MARIA VAI COM AS OUTRAS

Divulgação
1
Ériton Berçaco · Muqui, ES
4/12/2007 · 183 · 6
 

A animação cearense “Vida Maria” expõe, com crítica e poesia, um sério problema da educação no Brasil

Nem a chuva, nem o vento que soprava na ilha de Vitória impediram que o público capixaba lotasse o Teatro Glória na última noite do festival de cinema mais esperado do Espírito Santo. Como nos outros anos, ficar em casa e perder uma programação tão variada do 14º Vitória Cine Vídeo - para nós tão órfãos de cinema de qualidade - seria, no mínimo, deixar o sonho da sétima arte ainda mais longe dos nossos olhos. Entre as produções, vindas de 13 estados brasileiros, a animação cearense “Vida Maria”, de Marcio Ramos, comoveu o público que não poupou aplausos, gritos e assovios - tanto foi o sucesso, que o curta levou o prêmio do júri popular, juntamente com a produção capixaba “Touro Moreno”, de Juliano Enrico.

Em meio à árida paisagem nordestina, debruçada na soleira da janela, a pequena Maria José se distrai “desenhando”, em uma folha de papel, o seu nome, a única coisa que sabe escrever, diante da imensidão de palavras e conhecimentos que o mundo lá fora, além daquela estreita janela, pode lhe oferecer. Mas, enquanto a pequena Maria reescreve seu nome, a mãe a obriga a deixar os estudos e ir para o quintal “procurar o que fazer”. Com isso, fecha-se a janela para um mundo que Maria jamais descobrirá. A pequena cumpre a ordem da mãe, vai ajudar nos serviços da casa. O tempo passa, Maria José cresce, casa-se, tem filhos... e a história se repete. Agora é ela quem impede que a filha, Maria de Lurdes, desenhe seu nome à soleira da janela, pedindo que a menina a ajude nas tarefas da casa. A menina deixa seu caderno e vai fazer o que pede a mãe. E a história se repete...

Permeada por um leve humor - observado na fala, nos movimentos, e na vida simples e cíclica das personagens -, a cadência triste da trilha sonora, de Herlon Robson, revela que o problema da falta de continuidade dos estudos, da evasão escolar e da conseqüente falta de oportunidades futuras, atinge Maria de Lurdes, Maria José, Maria de Fátima, Maria da Conceição, Maria das Dores e tantas Marias e Joões pelo Brasil afora. O curta, com pouco mais de oito minutos, expõe uma triste realidade que não é só vivenciada por crianças do Nordeste. Em todo o país, todos os dias, há meninos e meninas que deixam de ir à escola, embora no interior e nas periferias as condições sociais acirrem ainda mais essa bruta realidade e faz com que a idéia de um Brasil mais justo, conquistado por uma educação de qualidade a todos os cidadãos, pareça ainda mais distante.

O curta, de roteiro aparentemente simples, sem muitas artimanhas, é criterioso com a linguagem poética e não poupa seqüências em que a câmera “esconde” e revela, na hora certa, o que é inerente à história contada: um ciclo que, como tal, cristaliza uma realidade que assusta, mas que ainda passa despercebida aos nossos olhos; seja porque não vemos, seja porque fingimos desconhecê-la.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Cintia Thome
 

Èriton. Magnífico. Exposição muito boa. E de um costume, ou uma contingência de comportamentos. Parabens. Voto. abçs.

Cintia Thome · São Paulo, SP 4/12/2007 08:09
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Thiago Camelo
 

Legal Ériton. Esse curta é realmente um blockbuster dos festivais (como um amigo disse no festival de Vitória). O público sempre aplaude muito. Há coisas bacanas nessa animação, o plano seqüência é bem engenhoso e a primeira elipse de tempo é realmente bem bolada, quando a mulher aparece grávida pela primeira vez.

Thiago Camelo · Rio de Janeiro, RJ 4/12/2007 11:48
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Helena Aragão
 

Ériton, que bacana. Sempre me pego no olhar das pessoas e agora me peguei no olhar triste desta "boneca". Impressionante como a animação consegue dar espaço pra essas sutilezas. Muito bacana! Abraço

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 6/12/2007 14:15
sua opinião: subir
Ériton Berçaco
 

Oi Cintia, Thiago e Helena,
essa animação realmente é querida do público, foi o q percebi em Vitória, e a gente entende bem o porquê. É sutil e simples. E como disse Helena, como o olhar triste de uma boneca, de uma animação, pode tocar tanto. Esse é o poder da arte, e neste caso, a arte da imagem animada...
Bjos

Ériton Berçaco · Muqui, ES 7/12/2007 09:57
sua opinião: subir
Psychojoanes
 

Parece ser bem legal.

Psychojoanes · São Domingos do Prata, MG 8/12/2007 08:04
sua opinião: subir
thais aragao
 

Um a entrevista com Márcio Ramos, diretor do curta:
http://www.cinemacomrapadura.com.br/cineceara/2007/06/04/entrevistamos-marcio-ramos-diretor-de-%E2%80%9Cvida-maria%E2%80%9D/

thais aragao · Porto Alegre, RS 12/12/2007 08:55
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

Maria deixa de estudar para trabalhar zoom
Maria deixa de estudar para trabalhar
Maria, agora, impede que sua filha estude para cuidar das tarefas de casa zoom
Maria, agora, impede que sua filha estude para cuidar das tarefas de casa
a tristeza do olhar marca a história que se repete zoom
a tristeza do olhar marca a história que se repete

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados