O ÍNTIMO OFÍCIO - Memórias

Z.A. Feitosa
Capa do livro "O Íntimo Ofício"
1
Z.A. Feitosa · Marizópolis, PB
26/4/2008 · 161 · 18
 

Publicado, em novembro de 2007, graças ao apoio da Casa Pai Joaquim de Aruanda-CPJA, o livro - O ÍNTIMO OFÍCIO (Memórias) versa sobre impressões da experiência amorosa e sexual, bem como intenta sensibilizar e, sobretudo, estimular o respeito às diferenças e à dignidade da pessoa humana, independente da orientação sexual ou crença religiosa.

A propósito, a CPJA - organização sem fins lucrativos, fundada em 1977 - tem como objetivo proporcionar auxílio espiritual, além de apoiar novos talentos, mediante o incentivo à publicação de obras que tratam da alma humana, bem como do seu relacionamento com o universo, reconhecendo a importância da dimensão humano no trabalho que se pretende espiritual.

"O Íntimo Ofício" traz à luz despudoradas impressões da experiência amorosa e sexual na adolescência, transformada em ficção. Em alguns trechos, a obra lembra de perto, pelo tom erótico e lírico, alguma coisa entre D. H. Lawrence e Henry Miller, que rompeu com os cânones clássicos de seu tempo no afã de expressar sua liberdade e de captar as transformações morais, que permeavam todos os campos.

O autor retoma, em "O Íntimo Ofício", muitos temas desenvolvidos, até de forma mais crua, em seus livros anteriores, mas incorpora à sua narrativa novos elementos de caráter estético, reforçando e culminando a máxima de que "a Imaginação é a voz do atrevimento" (expressão cunhada por Henry Miller, falecido em 1980, ano em que Z.A. Feitosa lançou sua primeira obra).

O autor, obstinado pela matéria das lembranças, abusa da liberdade de expressão, transformando a recordação dos desejos da juventude, em literatura das memórias. Magistralmente, resgata em "O Íntimo Ofício" a riqueza da linguagem paraibana, já utilizada em outras obras. Aliás, em "Mulher Macho, Sim, Senhor!" o autor apresentou os felizes esboços desse estilo que melhor se delineou em alguns contos da coletânea "Algolagnia".

Z.A. Feitosa se deixou falar como personagem de seu próprio livro ou falou como autor situando suas lembranças agora, quando o tempo está longe e o Nordeste talvez seja apenas um ponto de referências, onde ele vai em busca de sua origem? (como assinalou o escritor e jornalista Álvares Alves de Faria no prefácio de "Mulher Macho, Sim, Senhor!").

A obra é narrada na primeira pessoa, e talvez por isso mesmo, tenha uma forte conotação de memorial. É como se o personagem central, por um fluxo de consciência, trouxesse para o presente um passado distante, porém enraizado, que foi recuperado por um pesaroso exercício de memória de quem foi sua testemunha.

É curioso encontrar no texto o predomínio de palavras que se encaixam perfeitamente em uma reflexão ensaísta, mas que dão à escrita um tom inesperado, pela forma de emprego que recebem. Esses termos lembram, mesmo, o tom de relatório, criando uma escrita que não se situa, perfeitamente, nem na reportagem nem na narrativa nem, tampouco, na crônica, como assinalou o jornalista Carlos Eduardo Scaranci (São Paulo, 01/09/1980).

O autor, além de freqüentar o curso de Comunicação Social (mais precisamente Jornalismo Brasileiro e Comparado) é graduado em Administração de Empresas e Ciências Contábeis. Daí não é de se estranhar que a estética de sua obra assuma uma feição tão peculiar.

Z.A. Feitosa consegue, em "O Íntimo Ofício", uma feliz fusão entre a linguagem infantil (da personagem central em sua infância) com a linguagem madura das recordações da mesma personagem, enquanto narradora de sua vida. A mescla obtida, que passa pelo prisma de um e outro tom, dá certa vivacidade ao texto e não permite que se torne linear ou cansativo.

Às vezes, tem-se a impressão de certo imediatismo na composição da obra, mas esse aparente desleixo na tecedura das frases vai se contrastar frontalmente com o certo ritmo da narrativa. Essa particularidade faz com que a escrita de Z.A. Feitosa pareça desigual, mas atraente ao mesmo tempo.

Z.A. Feitosa não se enquadra, facilmente, dentro dos parâmetros da história da literatura brasileira. Tem-se a sensação de que ele traçou, de certo modo, um percurso próprio, caminhando à margem de grupos ou movimentos literários. Todavia, devido à preocupação onisciente da primeira pessoa de transmitir sua impressão mais precisa da personalidade das personagens e de seu contexto social, o livro se aproxima da escola realista literária.

A qualidade de uma obra literária, ou de arte, independe de tempo e escolas. Vale por ela. Seria estimulante saber que Z.A. Feitosa prosseguiria nessa linha, aperfeiçoando seu trabalho, desfiando e, por que não?, até mesmo desafinando sua lira, como sugeriu o jornalista e professor Marcos Barrero (Assis, 08/1981), no prefácio da obra "Asas Queimadas".

compartilhe

comentários feed

+ comentar
clara arruda
 

Sou uma apaixonada por leitura.Vi este texto e me chamou a atençãp.Um lindo trabalho desa instituição.Parabéns!

clara arruda · Rio de Janeiro, RJ 23/4/2008 09:52
sua opinião: subir
Z.A. Feitosa
 

Obrigado, Clara, pelas palavras de incentivo!
De fato, é bom quando uma instituição que professa uma religião, sem qualquer preconceito, reconhece a importância da dimensão humana no trabalho que se pretende espiritual. Ao voltar-se para essa nova frente, que é a co-produção editorial, a Casa Pai Joaquim de Aruanda se tornou, ainda que modestamente, um ponto irradiador de idéias e de promoção do ser humano, por meio do seu apoio ao fazer artístico, pois financia (parcial ou integralmente) projetos de obras que tratam do ser e da alma humana em todas as suas manifestações, bem como do seu relacionamento com o universo místico.
Mais uma vez, obrigado muito! Força e luz!

Z.A. Feitosa · Marizópolis, PB 25/4/2008 01:49
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
 Amigos do MIS - MS
 

Valeu !!!

Abraços

Amigos do MIS - MS · Campo Grande, MS 25/4/2008 17:55
sua opinião: subir
Z.A. Feitosa
 

Obrigado muito a você que leu esta resenha e ofereceu seu voto. Foi a generosidade de pessoas como você que tornou possível nosso intento. Tenha certeza de que significa muito para este autor o seu necessário apoio. Força e luz.

Z.A. Feitosa · Marizópolis, PB 26/4/2008 21:40
sua opinião: subir
Leo Feitosa
 

Parabens, meu caro Z.A.Feitosa!
vc merece estar entre os melhores...vc batalhou, persistiu!
li tua obra e gostei bastante e venho lhe parabenizar...espero q consiga alcançar mais leitores!

grande abraço e um enorme beijo...Leandro!

Leo Feitosa · Ourinhos, SP 26/4/2008 22:29
sua opinião: subir
heloísa machado
 

Parabéns, grande Zê, tenho certeza de que irás galgar todo o reconhecimento que mereces, beijo. Helô

heloísa machado · Arujá, SP 27/4/2008 20:04
sua opinião: subir
Nadir Vilela Poetisa
 

Parabéns amigo!!! você merece todo reconhecimento...



beijos no core...

Nadir Vilela Poetisa · Itatiaia, RJ 28/4/2008 07:58
sua opinião: subir
Z.A. Feitosa
 

Obrigado muito, Leo, Helô e Nadir!
É um estímulo necessário contar com o apreço de pessoas tão especiais. Fique em Deus. Força e luz. Abraços

Z.A. Feitosa · Marizópolis, PB 28/4/2008 14:23
sua opinião: subir
miti
 

Parabéns irmão, pelo belo trabalho e pelo reconhecimento.
Fica com Deus

miti · São Paulo, SP 28/4/2008 19:28
sua opinião: subir
Z.A. Feitosa
 

Obrigado, Miti!
Seu apoio tem sido muito importante pra mim. Fique em Deus. Força e luz. Abraços

Z.A. Feitosa · Marizópolis, PB 28/4/2008 19:43
sua opinião: subir
ANIBAL BEÇA
 

Feitosa, retribuo a sua visita e deixo aqui o meu encantamento com seu texto. Parabéns aos dois:a entidade e a vc.

Abraço amazônico

ANIBAL BEÇA · Manaus, AM 3/5/2008 18:50
sua opinião: subir
Z.A. Feitosa
 

Obrigado, Anibal, pela visita!
E, sobretudo, pelas palavras de apreço. É um grande estímulo! Tenha certeza! Abraços

Z.A. Feitosa · Marizópolis, PB 7/5/2008 03:05
sua opinião: subir
Pedro Monteiro
 

Quero deixar-te um abraço.
E meus parabéns

Pedro Monteiro · São Paulo, SP 15/5/2008 00:37
sua opinião: subir
Z.A. Feitosa
 

Obrigado, Pedro, pela leitura e decerto pela palavra de estímulo. Força e luz. Abraços Ton

Z.A. Feitosa · Marizópolis, PB 15/5/2008 01:44
sua opinião: subir
azuirfilho
 

Z.A. Feitosa · Marizópolis (PB)
O ÍNTIMO OFÍCIO - Memórias

Um Texto Muito bem feito, de uma leitura educacional, do tipo de aprimorar a formação, da gente ler para aumentar o cultural.
Vocé escreve muito bem, inclusive nos comentários, o mesmo estilo de montar um texto útil como aula que vai servir e ser útil sempre.
Gostei muito do Íntimo Ofício e, também no seu comentário na visita do trabalho a Liberdade da Mulher.
Maior satisfação essa troca de Amizade pois náo há nada mais animador que o humano ser Amigo do Humano.
Parabéns pela qualidade da sua escrita no uso da nossa Lingua que considero sagrada. Muito respeito pelo nosso idioma.
Meu Micro náo tem til, cedilha, e acentos. Arrasto de onde posso e ou consigo. Náo é o Teclado que já troquei. A Correção de Palavras está presa no idioma Inglés dos EUA e náo me deixa mudar. Quero estabelecer uma Amizade fraterna com vocé e por favr tolere essa minha dificuldade na escrita.
Receba um Abração Amigo
e voto pelo merecimento do seu Trabalho.
Valeu

azuirfilho · Campinas, SP 30/5/2008 12:55
sua opinião: subir
Z.A. Feitosa
 

Obrigado, caro amigo e poeta, por palavras tão carinhosas. Força e luz. Sempre! abraços

Z.A. Feitosa · Marizópolis, PB 30/5/2008 13:25
sua opinião: subir
Jair Jnusi
 

VOTADO E APLAUSOS, VOCÊ MERECE!!!
PARABÉNS

Jair Jnusi · Rio de Janeiro, RJ 3/6/2008 20:40
sua opinião: subir
Z.A. Feitosa
 

Obrigado, Jair! O estímulo que encontro em suas palavras é valioso.
Força e luz. Abraços

Z.A. Feitosa · Marizópolis, PB 3/6/2008 20:53
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados