"O choro é melhor que o jazz"

Alejandro Zambrana
Zé da Velha & Silvério Pontes: diálogo entre os sopros.
1
lu almeida · Aracaju, SE
17/1/2009 · 194 · 19
 

Quando José Alberto Rodrigues Matos deu seus primeiros passos na Rua Laranjeiras, em Aracaju, mal sabia que seu swing renderia tantos louros. Das terras do Sirigype, aos oito anos, seu pai alfaiate e saxofonista fez as malas, aprontou a família e seguiu rumo a capital federal . O Rio de Janeiro, no bairro Olaria, seria o local onde Zé se destacaria entre tantos outros nomes comuns. Zé da Velha Guarda, ou numa versão curta como Zé da Velha. Adolescente que aos 17 anos já acompanhava com seu trombone Pixinguinha, João da Baiana, Bide e Donga.

Mas antes de ser dono de um contraponto que já virou sua marca registrada, Zé levou muita régua nas costas do seu primeiro professor de música. No velho dito popular de “santo de casa não faz milagre”, seu pai desistiu de ensinar ao filho a tocar no compasso corretamente. Curioso, o menino encontra sua turma na Banda Musical Estudantil de Olaria. Entre marchinhas carnavalescas até a primeira grande apresentação de sua vida artística é um pulo. Nada menos que o Baile do Cordão do Bola Preta. E lá o garoto se efetiva no conjunto que tinha a formação de Bide na flauta, Tininho no trompete, Severino no violão 6 cordas, Sicílio no violão 7 cordas, Pintacuda no cavaquinho, Mílton no pandeiro, Haroldo no surdo e João da Baiana no prato.

Nessa mesma idade, praticamente 20 anos depois, chegava na cidade de Niterói um jovem de Lage Muriaé. Silvério Rocha Pontes e um trompete, debaixo do braço, se instalam na pensão de sua tia. A conhecida história da família mandar o filho para capital atrás dos estudos. Depois de tentar dois vestibulares sem êxito, Silvério concilia um emprego e tocadas nos bares durante os finais de semana. Nessa época, o jovem morador de Nikiti era um admirador do já conhecido Zé da Velha. Pelas mãos do seu pai, ouvia em casa os bolachões do Zé tocando com Abel Ferreira, Paulo Moura e Jacob do Bandolim.

Era o jeito de tocar a vara daquele trombone que emocionava a família Pontes. Mesmo interesse que fez Bide da Flauta facilitar um grande encontro. Depois de um mês tocando no 'Bola Preta', chega nos ouvidos de Alfredo da Rocha Viana Filho a destreza dum jovem prodígio. Convite feito, visita marcada. Zé que nem sabia de quem se tratava, quando chegou na casa do mestre viu que era Pixinguinha. Empatia certeira. “Aqui você toca o que quiser. Fica à vontade, meu filho”, disse. Os contracantos se afinaram, ao ponto do mestre começar a chamá-lo de “meu sobrinho”. Pixinguinha tinha 62 e Zé completava 18. Parceria que se estendeu por mais de 15 anos.

Essa mesma relação de mestre-discípulo seria refeita janeiros depois. Numa das tocadas no bar "Boca da Noite", acompanhando o flautista Cláudio Camunguelo, Silvério tremeu as pernas ao ver Zé, bigode fininho e cabelo lambido, dar uma canja. Mas existia um impedimento, Silvério mal tocava choro, apenas sambas. Pentelho, começou a ligar constantemente para sabe onde seu professor iria tocar. Então ia para todo lugar onde ele se apresentava, aparecia em toda roda de choro. Até o dia que faltou um clarinetista na “Rua Bela”. Era a oportunidade. Perguntaram se o 'pidão' não queria tocar. O substituto rende a execução de alguns choros, fruto da dedicação e das dezenas de idas na Escola Nacional de Música. Pouco a pouco seu repertório ia aumentando. É quando o reserva ocupa a vaga do titular e de placa completa a união dos instrumentos de sopro.

Em 2009 a dupla faz 25 anos. Zé da Velha com 67 e Silvério Pontes completando 48 anos. Depois de Pixinguinha & Benedito Lacerda, é a dupla com maior tempo de estrada. Há 51 anos Zé tromboneia. Se a vara do seu instrumento falasse, diria que até a peruca de Waldir Azevedo já arrancou. São os parceiros que se encontram na história da música, coisa de alma gêmea. Ou é o mistério da afinidade. Dois instrumentos de solo, trombone & trompete se completando e ,talvez, de maneira inusitada para um regional de choro. Coisa de entrosamento. Zé toca, Silvério faz o contraponto. Silvério toca, Zé faz o contraponto. Uma tabelinha à Coutinho & Pelé. Gol de letra.

A junção iniciada no ano da redemocratização, em meio a campanha das “Diretas Já”, é oficializada apenas com a gravação do "Só Gafieira" (1995), álbum indicado ao prêmio Sharp. Quatro anos depois ocorre o lançamento do segundo trabalho, “Tudo Dança - Choros, Maxixes, Sambas", ganhador de cinco estrelas do Jornal "O Globo". Escolhido como o melhor disco instrumental, no ano de 2000, o terceiro álbum "Ele e eu" também foi bastante elogiado pela crítica. No ano de 2006, é gravado "Só Pixinguinha" vencedor do prêmio BR da Música. Cansou da discografia? Ainda tem mais para esse ano comemorativo. O convite de Cristóvão Bastos para entrar no estúdio entre fevereiro/março e gravar só boleros. Segundo Zé, seu trombone gosta mesmo de tocar pra todo mundo mexer.

Haja sola de sapato. Culpa do choro. Uma espécie de comunhão passada de pai para filho. Uma religião consagrada na roda. Música sem faixa etária, a mesma que une diferentes gerações, mais antiga no improviso do que o jazz. “O choro é melhor que o jazz. Você não acha, não? Além de ser mais bonito, o choro é dividido tecnicamente em três partes. Já o jazz só tem duas”, provoca Silvério. E só de pensar que Pixinguinha tem , pelo menos, umas trezentas músicas que não foram gravadas, totalmente inéditas... Inacreditável.

Haja fôlego. Vide o exemplo da “menor big band do mundo". Se depender dessa alcunha de Maurício Carrilho, por onde eles passam a casa lota. Seis anos distantes dos palcos sergipanos, assentos cheios, corredor repleto de ansiosos ouvidos para o retorno do pródigo filho. Era uma apresentação única pelo projeto “Circular BR”, juntamente com grupo Trio Madeira Brasil. Logo no Teatro Lourival Baptista, localizado na mesma rua onde José Alberto viveu os primeiros anos de infância. "Fico meio sem palavras pra dizer o quanto é bom estar aqui", falou Zé envergonhado. Do outro lado, na platéia, a resposta vem : "você está em casa". Misto de aplausos e risos.

Talvez naquela noite Zé da Velha tenha lembrado de uma frase do seu primeiro professor: “Música não tem cabelo. Não tem fim”. Como lição de pai pra filho que nunca se perde. Coisa dum "Brasileirinho" que nunca cansa. Uffa.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Ivette G.M.
 

Gostei de saber um pouco mais sobre o Zé da Velha. Que musicos maravilhosos e inspirados.
Ivette G M

Ivette G.M. · Cotia, SP 14/1/2009 09:01
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Higor Assis
 

Lu Almeida, teu texto é obra exemplar. Bons links e bem narrado.
Não tenho (eu) como te dizer que o choro é melhor que o jazz. Pra mim ambos são coisa fina. Improviso é com eles. São ritmos que conversam, se entre-laçam, causando fatalidade e razão, talvez até com muita emoção.

Boa história, traga mais e se possível (se não for pedir muito) me convide.

Valeu!

Higor Assis · São Paulo, SP 14/1/2009 09:57
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Helena Aragão
 

Lu, que barato. Ótimo saber que essa dupla sensacional completa 25 anos este ano e por meio de um texto que trata de um show em Sergipe. Estou voltando de uma semana de férias hoje e adorei a coincidência de ver postados ao mesmo tempo dois textos que se completam - o seu e o do Mansur sobre o Camunguelo. Conheci o Camunguelo num show de Zé da Velha e Silvério Pontes. Uma combinação infalível! Adorei conhecer a história toda - não sabia de muita coisa! Abraço

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 14/1/2009 14:11
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Mansur
 

Que maravilha!
Quando "furei" o disco do Paulo Moura "Mistura e manda"(do valente selo Kuarup) quando eu tinha uns 18 anos (faz tempo), logo na primeira audição fiquei louco com o trombone tocando melodias riquíssimas em contraponto com o clarinete e por vezes reforçando as passagens de harmonia ou baixo e fui ver o nome do sujeito: Zé da Velha. Desde então sou fã absoluto.
Como sou nascido em Niterói e lá vivi até os 28 anos, conheço o Silvério de algumas paragens, já comi até um peixe na casa dele...ainda não tive o prazer de tocar com ele, mas somos camaradas e também sou seu fã absoluto.
Lindo texto, merecida homenagem e viva a coincidência que fez com que Camunguelo, Zé da Velha e Silvério se encontrassem novamente, pelo menos no mundo virtual das nossas homenagens.
Vida longa a "dupla de ouro" que faz "bodas de prata" e enche os corações brasileiros de felicidade, alegria e música...muita música!
Arrasou, Lu!

Mansur · Rio de Janeiro, RJ 14/1/2009 17:24
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Juliaura
 

Mistura finíssima.
Choro é muito bom.
Melhor é questão de hora e lugar, opinião e orelha.

Juliaura · Porto Alegre, RS 14/1/2009 23:33
sua opinião: subir
Thiago Paulino
 

Lu,

O texto está maravilhoso. Ele somado com os links são uma verdadeira aula de choro brasileiro. Informações essencias para quem quer conhecer uma música de qualidade. Elas são colocadas de forma leve e fazem o texto fluir.

Salve Salve Zé da Velha e Silvério Pontes.. que façam muita escola no choro brasileiro.

Ah sim! Não poderioa deixar de fazer referência às fotos de Alejandro que estão fantásticas também.

Abraço e que nos traga sempre boas coisas por aqui!!!

Thiago Paulino · Aracaju, SE 15/1/2009 17:30
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Vitor Braga
 

legal, Lu!
Boa pesquisa! Até os links ficaram (muito) bem utilizados!
agora você me deixou na obrigação de conhecer o trabalho deles!

mais uma vez, parabéns! Volto aqui pra votar ;)

Vitor Braga · Maceió, AL 15/1/2009 21:06
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Drigo Garcia
 

Lu, seu estilo é um verdadeiro choro aos nossos olhos...tem tanta música quanto.
Parabéns!!

Drigo Garcia · Aracaju, SE 16/1/2009 11:42
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Jorge Daher
 

Votado!

Jorge Daher · Ribeirão Preto, SP 16/1/2009 14:40
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Dayvson Fabiano
 

São todos belíssimos. Mais que votado. Abração!!!

Dayvson Fabiano "Imorrível" · Recife, PE 16/1/2009 16:38
sua opinião: subir
Andre Pessego
 

para mim pelo menos foi uma aula. Aula valiosa

Andre Pessego · São Paulo, SP 17/1/2009 11:30
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Márcio Gobatto
 

Maravilha !

Márcio Gobatto · Porto Alegre, RS 18/1/2009 10:46
sua opinião: subir
Ivette G.M.
 

Votado. Ivette G M

Ivette G.M. · Cotia, SP 18/1/2009 22:04
sua opinião: subir
Marcelo Torca
 

E viva o choro! A sua história é encantadora, mas não se esqueça que o Choro vai além do Rio de Janeiro.

Marcelo Torca · Paulicéia, SP 19/1/2009 06:44
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Thiago Fragata
 

Bom texto, Lu. Parabéns!

Thiago Fragata · São Cristóvão, SE 19/1/2009 17:34
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
lu almeida
 

Marcelo, Silvério & Zé contaram durante a entrevista que o movimento do choro no Brasil está em plena renovação. Eles elogiaram o nível de músicos. Aliás citaram algumas cidades pro amante do choro ficar atento: São Luís, Fortaleza, Brasília e Recife. Aliás, Silvério acredita que na terra de Jacaré o nível dos músicos de sopros estão bem a frente do Rio de Janeiro.
Talvez o que falte é mais visibilidade da mídia. Por aqui, continuamos a escrever & chorar rsss

lu almeida · Aracaju, SE 20/1/2009 09:13
sua opinião: subir
Orisvaldo Tanniy
 

É verdade o choro é melhor que o jazz.

Pedacinho do céu e outros mais. Belo texto e bela homenagem.Parabéns! Adorei e votei.Beijos!!

Orisvaldo Tanniy · Teresina, PI 21/1/2009 12:49
sua opinião: subir
Claudia Puget
 

O CHORO é o nosso Jazz.
Bacana o texto, uma aula.

Claudia Puget · Muqui, ES 15/2/2009 10:47
sua opinião: subir
Danielle Barros Santos
 

que delicia...
quanta coisa a descobrir!!!
obrigada por compartilhar aqui...

Danielle Barros Santos · Aracaju, SE 10/2/2010 21:05
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

Emoção no encontro dos músicos. zoom
Emoção no encontro dos músicos.
Zé na saliência do contracanto. zoom
Zé na saliência do contracanto.
Teatro lotado ao som da dupla e Trio Madeira Brasil. zoom
Teatro lotado ao som da dupla e Trio Madeira Brasil.
Marcello Gonçalves e Ronaldo Bandolim no calor do choro. zoom
Marcello Gonçalves e Ronaldo Bandolim no calor do choro.
Trompete de Silvério mete o ataque. zoom
Trompete de Silvério mete o ataque.
Os sopros no arrego, vedetes em fim de show. zoom
Os sopros no arrego, vedetes em fim de show.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados