um imenso prazer ouvir falar de Cida. Logo que entrei no Over nunca deixei de admirar suas obras. Tanto na poesia, como nas suas belas fotografias. Cida sempre me pareceu um coração terno. lendo sua entrevista sei agora que filhos de almas poeta
seguem o mesmo caminho.
Cida é sempre foi um dos melhores cardápios para os olhos famintos de beleza e arte.
Parabéns, Adroaldo, pela entrevista e transmite para a Cida a minha alegria de lhe desejar o sucesso que merece.
Abraços
Noélio

Noelio Mello · Belém, PA 29/11/2008 00:18
sua opinião: subir
rosa melo
 

Que lindo Bauer!
Ahhhh! Fiquei com o gostinho na boca...na pedra...na dobra...
Tem como conseguir dizendo "abracadabra"?

Maravilhoso Cida! Parabéns pelo post Adroaldo Bauer.

Abraço com gosto de poesia.

"não se perca de mim, não se esqueça de mim, não desapareça."

rosa melo · Pio IX, PI 30/11/2008 22:11
sua opinião: subir
graça grauna
 

graça grauna · Recife, PE 1/12/2008 09:21
sua opinião: subir
Higor Assis
 

Muito bom mesmo. Parabéns Cida pelo Livro e Adroaldo pela entrevista.

Estou curioso por ler este livro.

Higor Assis · São Paulo, SP 1/12/2008 12:48
sua opinião: subir
JACINTA MORAIS
 

ADROALDO,
VC é exemplo a ser
Seguido...
Todas as lutas
Intensas,
Culminam
Em realizações!
Parabéns por essa,
Tempestade
De bondade...
Abraços,
Deus é luz
Eterna!
CIDA,lindíssimo
PRESENTE,
Boa semana.

JACINTA MORAIS · Cascavel, PR 2/12/2008 00:46
sua opinião: subir
raphaelreys
 

Beleza otrabalho da maestrina poeta meu caro Adroaldo! Divagações, momentos, metafísicas da vida e da alma plástica! Parabens pelo apresentação! De prima! Um forte amplexo na poeta!

raphaelreys · Montes Claros, MG 2/12/2008 09:44
sua opinião: subir
alcanu
 

Adroaldo, desse jeito você vai acabar dando ( não pra um... ) um ótimo jornalista ! sabe vender o peixe alheio, assim como o seu, se entusiasma com o texto da moça, nos envolve nessa trama, acabam sendo os dois fabulosos, amigos, amigo quer que o outro brilhe, certo, o mundo é suficientemente abrangente pra todos nós!
Viva Adroaldo, viva Cida !
O mar está cada vez mais pra peixe, mesmo !
Perfeita a tua recaída gaucha, tchê, com gosto de chimarrão, guri !
sou santista, também falo tu !
Um beijo, muchacho !
Um beijo, querida Cida !

alcanu · São Paulo, SP 2/12/2008 11:21
sua opinião: subir
raphaelreys
 

Meu voto e meu abraço a poetiza!

raphaelreys · Montes Claros, MG 2/12/2008 13:24
sua opinião: subir
Sinvaline
 

Adroaldo que bela entrevista, Cida Almeida é uma das colaboradas favoritas, além de você. Vou já adquirir o livro porque com certeza é um mar de palavras sábias e lindas. A Cida escreve e leva o autor a sonhar e sonhar...

bjs
sinvaline

Sinvaline · Uruaçu, GO 2/12/2008 14:43
sua opinião: subir
Andre Pessego
 

Professor, tive entre os primeiros contatos aqui no overmundo a Cida Almeida, até devido ao meu amor por Goiás, primeiro abrigo na minha vida de retirante.....
Mas estou arquivando para reler. Relendo se ver melhor
abraço pros dois - o Prof. Adroaldo e a Cida Almeida

Andre Pessego · São Paulo, SP 2/12/2008 17:44
sua opinião: subir
Claudia Almeida
 

Parabéns pra Cida ,lançamento e teu talendo Adroaldo!Beijos

Claudia Almeida · Niterói, RJ 3/12/2008 02:23
sua opinião: subir
Ailuj
 

Adroaldo e Cida
Parabens,depois vou reler bem calmamente
Beijos

Ailuj · Niterói, RJ 3/12/2008 03:19
sua opinião: subir
Omar Costa de Umbro
 

meu voto e parabéns

Omar Costa de Umbro · São Paulo, SP 3/12/2008 09:44
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Adroaldo e Cida,
ao primeiro poeta, parabéns pela iniciativa da divulgação, à qual me engajo desde já, por dívida de gratidão e promessa; à segunda, pela poesia que me gratificou, pela Flor de Pedra que, para mim - que também tive o privilégio de lê-lo a priori - será sem dúvida o lançamento do ano, em poesia. A força dos versos de Cida é a mesma do cerrado goiano, com sua aridez e suas cores, sua poesia é feita de chão e chuva, de seca e suavidade, de pedra e húmus e orvalho e semente e flor. Por isso sua poesia faz a gente pensar em Deus e nos homens, na sofisticação simples da escrita, na humildade que engrandece o verso, a vida. Se houver venda alternativa, desde já encomendo-lhe um exemplar autografado. Diga-me somente como proceder para concretizar a compra. E, do fundo da alma, receba meus votos de sucesso que, tenho certeza, já lhe disse, se concretizará.

Um beijo em ambos os poeta, Adroaldo e Cida.

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 3/12/2008 11:38
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Cida e Adroaldo, desculpe-me o equívoco acima: leiam "pela Flor da Pedra".
Bjs

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 3/12/2008 11:40
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Omar, Julia, Claudia, Mestre André, Sinvaline, Raphael, Jacinta, Higor, Graça, Rosa, Noelio, Helena, Cris, Benny... e tantas outras queridas pessoas que aqui estiveram, leram, estarão, vão ler e, principalmente, se emocionaram ou se emocionarão com o trabalho belo publicado por Cida Almeida que vai a lançamento hoje...
Agradecido de todas as maneiras que possa haver de amar e agradecer.
Fiquei feliz.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 3/12/2008 11:44
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Alcanu, agradeço também tua presença e comentário sempre espirituoso desse teu modo que aprendo a entender mais lentamente (eu já dei, só estava matando as saudades, se me entendes: e pelo que se viu, acho que dei certo outra vez).

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 3/12/2008 11:47
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Nivaldo, que puta brinde fazes! Dissestes tudo e mais. Sou grato. fiquei ainda mais feliz, se isso é possível.
---
As pessoas podem estar ansiosas pela presença da Cida aqui, mas todas nós sabemos o que é uma pessoa na sala de parto ou na ante-sala dela... Não temos atenção para mais que não seja a cria que vem à lume.

Feli_CIDA_des!

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 3/12/2008 11:51
sua opinião: subir
crispinga
 

Querido,
Ainda não lí a entrevista da nova mamãe mas chamou-me a atenção a falta da foto na primeira página. Algum problema?

crispinga · Nova Friburgo, RJ 3/12/2008 12:21
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Cris,
Não alcanço a dimensão da tua dúvida.
Não sei a que momento te referes.
Agora, como desde a edição, a foto que acompanha o postado sempre esteve com ele e não foi mudada.
É um corte do folheto de divulgação.
Elas me foram enviadas pela Cida.
Quando não é o primeiro assunto da capa, o postado não abre lá na capa a foto, apenas o título e de quatro a cinco linhas do conteúdo, não é isso?
Só quando acionamos o linque para ler mais é que se revela a foto, quando o postado está em posição de segundo em diante.
Em síntese, penso: problema algum há.
Grato por tua presença.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 3/12/2008 14:04
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

quis escrever em síntese, penso: não há problema!

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 3/12/2008 14:05
sua opinião: subir
Juliaura
 

Estou encantada com Flor da Pedra. Agrade_Cida.

Juliaura · Porto Alegre, RS 3/12/2008 15:30
sua opinião: subir
crispinga
 

Oi querido,
O problema talvez seja no meu PC, a foto não abre!
Então, tudo bem! ufa
bjk

crispinga · Nova Friburgo, RJ 3/12/2008 23:18
sua opinião: subir
Cida Almeida
 

Ufa! Finalmente consegui aportar por aqui, depois de uma longa ausência. Peço desculpas a todos. É que tive uma semana difícil com a perda de uma pessoa muito querida, a dona Odina, justamente às vésperas do lançamento do meu livro – que só não foi adiado por absoluta impossibilidade de fazê-lo. A notícia boa é que o lançamento do livro foi um sucesso! E a receptividade também muito boa, com críticas elogiosas.
Mas o grande e inesperado presente foi a matéria do Adroaldo aqui. Sinceramente, não esperava tudo isso. E aqui, preciso contar um pouco dessa história. Foi numa quase-madrugada de julho que o Adroaldo me encontrou na rede (fato raro) e engatilhou uma conversa que me deixou atordoada. Ele umas três perguntas de dianteira e eu ainda patinando na primeira. Parecia samba do crioulo doido. Confessei o meu desconforto em dar entrevista e que gostava mesmo era da confortável posição de entrevistadora.
Não imaginei que aquela nossa conversa fosse render esse retrato de alma inteira. Bem, deixei aquela nossa conversa com jeitão de entrevista (que chegou a me apavorar) em stand by e fui cuidar de tecer as asas do livro-pássaro. Tudo pronto, hora de distribuir convites. Adroaldo, claro, primeiríssimo da lista. Ainda nem tinha pensado em divulgação e faltando apenas uma semana para o lançamento do livro, confirmando aquela história de que em casa de ferreiro o espeto é mesmo de pau. Ao responder o e-mail do meu convite, Adroaldo, polidamente, desejou muito sucesso e perguntou, meio que ressentido, se não havia me interessado pela entrevista. Resposta imediata: não só me interessava como contava com ela para iniciar o processo de divulgação do meu livro. E não poderia ter tido melhor começo ou estar em melhores mãos.
Na matéria saltam aos olhos do leitor a generosidade, o fôlego e a dedicação do Adroaldo. Esse é um presente para a vida toda! E o bom disso tudo é que o meu livro de certa forma expressa um pouco da arte do encontro. Escrever para o outro, inscrever-se no outro como tatuagem – como disse Maria Luiza Oswald – e, convictamente, escrever para encontrar o outro, sinto-me gratificada por um feito do meu livro: conter uma certa conotação de religação de Brasil, mediada pelo mundo virtual, o Overmundo. Assim como Mário de Andrade, me sinto um pouco em estado de graça por poder contar com a cumplicidade de irmãos do Sul e do Norte, eu que tenho minhas raízes profundamente fincadas no coração do Brasil, aqui nessa grandeza de sertão do Planalto Central que me habita. Imaginem o privilégio: apresentação do Flor da Pedra por Maria Luiza Oswald, uma educadora que cativa pelo olhar amoroso e sempre pedagógico, do Rio de Janeiro; prefácio, do músico e poeta Renato Torres, que tem uma poesia de primeira grandeza, de Belém do Pará; primeira matéria nacional feita por um jornalista piauiense-gaúcho. É ou não um fabuloso encontro de brasilidades? Estou muito bem acompanhada!
Adroaldo, guri, continue escrevendo com a mesma paixão, determinação e encantamento que produziram O Dia do Descanso de Deus. Sinto-me privilegiada por tê-lo como amigo. Interessante você ter feito referência a esquina, justamente uma das recorrências de Mário de Andrade, por abrir um mundo de possibilidades. Dobrei a esquina e um admirável mundo novo se abriu.

Muito obrigada a todos.

Mais do que Agrade_Cida. Um abraço danado de afetuoso!

Cida Almeida · Goiânia, GO 8/12/2008 12:53
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Cida,
Externo publicamente as condolências que já te alcancei e às pessoas tuas e nossas amigas naquela hora difícil.

Agradeço tua gentil presença e sensível percepção.
Sim, ia eu ficando um tanto triste de que, por razões profissionais e técnicas, não pudesse estar mais em teus planos aquela nossa tão estimulante conversa, que tanto bem me fizera, eu saído daquele acidente horroroso, animado por teus planos e por nossas trocas.
É de coração transbordante de felicidade, sim, que te agradeço e foi como fiz o que combinara contigo, uma entrevista de apresentação para o Overmunde, que acaba saindo também um trecho no Shvoong, um trecho de página inteira no Fala Brasil de Dezembro, e uns detalhes no Retorno Imperfeito, o meu blogue.
Bem... além de seres a pessoa que respeitamos pela qualidade da contribuição aqui, para nossa fruição e aprendizado, és também poeta de prima a quem, eu pelo pelo menos, aplaudo de pé, o talento, a simplicidade, a paixão... as luzes que tuas palavras nos alcançam.
Recolho feliz teu abraço.
Beijo, amiga.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 8/12/2008 13:29
sua opinião: subir
Renato Torres
 

adroaldo,

recolhi, tão tardiamente, esta tua maravilhosa entrevista a nossa querida poeta cida almeida, depois de longa ausência do overmundo, e venho contar da minha emoção - esta nunca tardia, sempre viva, como a arte impressa nas palavras de vocês dois.
uma honra imensa ter escrito o prefácio do flor da pedra - prefácio cuja trajetória tortuosa de elaboração me custou muitos pedidos de desculpas à cida, sempre tão paciente com minhas atribulações de uma vida de músico agitadíssima!... contudo, sua satisfação, impressa em palavras de gratidão, me deixou num enlevo de quem mal acreditara no que tinha conseguido fazer: escrever sobre uma poeta a quem conhecera há pouco tempo, a quem nunca encontrara pessoalmente, tentando adivinhar em seus textos poéticos quem era, o que pretendia com sua poesia, o que era esta sua flor pétrea, ou seja: um risco total!...
daí te entendo perfeitamente, mano adroaldo: que sorte sermos (ou nos sentirmos) amigos dela! que sorte ela ser assim, tão generosa quanto talentosa!
bom, depois de tudo isso, pretendo publicar o prefácio que escrevi, como forma de continuar a alavancar leitores para este ótimo livro de cida, uma poeta que não se furta a mostrar-se tremendamente humana, como somos todos nós, numa poesia que nos aproxima do Brasil.

abraços,

r

Renato Torres · Belém, PA 23/9/2009 01:19
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Um convite à prosa
http://www.overmundo.com.br/overblog/o-imperio-bandido-avanca

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 27/8/2010 19:38
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

zoom
zoom

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados