Os Atentados de Jomard Muniz de Brito

Andréa Rego Barros / Todos os direitos reservados
Jomard Muniz de Brito
1
Bruno Nogueira · Recife, PE
18/5/2007 · 226 · 13
 

Uma qualquer Recife

Uma qualquer Recife cidade sitiada
é a escuta PSI,
a escritura psiu de seus arquitetos da mais sutil
urbanidade ao redor dos favores
da SANTA CASA DE MISERICÓRDIA.
Restauram apenas fachadas em cores vivas,
reinventando a cidade-cartão-postal-global
em sua dignidade tão degradante, sufocada,
turismo mimético do Pelourinho e advertências.
Uma cidade, além das dúvidas e suspeições,
é o conjunto de seus buracos. Imanentes e
galácticos. Cartesianos e dionisíacos.
Gilbertianos por todos os séculos.

- Jomard Muniz de Brito

Sofri meu primeiro atentado poético quando voltava de casa para o trabalho. Confesso que só conhecia aquela figura, que passava todos os dias caminhando nas transversais da principal avenida do centro do Recife, a Conde da Boa Vista, tempos depois. Bermuda, meias longas, cabelos brancos sempre penteados para trás, óculos de armação grossa e escura. Jomard Muniz de Brito sempre passava com sua pasta, com várias folhas impressas – ou eram xerox? – com algo de sua autoria. Não entrega a qualquer. Depois que soube disso eu tive até orgulho.

Não lembro muito bem sobre o que era o então atentado. Isso porque, daquele fim de tarde até hoje, quando vim a conhecer todos os detalhes sobre o que considero ser o maior livre-pensador em circulação na capital, perdi a conta de quantos tantos outros recebi. Sobre o Papa, sobre as eleições, Caetano Veloso, o 11 de setembro e o que mais fosse notícia. Jomard sempre desenvolveu seu fraseado com uma das construções mais inteligentes de palavras que já li. Sempre de maneira despretensiosa, divertida, aparentemente sem compromisso. Sua presença é sempre certeza de uma inquieta pausa na correria (sub)urbana para muita reflexão.

E ele está sempre presente em todos os lugares.

Em tantos, que me permiti o prazer de não entrevistá-lo formalmente, mas de descobri-lo. Com 70 anos completados há poucos meses, uma das primeiras coisas que descobri é como é fácil cair no clichê de recitar ofícios quando o assunto é Jomard Muniz de Brito. Professor da Universidade Federal da Paraíba, ainda insistente aluno da Universidade Federal de Pernambuco, poeta, ator, diretor, escritor, crítico de cinema e de música, cineasta. A lista cresce o tanto quanto a paciência do ouvinte permitir. Das salas de aula, aos porões da ditadura militar, gosto de pensar em Jomard como o perfeito antagonista a outro famoso paraibano, o escritor Ariano Suassuna.

O que o segundo propõe de tradição, o primeiro oferece de modernidade. Ariano condenou o manguebit, Jomard freqüentou o festival Abril pro Rock. O dualismo mais divertido que já observei, antes de descobrir que ele foi nosso principal representante do tropicalismo. Qual seria minha surpresa, tempos depois, pesquisando, ler que o hoje secretário de cultura já deu dois murros no jornalista Celso Marconi, justificando que “era para Jomard, mas já que ele não está aqui, leva você mesmo”. Bingo. Estava mesmo certo.

“Filho da pernambucana Maria Celeste Amorim Silva com o paraibano José Muniz de Britto, nasci na Rua Imperial, bairro de São José, em 1937. Sou híbrido de nascença, mas errante por opção antiprovincial. Mas foi o escritor José Rafael de Menezes que me levou a ser professor titular da UFPB”.
Em entrevista ao Jornal do Commercio

Seus atentados poéticos nasceram de uma proposta editorial para publicar um livro. Funcionam como uma coletânea de trabalhos, mas que nunca pararam de ser gerados após o dito chegar às prateleiras. Já haviam sido anunciados em 1997, quando na ocasião de um disco, Jomard começava a discorrer sobre uma “filosofia pop”. O termo, entenda como quiser, é o melhor filtro para observar as passagens de Jomard Muniz de Brito. Autor também de “Contradições do Homem Brasileiro”, que foi recolhido pela ditadura, que forçou sua aposentadoria sob o argumento de que ele influenciava negativamente a mente dos jovens. Se é que você me entende...

“Ele dizia que, sem o mínimo consenso de humor, a tragédia brasileira seria muito mais insuportável”, lembra, evocando o ex-caixa do Banco Econômico, na Bahia. Jomard apressa-se e corrige a frase: pede para tirar consenso. “Não gosto, de jeito nenhum. O pensamento homogêneo, único, o politicamente correto, tudo isso vem do nosso capitalismo tardio e onipresente”, fala o homem que acumulou vários rótulos ao longo de sua existência: tropicalista, iconoclasta, agitador, maluco, marginal e até baiano. Tudo por causa de sua conhecida e íntima relação com figuras como Glauber Rocha e Caetano Veloso, entre outros.
Em entrevista ao Jornal do Commercio

Observar esse trânsito de Jomard em tantas camadas intelectuais – da vernisage ao show de rock, da mesa de debate a mesa de bar – é perceber o quanto o tempo não passou. Ou, mais grave, o quanto tempo ainda precisa passar. Este “último dos Dandis”, como já foi citado, ressurge sempre apresentado por um novo sorriso de quem percebe os trâmites do pensamento, mas não se importa em revelar. A modéstia é sempre seu maior charme. A maneira como ele a consegue expor – nos fazer perceber que ele está sendo modesto - é sempre um irresistível convite a seus atentados poéticos.

“Nós, ainda intelectuais, precisamos perder ou dispensar tanta arrogância de salão ou de televisão. Confiar menos na potência de cantos e cátedras. Suspender afãs de julgamento. Trapacear com as linguagens estabelecidas. Cultivar a ironia socrática nos aforismos nietzscheanos. Cortes epistemológicos arrebentando o núcleo das complexidades.”
Em entrevista a revista Trópico

Palavras que, importante reforçar, não tomam apenas forma escrita. O atentado de Jomard é visual, auditivo e como mais ele conseguir expressar. Em tempos em que a vida e a função do CD está em questão, ele fez o que é mais recomendado para compreender essa história. Gravou um, junto com a banda Comuna, e disponibilizou inteiro na Internet. Seguiu com a história. Abriu uma conta no MySpace e no Youtube. Uma metáfora perfeita para avisar que Jomard Muniz de Brito abriu as portas de sua produção, para todos aqueles que estejam interessados em também descobri-lo.

“Amador, como um contra-burguês, tal diz Roland Barthes; e um amador, como um incompetente, tal diz o senso comum”, explica. “Comungo a anti-ambição de ser um cineasta profissional. Minha única atuação profissional foi lecionar”
Em entrevista a Folha de Pernambuco

Como seu trabalho não está em Creative Commons, seguem alguns links oficiais de Jomard
- Baixe o disco de Jomard com a Comuna
- Seus principais curtas-metragens
- MySpace de Jomard

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Hermano Vianna
 

viva Jomard!!!!!

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 15/5/2007 04:29
sua opinião: subir
Egeu Laus
 

Será que ele não se interessaria em escrever uns posts aqui pro Overmundo?

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 18/5/2007 00:06
sua opinião: subir
Higor Assis
 

A vezes me envergonho de não conhecer pessoas como estás.

Parabéns pela matéria, vivo aprendendo e aprendo vivendo.

Higor Assis · São Paulo, SP 18/5/2007 12:01
sua opinião: subir
Egeu Laus
 

Higor,
Do Jomard, procura no sebos Do Modernismo à Bossa Nova, edição de 1966 com prefácio de Glauber Rocha, editado pela Civilização Brasileira.
Abraço!

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 18/5/2007 13:44
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
FILIPE MAMEDE
 

Higor, engrosso o seu coro. Não conhecia também. Mas Overmundo é isso aí. Dupla-troca. Escambo cultural. Muito bom. Valeu Bruno. Um abraço.

FILIPE MAMEDE · Natal, RN 18/5/2007 16:17
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Isabela ramos
 

Excelente matéria! Parabéns Bruno! Eu também,como meus amigos overmanos, não conhecia essa ilustre pessoa, gostei muito de tudo que li sobre ele no seu texto.
Abraços!

Isabela ramos · Teresina, PI 18/5/2007 19:33
sua opinião: subir
Osvaldo
 

Eita, Bruno, fiquei muito feliz com o teu texto e principalmente com “Não entrega a qualquer”. Rsrsss... Eu tive essa sorte no dia 16 de fevereiro, quando ele me entregou um texto sobre o Bloco do Nada. Já estava me sentindo muito metido. E agora sabendo disso... rsrsrs....
Parabéns pela matéria.

Osvaldo · Olinda, PE 18/5/2007 19:52
sua opinião: subir
Higor Assis
 

Egeu, muito obrigado pela dica. Vou procurar este livro esta semana.

Higor Assis · São Paulo, SP 21/5/2007 11:53
sua opinião: subir
Carol Rodrigues (Honey)
 

eita
ótima dica!!!

Carol Rodrigues (Honey) · Rio de Janeiro, RJ 24/6/2007 21:02
sua opinião: subir
Eduardo Pereira ODÙDÚWA
 

Muito bom , parabéns!!!Votado.
Ps. Devido a importância da criação da Primeira Biblioteca Comunitária Especializada Em Cultura Afro-brasileira e Africana, no subúrbio de Salvador-Ba. Por Favor vote em: http://www.overmundo.com.br/agenda/biblioteca-comunitaria-especializada-em-cultura-afro-brasileira-e-africana

Eduardo Pereira ODÙDÚWA · Salvador, BA 25/4/2008 03:44
sua opinião: subir
graça grauna
 

parabens pra você Bruno e para este grande nome do circuito cultural pernambucano. Viva a poesia, a cultura e Jomar, sempre!

graça grauna · Recife, PE 13/5/2008 07:32
sua opinião: subir
MarcilioMedeiros
 

Bruno,

Jommard merece todas as reverências, não as pomposas, mas as substanciais.
Você fez isso de uma forma muito interessante, dialogando com a obra e com a forma de ele intervir nas coisas.
Jommard, em 1985/86, foi o candidato mais votado para a presidência da Fundação de Cultura da Cidade do Recife em uma lista triplíce indicada pelos artistas, decisão que prevaleceu na ocasião.
Todos os que não queriam a perpetuação de uma cultura de gabinete votamos nele.

MarcilioMedeiros · Aracaju, SE 24/5/2008 16:07
sua opinião: subir
Zé Preá
 

Excelente matéria, Bruno, que só agora viajando pelos corredores do Overmundo eu descobri. Como o semi-poeta aqui é fã de Jomar, fiz até um versinho pra ele.

Já pensou ? Zé Preá fazendo sextilha pra Jomar?

Jomar é uma overdose
Mas nunca foi aloprado
Inteligente e brilhante
Ele é mocambo e sobrado
Nessa briga de tutano
De Jomar com Ariano
Vou guerrear do seu lado!

Diga isso a Jomar quando encontrar com ele, Bruno. Ele é uma overdose do BEM. Diga que quero abraçá-lo!

Zé Preá - poeta popular

Zé Preá · Recife, PE 20/10/2008 21:01
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados