O cinema de Pistolino - Autor, diretor e ator

1
Adriel Diniz · Porto Velho, RO
6/3/2006 · 88 · 4
 

Jair Rangel, 39 anos, paranaense. Há uma década mora em Rondônia. Seu sonho: fazer filmes. E ele conseguiu. Criatividade, persistência e força de vontade. Essas são características de um homem que lutou por muito tempo em busca da realização desse sonho e que finalmente vê seu esforço reconhecido.

Quando veio para Rondônia, sua a intenção era trabalhar no garimpo. Chegando a Porto Velho mudou de idéia. Rangel comprou um cavalinho e uma máquina fotográfica. Começou a sair pelas ruas da cidade tirando fotos das crianças no pequeno cavalo. Um belo dia vendeu a moto que tinha e comprou uma filmadora, e desembestou a filmar uma série de pequenos filmes. Ao todo Rangel tem 98 fitas gravadas, devidamente acondicionadas em papel alumínio, guardadas numa caixa.

O sonho de fazer seus próprios filmes vem desde criança, quando chamava seus amiguinhos para brincar e, com uma câmera improvisada de papel, filmava várias cenas, como um cineasta.

De família humilde, não tinha televisão em casa. Às vezes assistia TV na casa de algum vizinho. Da imaginação de criança para a realidade de adulto, foram difíceis os caminhos percorridos. A dificuldade em conseguir patrocinadores para a produção de seus filmes não o fez desistir, pelo contrário, como ele mesmo diz, "isso é que deu força".

Ele próprio cria o roteiro dos filmes, inventa os materiais utilizados, que vão desde os recursos para auxiliar a filmagem, até os utensílios dos personagens como o "boicicleta" (uma bicicleta disfarçada com a roupa de um boi). Os storyboards também são desenhados por Rangel.

"Nunca imaginava que podia fazer de verdade", afirma Rangel, ao contar que com a ajuda de uma agência de publicidade de Porto Velho conseguiu produzir seu primeiro filme: Na maior pindaíba, um curta-metragem de 12 minutos, que traz o personagem Pistolino, vivido pelo próprio diretor e autor. A inspiração desse personagem vem de seu ídolo: Mazzaropi, que, ao lado de Charlie Chaplin, é a grande influência de Rangel.

Em 2005, no III Cineamazônia, Rangel se consagrou com o seu filme Na maior pindaíba , não por menos vencedor de cinco estatuetas Mapinguari: melhor vídeo do Estado de Rondônia, Júri Popular para vídeo, melhor direção para vídeo, melhor roteiro para vídeo e melhor montagem para vídeo (Maico Garcia).

Rangel também é inventor de "parafernálias" da sétima arte (para realizar imagens das peripécias do seu personagem, Pistolino, ele inventou uma grua e uma steady cam - do modo dele, mas inventou).

O cineasta é casado e pai de dois filhos, um menino de 13 anos e uma menina de 10. Seus filhos adoram seus filmes e até participam das produções. "A mulher até gosta, mas nunca gravou comigo", relata. Ele ganha o sustento da família fabricando e vendendo artesanatos. Carros em miniatura, maquinetas estranhas e réplicas da Mad Maria, a locomotiva da lendária Estrada de Ferro Madeira Mamoré.

Pistolino, o personagem cômico

O nome tinha que lembrar e ser atrapalhado, como o de um palhaço; o figurino, inspirado em Mazzaropi: essa foi a idéia de Rangel para criar seu personagem. De seus ídolos, ele destaca duas preferências: de Carlitos, o filme O vagabundo e de Mazzaropi, Uma pistola pra Djeca.

Os temas são sempre sociais. É no dia-a-dia em ele se inspira para criar as histórias dos filmes. O primeiro filme editado, Na Maior Pindaíba, conta a história de um pai que não tem emprego, sem dinheiro, que precisa arrumar uma forma de comprar comida para ele e seu filho. A oportunidade para ganhar dinheiro chega quando eles vêem uma placa em uma empresa que compra sucatas e ferro-velho. Aí começa a aventura dos dois. Pistolino e Pisciroca resolvem catar ferro-velho e se envolvem nas maiores confusões. Pistolino chega a achar até uma arma (inventada por Rangel para compor o cenário) e a entrega num posto da campanha do desarmamento. Ao final, eles conseguem comprar uma bicicleta e comida. Para felicidade dos dois.

Novas aventuras para Pistolino

A nova aventura de Pistolino já está roteirizada. O filme conta a história de um herói por acaso e atrapalhado, que desvenda um uma série de furtos de animais silvestres. Todas as peças, os figurinos, os equipamentos, incluindo até o microfone, são invenções de Rangel. Para não perder a prática, as peças são confeccionadas com ferros-velhos e restos de qualquer coisa.

Os filmes são feitos com recursos próprios. Os demais atores são amigos, parentes ou pessoas que ele encontra no caminho quando vai gravar. Todos são voluntários.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
André Maleronka
 

tem foto da boicicleta? abs

André Maleronka · São Paulo, SP 5/3/2006 09:18
sua opinião: subir
bucadantas
 

Gostei muito de saber que o cinema está em Rondônia...Moro em Natal/RN e gostaria de saber como faço para exibir o filme do Jair por aqui.

bucadantas · Natal, RN 4/4/2006 15:09
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Adriel Diniz
 

O Pistolino (porque aqui todo só chama o Jair pelo nome do seu personagem) vai ficar muito feliz em saber que seu filme pode ser exibido aí. Vou anotar seu e-mail e te mando uma posição assim que falar com ele.

Adriel Diniz · Porto Velho, RO 5/5/2006 22:38
sua opinião: subir
Thiago Perpétuo
 

É por conta de pessoas como Jair, o Pistolino, que não desisto de fazer cinema!!!

Thiago Perpétuo · Brasília, DF 12/9/2006 20:04
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados