O Espírito Compralino

1
Fabinca · Bento Gonçalves, RS
25/12/2006 · 85 · 6
 

Musiquinhas de Natal me dão arrepios nervosos. Tocas vermelhas nos funcionários do comércio provocam-me a tentar assegurar ao trabalhador o direito de não fazer papel de ridículo por causa de seu emprego. Comprar presentes por obrigação também não é do meu agrado. De fato, tenho dificuldades para entrar no espírito natalino.

Amigo secreto de final de ano no trabalho – a parte dos bilhetes é suprimida, afinal quem quer se dar ao trabalho de escrever mensagens anônimas e criativas para uma das criaturas com quem trabalha todo dia? Para facilitar, há a indicação do presente que se deseja receber. Na hora da revelação, o sorriso amarelo finge surpresa – o colega comprou exatamente o que o mandamos comprar. Bom, pelo menos tem-se o prazer de ter delegado a compra.

Entendo a necessidade de impulsionar o comércio no período do décimo terceiro salário (vai que o trabalhador resolva poupar...) a fim de garantir o famoso “crescimento econômico”. Fazer distribuição de renda, ainda que seja dos que já tem para o que querem mais ainda – esse é um dos lemas implícitos de Natal.

Por outro lado, reivindicar o espírito cristão e humanizador da data, alegando que Natal não significa apenas comércio, só surte efeito para quem é cristão e praticante de sua religião; para os demais, é só papo moralizante tentando justificar a ânsia de consumo. Aliás, mais chato do que o marketing de Natal é a defesa do “espírito natalino”.

A noção de crescimento econômico está equivocada, como alertam os ecologistas. Crescer em nome da exploração e do consumo gera um impacto ao meio ambiente, que, por sua vez, causa danos irreversíveis ao planeta e à saúde dos seres vivos. Para tentar reparar os danos, mais gastos e mais impacto são necessários. Consumir e produzir mais acaba saindo mais caro para todo mundo em todos os sentidos a médio e longo prazos (que são bem curtos atualmente).

Comprar, comprar, comprar. De preferência com uma embalagem bonita, como anunciam algumas lojas: “Presente de Natal é na ***** [...] com embalagens maravilhosas.” Plástico, papel, isopor, madeira, os “embrulhos”, como se dizia antigamente, são naturalmente todos jogados fora no dia 25 de dezembro. Antes disso, o espírito compralino deixa as pessoas em alvoroço pelas ruas.

Os presentes são dados, a felicidade e a alegria são divididos, mas a que preço? São indispensáveis todas as coisas inúteis compradas e trocadas no Natal? O décimo terceiro comprometido, as prestações até março e abril (na melhor das hipóteses) e os juros significam mais trabalho, mais aprisionamento.

Se em vez do espírito compralino, as pessoas se motivassem a fazer coisas de que gostam. Embora possivelmente gostem muito de comprar, poderiam tentar descobrir outras formas de se alegrar e alegrar os outros – mais baratas ou mais caras –, mas que não envolvessem ter que dar uma lembrancinha (um mimo) a todo mundo que conhece. Talvez surgisse a possibilidade do não-presente, do não-impacto, do não-desgaste.

Quem sabe mais atividades culturais, artísticas, esportivas, religiosas...? Quem sabe mais tempo para curtir os amigos e familiares, trabalhando menos e tendo mais lazer?

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Alê Barreto
 

No xxx parágrafo o trecho da frase "(...) Para tentar repara os danos", só acrescentar um "r" e fica "(...) Para tentar reparar os danos". No mais, excelente artigo. Parabéns.

Alê Barreto · Rio de Janeiro, RJ 22/12/2006 22:29
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Pedro Rocha
 

Salve Fabinca, gostei do texto, principalmente por não ser um negar por negar, mas apontando pra alguma alternativa que está totalmente ligada com a idéia de comunhão, inclusive do planeta.

valeu

Pedro Rocha · Fortaleza, CE 23/12/2006 02:41
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Fabinca
 

Obrigada, Alê.

Fabinca · Bento Gonçalves, RS 23/12/2006 20:03
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
apple
 

Fui convidada para mais de meia dúzia de festas de Natal...porque sou conhecida em vários setores na empresa em que trabalho. Haja dinheiro, viu? E a comilança, hein? E as ruas em alvoroço para as compras?

Apenas visitarei parentes mais tarde...

Antes participei de apenas uma festa dos colegas do setor de que mais gosto!

Comprei presente só para o meu sobrinho mesmo...que tem 4 anos. Nada de muito compração...

apple · Juiz de Fora, MG 25/12/2006 05:38
sua opinião: subir
apple
 

Ah! E amigo oculto, hein? Detesto não por ter que comprar, nem por receber coisas de que não gosto.

Não gosto são dos comentários de mau gosto, como:
- O meu amigo é muito "cabeludo" (careca)...
-O meu amigo é muito "magrinho" (gordo)...

Nem, nem...

Fora que somos obrigados a abraçar todo mundo entusiasticamente e "pular" de felicidade ao receber nossos presentes. Somos ainda obrigados a sorrir para "trocentas" fotos..e exprimentar logo as roupas que ganhamos como em um desfile!

Ainda preciso escutar que estou muito magrinha (magrinha mesmo), que deveria fazer isso ou aquilo...

Humpf! Ah, não! Vou apenas visitar os parentes depois só para não deixar de estar com eles.

apple · Juiz de Fora, MG 25/12/2006 05:51
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
DiogoFC
 

Excelente, falou tudo. Engraçado que tem umas pessoas q se ESCALAM pra defensores do 'espírito natalino', querem provar a qualquer custo q aquilo ali ainda faz algum sentido apesar do apelo comercial...

DiogoFC · Criciúma, SC 26/12/2006 13:58
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados