MARIA BARRETO: Pintando seu nome na história

1
Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE
2/4/2007 · 166 · 17
 

Na década de 40, enquanto o mundo sofria com os tormentos da segunda Grande Guerra, no sertão de Sergipe, mais precisamente na pequena cidade de Nossa Senhora da Glória, uma menina de pouco mais de 10 anos, alheia ao destino da humanidade, brincava com cores e papel. E, mesmo diante de sua cinzenta e árida paisagem, mergulhava absorta num universo colorido de formas suaves e tranqüilas. A menina fabricava sua própria tinta. Fazia-a do papel de seda e do crepom molhados. Do sumo da faveira, produzia a tinta verde que faltava às duas paisagens, utilizava leite de manga para dar brilho à cor e pintava o Sertão. Assim nascia a artista plástica Maria Oliveira Barreto, sorvendo cores do próprio ambiente árido sertanejo para recriá-lo mais bonito.

A partir de então, cores e formas passaram a impressioná-la cada vez mais e descobriu-se artista, capaz de colorir o mundo. Tudo ao seu redor passou a lhe pedir cores e a tudo pintava: cabaças, moringas, toalhas, copos. Na década de 70, seu impulso de expressão pictórica fê-la dar vida e profundidade a compensados e duratex.

As cores com que a tudo a artista gloriense vem tingindo ao longo de sua vida refletem uma busca constante de algo que possa sublimar a mediocridade humana diária, de algo que possa tornar a humanidade melhor. “Eu pinto por uma necessidade de expressão, eu preciso pintar”, diz Maria Barreto quando se lhe indagam os porquês de sua arte. Essa necessidade tornou-se maior e mais presente quando, em 1998, sofreu uma profunda decepção e dela soube extrair forças para viver cada vez mais intensamente sua vida e sua arte. Dona Maria decidiu aperfeiçoar-se na técnica pictórica e procurou um artista plástico que conhecia para pedir-lhe que a ensinasse e, embora não obtivesse o que buscara, soube revestir-se de força ainda maior para, sozinha, construir o próprio caminho pelas artes plásticas.

Comprou telas, cavaletes, tintas e começou a explorar as possibilidades de que dispunha. Inicialmente, pintava com tinta acrílica à base de água, mas desistiu dessa técnica porque a tinta secava rápido demais. E, aplicando cores dissolvidas em óleos secantes sobre telas, perfez inconscientemente os caminhos que perfizeram os artistas da Europa no final da Idade Média. Grandes nomes como Van Gogh, Mondrian e Rembrandt deixaram imortalizadas obras-primas utilizando o mesmo óleo sobre tela e desenvolvendo novas maneiras de explorar as possibilidades dessa técnica. Indiferente a esses dados históricos e às descobertas de seus predecessores, essa nordestina aprendeu sozinha as vantagens da pintura a óleo. Isso lhe permitiu obter efeitos de grande riqueza com a cor, os contrastes de tons e o claro-escuro, pois o óleo seca relativamente devagar, com pouca alteração na cor, o que possibilita igualar, misturar ou graduar os tons e fazer correções com facilidade. Suas telas ilustram algumas formas de trabalhar essa técnica: na representação de paisagens, em combinações cromáticas e em camadas para expressar determinadas atmosferas.

Maria Barreto tem certa predileção por flores e paisagens e, quando se refere a seus quadros, afirma: “Gosto de todos como filhos”. O público, contudo, apresenta algumas preferências e as telas mais comentadas são “A casa de Antônio de Honório” e “Mariazinha”.

Sua primeira aparição pública se deu em agosto de 1999, quando, vencendo a timidez, decidiu expor duas de suas telas, “O carro de Boi” e “O farol”, no Memorial do Sertão, em Nossa Senhora da Glória. A partir de então, pedidos para que ela os expusesse novamente não mais faltaram e em março de 2000, no Espaço Cultural Deputado Djenal Queiroz, na Assembléia Legislativa, em Aracaju, houve sua primeira exposição individual: “Sertaneja retrata o Velho Chico”. Lentamente, o público está conhecendo os trabalhos dessa pioneira artista plástica do Sertão que, com certeza, está pintando seu nome na história dessa região.

Maria Barreto já expôs seus trabalhos em diversas ocasiões e eventos.

• 13/08/99 – Memorial do Sertão, em N. Sra. da Glória.
• 30/12/99 – Feira de Ciência e Cultura do Colégio N. Sra. da Glória, na AGEC, em N. Sra. da Glória.
• 29/10/99 – Sexta Especial, na AABB, em N. Sra. da Glória.
• De 15/02/00 a 10/03/00 – 1ª exposição individual “Sertaneja retrata o Velho Chico”, no Espaço Cultural Deputado Djenal Queiroz, na Assembléia Legislativa, Aracaju.
• De 07/04/00 a 17/04/00 – No BANESE de N. Sra. da Glória.
• 29/01/01 – 1ª Feira de Artes dos Municípios do Alto Sertão Sergipano (Implantação do Portal Alvorada no Município) em N. Sra. da Glória.
• De 24/05/01 a 25/05/01 – Encontro Cultural promovido pelo PET e pelo Projeto Luz do Sol, na AGEC, em N. Sra. da Glória.
• 01/08/01 – Diagnóstico participativo Local, organizado pelo SEBRAE na AABB, em N. Sra. da Glória.
• de 04/10/01 a 07/10/01 – 1º Festival de Arte, Cultura e Esporte, em Canindé do São Francisco.
• 31/10/01 – Gincana do “Cantinho da Sabedoria”, no Jardim “Pequeno Príncipe”, em N. Sra. da Glória.
• De 08/03/02 a 31/03/02 – Comemoração ao Dia Internacional da Mulher, no Espaço Cultural da Assembléia Legislativa, Aracaju.
• 17/03/02 – Instalação a Associação Cultural do Sertão Sergipano (ACSER), em N. Sra. da Glória.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Sergio Rosa
 

Oi, Jorge. Penso que não há necessidade de colocar o título inteiro em caixa alta. O que acha?

Sergio Rosa · Belo Horizonte, MG 30/3/2007 18:36
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Poeta Jorge Henrique
 

Corcordo. Obrigado pela força.

Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE 30/3/2007 18:38
sua opinião: subir
Adriano Nascimento
 

Maria Barreto você já expôs seus quadros em outros estados?

Adriano Nascimento · Ribeirão Preto, SP 2/4/2007 18:53
sua opinião: subir
Poeta Jorge Henrique
 

Não, Adriano. Lamentavelmente, os quadros de Maria Barreto ainda continuam restritos a Sergipe, mas ela está pronta para levar seu trabalho a outros Estados.
Um abraço.

Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE 3/4/2007 08:35
sua opinião: subir
FILIPE MAMEDE
 

Se não foram expostos em outros lugares, pelo menos já sabemos um pouco sobre essa poeta das cores. Parabéns pelo texto.

FILIPE MAMEDE · Natal, RN 3/4/2007 08:54
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Roberta Tum
 

Gostei da matéria e fiquei curiosa em conhecer o trabalho!

Roberta Tum · Palmas, TO 3/4/2007 09:47
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Poeta Jorge Henrique
 

Obrigado Filipe.

Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE 3/4/2007 21:28
sua opinião: subir
Poeta Jorge Henrique
 

Pois é, Roberta, tentarei trazer mais dessa artista gloriense aqui pra o Overmundo.
Um abraço.

Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE 3/4/2007 21:33
sua opinião: subir
faty
 

Jorge,gostei muito da materia e do texto.Parabéns!
Um abraço!

faty · Goiânia, GO 4/4/2007 15:04
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Poeta Jorge Henrique
 

Obrigado, Faty. Que bom que gostou.
Um abraço.

Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE 4/4/2007 18:27
sua opinião: subir
Juliaura
 

Mulher se pinta para sair e deixar a rua mais bonita.
Maria pinta o que deseja, como filhos que proteje e beija,
Acarinha e faz aparecer em cada rostinho as faces rosas
o azulzinho dos olhinhos, de uns, o verde de outras, o preto e castanhos dos mais todos e todas.
Que linda história de Maria mostrastes, Poeta Jorge.
É um prazer multicor conhecê-la por ti.
Agradecida.

Juliaura · Porto Alegre, RS 6/4/2007 17:53
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Poeta Jorge Henrique
 

Juliaura, que linda participação.
Fiquei emocionado.
Que bom me poder fazer veículo de tão gratas emoções que vão e vêm.
Obrigado.

Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE 8/4/2007 20:50
sua opinião: subir
Juliaura
 

Salve Jorge, poeta que nos enrique_ce!

Juliaura · Porto Alegre, RS 8/4/2007 22:39
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
David Cruz
 

Parabéns pelo texto, Jorge. Emociona-me a parte "mesmo diante de sua cinzenta e árida paisagem, mergulhava absorta num universo colorido de formas suaves e tranqüilas"

Muito obrigado.

David Cruz · Nossa Senhora da Glória, SE 25/4/2007 09:44
sua opinião: subir
Poeta Jorge Henrique
 

Obrigado, David, pelo comentário. Fico muito contente em vê-lo aqui participando do Overmundo. É um espaço magnífico e é muito importante sua interação.
Ah! realmente, Maria Barreto conseguiu/consegue, de uma maneira surpreendente, retirar da aridez de uma realidade bastante adversa uma leveza e uma beleza que transmite ao apreciador de suas telas uma grata suavidade.

Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE 25/4/2007 10:00
sua opinião: subir
LUIZCORDELISTA
 

Gostei da matéria, pois Maria além de artista é nossa amiga e merece todo nosso apoio como glórienses que somos.

LUIZCORDELISTA · Nossa Senhora da Glória, SE 18/5/2007 06:23
sua opinião: subir
Poeta Jorge Henrique
 

Grande Luís! Você, finalmente por essas bandas de cá!
Maria é artista, é gloriense e é amiga, merece, pois, todo o nosso apoio, todo o nosso aplauso.
Um grande abraço.

Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE 18/5/2007 06:27
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

zoom
zoom
zoom

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados