João Firmino, cinco décadas de versos

luciana almeida
1
lu almeida · Aracaju, SE
18/9/2006 · 150 · 11
 

Por detrás das lentes, os olhos azuis fitando cada olhar mais curioso sobre as palavras. Nos pés sandálias de couro. As pernas inconstantes pra toda gente que passa e acaba ganhando um verso tirado. De ponta a cabeça se conversa sobre todo tipo de coisa: desde o problema de saúde mal-resolvido ao
amigo entregue à cachaça. E até mesmo de poesia. Assim é a banca de João Firmino Cabral, 66 anos e 50 de versos. Da história miúda a nota no jornal, Seu João aproveita de tudo um pouco como mote para criar. Cordel é sua dedicação maior, instrumento de lida diária e parte de sua própria história.

Na Passarela das Flores passa de moça virgem a dona de casa, de bêbado a turista distraído. De verso de cordel, a margarida e criança largada. Cheiro de rosa vermelha, voz de repente, acorde de viola e passo de alpercata. É logo na entrada do Mercado Antônio Franco, nas palavras de Seu João “a boca do inferno”, onde fica o seu balcão de livrinhos. Nada mal chegar pelas bandas do capeta, lendo de aprumo.

“Meu ofício foi ser cordelista toda vida”, fala de início esse itabaianense nascido em Belo Jardim. Sua infância era ir de São Cristóvão para Aracaju no trem suburbano na linha Aracaju/Salgado ou Aracaju/Capela. Logo pela manhã vinha pegar carrego e depois começou a vender noz-moscada, pixilim e BHC. Já pelos 14 anos, sempre dava uma paradinha para observar o versado dos cordelistas Pedro Armando dos Santos, Genésio Gonçalves de Jesus, Zé Aristides e o famoso Manuel d’Almeida Filho. “Eu ficava vendo o dia todinho, achava aquilo bonito. Um dia eu fiquei olhando até que perdi o trem. Daí um deles me chamou pra pernoitar na sua casa”, conta ele, todo menino.

Pois foi aí que a coisa mudou. Seu João trocou as vendas e o trabalho com carrinho de mão pelos cordéis. Chegando na morada de Manuel d´Almeida, um dedo de prosa e a vontade de entrar no ramo do cordel. “O Mestre me cedeu uns 300 a 400 folhetos pra revender. Fui então pra feira vender e cantar os livretos. Da sexta pra terça-feira eu tinha vendido uns 400 e poucos livrinhos. Nem Seu Almeida acreditou no meu feito”, fala orgulhoso o homem que naquele momento deixava o agreste. Depois, morando na capital, lança seu primeiro cordel “As Bravuras de Miguel, Valente Sem Igual” nos idos de 1956.

Na sua mais recente produção, “Os corruptos do Brasil, o mensalão”, feito em parceria com Juraci Medeiros, João Firmino versa sobre o retrato político brasileiro “políticos sem escrúpulos/ dizem ser os defensores/ mas são como sanguessuga, corruptos/ sonegadores do direito e liberdade/ dos nossos trabalhadores”. Com essa mesma inteligência, o filho do cantador de feira e embolador Pedro Firmino Cabral e da roceira Dona Cecília Conceição aprendeu a ser letrado através desses pequenos livros. Alfabetizou-se pelas “cartilhas” que o ensinaram mais que o bê-a-bá.

Meio século dedicado ao cordel, mais de cinco dezenas de títulos publicados, esse João Firmino bateu do Rio Grande do Norte, a Pernambuco, Maranhão, Alagoas e Bahia de feira em feira. Deu de sustento aos sete filhos nos quarenta anos de casamento com Dona Carmelita Cabral. Catedrático sobre essa literatura, foi revisor de 1970 a 2005 da Editora Luzeiro e já foi laureado pelos quatro cantos do Brasil. Mas quando fala de prêmios, Seu João atenta mesmo é para o ganho com a leitura. Saca então um trechinho “A cultura adulatória/ falsifica a popular/ com palavrões e conchavos/ de narrativa vulgar / agredindo ao cordel/ que tem muito mais a dar”. ( Na história da literatura do cordel ... cuidado cantor para não dizer palavra errada. Abdias de Campos - 2005).

Onde ler & comprar

Barraca de Seu João Firmino, no Mercado Albano Franco, centro de Aracaju, logo depois da Passarela das Flores. Aberta de segunda a sábado das 9h às 17h. É um ponto de encontro da turma da poesia. Um bom dia é o sábado, vai de aboiador até repentista. Depois faça uma refeição, logo ao lado, no restaurante de Seu Zé Américo. Uma sanfoninha sempre chora-chora enquanto os pratos são servidos.

Biblioteca Clodomir Silva, onde fica localizada a Cordelteca “João Firmino Cabral”. Rua Santa Catarina, número 314, Bairro Siqueira Campos.

Reza uma lenda que na Biblioteca Epifânio Dória há uma sala para cordéis, chamada “Poeta Manuel d´Almeida”. Arrisque e depois me conte. Rua Vereador João Calazans, número 609, Bairro 13 de Julho.

Vale fazer uma visita ao poeta Gilmar Santana Ferreira, mais conhecido como o caçador de poetas. Na sua casa há um arquivo extenso sobre cordelistas, principalmente, daqueles que residem no interior de Sergipe. Rua Nelson Maynard (antiga Rua F-2), número 98, Conjunto Bugio.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Hilton B. de Aguiar
 

você tá que tá, einh lu!?
maravilhoso o texto.

Hilton B. de Aguiar · Aracaju, SE 19/9/2006 02:07
sua opinião: subir
andre carvão
 

Demais o texto! ares etnográficos...

andre carvão · Aracaju, SE 19/9/2006 10:24
sua opinião: subir
Pedro Rocha
 

Muito bom. Realmente prato cheio pra algum pesquisador ou interessado que ponha os pés em Aracajú.

Pedro Rocha · Fortaleza, CE 19/9/2006 13:56
sua opinião: subir
lu almeida
 

pedro, seu joão é professor de muita gente afora. já ganhou prêmio das mãos de suassuma. se quiser dar uma olhadinha, segue esse link de um estudo com a devida citação desse mestre
http://www.unicamp.br/iel/memoria/Ensaios/raquel.html

lu almeida · Aracaju, SE 20/9/2006 11:29
sua opinião: subir
Alejandro Zambrana
 

Parabéns pelo hipertexto.

Alejandro Zambrana · Aracaju, SE 23/9/2006 19:23
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
xYURIx
 

mt mt bomm adoro cordel!!!
já fiz oficina com o Zé Antonio e sempre q posso compro uns folhetos no João firmino!!!
parabens lu!!!
xxx

xYURIx · Aracaju, SE 23/10/2006 16:25
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Natacha Maranhão
 

Lindo seu texto, Lu! Adorei! É sempre bom descobrir mais gente que faz cordel, dá uma esperancinha de que essa arte linda não vai se perder.
Aqui temos o Cordel nas Escolas, um projeto muito bacana que envolve crianças e adolescentes com o objetivo de não deixar o cordel morrer.
beijo pra você

Natacha Maranhão · Teresina, PI 9/11/2006 11:20
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Fabinca
 

Por que alguns textos tão bons estão no final da lista, com uma baixa votação, apesar de terem comentários?

Fabinca · Bento Gonçalves, RS 16/12/2006 18:56
sua opinião: subir
LUIZCORDELISTA
 

Acabei de ler sobre o meu amigo e professor João Firmino mas, não sabia que foi revisor da Luzeiro por todo esse tempo, sei que quem era o revisor foi o Manoel d'Almeida Filho depos que ele morreu foi um chamado parece que Nicoló, depois veio João por um periodo muito curto e agora atualmente é o meu amigo Marco Haurelío.
se estou enganado queira me corrigir ok.

LUIZCORDELISTA · Nossa Senhora da Glória, SE 20/2/2007 09:13
sua opinião: subir
Priscila Silva
 

Maravilhoso! Já visitei o senhor Firmino, comprei alguns folhetos de Cordel da autoria dele, fantásticos!

Priscila Silva · Cabo Frio, RJ 29/5/2007 17:45
sua opinião: subir
Kadydja Albuquerque
 

Oi Lu, belo texto. Indiquei lá no meu twitter. Parabéns!

Kadydja Albuquerque · Aracaju, SE 22/10/2009 23:00
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

Na banca de Seu João tem muito proseado zoom
Na banca de Seu João tem muito proseado
De criança malina zoom
De criança malina
Cada um mais amostrado zoom
Cada um mais amostrado
Lendo com o Mestre zoom
Lendo com o Mestre
Sem faltar o improviso rimado zoom
Sem faltar o improviso rimado

áudio

ouça os versos de João Firmino

Instale o Flash Player para ver o player.

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados