O brilho da pequena notável - ENTREVISTA: FERNANDA

divulgação
A pequena notável
1
Solto · Natal, RN
6/1/2009 · 197 · 7
 

Nunca subestime Fernanda Takai! Essa mulherzinha, que já mostrou do que é capaz como instrumentista, cantora e compositora na banda Pato Fu, dobrou a crítica também com o trabalho solo “Onde brilhem os ollhos seus”, em que reinterpreta músicas gravadas por ninguém menos do que a musa da bossa nova Nara Leão. Com direção artística de Nelson Motta e produção de John Ulhoa (Pato Fu), o álbum foi eleito pela Associação Paulista dos Críticos de Artes (APCA) o melhor disco de música popular de 2007, cuja turnê de divulgação chega a Natal neste sábado (22). O show é às 23h, no Hotel Vila do Mar. Por e-mail, Fernanda Takai concedeu a seguinte entrevista ao Solto na Cidade:

Solto na Cidade: Assim que “Onde brilhem os olhos seus” foi lançado, você justificou a escolha do repertório dizendo que ainda não era hora de um disco autoral, de partir para uma carreira solo, o que só aconteceria quando não estivesse mais satisfeita com o Pato Fu. Desse tempo pra cá mudou alguma coisa?

Fernanda Takai: Eu tive uma carga de trabalho muito maior do que podia imaginar e o disco tem me trazido muitas coisas boas, mas ainda mantenho a mesma posição. Este ano fiz shows tão bons com o Pato Fu que não dá pra pensar em parar a banda pra seguir sozinha. Acho que vou continuar nessa jornada dupla.

Solto: Nos anos 60, seria considerado heresia desconstruir a estrutura musical da bossa nova. O seu disco seria uma prova de que a maneira de ver e fazer música mudou?

FT: Sempre vai haver aqueles que torcem o nariz pra esse tipo de releitura. O que as pessoas geralmente fazem é tentar ser muito reverencial ao que já se fez e isso engessa as possibilidades de criação. Quando começamos a fazer o disco, estava claro que não poderíamos emular os arranjos originais. Usamos nossa bagagem pop para trazer mais pro nosso lado pop o chorinho, samba, bossa nova... E ficou muito natural, sem forçar ou ser chato.

Solto: A boa repercussão do disco, que acabou inclusive sendo premiado, é um estímulo para um novo trabalho solo?

FT: Sim. Ter reconhecimento sempre me dá mais fôlego pra novos projetos, mas ainda não penso e nem tenho idéia sobre como seria um segundo disco. Antes disso, vamos fazer um novo disco da banda.

Solto: Quando surgiu, há 15 anos, o Pato Fu causou uma certa estranheza pelo som cheio de inventividade. Hoje, a banda parece ter encontrado o ponto de equilíbrio entre o experimentalismo e o pop. Isso foi pensado, como uma forma de se adequar melhor ao mercado, ou um processo natural?

FT: Uma evolução natural da espécie... : )
Acho que sempre tivemos um lado mais pop e outro menos objetivo, digamos. Isso é por conta da diversidade de gostos internos mesmo. Mas as pessoas também acabaram se habituando ao meu timbre de voz e mesmo a algumas esquisitices.

Solto: Há espaço para ousadia na música? O que você considera ousar?

FT: Claro. Acontece que algumas ousadias são multiplicadas e acabam se tornando lugar comum também. Ousar é simplesmente não ter medo de ser rotulado. As pessoas podem ser ousadas através de uma letra, um arranjo ou de uma mistura com ingredientes que talvez nunca foram colocados juntos.

Solto: Além da música, você também está envolvida com outras atividades artísticas. Tem o livro que publicou no ano passado, “Nunca subestime uma mulherzinha”, e o roteiro que escreveu para o curta-metragem “Essa história dava um filme”. Essas novas experimentações “caem no seu colo” ou você é movida por novos desafios?

FT: Esses últimos projetos realmente apareceram em minha vida sem nenhum planejamento e eu aceitei o desafio. Ou seja, foram as duas coisas juntas. Durante muito tempo achei que não dava pra fazer tanta coisa de uma vez só. À medida que fui dizendo sim, produzi bastante coisa. Pena que não dá pra aceitar tudo ou não teria tempo nem pra dormir!

Solto: Algum novo projeto em vista?

FT: A gravação do DVD do meu show da turnê do disco solo. Vai acontecer em janeiro. Por enquanto sigo em turnê com o Pato Fu também e divulgando meu livro. Ainda é bom lembrar que tenho uma filha de cinco anos pra criar...

Solto: E para o Pato Fu, quais os planos?

FT: Até o fim do ano, os fãs terão uma grande surpresa no nosso site. Aguardem....
www.patofu.com.br
www.fernandatakai.com.br

Obrigada!

Fernanda.

veja mais no: www.soltonacidade.com.br

Por Itaércio Porpino e Marcelo (Panela) Tavares

compartilhe

comentários feed

+ comentar
graça grauna
 

notável, sim! Parabens.

graça grauna · Recife, PE 5/1/2009 13:28
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Gustavo Krawser
 

Linda!

Gustavo Krawser · Belo Horizonte, MG 6/1/2009 18:36
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

FT realmente tem ousadia e é perfeita na interpretação com um novo jeito, belo jogo.
Parabens pela entrevista Solto...
ab

Cintia Thome · São Paulo, SP 6/1/2009 22:07
sua opinião: subir
Aube
 

Solto, maravilhosa!
A Fernanda é um dos maiores nomes da musica brasileira contemporânea, inovadora e completa.
Votado com muito gosto, adorei!
Beijos,
Aube.

Aube · Salvador, BA 7/1/2009 09:53
sua opinião: subir
ayruman
 

Perfeito! Luz e Paz. jbconrado.

ayruman · Cuiabá, MT 8/1/2009 10:22
sua opinião: subir
ayruman
 

ayruman · Cuiabá, MT 8/1/2009 10:23
sua opinião: subir
Ana Murta
 

Dentro dessa cultura maluca globalizada e massifacada que a gente vive, onde a maioria faz a mesma música, usa a mesma roupa e pensa (?) a mesma coisa, essa menina Fernanda é um alento!

Ana Murta · Vitória, ES 9/1/2009 11:00
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados