Meu labirinto de leituras

Marcelo Buainain (DN)/ Todos os direitos reservados
1
André Azevedo da Fonseca · Uberaba, MG
17/8/2006 · 82 · 11
 

O escritor argentino Jorge Luis Borges dizia que as bibliotecas estão povoadas de espíritos, pois livros são como sarcófagos onde hibernam as almas dos autores. Sim, gênios literários são capazes de derramar a essência do próprio espírito nas entrelinhas dos textos. Da viscosidade das narrativas emergem idéias e sensações que, ao serem interpretadas na leitura, ressuscitam e flutuam pela nossa imaginação, passando a iluminar as profundezas de nossa inconsciência. É por isso que grandes escritores tornam-se imortais. Eles renascem em pedaços a cada lampejo de nossa inteligência no exercício da leitura de suas obras.

Quando nos debruçamos sobre um livro e nos deixamos hipnotizar pelo espírito do autor, somos levados, passo a passo, a um labirinto de experiências novas que magnetizam nossa alma e inspiram nossa percepção. Através da literatura percebemos constelações de realidades invisíveis e enxergamos a multiplicidade de possibilidades da vida; mas é imprescindível travar esse contato na juventude, de preferência antes dos 20 anos, pois nesse período nossa alma ainda está fresca, maleável, sedenta de vida e repleta de eletricidade. Velhos têm a alma seca, dura, enfastiada e escura. Tornar-se adulto sem mergulhar na literatura embrutece a alma. Quem passa pela vida sem curtir a experiência literária deixa de vivenciar uma das sutilezas mais delicadas do espírito humano.

Quando falo de literatura em sala de aula, meus alunos sempre me cobram sugestões para iniciar-se nessa descoberta. Eis aí, então, uma pequena lista de alguns escritores que fizeram minha cabeça na adolescência. Na verdade, eles mais me perturbaram do que ofereceram respostas; mas é justamente por isso que são bons: é assim que eles ensinam a pensar. Deixei de lado os autores que li depois dos 20, pois a idéia aqui é dizer coisas que de fato interessem a uma jovem mente inquieta. Evidentemente, prefiro mencionar escritores, e não as obras, porque a essência de cada autor dificilmente se reduz a um livro só. Por fim, se cada um deles me ensinou alguma coisa diferente, não quer dizer que ensinem as mesmas coisas a outros leitores. A lista é totalmente anárquica; os escritores se sucedem de acordo com as regras secretas de minha memória. Sugiro que você leia com calma, parando de autor em autor, para refletir bravamente sobre cada uma das provocações. É assim que se faz.

Pois bem, com William Burroughs aprendi que não devemos acreditar em ninguém nem tampouco duvidar do que quer que seja. Com Gabriel García-Marquez, que a ficção é mais real que essa fantasia que chamamos de realidade. Com Jorge Castañeda, que o mundo é muito mais colorido do que suportam os olhos. Com Lewis Carrol, que a lógica da realidade é incoerente, mas as coisas são assim mesmo. Com Jorge Luis Borges, que o enigma é perene, pois a mente humana é um labirinto de espelhos.

Dostoievski me mostrou que somos povoados por demônios: nossos maiores inimigos estão dentro de nós mesmos. Com Montaigne, aprendi que filosofar é aprender a morrer. Com Nabokov, percebi que a inocência pinta o demônio de rosa. Com Voltaire, que o otimismo aleija. Com Turgeniev, que amor e rancor tropeçam no baile da rima. Brönte iluminou com trevas as profundezas do amor. Com Choderlos de Laclos, aprendi que a paixão é um suicídio no abismo.

Com George Simenon percebi que os homens perspicazes não fazem mais que tatear suas dúvidas até que o acaso ilumine uma intuição. Com Oswald de Andrade descobri que um intelectual é um canibal. Com Millôr Fernandes aprendi que quando a gente menos espera, o óbvio nos surpreende. Com Aldous Huxley, que o mundo é do tamanho de nossa percepção. Ele me mostrou também que pensar é um enorme prazer. Com Oscar Wilde, aprendi que a melhor maneira de se livrar de uma tentação é cedendo a ela. Com Jack Kerouac, que o improviso da vagabundagem é o supra-sumo da criatividade selvagem. Com Campos de Carvalho, que a lucidez é um disfarce da loucura.

Com Tolstoi, percebi que o caráter é a maior medida do homem. Com Herman Hesse, que é preciso subir as escadas do inferno para alcançar o céu. Com Gogol, que o humano é um animal ridículo, do berço ao caixão. Com Nietzsche, que o projeto humano é superar-se ao infinito. Com Salinger, que a autoconfiança se ergue sob um pântano de insegurança. A propósito, se eu devesse indicar apenas um livro a um adolescente, sugeriria O Apanhador no campo de centeio, de Salinger.

Com George Orwell aprendi que podemos ser controlados feito um pacote de presunto se deixarmos os políticos apropriarem-se do poder do Estado. Com Mário de Andrade, que o Brasil não tem história: tem rapsódia. Com Mário Quintana, que o autodidata é um ignorante por conta própria (que na minha opinião, ainda é melhor que o ignorante graduado...).

Com Fernando Pessoa, aprendi que o homem é divino mesmo sem a existência de Deus. Com Saramago, que o limite entre o homem e a besta é um fio de ficção. Com Rachel de Queiroz, que a mulher é um gigante amedrontado. Com Kafka, que quando o inacreditável torna-se comum, nossa sensibilidade se anestesia. Com Paulo Leminski aprendi que a poesia pode te virar do avesso. Com o Chacal, que poesia é caso de polícia. Com Allen Ginsberg, que a poesia é um entorpecente. Com Rimbaud, que a poesia, afinal, é inútil como a vida...

Chega. Esses foram alguns dos autores básicos de minha iniciação literária. Depois vieram muitos outros – Guimarães Rosa, Mário Palmério, Lobo Antunes, Philip Roth etc... – que ainda me acompanham no meu amadurecimento. No entanto, sei que nada se compara em grandeza e intensidade com tudo aquilo que ainda não li. A literatura é uma fonte mágica que, quanto mais se bebe, mais seca fica a garganta. Quanto mais livros devoramos, mais famintos ficamos. Quanto mais caminhamos, maior o labirinto...

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Ana Cullen
 

Fantástico! Nada a pedir, nenhuma alteração a fazer...talvez daqui alguns anos eu peça uma nova lista...mas essa...me ocupará por um tempo!
Abraço!

Ana Cullen · Brasília, DF 15/8/2006 17:27
sua opinião: subir
Thiago Camelo
 

Nossa, quanta definição boa sobre os autores. E isso é tão raro, normalmente essas definições me soam tão bobas. Das que mais gostei:

"Com George Simenon percebi que os homens perspicazes não fazem mais que tatear suas dúvidas até que o acaso ilumine uma intuição.".

"Com Salinger, que a autoconfiança se ergue sob um pântano de insegurança.".

Thiago Camelo · Rio de Janeiro, RJ 15/8/2006 17:31
sua opinião: subir
Rodrigo Teixeira
 

Escrevi uma música inspirada no Salinger e Apanhador!

Rodrigo Teixeira · Campo Grande, MS 17/8/2006 16:56
sua opinião: subir
ronaldo lemos
 

André, imagino o que você teria a dizer sobre o Murilo Mendes, autor do nome do Overmundo (quem nunca leu o poema que deu nome ao site pode lê-lo aqui), além de mineiro assim como você e eu...

ronaldo lemos · Rio de Janeiro, RJ 17/8/2006 17:26
sua opinião: subir
Marcos Paulo
 

Aldous Huxley, George Orwell, Saramago..e tantos outros. Tá bem de leitura, hein, André? Maravilha!

Só faltou Clarice na lista.

Beleza de texto!

Marcos Paulo · Rio de Janeiro, RJ 17/8/2006 18:41
sua opinião: subir
Sebastião Firmiano
 

A única coisa a fazer, além de lêr alguns que não li é:
Reler os que já li.
Louvar a sua maestria em ordenar esse têxto e lista.
Más cada um temos nossa lista.
Na minha eu teria à acrescentar:
Machado, Proust e Drummont, naturalmente.
É normal, quem faz esse tipo de lista sem pre esquece alguém.
Gostei muito.

Sebastião Firmiano · São Paulo, SP 17/8/2006 20:34
sua opinião: subir
André Azevedo da Fonseca
 

Bacana que gostaram. Vão aí algumas respostas aos comentários. Obrigado Ana e Thiago pelos comentários. Rodrigo, estou ouvindo a música neste momento: bacaníssima! Deixei meu voto! Ronaldo, eu não sabia dessa do Murilo Mendes. Esse ainda não li. Valeu a dica! Marcos, fui apresentado à Clarice depois dos 20 e tantos. Só ela, sozinha, dá uma lista! Sebastião, como escrevi, nada se compara em grandeza e intensidade com tudo aquilo que ainda não li. Quem sabe não fazemos uma lista coletiva para cruzar nossos labirintos de leituras? É um convite a todos :)

André Azevedo da Fonseca · Uberaba, MG 17/8/2006 21:41
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Panpan
 

Muito lindo, cara! Seu texto iluminou as profundezas da minha inconsciência! Lindo!

Panpan · Campinas, SP 18/8/2006 13:25
sua opinião: subir
Amanda Maia
 

Oi, André!
Cheguei a este texto fazendo uma busca por Oscar Wilde, autor da peça que estou montando como projeto de graduação, Salomé. Enfim, que bom que cheguei aqui! Que lista maravilhosa! Que sensibilidade e pungência no seu texto! Quem me dera ter tido tudo isso antes dos 20... mas estou me esforçando... Beijinho pra ti!

Amanda Maia · Salvador, BA 7/7/2007 09:02
sua opinião: subir
Amanda Maia
 

E ainda por cima, te visitando conheci o maravilhoso poema de Murilo Mendes que dá nome ao Overmundo! Muito obrigada pela oportunidade!

Amanda Maia · Salvador, BA 7/7/2007 09:05
sua opinião: subir
Rodrigo Rush
 

Grande Azevedo, putz passou um filme na minha cabeça lendo o texto, lembrei da minha primeira aula quando você nos apresentou seu livro, lembrei da aula histórica do dia 06/06/06. Cara parabéns pelo texto, gostei de todas as definições em especial " Lewis Carrol, que a lógica da realidade é incoerente, mas as coisas são assim mesmo."
Abraço.

Rodrigo Rush · Sacramento, MG 17/11/2010 13:56
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados