Inovação Mineira: Os Seminovos

Divulgação: todos os direitos reservados.
Os Seminovos mandando ver em Uberlândia
1
ronaldo lemos · Rio de Janeiro, RJ
28/12/2006 · 263 · 10
 

Tem um lugar em Minas inovando em modelos para a indústria cultural: Uberlândia.

A terra natal de Alexandre Pires e mais conhecida nacionalmente pelas ótimas bandas de pagode, tem dado demonstrações de que os habitantes do triângulo mineiro estão prontos para inventar moda com relação a novos negócios na internet

Acho que dá para afirmar que o pai de todos seja o Maurício Ricardo, criador do conhecidíssimo site “Charges.com.br”. Maurício mostrou que estar localizado no Rio de Janeiro ou em São Paulo para produzir cultura altamente bacana e popular não passa de uma falsa necessidade (para usar as palavras do professor Mangabeira Unger). A partir de Uberlândia mesmo, Maurício coordena através do site uma produção humorística intensa, que gera uma série de negócios bacanas, fornecendo conteúdo e participando de diversos projetos culturais em todo o Brasil. O bacana é ver que foi a tecnologia que serviu não só de matéria-prima (o site usa o computador para produzir praticamente todo seu conteúdo) como também de canal de divulgação. O sucesso do Charges.com.br é produto direto da internet chegando aqui no interior do Brasil.

Depois do Maurício Ricardo, houve várias outras iniciativas. Uma delas foi destacada aqui no Overmundo, que foi o primeiro projeto de financiar o lançamento de um DVD totalmente online. Não sei se a iniciativa foi bem sucedida ou não (espero que o Nanji possa contar), mas o modelo de lançamento consistiu em um legítimo representante dos chamados “modelos de negócio abertos” ou “open business models”, conforme a Oona Castro já escreveu aqui no Overmundo.

Depois de tudo isso, eis que me deparo com mais uma iniciativa inovadora genuinamente uberlandense: o lançamento do CD da banda “Os Seminovos”. Formada por conhecidos e tradicionais músicos da região, a banda aposta alto na divulgação pela internet como forma de fazer conhecer o seu trabalho. Tendo como um dos seus integrantes o próprio Maurício Ricardo (alô Maurício, quando é que você vai aparecer aqui no Overmundo?), os “Seminovos” atacam forte pelo humor para conquistar um público nacional. A estratégia é parecida com a mesma que levou ao sucesso da Mombojó de Recife: disponibilizar o disco da banda na íntegra na internet. Aliás, o disco é peculiarmente chamado de “Não Tem Preço” e pode ser baixado em sua totalidade gratuitamente pela rede.

Mas não é só. Como bons velhacos da internet, a banda sabe que canais como o YouTube, o Orkut e outras formas de marketing viral estão do lado deles. O jornal “Correio de Uberlândia” noticiou, por exemplo, que uma das comunidades do Orkut sobre a banda já tem 11 mil integrantes. Não fui lá para conferir, mas se for verdade (e deve ser, afinal o “Correio” é muito respeitado!), é gente pra caramba, especialmente para uma banda que está no início da carreira.

Outro ponto que chama a atenção nos “Seminovos” são as músicas com forte conteúdo humorístico. Um exemplo é a faixa “Eu sou Emo”, uma verdadeira ode às agruras de ser "emo" (membro da bacana tribo de meninos e meninas sensíveis, que adoram roque pesado e emocional e capricham no visual para refletir sua sensibilidade) no mundo de hoje, com trechos iluminados como:

“Não é fácil manter a franja lisinha
Tenho que fazer escova e chapinha
Mais difícil ainda é ver o mundo assim do meu jeito:
O cabelo tampa o olho esquerdo
E eu só posso usar o direito!
Impossível...
Ser mais sensível do que eu!”


O outro exemplo é a música “Do Tipo I Love You (Drive My Car)”, chupinhada diretamente dos Beatles, e tropicalizada (ou eu diria, triangulo-mineirizada) pelo Maurício Ricardo. A letra diz o seguinte:

“Estava em Minas, você em Amsterdã
Você ficou pelada na webcam
Gravei você dançando sem sutiã
Mas não postei, eu sou seu fã!

Refrão:
Baby eu juro pra você
O vídeo vazou porque
Deu vírus no meu PC
Do tipo I love you”


Quem disser que os Seminovos se propõem a ocupar o lugar de um “Mamonas Assassinas” revivido na época da Internet não vai estar muito errado não. Outro fato interessante é que a banda possui uma visão clara do que está fazendo, em sintonia com o espírito de “faça você mesmo” que está tomando conta deste século. Quem procurar no site da banda vai encontrar um bem-humorado “manifesto” que diz:

1. “Os Seminovos” acreditam que estamos vivendo um momento único na história da música.

2. A velha ordem está ruindo. Bem vindo o novo!

3. Que a difusão por amizade, viral, através da Internet,
faça com que cada música sincera encontre seu público.

4. Que a facilidade na troca de informações, a queda no custo das gravações e a oportunidade de distribuição global sem necessidade de um produto físico ajude a acabar com os vícios que corromperam a indústria da música.

5. Pelo fim do jabá nas rádios.

6. Total apoio aos programadores de rádio antenados e corajosos, que não se deixam influenciar pelo “Top 10” de meia dúzia de redes de emissoras via satélite.

7. Pelo fim da cegueira de alguns setores da imprensa musical, que ainda se pautam confortavelmente pelos press-releases e mimos das gravadoras.

8. Por mais transparência e ética no mercado de discos.

9. Pelo combate à pirataria, sim, mas com preços realistas de CDs, DVDs e downloads.

10. Pelo fim da cerveja quente nos shows de rock.

11. Pelo fim do machismo: por que só o Bono? Queremos que Britney Spears e Avril Lavigne também beijem seus fãs na boca!


Enfim, resta apenas desejar longa-vida e sucesso aos Seminovos e dizer que o Overmundo e o Overmixter aguardam ansiosos para receber o trabalho deles.*

* Texto escrito diretamente de Uberlândia, Triângulo Mineiro, uai!

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Fabio Campos
 

Ronaldo,

acho o texto, no que se refere a questão de direitos autorais bastante interessante e coerente com os conteúdos propostos pelo overmundo, sem dúvida. Sinto também por parte do autor uma excitação quanto às possibilidades que a internet nos traz.

Penso que devemos realmente nos expor criticamente, críticos e auto-críticos, buscando uma reflexão sobre a realidade mercadológica, o jabá, a neo-ditadura e a neo-escravidão neoliberal, que nos fazem reféns de nós mesmos, porém, nem mais tanto pois que temos agora vias para nos expressar.

A multiplicidade, as diversas formas de expressão - livres na linguagem e do preconceito - definitivamente nos levarão a novos caminhos bem distantes da pirataria, do exacerbado mercantilismo e da ânsia pelo sucesso a qualquer custo.

Não conheço a banda que o autor aborda, mas creio que difere dos mamonas por estes buscarem o sucesso de qualquer forma enquanto que os seminovos buscam reconhecimento pela originalidade e por sua linguagem, aparentemente próxima dos mamonas, mas essencialmente diferente pois que disponibilizam seu trabalho livremente pela rede.

Essa liberdade é a diferença!

Abraços,
Fabio Campos

Fabio Campos · Rio de Janeiro, RJ 27/12/2006 11:39
3 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
eduardo ferreira
 

seminovação mineira: rs.
salve ronaldo: morei 5 anos em uberlândia e até hj me surpreendo de ver essas coisas acontecendo aí. afinal, sempre me pareceu uma cidade excessivamente "burguesa". depois que vi também a banda "porcas borboletas" o (pré)conceito mudou de lugar. valeu. abração. viva o (n)ovo!

eduardo ferreira · Cuiabá, MT 28/12/2006 12:51
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Felipe Gurgel
 

Acho que os Seminovos seguem um lance muito digno. Ainda mais porque, apesar das evidências apontarem para um caminho sem volta, muitas bandas não dispõem todo o disco nada rede ainda com certa esperança no CD... De ganhar uma pontinha que seja.

Adoro fuçar o encarte de um bom disco. Mas disponibilizar toda a música na Internet é fundamental hoje. O público anda de fato desabituado a comprar CD e as banquinhas de material de bandas pelos festivais acabam vendendo, por vezes, até um maior número de camisetas do que disco, por exemplo. É uma situação de praxe em quaisquer festivais de banda independente. E já virou recomendação de produtores, inclusive: tragam camisas.

CD só não "já era" porque quem tem grana para endossar uma imagem fantasiosa ainda o sustenta. Mas acho que a desconstrução absoluta disso não deve demorar. É a hora dos artistas novos pensarem: "o que vai sustentar minha música dignamente é a demanda de shows, que vai gerar um cachê e de fato o público vai se apegar ao que eu mesmo tive autonomia de espalhar".

É um ideal que a cada dia se torna real. E seria lindo todo mundo nessa. Que os Seminovos sirvam de espelho!

Felipe Gurgel · Fortaleza, CE 30/12/2006 17:10
3 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Laine M. Souza
 

Parabéns ao grupo "Seminovos" que já tive o prazer de vê-los e de ouvir as suas músicas. Concordo que Uberlândia está se tornando um caldeirão de inovações.
Quanto ao grupo "Nanji", que os conheço bem, informo que a formula de disponibilizar o CD gratis pra download é o maior sucesso e já estão partindo para o segundo CD independente. E o "mouse de ouro" é um sucesso e se tudo der certo, ainda neste semestre irá estourar na internet e no mundo cultura.
"Quem viver, verá" ;)
Abraços Ronaldo.

Laine M. Souza · Uberlândia, MG 11/1/2007 16:17
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
ronaldo lemos
 

Oi Laine, como fazer mais para descobrir sobre o "mouse de ouro" e o impacto que isso teve para o Nanji??

ronaldo lemos · Rio de Janeiro, RJ 12/1/2007 03:13
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Laine M. Souza
 

Ola Ronaldo, saudações mineiras :) Bem, o "mouse de ouro" do Nanji, você pode ver no site dele www.nanji.com.br. mas estamos montando o portal ainda, inclusive iremos utilizar a licença CC. Ainda está no projeto e começamos a desenvolver o portal agora, não tem muito como falar sobre, pois, poderia dizer que está intengível (se vc me entende). Mas, creio que até o final deste mês teremos algo mais concreto, daí fica mais facil te explicar. Quanto estiver pronto eu te mando um e-mail e aí trocamos algumas ideias, se te interessar.
Parabéns pela presidência do CC :) ficamos orgulhosos.
abraços.

Laine M. Souza · Uberlândia, MG 12/1/2007 17:15
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
ronaldo lemos
 

Oi Laine, nao deixa de avisar nao... quero ver se faco uma materia entao focando no Nanji. Fico no aguardo. abracos mineiros!

ronaldo lemos · Rio de Janeiro, RJ 12/1/2007 19:11
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Como falei lá no Caderno do Cluracão, até o nosso colega d'além mar Miguel Caetano (do excelente blogue Remixtures) já está falando d'Os Seminovos.

Como dizia a fofíssima Penny Lane em "Quase Famosos", it's all happening! :D


Abração do Verde

Daniel Duende · Brasília, DF 23/2/2007 13:16
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
ronaldo lemos
 

Os Seminovos são demais mesmo!

ronaldo lemos · Rio de Janeiro, RJ 23/2/2007 15:55
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Eu também acho, meu velho. :D

Abraços do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 23/2/2007 16:09
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados