Lampião e o faroeste Brasileiro

Site da revista O Grito
Imagem "oficial" de lampião
1
Claudio Pucci · São Paulo, SP
31/7/2008 · 237 · 31
 

Não vi no UOL, nem no Terra, nem na Época, mas hoje é o aniversário de 70 anos da morte de Virgulino Ferreira, o Lampião. Figura controversa e mítica, Lampião mistura todas as qualidades e defeitos do bandido heróico, do considerado Robin Hood brasileiro pela revista Time de 1931, com uma pitada de lenda de faroeste americano. Muitos o acham um herói, outros um socialista, mas parece que a realidade não é bem assim. Lampião era bandido mesmo. Ganhava dinheiro, armas e abrigo dos "coronéis", justamente para realizar serviços contra os inimigos políticos destes. E, nessas andanças, massacrava o povão. Matava e saqueava a plebe que passou a lhe louvar.
Apesar de oficialmente afirmar que entrou para o cangaço para vingar a morte do pai, Lampião e seus irmãos já praticavam pequenos crimes antes do ocorrido. Integrou o bando de Sebastião Pereira (o Sinhô) e em pouco tempo já liderava a gangue.
Lampião era vaidoso e orgulhoso do que fazia. Usava perfume francês, tinha cartão de visita (com sua foto, inclusive) e em uma entrevista dada em Juazeiro do Norte mostrou sua verve mais, digamos, hipócrita:

- Não pretende abandonar a profissão?
(A esta pergunta Lampião respondeu com outra)
- Se o senhor estiver em um negócio, e for se dando bem com ele, pensará porventura em abandoná-lo? Pois é exatamente o meu caso. Porque vou me dando bem com este "negócio", ainda não pensei em abandoná-lo.

- Em todo o caso, espera passar a vida toda neste "negócio"?
- Não sei... talvez... preciso porém "trabalhar" ainda uns três anos. Tenho alguns "amigos" que quero visitá-los, o que ainda não fiz, esperando uma oportunidade.

- Não se comove a extorquir dinheiro e a "variar" propriedades alheias?
- Oh! mas eu nunca fiz isto. Quando preciso de algum dinheiro, mando pedir "amigavelmente" a alguns camaradas.
(Fonte: site de Vera Fereira, neta de Lampião: http://iaracaju.infonet.com.br/LAMPIAO/index.htm)

Segundo site Brasil, Mitos e Lendas de Rosane Volpato (http://www.rosanevolpatto.trd.br/LENDALAMPIAO.html), o líder e seu bando vagaram por 7 estados nordestinos. Lampião era cruel o bastante para, pessoalmente, arrancar olhos ou cortar línguas e orelhas. E mais, se encontrasse moçoilas com cabelos ou vestidos muito curtos, mandava que lhe marcassem o rosto a ferro quente. Em Bonito de Santa Fé, em 1923, ele deu início ao estupro coletivo da mulher do delegado. Vinte e cinco homens participaram da violação.

O Nordeste brasileiro daquela época não era muito diferente do que é hoje, com famílias mandando em regiões inteiras, guerras territoriais, assassinos de aluguel sendo contratados, desprezo do governo federal (Getúlio só se mexeu para acabar com o cangaço depois de MUITA pressão dos políticos nordestinos) e o povo, além de viver em uma carestia tremenda, era o recheio de um sanduíche indigesto: de um lado os apertavam a polícia (os volantes) e do outro os bandidos do cangaço. Se não apanhavam de um, eram espancados pelo outro.

Não quero entrar em julgamento de valor. Acho que a figura de Lampião é importantíssima para nossa história. Ele é uma espécie de Jesse James ou Billy the Kid, versão tupiniquim. Isso porque os outros dois também eram assassinos cruéis, procurados e também considerados anti-establishment. Billy the Kid, nas palavras de seu amigo e assassino, Pat Garret, era um rapaz que "comia e sorria, transava e sorria, matava e sorria". E, mesmo assim, é louvado até hoje. É preciso porém que seja feita uma análise menos romanceada do importante nordestino. O fato de estar aliado aos coronéis já depõe contra ele. O próprio Padim Cícero era, e isso é sabido, um político matreiro e carismático. E nem por isso deixou de virar lenda, beatificado e tudo mais.

Voltando à vaca fria, há 70 anos, numa emboscada em Angico (em Sergipe), graças a uma delação, Lampião, Maria Bonita e mais 11 cangaceiros foram massacrados pelas tropas do "macacos" do Tenente João Bezerra. O líder dos bandidos foi o primeiro a tombar. Suas cabeças foram cortadas e mostradas nas escadarias da prefeitura da cidade de Piranhas em Alagoas, sendo sepultadas somente em 1969. Uma versão do ocorrido explora que, na realidade, o delator os envenenou primeiro (urubus mortos em volta dos corpos corroborariam a hipótese). Daí a facilidade da captura. Nunca ninguém vai saber da verdade.

Acontece que, se a lenda é maior que a realidade, publica-se a lenda. E se é assim, longa vida a Lampião, o rei do cangaço. Longa vida a Maria Bonita e a Corisco. Longa vida ao legítimo faroeste brasileiro.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Renato de Mattos Motta
 

Gostei.
Claro, objetivo,
relativiza bem a figura de Lampião,
não um herói,
mas um bandido,
porém também não muito mais cruel
do que os coronéis que o contratavam!
Talvez, a exemplo dos heróis do faroeste
a história de Lampião
merecesse ser contada
por esta ótica.

Renato de Mattos Motta · Porto Alegre, RS 28/7/2008 16:43
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Doroni Hilgenberg
 

Claudio,

Belo texto, coerente e elucidativo,
Lampião nps acompanha desde a mocidade, e essa mistica que o envolve ainda esta envolta em mistério, pois consta também que serviam como instrumento politico. Apesar de tudo, o fato de terem sido decapitados, comprova que os fins não justificam os meios. Restou a lenda que merece ser contado em verso e prosa, porque não?

Bjsssssss

Doroni Hilgenberg · Manaus, AM 28/7/2008 17:44
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Lila Su
 

O Autor sempre disse que filho de cágado, tartaruguinha é....Na presente situação, neto e sobrinho de cágado.....parabéns pelo belo texto. Lilinha

Lila Su · São Paulo, SP 28/7/2008 19:29
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Langinha
 

Parabéns. Abraços. Tia Lange...

Langinha · São Paulo, SP 28/7/2008 20:28
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Marcelo Tadeu
 

Texto excelente!!
Mostra de forma simples e clara a realidade/lenda e, como você bem disse, sem entrar no julgamento do valor deve ser passada adiante como parte de nossa história e de nossa cultura.

Marcelo Tadeu · São Paulo, SP 29/7/2008 08:35
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
JACK CORREIA
 

"Acontece que, se a lenda é maior que a realidade, publica-se a lenda" Ufa, finalmente! Estou de certa forma aliviada ao ler, pelo menos aqui, algo fiel à realidade do que foi Lampião e seu bando, até mencionando estupros que ele praticava pelos Sertões que, é um fato de menor conhecimento de todos que romantizam demais esse personagem histórico. Para quem não sabe, o cangaço do tipo "boa política" aconteceu com Jesuino Brilhante, com Lampião, não havia "nobre causa" e era ele também um "objeto" usado para acabar com a Coluna Prestes no Nordeste. Recebeu a patente de Capitão, nas forças legais do dep. federal Floro Bartolomeu, pelo próprio Padre Cícero, que também é outra figura muito polêmica. Parabéns Claudio, pelo postado com informações verídicas que você nos traz.

JACK CORREIA · Crato, CE 29/7/2008 11:14
3 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Henrique Araújo - Grupo TR.E.M.A
 

Leiam também a série de matérias que o Pedro Rocha, jornalista de O Povo, escreveu ao longo da semana passada. Trata-se de um dos trabalhos mais ricos sobre Lampião. A série teve início no dia 20, domingo, e seqüência ao longo da semana. A datas e temas podem ser acessados aqui.

Abraços...

Henrique Araújo - Grupo TR.E.M.A · Fortaleza, CE 29/7/2008 14:08
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Flavião
 

Espetacular! Parabéns pelo belo texto!
Poucos seguem uma linha lógica de raciocínio sem se deixar levar pela influência de nossa lendária cultura.

Flavião · São Paulo, SP 30/7/2008 14:57
sua opinião: subir
Circus do Suannes
 

Parabéns, garoto. Exposição objetiva e oportuna. Que venham novos trabalhos.

Circus do Suannes · São Paulo, SP 30/7/2008 15:23
sua opinião: subir
Lila Su
 

Que tal escrever um próximo trabalho sobre Padim Ciço???? adorei saber a opinião dos cearenses, sempre queridos.

Lila Su · São Paulo, SP 30/7/2008 17:23
sua opinião: subir
Claudio Pucci
 

A colega Jack Correa do Ceará me disse que está escrevendo um texto sobre o "padim" Cícero. Será ótimo para também conhecermos outras facetas desta lenda obscura. Além disso também estou pesquisando sobre o citado Jesuíno Brilhante.

Abraços e grato a todos pelo apoio!

Claudio Pucci · São Paulo, SP 30/7/2008 22:13
sua opinião: subir
FlaM
 

Já tinha dito antes (no lugar errado: sugestões de edição não é o lugar dos elogios!), achei o texto belíssimo e oportuno. Gostei principalmente da reflexão apoiada em informações compartilhadas com o leitor e sem a pretensão da verdade. Parabéns!
Abç, Flávia

FlaM · Florianópolis, SC 30/7/2008 22:54
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Juscelino Mendes
 

Gostei.

Juscelino Mendes · Campinas, SP 31/7/2008 09:54
sua opinião: subir
PintoSabugi
 

Gostei do texto.
Demonstra que a figura de Lampião é mais de um bandido do que de um herói, como são contadas em outras versões.
Um abraço!

PintoSabugi · São João do Sabugi, RN 31/7/2008 10:00
sua opinião: subir
Marcelo Tadeu
 

Aí garoto!!! Estamos esperando outros!

Marcelo Tadeu · São Paulo, SP 31/7/2008 10:31
sua opinião: subir
LAILTON ARAÚJO
 


CARO CLAUDIO PUCCI


Antes de qualquer crítica construtiva - espero que entenda assim - quero deixar meus parabéns pela matéria oportuna. A foto mostra um pouco do povo nordestino, sofrido, perseguido e retratado de acordo com a ocasião. É história na certa... E virou estória... Lenda! Até a Rede Globo filmou e ganhou dinheiro com “Lampião e Maria Bonita”.

Sou nordestino do Sertão do Moxotó - Estado de Pernambuco. Nasci na cidade de Sertânia, próxima de Serra Talhada (150 Km) e cenário das sagas dos cangaceiros... Desde pequeno ouvi histórias e estórias... Algumas narradas por ex-policiais das famosas volantes. Outras... Por familiares “coiteiros” (que davam abrigo aos cangaceiros). As figuras controversas desses personagens foram moldadas com o tempo. Ouvi da boca do meu falecido avô (materno) que os homens de lampião e o coronel Virgulino, faziam o jogo político usando a “Lei do Sertão”. Traição era crime! Dedo-duro era condenado! Perdia a cabeça. Por outro lado, as volantes aplicavam a “Lei da Tortura”. Quem não abria a boca, pagava em suaves prestações... Parece com os tempos modernos! Não será mera coincidência? Os morros das periferias brasileiras que o digam...

Talvez uma matéria tão importante como esta mereça uma segunda parte, com direito a entrevistas, mais fotos, e até uma narração mais isenta por parte do jornalista. Mas, não estou aqui para apontar o que é melhor...

Continuo aplaudindo a iniciativa do amigo “CLAUDIO”.

O Brasil precisa abrir seus arquivos históricos.

Parabéns!

Abraços.

Lailton Araújo

LAILTON ARAÚJO · São Paulo, SP 31/7/2008 12:25
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
LAILTON ARAÚJO
 

correção...

"Os homens e o Coronel Virgulino (Lampião)"

LAILTON ARAÚJO · São Paulo, SP 31/7/2008 12:29
sua opinião: subir
EdimoGinot
 

legal.
Um abraço

EdimoGinot · Curitiba, PR 31/7/2008 13:58
sua opinião: subir
Andre Pessego
 

Dentro da História do Brasil, já em pleno séc. XX, pleno porque foi depois da Revolução Russa, depois da I Grande Guerra, este é o Capítulo que começa a ser tratado à luz da realidade, penosa realidade, mas realidade, fora dos interesses e proibições do Estado.
Muito bom vou reler.
abraço
]andre.

Andre Pessego · São Paulo, SP 31/7/2008 17:04
sua opinião: subir
Diego Madih
 

Oi Claudio, louvável sua iniciativa de postar sobre o Lampião aqui, ainda mais nessa data. Só acho que seu objetivo de não incluir juízo de valor não foi muito bem atingido, né? hehe

abs
DM

Diego Madih · Rio de Janeiro, RJ 31/7/2008 18:10
sua opinião: subir
Marcos Paulo Carlito
 

Concordo com o Diego. Fez juío de valor e opiniou diretamente, deixando ao fim apenas a visão cruel e sanguinária de um assassino. Deve haver muito mais do que isso na História de Lampião.

Sinto muito mas considero bastante amador o seu trabalho, parcial, positivista, reacionário e fraco nas fontes e no referenciamento.
É a continuidade da História Oficial do Brasil, aquela que conta os fatos pela ótica dos vencedores.

Todavia, como aqui se aceita tudo (algumas vezes por complacência, outras por tolerãncia e outras por gosto mesmo) e pelo nível geral da instrução e do questionamento de nossa sociedade com relação ao seu próprio processo histórico, vai aqui um parabéns hipócrita pela iniciativa de trazer à toma o tema.

Marcos Paulo Carlito · , MS 31/7/2008 19:46
sua opinião: subir
Duborges
 

Discordo do Marcos Paulo. O que acontece é que há uma tendência por parte de alguns representantes da chamada Nova História de simplificar a tão complexa história deste país chamado Brasil. O que é que tem mostrar que Virgulino era um sanguinário? Não creio que isso seja escrever a história do ponto de vista dos vencedores, já que é bem claro que Lampião não está no rol dos vencidos, já que os nordestinos decidiram em plebiscito que ele é herói e não bandido e sua figura é explorada de forma positiva pela arte, pelos meios de comunicação e pelos políticos. Aliás, não aceitar que alguém opine diretamente sobre determinado sujeito histórico é que é uma tendência positivista, a qual renegava veementemente a subjetividade. Parabenizo o autor do texto, por trazer um novo olhar sobre a imagem do Capitão Virgulino.

Duborges · Santo Amaro, BA 31/7/2008 20:43
sua opinião: subir
herculano alencar
 

Deixo aqui minha opinião
Abs,
Herculano
NÓiS, OS VIRGOLINO.

Herculano Alencar

Lampião nasceu aceso,
Aluminhando o sertão,
Já com todos os adereço,
E co' a peixeira na mão,
O bofe do lado avesso,
Na bainha do facão,
Estipulou o seu preço,
Pro mode da inflação,
Anunciando o começo,
Da grande revolução.

O sertão mal dividido,
Como rezava o vigário,
Dava pro povo sofrido,
Um tiquinho do salário,
O cerumim do ouvido,
E o diploma de otário,
Pros coroné do partido,
As terra do inventário,
Todo capim produzido,
Nos dia do calendário.

Lampião julgava errado,
E agitou um reboliço,
Juntou uns gato pingado,
Foi falar com pade Ciço,
Apeou , ouviu calado,
Ao santo foi submisso,
Saiu de lá contentado,
Pronto pra dá o serviço,
Já que foi abençoado,
Sem ter de pagar por isso.

Se embrenhou no sertão,
Magote de cabra macho,
Com muita convicção,
Molejo no espinhaço,
Justiça nas oração,
A morte no seu encalço,
Jabá , farinha e feijão,
Rapadura em pedaço,
Cachaça perto da mão,
Pra quando sentir cansaço.

Uma tropa intinerante,
Desde o sertão pro agreste,
Que nem um judeu errrante,
Seguiu o cabra da peste,
Um cavaleiro elegante,
Dono da roupa que veste,
Iniciou um levante,
De norte a sul, leste, oeste,
Cada lugar, uma amante,
Cada amante, um pivete.

Patente de capitão,
Como manda a hierarquia,
Na frente do pelotão,
Pra demostrar valentia,
Lá estava lampião,
Na mira da oligarquia,
Chapéu de couro e gibão,
Que o sertanejo vestia,
E a plena convicção,
De que seu povo servia.

Um guerrilheiro valente!
Um bandido desalmado!
Opinião diferente,
Dividia os dois lado,
Pros ricos não era gente,
Pros pobres era louvado,
Pros coroné e os parente,
Seu facão era afiado,
Pro povo dito, inocente,
Farinha e capote assado.

Foi assim a vida inteira,
Como inté hoje em dia,
Tem fã clube de carteira,
E a raiva da burguesia,
No cinema, tem cadeira,
E esgota a bilheteria,
Na história brasileira,
É folclore ou fantasia,
E o sangue da peixeira
É sua biografia.

Virgulino, o lampião,
Um Lênin tupiniquin,
Não era nenhum ladrão,
Assaltante ou coisa assim,
Era um homem de ação,
Que lutou até o fim,
Embora na contra-mão,
Batendo em gente ruim,
Era de bom coração,
Porém de curto estopim.

Cangaceiro socialista,
Sem utopia e sem nada,
Guerrilheiro estrategista,
Jogava as carta marcada,
Contra os cabra vigarista,
Das mansão encastelada,
Os verdadeiro avalista,
Da pobreza enraizada,
Crescente a perder de vista,
Mesmo pra vista aguçada.

A pobreza que assola,
O Brasil da maioria,
Que vive pedindo esmola,
Que apanha quando arrelia,
Que os coroné inda enrola,
Prometendo melhoria:
Os moleque na escola,
Condução e moradia,
E muito pão na sacola,
Pra acabar com a bóia fria.

Mesma conversa fiada,
Dos tempos de lampião,
Da mesma coronelada,
Que se apossou da nação,
E que vive aquartelada,
Nas mais moderna mansão,
Ou nas igreja lotada,
Fingindo suas oração,
E comendo a marmelada,
Temperada na a eleição.

Oxente, meu companheiro,
Me dê cá a sua atenção,
Pois nós tudo é cangaceiro,
A gente querendo ou não,
Pois o Brasil brasileiro,
É o Brasil de lampião,
Do povo, que sem o dinheiro,
Trabalha na construção,
Da riqueza que o estrangeiro,
Arremata nos leilão.

Vamos vestir o chapéu,
Roupa de couro e gibão,
Pois nada cai lá do céu,
Tem que ter revolução,
Pra tomar dos coronel
A nossa devolução,
É o nosso voto de fé,
Na fé da nossa união,
Nós vamos morrer de pé
Como morreu lampião.

herculano alencar · São Paulo, SP 31/7/2008 22:07
sua opinião: subir
Claudio Pucci
 

Marcos Paulo, não acredito que tenha optado por ver o lado dos vencedores. Porque na história oficial do Brasil, Lampião é considerado SÓ herói. Quis mostrar a outra faceta também. Sempre há 3 lados nma história. Já li muito sobre II Guerra para saber que nem todo alemão era mau e nem todo americano era bom. Concordo que a versão oficial é a dos vencedores, por isso que devemos ir atrás de outras colocações.
De qualquer maneira, também não acredito que ele não tenha importância nenhuma ou deva ser descartado ou desacreditado. É uma lenda. E todas as lendas são interessantes. Em tempo: foi um texto rápido para falar de algo que não foi mencionado aqui no sudeste, não uma tese. Abraços!

Claudio Pucci · São Paulo, SP 31/7/2008 23:01
sua opinião: subir
Martha Myrrha
 

Muito legal sua construção argumentativa, Cláudio. Você compôs bem a dupla, seriedade e humor! ;) Parabéns. Muito agradável mesmo.

Martha Myrrha · Rio de Janeiro, RJ 31/7/2008 23:14
sua opinião: subir
Marcos Paulo Carlito
 

Gostei de sua humildade Claudio, você reagiu muito bem à crítica carregada que lhe fiz.
A humildade em uma pessoa é a única postura que me desarma completamente. Por essa razão acato sua resposta como coerente e deixo para quem entende melhor sobre o assunto as necessárias colocações (menos contundentes) que possam levar o tema a uma visão mais ampla e profunda do contexto, da vida e da obra de Lampião.

Abraços Guaicuru!

Marcos Paulo Carlito · , MS 1/8/2008 08:54
sua opinião: subir
Marcelo Tadeu
 

Caro Marcos Paulo, também admiro a sua humildade...
Abraços

Marcelo Tadeu · São Paulo, SP 1/8/2008 13:45
sua opinião: subir
Doroni Hilgenberg
 

Voltando
Parabéns!
abraços

Doroni Hilgenberg · Manaus, AM 2/8/2008 11:06
sua opinião: subir
Flavião
 

Passei para dar uma conferida.
Parabéns bela notável aceitação.
Abraços

Flavião · São Paulo, SP 5/8/2008 08:00
sua opinião: subir
Duborges
 

Overmundinho, recanto dos humildes. Vão pra igreja, meus filhos.

Duborges · Santo Amaro, BA 6/8/2008 14:35
sua opinião: subir
Dani Vaz
 

Muito bom!!! Elucidativo!
Faltava falar tudo isso! Ha!
Parabéns! beijão...

Dani Vaz · São Paulo, SP 13/8/2008 21:24
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados