Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

Hip Hop + Cordel (ou Onde a onça vai beber água)

Os Agentes no teatro Vila Velha
1
Vânia Medeiros · Salvador, BA
8/5/2006 · 147 · 7
 

Num bate papo cheio de causos e rimas, dois membros do grupo cultural Rap'ensando Sussuarana (de cujo trabalho falamos em matéria anterior publicada aqui no Overmundo), Sérgio Bahialista e Danilo Araújo contam “colé de mermo” (em bom baianês) dessa história de hip hop e cordel na comunidade deles. Além de fazer parte do Rap'ensando, Sérgio é cordelista e integrante do grupo Simples Rap'ortagem, um dos mais conhecidos e respeitados de Salvador, e Danilo - ou CEIS, seu “nome de guerra” no hip hop -, é designer e rapper do grupo Os Agentes, que tem despontado pelos encontros e festas que “pipocam” pela cidade afora.

Vânia: Então, galera, como foi mesmo que começou essa história de Cordel com hip hop na Sussuarana?

Sérgio: Começou com um pipoco lá (risos). Na verdade foi uma provocação minha mesmo. Quando o Rap'ensando começou, os grupos que se articularam pra formá-lo, na sua maioria, trabalhavam com os elementos da cultura hip hop, principalmente o rap e o graffiti. A gente começou nossa atuação trabalhando com esses dois elementos, fazendo oficinas. Paralelo a isso eu tinha meu trabalho no CRIA [Centro de Referência Integral de Adolescentes, ONG que trabalha com teatro e poesia e apóia os projetos do Rap'ensando], com cordel. Daí surgiu a idéia de levar isso pra a comunidade, agregando à nossa atuação no grupo, nas oficinas mesmo. Daí muitos meninos e meninas que participavam passaram a fazer rap e colocar também no formato de cordel. Passou a ter essa fusão. Os desenhos feitos por eles na oficina de graffiti, por exemplo, passaram a ilustrar as capas dos cordéis. Então passou a se fazer essa ligação muito forte na Sussuarana. Mas isso não é uma coisa que acontece em Salvador inteira, é mais uma característica da Sussuarana mesmo, que começou quando eu provoquei o pessoal, com esse novo elemento. Pessoas que já faziam rap lá passaram a utilizar a linguagem do cordel. O grupo os Agentes pegou uma música deles, chamada “Para o aprendizado das crianças” e transformou também em um livreto. Porque o rap e o cordel são muito semelhantes na forma de rimar, na métrica...

Danilo: Tem uma música nossa em que a gente diz que o cordel é o avô do rap (risos).

Sérgio: É por conta dessa semelhança mesmo, tem uma musicalidade, um ritmo, a coisa da rima, da métrica. Conta uma história, tem uma narrativa. O pessoal começou a perceber que o cordel estava muito dentro da nossa cultura e que tinha tudo a ver com rap. A primeira “fusão”, o primeiro produto dessa mistura foi justamente esse trabalho d'Os Agentes, que é um rap no livrinho de cordel. É como muitos cantadores repentistas fazem até hoje. Acontece muito de eles pegarem a música que fazem e colocar no livrinho de cordel.

Vânia: E como é que a galera do hip hop vê isso? Por que tem essa história dos quatro elementos e ai vocês colocam o cordel no meio... o que eles acham?

Danilo: Olhe só. A maioria do estilo de métrica do rap que eu conheço é ligada à quadra. Entendeu? Mesmo que a pessoa não siga rigidamente, tem a quadra envolvida. No cordel também existe, mas nele o pessoal usa mais a sextilha. Quando eu e o restante do grupo Os Agentes tivemos a idéia de fazer o cordel, quando eu falei que era em quadra, Sérgio ficou meio assim... ai eu falei “ô Sérgio, me permita pelo amor de Deus” (risos), por que ele é a referência de cordel que eu tenho. “Permite aí pra mim, se não o negócio não vai funcionar”...

Vânia: Dê um exemplo de quadra pra eu poder entender do que você está falando.

Danilo: Por exemplo... Sérgio, eu falo uma do rap, você fala um do cordel, certo? Tem uma que é assim:

no quebrar das ondas
eu vejo Yemanjá
é no livreto de cordel
que consigo me encontrar


Isso é uma quadra.

Sérgio: Agora uma sextilha... Vamo lá:

Há certas coisas no mundo
Que eu olho e fico surpreso
Uma nuvem carregada
se sustentar com o peso
e dentro de um bolo d'água
sair um corisco aceso.


Na verdade, são duas estrofes. A dele é uma quadra, porque tem quatro versos, e a minha é sextilha, porque tem seis versos. Nos cordéis que eu estou fazendo agora, com meu companheiro Guy, a gente tem usado muito a quadra e outras formas de rima, o oitavão, a septilha... e vamos brincando. Uma vez também a gente fez com os meninos um desafio de rap contra cordel, no Teatro Vila Velha. Foi a partir daí que percebemos que os dois tinham valores que podiam se complementar. No final do desafio chegamos à conclusão que, apesar de um ter esculhambado o outro (risos), os dois são cultura popular, tanto o rap quanto o cordel e os dois têm seu devido valor e são bonitos do jeito que são. Então é melhor se unir do que duelar. No final, todo mundo ganhou...

Danilo: Eu acho que pra a Sussuarana essa fusão só tem a contribuir, a somar idéias positivas tanto do cordel como do rap, para trabalhar idéias de desenvolvimento para o bairro. Quando apresentamos um cordel ou um rap pra uma criança, a idéia é que ela não precise entender “o contexto mundial, num sei o quê”, mas sim entender que tanto o rap quanto o cordel querem mostrar o bairro, falar pra as pessoas quem são elas, que existem outros lugares no mundo pra se ir, outros espaços, que existe o livro... entendeu? Não só o que está fechado ali.

Sérgio: Nosso maior fator de identificação... na verdade são vários fatores: primeiro por conta da própria história do bairro da Sussuarana, que é formado por mais ou menos 85% de pessoas que vieram do interior, migraram pra cá e vão se pipocando nas periferias. E ai, quando a gente apresenta o cordel lá, a identificação é incrível, porque eles já viram aquilo no lugar de onde elas vêm, no interior. Chegam lá dizendo “ah, meu pai falava muito sobre isso de cordel” e tal. E o rap é uma coisa mais urbana e eles se identificam pra caramba. Então essas duas coisas se agregam rapidinho. Outro fator é que, tanto o cordel quando o rap são literaturas marginais, queira ou não, ficam marginais na sociedade, não têm a valorização que merecem. De uns anos pra cá, nos nossos eventos de rap, que é o “Hip Hop na Onça” [Festival anual organizado na Sussuarana], a gente já vem com provocações com o cordel. No ano passado eu fui o mestre de cerimônia e toda vez que eu entrava, recitava um cordel, como se fizesse parte do show. Ora, uma festa de hip hop todo mundo imaginava que só ia ter rap, dj, break e graffiti e ai chega eu sempre pipocando um cordel (risos). E ai foi ficando meio que como esse quinto elemento. Agora todo Hip Hop que a gente fizer, vai ter cordel.

Danilo: A gente bebe na fonte do cordel, que a gente considera o avô do rap. E o nosso rap evoluiu pra caramba depois que a gente começou a ler mais cordel, a vivenciar as oficinas com Sérgio, então um ajuda o outro.

Vânia: Massa, gente. Acho que a galera vai curtir esse papo. Eu queria dizer, inclusive, mas uma vez, que sou fã de vocês.

Danilo: Êa!

Sérgio: Vai pipocar! (risos)

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Niltim Lopes
 

Que maravilha essa entrevista. Os meninos da Sussuarana tem um jeito próprio de fazer arte e mobilização cultural. A mistura do rap com cordel é incrível, eu tive oportunidade de ver como eles constróem isso e é excelente. Vânia dá um show na condução da entrevista. O texto ficou excelente. Muito legal.

Niltim Lopes · Salvador, BA 6/5/2006 08:56
3 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Helena Aragão
 

Engraçado que de primeira eu faria um link entre rap e embolada ou repente e não ao cordel... Mas sensacional, na verdade tá tudo muito ligado mesmo e é bacana vê-los dizer que tão fazendo rap melhor depois que começaram a ler cordel... Uma vez aqui no Rio testemunhei o bate-papo de rappers com cantadores do Nordeste e foi bem bacana ver os primeiros querendo aprender com os últimos...

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 8/5/2006 12:36
4 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Pri Basile
 

Muito legal. É bom pra caramba saber daqui que aí os caras andam fazendo uma mistura tão rica com duas coisas tão próximas e distantes ao mesmo tempo. Tem a informação internacional e tem a formação nacional da mais genuína cultura brasileira!
Curiosidade de ver e ouvir que me deu!
abraço!

Pri Basile · São Paulo, SP 8/5/2006 12:54
3 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Pedro Rocha
 

Massa. Muito importante você colocar seu nome das suas perguntas em vez de "overmundo" ou sei lá que outro veículo. O final da entrevista dá um tom de conversa, essencial para a desmitificação do jornalismo.

Pedro Rocha · Fortaleza, CE 9/5/2006 11:52
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Natacha Maranhão
 

O Festival de Violeiros daqui do Piauí tem conseguido um feito interessante: a gente vê a galera do rap e do hip hop na platéia, curtindo os repentistas, e aprendendo, como eles mesmos dizem.
Gostei da tua matéria, Vania. Parabéns!

Natacha Maranhão · Teresina, PI 9/5/2006 14:38
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Vânia Medeiros
 

valeu natacha!
fiquei querendo saber mais dessa história ai no Piaui!
Escreve um textinho aqui pro overmundo!

Abraço!

Vânia Medeiros · Salvador, BA 9/5/2006 20:04
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
ministereo publico
 

Cada vez que nossa garotada se aproxima da cultura popular, mais valor agrega ao seu trabalho. Temos uma cultura muito rica e que muito se aproxima da linguagem do RAP, pois como bem frisou a matéria, esta sempre foi marginalizada, assim como o RAP.
E, se partir de nós mesmos essa mudança, ela terá embasamento popular para perpetuá-la.
Bôa matéria.

FAYAKA !!!

ministereo publico · Salvador, BA 27/4/2007 11:52
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados