FREVO E IDENTIDADE CULTURAL

OSVALDO BARRETO
1
Marcos André Carvalho Lins · Recife, PE
23/3/2007 · 169 · 7
 

No Brasil, a identidade cultural, particularmente no segmento musical, é algo bastante debatido e questionado. Nesse campo, estamos mais próximos de uma “arruaça” cultural do que propriamente de uma identificação de norte a sul. Haja vista uma das nossas vitrines principais ter justamente como caráter intrínseco a ausência de algo que engesse, mesmo que superficialmente (como acontece em outros países ), este tão importante aspecto doutrinário. O carnaval tem, pois, como linha mestra, a miscigenação e pluralidade de ritmos, melodias e letras. Uma espécie de caos controlado à proporção da necessidade de alheamento da população de suas próprias raízes mais remotas. Há uma abundância de gostos, de cores, de apelos visuais, mas principalmente uma miríade quase infinita de informações mediadas por compassos e descompassos de áudio.

Ora, o nosso carnaval é uma festa tipicamente brasileira, para a qual não caberiam invasões alienígenas advindas de outras culturas. Não obstante, o aspecto de dominação encontra-se presente e de modo relevante. Não à toa sustenta-se tal afirmativa dentro da atual conjuntura carnavalesca pernambucana. Parte-se da idéia de uma sujeição do nosso frevo a uma competição desigual e traiçoeira com os demais ritmos festivos.

Há prós e contras nesse impasse rítmico.

Por um lado, composições como o axé-music e o samba são produto de todo um trabalho árduo voltado para a conquista do seu público particular que, em muito pouco difere, ao menos idealmente, de outros bolsões culturais do nosso país. A identificação do folião pernambucano com a música baiana ou carioca não deveria causar espanto, pois trata-se de uma mesma língua defendida dentro de um mesmo território e cuja posição acidental não elide fatores como educação, acesso a informação e conjuntura sócio-econômica.

Não obstante, há de ser sublinhada aqui a participação de mecanismos vis no que diz respeito a esta identificação. O primeiro e principal instrumento de massificação musical é a mídia, cujo alcance longitudinal e concentração em mãos de poucos, acaba por nivelar a formação musical do brasileiro dentro de uma visão puramente econômica e mercantilista sem levar em consideração a contribuição para a diversidade, a originalidade e a representatividade sócio-histórica de determinada manifestação.

O estado, por seu turno, intervém através de uma regulação direta, censurando ou incentivando por meio de leis a execução deste ou daquele ritmo; através de uma postura substitutiva , atuando ele mesmo como produtor de espetáculos, ou ainda numa regulação indireta por intermédio de subsídios, isenções ou privilégios ao setor fonográfico e artístico.

A questão primária, e extremamente complexa, determina a seguinte proposição: será que o nosso frevo sobreviveria e se sobressairia com um aporte maior de capital particular ou com uma intervenção estatal de peso ? Em outras palavras seriam a mídia e o apoio governamental decisivos na aceitação pelo público de uma melodia tão incomum quanto contagiante como o nosso frevo?

A resposta definitiva talvez nunca teremos. Todavia, nada impede uma investigação , ainda que superficial, meramente especulativa, sobre o assunto.

O âmago do problema, ao nosso ver, encontra-se no re-ordenamento cultural em termos de aprendizado musical. Há de se empregar uma educação, desde a mais tenra idade, voltada para o respeito às origens musicais, à sua evolução e ao seu conteúdo. Ou seja, ensinar, a partir da infância, aos futuros cidadãos a “assoviar” ritmos da terra. Não passar recibo para o bairrismo desenfreado contemporâneo, mas revelar, aos menores, princípios de harmonia, ritmo e composição. Assim como estimular, já nos bancos escolares, a execução espontânea de pesquisa e criação nesta área relegada atualmente a planos inferiores.

Outro prisma a ser visto é quanto à noção estrutural de purismo na área musical. Cabe aos educadores desmistificar esse aspecto tão arraigado no nosso frevo cuja conseqüência importante é a sua limitação. Inovar , também no frevo, transformar e consumar uma “oxigenação” do sangue venoso da nossa cultura, proporcionando, em última análise, uma mutação, sem descuidar de seu mister emblemático.

Contudo, nada nos parece possibilitar antever o destino do nosso querido frevo. Talvez devêssemos considerar critérios como um enraizamento, quase religioso, deste, à geografia humana pernambucana. Talvez apenas dentro deste contexto, de província cosmopolita, ele faça sentido. A exemplo de outras manifestações populares como a ciranda.

Quem sabe não está em Pernambuco o início, o meio e o fim deste ritmo que parece ferver a alma?

Apenas o tempo dirá.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Ana Cullen
 

Ótimo texto e reflexão Marcos! Aqui em Brasília, o carnaval de rua mais famoso é movido à frevo, é o Galinho de Brasília. Mas o carnaval de Brasília é muito vazio, a maioria das pessoas viaja.
Realmente precisamos de mais manifestações culturais regionais em outras regiões que não a de origem, tive oportunidade de conhecer um pouco diso no Festival Brasília de Cultura Popular, organizado por um grupo daqui, o Seu Estrelo e o Fuá do Terreiro.
Vamos usar o Overmundo para conhecer cada vez mais essas manifestações regionais, para divulgar e para fazer contatos que possibilitem o "intercâmbio de carne e osso"!
Abraços!

Ana Cullen · Brasília, DF 21/3/2007 11:44
sua opinião: subir
Marcos André Carvalho Lins
 

valeu ana, pelo incentivo e pelos links.
abração,

Marcos André Carvalho Lins · Recife, PE 21/3/2007 17:53
sua opinião: subir
Ana Cullen
 

:o)
Por nada! Disponha...
Abraços!

Ana Cullen · Brasília, DF 22/3/2007 11:07
sua opinião: subir
Spírito Santo
 

Gostei muito,Marcos!
Abs,

Spírito Santo · Rio de Janeiro, RJ 23/3/2007 12:30
sua opinião: subir
Marcos André Carvalho Lins
 

abraço, spirito santo.
obrigado,

Marcos André Carvalho Lins · Recife, PE 23/3/2007 12:53
sua opinião: subir
peninha
 

Sou mineiro e acho o FREVO uma musica, uma manifestação cultural extremamente fantástica. Não há quem não se contagie.
A primeira musica de FREVO que escutei na vida, foi EVOCAÇÃO. Eu tinha 11 anos (há mais 40 anos) e ia pra casa de minha avó(pois lá tinha uma Radiola) e ficava escutando os discos que ela tinha.
E ela sempre que me via chegar dizia: "Já sei, já sei, - vó põe aquela da Alta madrugada pra mim?" e eu ria satisfeito...
Parabens pelo texto e briguem pelo FREVO. Se precisar ajuda, convoque os Mineiros...

peninha · Butão , WW 23/3/2007 22:06
sua opinião: subir
Luizao Ouro Preto
 

Vamos brigar cambada, por nossa tradições, nossa terra, nossa gente. Isso aí!

Luizao Ouro Preto · Ouro Preto, MG 25/3/2007 14:34
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados