O AFRO NA CULTURA MIDIÁTICA

casacinepoa.com.br
Lázaros Ramos (Evilásio)
1
Paulo Apolonio · Salvador, BA
7/12/2007 · 175 · 26
 





Vim denunciar, brigar, reclamar e não sei mais o quê, mas que seja para chamar atenção pelo menos.
Sou negro e com muito prazer! Nunca sofri nem um tipo de preconceito e se sofri nem percebi, pois não ligo para essas coisas. Sei que temos que brigar pelos nossos direitos e apóio essa atitude!
Há anos estamos à margem da sociedade e não temos direito a quase nada, se não a nada. Mas não vou entrar nessa conversa, pois não perco meu tempo para falar sobre esse assunto, pois acho que o preconceito atual se resume a quem tem e a quem não tem dinheiro. Há quem ainda tem preconceito por cor, mas a maioria é sócio-econômica.
Vim falar de Evilásio, personagem de Lázaro Ramos, da novela das 9h, Duas Caras do autor, Aguinaldo Silva, que namora uma menina de família tradicional e rica, Júlia.
O que vim falar é que na novela só se fala: afro pra lá, afro pra cá, o afro é isso ou aquilo. Será que eles não percebem que com essa maneira de tratar o negro estão fazendo um novo tipo de preconceito mais elitizado? Pois só vão mudar o nome, ou seja, elitizá-lo, mas o preconceito estará contido, infiltrado na palavra. E assim, quando a pessoa chamar o outro de AFRODESCENDENTE querendo ser preconceituoso não será, pois chamar de afro não é crime, chamar de afro “PODE”!
Infelizmente as pessoas não lêem e não sabem que o que significa signos e significantes na linguagem semiótica. Talvez por isso não saberão que estarão sendo agredidos. No discurso estão contidas outras linguagens que já vêm com a pessoa desde sua infância, na escola e até mesmo o que é aprendido vendo mídia cultural televisiva. O discurso como toda “atividade comunicativa com interlocutores; atividade produtora de sentidos se dá na interação entre falantes”, fala Helena Brandão em seu texto Analisando o Discurso.
Convivendo com crenças, ideologias, etc, nosso discurso fica cheio de significados e significantes. Signo é qualquer elemento que seja utilizado para exprimir uma dada realidade física ou psicológica e significante é a imagem.
“Às vezes, esses sentidos são produzidos de forma explícita, mas na maioria das vezes não. Nem sempre digo tudo o que penso, deixo nas entrelinhas significados que não quero tornar claros ou porque a situação não permite que o faço ou porque não quero me responsabilizar por eles...”, disse Brandão.
O negro na sociedade da teledramaturgia brasileira sempre foi o empregado, o motorista, o escravo ou qualquer papel que o julgasse menos dos que os brancos. Isso forma uma imagem bastante caricatura do ser negro. Em 2006 a novela Sinhá Moça teve um inquérito aberto, pois deturpava a imagem do negro como se ele não fosse capaz e precisasse de heróis brancos para ser salvo. Agora em 2007, o autor da novela Duas Caras está “foragido”, pois recebe ameaças por causa do núcleo Evilásio e Júlia. O autor está fora do país para manter-se vivo.


compartilhe

comentários feed

+ comentar
azuirfilho
 

Paulo Apolinário Querido Amigo.
Maior satisfação ler seu texto táo bem preparado.
Uma extraordinária análise História.
Muito importante a questáo quem tem e quem não tem.
Muito bacana vocetertrazido este trabalho tão elevado para enriquecer nosso Overmundo e a nossa cultura Brasileira.
Parabéns pela sua formação Humana.
Um Trabalho admirável de uma pessoa também admirável.
Maior ogulho ser seu amigo.
Seu trabalho contribui para instruir nosso povo brasileiro.
Abração e voto merecido.

azuirfilho · Campinas, SP 4/12/2007 16:50
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

Caro Apolônio. Gostei muito da colaboração, e também em falar de um ator dos mais interessantes , exímio nas artes como Lázaro Ramos. O que posso falar é que somos todos irmãos e você faz um texto esclarecedor e de bom tom. Hoje vejo só filmes neste canaldo plinplin ou algo cultural...Mudei ...prefiro jornalistas sem censura prévia, rs.Um abraço.

Cintia Thome · São Paulo, SP 4/12/2007 18:14
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Paulo Esdras
 

Muito bom, Apolônio! Texto reto como deve ser. abs!

Paulo Esdras · Brumado, BA 4/12/2007 18:27
sua opinião: subir
Sinvaline
 

Muito bem Apolônio, enquanto houver quem grite por seus direitos, reclame o que sente, mostre o que está dentro, ai sim há esperança de um mundo com igualdade.
parabens
sinvaline

Sinvaline · Uruaçu, GO 4/12/2007 21:37
sua opinião: subir
Felipe Henrique
 

Vim!... mais volto!

Felipe Henrique · Mesquita, RJ 4/12/2007 22:23
sua opinião: subir
Higor Assis
 

Olá caro amigo.

O texto está bacana, porém senti falta de mais argumentos. Ele pode ser melhor trabalhado com vários ganchos, seja com entrevistas, seja com citações de autores.

O que acha ? Da tempo, pois esta na fila de edição ! Pra mim soou o texto como um birra, claro o sentido dela é nobre, mas para um ensaio ou artigo pode ser melhor trabalhado.

Valeu!

Higor Assis · São Paulo, SP 5/12/2007 08:25
sua opinião: subir
Kais Ismail
 

Amigo Paulinho,
o preconceito em relação a cor ainda existe. Eu exerço uma profissão, na qual eu ainda não tive oportunidade conhecer nenhum outro colega negro. Dentro da puplicidade, há negros diretores, atores, roteirista e até produtores de set. Menos produtor de locação(até onde eu sei).
Produzir locações, é bem complicado. Pois muitas vezes tem que convencer um bacana a ceder a sua mansão, para que uma equipe de 60 pessoas adentrem a sua moradia para filmar durante horas e horas. E muitas vezes, o valor oferecido não compensa aojá milionário proprietário.
Certa vez eu estava conversando com um bacana, e ele me comentava o quanto era interessante o meu trabalho. Lhe respondi que sim, mas que tb era muito desgastante pela desconfiança apresentada no primeiro contato. Que é feito de porta em porta.
Aí ele me respondeu: É, se vc fosse negro, eu nem teria lhe atendido...
Não foi só isso, tem muito mais ainda... A minha tolerância é ZERO para o racismo! Pois bem sei o que é ser discrimado!
O palestino hoje, é tão discrimando quanto os homossexuais, judeus, negros e pobre. No mundo inteiro.
Um forte abraço!
E não deixe nunca de se indignar com o que merece indignação.

Kais Ismail · Porto Alegre, RS 5/12/2007 11:32
sua opinião: subir
Kais Ismail
 

Nos anos 80, quando havia a febre do vídeo VHS, muitas empresas que exportavam móveis, lãs, eletrodomésticos, calçados e doces para a Europa, fizeram uso de audiovisuais para oferecerem os seus produtos. No audivisual, era apresentado todo o processo da matéria. Se era calçados, mostravamos a vaquinha no campo, o seu couro sendo curtido, tingido, cortado, costurado e sendo moldado. Assim, conheci na intimidade várias fábricas.
De posse da fita, o vendedor fazia as suas vendas no exterior.
Só Deus sabe, o quanto eu ficava constrangido, quando o meu diretor me ordenava a troca de funcionários nos equipamentos. Eu tinha que colocar os negros, de forma que ficassem ao fundo, foro de foco. Muitos desses operários ficavam sentidos e me perguntavam, pq eu a estava tirando do seu setor, e eu não sabia a onde me enfiar!
Uma vez comentei com o meu diretor que não queria mais fazer aquilo, e ele me disse: É a ordem do cliente! Desta forma, mostrando branco trabalhando na fábrica, dá mais credibilidade ao produto. Meu Deus do céu!! As vezes eu me pergunto, pq Deus me coloca a testemunhar essas coisas?

Kais Ismail · Porto Alegre, RS 5/12/2007 14:43
sua opinião: subir
Sinvaline
 

votado com muito prazer
abraços
sinvaline

Sinvaline · Uruaçu, GO 6/12/2007 16:52
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

Tenho estórias sobre o racismo de cair o queixo...uma vez foi um padre que batizou um de meus filhos. Foi um batizado em grupo, depois da cerimônia, o padre veio pedir desculpas e dizer que se soubesse da presença de meu compadre não teria realizado junto "aquela gentinha" e na verdade éramos os únicos brancos...Falar da cabeça destes padres é de desacreditar que ainda façam campanha da fraternidade, rsrs. Não me comove mais depois daquele dia, tanto é que batizei de novo meu filho na cidade onde eu morava, pois o primeiro padre pra mim, não passava de um monstro diabólico doido (já morreu, deve estar naquele lugar onde tudo é bem quentinho,rsrs))
Bom, acredito que este texto pode ser desdobrado...Parabens Apolonio.Votado

Cintia Thome · São Paulo, SP 6/12/2007 17:08
sua opinião: subir
Andre Pessego
 

Meu querido Apolônio, Eu vim votar. E ia votar e ia embora, e ia procuar esquecer, e ia ficar chateado. E naõ estou no mundo para me chatear. Prefiro chatear aos outros. Não a t i, quero
me refiro. "aos outros".
a) Não gosto quando alguém diz que não liga pra "isto". Isto é muito grave. O preconceito racial é maior problema da sociedade brasileira. Resolvido ele, 90% do Brasil estará resolvido.
Resolvido "o isto" teremos generais negros no Exército.
b) O AFRODESCENDENTE, é a grande tirada das Forças Armadas Brasileira. É militar. O "mulato", o "moreninho".... foi criação da nobreza. Trilhou entre inocente e safado, e até, sem maldade.
O AFRODESCENDENTE não - militar - anda armado,matando; em becos, vielas, faróis....... Matando. Matando na certeza de que não há negro rico, na certeza de que em favela só mora pobre.
- Na campanha Presidencial o Lula foi proibido, proibido de pronunciar a palavra negro. E só ele pronunciou TRES VEZES, o termo afrodescendente. Mas nenhum dos tantos candidatos.
- Certa vez, há uns 8 anos dizia numa reunião "NEGRO AINDA NÃO PODE TER TERRA NO BRASIL", e fui chacoteado. E disse - "O ALCEU COLARES, não pôde e não pode ter terra". E o interroguei se tinha. Calou-se, preferiu ser candidato a. Pois naõ tem.
- o DIA em que tivermos acima de 25% dos oficiais generais negros; o dia em que tivermos acima de 25% dos gerentes do
Banco do Brasil negros; o dia em que a maioria dos Diretores do Branco Central for de negros.... Ai poderemos dizer não ligo pra isto.
- Tudo isto só será possível com a QUEDA E ALTERAÇÃO DO INSTITUTO DA ANTERIORIDADE NO DIREITO BRASILEIRO, por um período determinado e em relação ao negro. Já pedido por Nina Rodrigues, no bojo do primeiro ´Código Civil.
- Tudo isto só será possível, com a participação e vontade das
FORÇAS ARMADAS BRASILEIRAS. Porque estão nelas todos os entraves integracionistas do Brasil.

Meu caro, o artigo é teu, meu é só o comentario. E fico, como tu, feliz com cada intervençao neste sentido.

Andre Pessego · São Paulo, SP 6/12/2007 19:43
sua opinião: subir
Paulo Apolonio
 

Cintia, que padre era esse??
Eu nunca sofri com isso, mas se um dia laguém (desumano) me fizer algo vai ouvir uma aula que vai se enverginhar para o resto da vida.
Obrigado Cintia

Paulo Apolonio · Salvador, BA 6/12/2007 20:37
sua opinião: subir
j.alves
 

Muito bom meu caro.

j.alves · São Paulo, SP 6/12/2007 20:44
sua opinião: subir
Paulo Apolonio
 

Kais, isso de colocar o branco na frente seja lá do que for existe. Quer um exemplo? O programa de auditório desses canais sempre tem gente bonita na linha de frente. O que isso? Só existe pessoas binitas, brancas? É claro que não
as só se ver gente "bonita" na linha de frente, branca!
Nós negros, judeus, palestinos, etc, estamos no mesmo barco. Somos deixados à margem toda que possível. Mas somos fortes e resistentes.
Tem uma banda do RJ chamada, POnto de Equilíbrio, que tem uma seguinte frase: "Somos negros para impedir que o brilho da nossa luz cegue os olhos das pessoas". Acho isso muito lindo.
Abração meu amigo, Kais.

Paulo Apolonio · Salvador, BA 6/12/2007 20:45
sua opinião: subir
Paulo Apolonio
 

André, quando eu disse que não ligo para "isso", falei do preconceito em si, ou seja, se alguém me discriminar vou figir quer não é comigo, pois acho que assim ela vai se compreender e verá que está perdendo o tempo dela.
Adorei seu comentário e acho também que só assim, como diz você, teno 25% de generais negros, o Brasil melhorará.
Abração!

Paulo Apolonio · Salvador, BA 6/12/2007 20:50
sua opinião: subir
Rafael Teixeira
 

Paulo, li o teu texto e já votei com muito orgulho e prazer. Quanto mais conseguirmos chamar a atenção pra real situação das coisas neste país, melhor não só pra nós quanto pros que vierem, que terão a (in)grata responsabilidade não só de carregar nossos mais de 500 anos de história, como também nossos crimes culturais e étnicos nas costas.

Me entristece ainda mais esse estado atual das coisas pois, mesmo sendo branco (ou latino-americano, já q é pra sermos "corretos"), sou gay e me sinto tremendamente deslocado qdo leio em algum lugar q o Brasil é um dos países menos preconceituosos - pelo menos em todo o continente americano. Imagine se fôssemos o país mais preconceituoso então!

A Globo consegue ser a emissora que prega a expressão "afro-descendente" e casais gay sem beijo ou demonstrações de afeto entre si. Ainda na mesma novela (uma das mais chatas dos últimos tempos, aliás) temos tbm o cara gay que se apaixona por uma mulher! De tal forma que fica ÓBVIO que se você é gay, só pode se apaixonar por mulher, oras bolas! Incrível, não é? Casal gay demonstrar afeto? Beijo gay/lésbico? Negros que não morem na favela ou não sejam empregados/mordomos/traficantes/ladrões? Aonde já se viu!

:\

PS: não sei se é pra rir ou pra chorar, mas ainda anteontem o Casseta e Planeta teve a pachorra de ressuscitar a piada da loira burra.

Rafael Teixeira · São Paulo, SP 7/12/2007 00:25
sua opinião: subir
acgt
 

Paulo, o maior preconceito que sofremos neste país é o de ser pobre, tendo dinheiro tudo se resolve.

Abraços

acgt · Campo Grande, MS 7/12/2007 08:54
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Kais Ismail
 

ACGT-
Discordo!!

Pelo menos para os palestinos, dinheiro parece não resolver. Os seus, são sempre chamados de terroristas ou são olhados com desconfiança. Por mais dinheiro que tenham!

Kais Ismail · Porto Alegre, RS 7/12/2007 09:13
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

A redução da questão da discriminação racial à divisão de classes nas sociedades ocorre historicamente e só vai sendo reelaborada, no Brasil, a partir da contribuição fundamental de Florestan Fernandes que cutuca a onça com vara curtíssima.
Nos ensina o mestre que a superação das desigualdades no país, a par de necessitar da revolução agrária e da libertação do jugo imperalista, necessita da revolução democráica em que um item central da pauta da exigência social é a igualdade de direitos para os desiguais, com respeito às diferenças.
Penso que a mera transformação econômica, ainda que radical, sem a penetração do poder político que se conforme pelas partes diferentes todas da sociedade, poderemos até chegar a uma sociedade sem classe dominante e opressora, mas não chegaremos à igualdade republicana, postergada às calendas até aqui, no mundo inteiro.
Da mesma forma que o movimento de mulheres se afirma pela identidade e pela igualdade, contra as discrimnações várias (dupla jornada, salário menor em função igual, assédio moral e sexual em razão da condição e circunstância) o mesmo se aplica a afrodescendentes no Brasil (maior contingente de pobres, menores salários em funções iguais, maior contigente nas funções de menor remuneração, discriminação por cor da pele, exigência social do branqueamento, assédio moral e sexual, preconceito em razão da cor, improbidade estética conforme o conceito de Spirito e o exemplo de Kais).
Um indivíduo pode não se sentir discriminado ou não.
Um povo, uma sociedade, os discriminados que se importem com a iniqüidade em relação a qualquer ser humano, além de comoverem-se, têm o dever ético e moral de impedir a existência da discriminação de qualquer ser humano.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 7/12/2007 11:53
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Spírito Santo
 

Então é isto. Ou não?
Estão aí o Adroaldo e o Kais (entre outros) para não nos deixar mentir.
Saudações

Spírito Santo · Rio de Janeiro, RJ 7/12/2007 13:10
sua opinião: subir
jujuba
 

Puxa! Preconceito... isso é muito curioso e relativo. Principalmente no Brasil. Todos tem sempre opiniões diferentes.

Tenho amigos negros que vêem preconceito em toda a parte e com muito orgulho usam a palavra "afro". E usam camisetas "100% Negro" e certamente taxariam de nazistas ou coisas do tipo quem usasse uma camiseta "100% Branco". Que ao mesmo tempo dizem que cotas em faculdades são benéficas para negros e ao mesmo tempo dizem que é discriminação, pois parece que os estamos considerando mais burros.

Realmente é muito, muito relativo! Depende da pessoa.

jujuba · Santo André, SP 7/12/2007 13:23
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
João Bosquo
 

Olho para as fotos de meu pai e me acho negro; olho para a mãe, Josefa, me acho índio; olho para minha mulher me acho europeu... O brasileiro - não sei não - é brasileiro: essa mistura, lá e cá e quem discrimina não está com nada; mesmo porque no fim - sempre no fim - somos todos iguais...

João Bosquo · Cuiabá, MT 7/12/2007 15:49
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Cintia Thome
 

“O mundo tem avançado através daqueles que têm experimentado sofrimento” (Léon Tolstói).

Cintia Thome · São Paulo, SP 8/12/2007 08:52
sua opinião: subir
azuirfilho
 

Paulo Apolonio · Salvador (BA)
Irmão Guerreiro da Poesia.
Parabéns pelo extraordinário Trabalho.
Voto e muito orgulho pela nossa gente.
Abração

azuirfilho · Campinas, SP 12/12/2007 00:04
sua opinião: subir
llamar al pan
 

Concordo contigo Paulo. Mas, é bom lembrar, as novelas globais nunca foram referência para nada realmente valoroso. Ali tudo gira em torno de um monopólio maquiado, que quer passar a imagem do politicamente correto, como disse a personagem Gioconda (Marília Pera) quando repreendeu as cenas de preconceito do marido: "aquilo que você fez no jantar foi politicamente incorreto." A questão do preconceito, como bem me explicou uma amiga socióloga, é uma doença social. Não atinge só os negros, mas as mulheres, as crianças, os nordestinos, os orientais, os asiáticos, os velhos, os considerados "defeituosos", os homossexuais, os índios, os leprosos... Tem um filme: "A cor da fúria", com Jonh Travolta, que simula uma sociedade onde os negros estão no poder e os brancos são subjugados... imagine bem... poderia ser o inverso, como mostrou o filme a Cor da Fúria... o problema do preconceito não está na cor, tão pouco na definição (afrodescendente ou negro), mas no ego do ser humano...
No mais, dizer que alguém é negro, branco, ruivo, baixo, magro, alto, de sorriso aberto, de olhar penentrante, deveria servir apenas para descrever um ser, para levar ao outro durante o diálogo a imagem retida na memória...
Espero que tenha colaborado na discussão.Abraço sincero! E deixo registrado meu VOTO para seu texto.

llamar al pan · Belo Horizonte, MG 15/12/2007 18:42
sua opinião: subir
carlos magno
 

Que texto forte, consistente e acima de tudo importante e esclarecedor. Adorei amigo Paulo Apolonio. Meus sinceros aplausos e abraços.
Carlos Magno.

carlos magno · Rio de Janeiro, RJ 10/3/2008 22:16
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados