Os erês do Pelourinho

Flickr.com - Edgardo Balduccio - http://www.flickr.com/photos/ebald/
1
Patrick Brock · Salvador, BA
23/2/2007 · 261 · 16
 

Carnaval de pedras imutáveis e infanto-erês passeando pelas vielas: um conto da segunda-feira momesca

Há uma energia ancestral nas pedras do calçamento no Pelourinho, e para renová-la, centenas de pés infantis correm pelas vielas, como Erês, apagando o sofrimento dos escravos. Achamos a vaga no vasto estacionamento e logo estamos cercados por famílias inteiras; há sangue e sonho; cabeleireiros preparam penteados afro e turistas caminham assustados no início da noite de marchinhas hipnóticas, de sopro e tambor. Sinto um gosto de cravinho. Tiro os sapatos e piso no chão, com os olhos voltados para o céu e a iluminação fraca das lâmpadas de tungstênio.

A jovem família está fantasiada de Os Incríveis e reclama com o filho inquieto. Tomam cerveja. Comem amendoim. Assistem às bandas de marchinhas. A banda 171 logo se aproxima, com camisa de presidiário listrada. Mais à frente, uma mulher solitária assiste ao show do marido - sax e um teclado com programação de bateria, em meio ao restaurante de luxo onde turistas engolem vorazmente frutos do mar e carne do sol. O mesmo show, há 12 anos, “Yesterday”.

Numa esquina, surge um bloco de orientais – tailandeses de pele morena; chineses de rosto achatado; japoneses muito brancos; coreanos de faces redondas. Eles tocam fora do compasso e arrastam uma multidão, como um pelotão de dançarinas exóticas e vendedores de tênis falsificados. Hippies de miçangas, encostados no muro da Faculdade de Medicina, vêm pedir cigarros, ávidos. Robson Andrade tem 31 anos e veio de Olinda. Despreza o carnaval do Pelourinho.
- Aqui não é carnaval. Acaba às 2 horas da manhã! – diz. Aí reclama da violência na Barra e pede mais um cigarro, puxando os “d” e os “t”.

Em outra esquina, Edna e Natan tentam vender uma fantasia do bloco Filhos de Gandhy, a R$ 220. Ela está grávida. Natan está entediado. Ao seu lado, pelo quarto ano seguido, Solange ajusta os turbantes dos Gandhys a R$ 5 ou 7. Depende do cliente, como tudo por aqui. As lojas de artesanato estão todas abertas. Com paciência bovina, a vendedora nem pisca os olhos enquanto assiste ao movimento noturno. É noite. Durante o dia, as ruas estavam mais sufocadas. Mostra-me as fotos da artesã com estrangeiros, que parecem admirados com seus tapetes de piaçava – troféus instantâneos para referenciar sua arte.

Na mesa de mogno, o capitão Edílson Santana assina o livro de ocorrências com calma, desenhando as letras, enquanto sorri e responde às minhas perguntas. Nada está acontecendo e tudo está tranqüilo. O tempo segue numa velocidade transitória de festejos carnavalescos - o movimento não parece que chegou ao auge e já vai diminuindo. São 10h30 da noite. Na entrada do estacionamento, um cortejo de baianas cibernéticas prepara-se para sair.
- É o bloco da Eterna Juventude - explica Edivete Góes Bonfim, 63 anos, bordadeira.
- Não, é o bloco do Lixo ao Luxo, de Joaquim Assis - corrige Joselita Patrocínio, que faz 70 anos no mês e usa um vestido feito com embalagens de Nescau, bem colado no corpo. “Aqui somos todos iguais. Tem quem pega no lápis, tem quem pega na roupa para lavar. Profissão aqui não importa”. Depois dessa declaração, qualquer coisa parece mais humana do que registrar os fatos com precisão objetiva. Voltando pela Baixa dos Sapateiros, sinto o gosto do sangue.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Carlos ETC
 

Muito bom o retrato que você fez do Carnaval no Pelourinho, Patrick! É exatamente isso!
Bacana mesmo!
Abraço!

Carlos ETC · Salvador, BA 23/2/2007 12:29
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
George Cardoso
 

salve, Patrick! que beleza de crônica baiana, camará. aqui é o George, que te conheceu no lançamento de seu livro em Beagá. bom te encontrar por'aqui. estive em Salvador em janeiro de 2006, mas não tinha seu contato. estive com João Filho, resenhando a soterópolis na praça do acarajé da Dinha. belo texto, belo reencontro literário-virtual. aquela abraço&axé! george

George Cardoso · Belo Horizonte, MG 23/2/2007 14:08
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Felipe Obrer
 

Gostei do texto. Ondulante (será que é um bom adjetivo?)
Abraço.

Felipe Obrer · Florianópolis, SC 23/2/2007 15:15
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Roberta Tum
 

Adoro Salvador, o Pelourinho, mas não me atrevo a ir por aí no Carnaval... é demais pra mianha cabeça! Rs. . . De todo jeito, adorei seu retrato. Parabéns!

Roberta Tum · Palmas, TO 23/2/2007 19:48
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
j.alves
 

um belo texto a foto tbm

j.alves · São Paulo, SP 23/2/2007 20:49
sua opinião: subir
Guto Melo
 

Sobe e desce de pessoas. Desfile de todos os tempos.

Guto Melo · Brasília, DF 23/2/2007 21:12
sua opinião: subir
Luiz Carlos Garrocho
 

Bonito isso, essa resistência poética dos excluídos do capitalismo dos abadás, do exótico lucrativo, do show, da transmissões de tv. Patrick, ninguém vê isso que você viu. Você traz os traços de um carnaval que não passa mesm na tv.

No momento, Márcio Meireles, secretário de cultura da Bahia, está abrindo o debate sobre a exaustão total do carnaval de Salvador. Há um entrevista à Carta Capital e
Cultura e mercado, o pesquisador Clímaco Dias expõe as contradições e as mazelas dessa capitalização da festa popular, de sua exploração em benefício de poucos: "atrás do trio elétrico só vai quem pode pagar" (). Penso que esse debate complementa sua visão poética de um carnaval pobre, contraditório, confuso e, por isso mesmo, mil vezes mais bonito que todo essa máquina de fazer dinheiro e exibir poder e glória!

Viva o povo brasileiro!

Obrigado pelo belíssimo texto.

Luiz Carlos Garrocho · Belo Horizonte, MG 23/2/2007 22:57
sua opinião: subir
Luiz Carlos Garrocho
 

Desculpem-me, vacilei na hora de editar e o texto saiu sem o link para a entrevista do Climaco Dias ( ). Vale a pena ler e deixar que os dois textos sejam atravessados um pelo outro. Dá o que pensar.

Luiz Carlos Garrocho · Belo Horizonte, MG 23/2/2007 23:02
sua opinião: subir
Luiz Carlos Garrocho
 

De novo:

Luiz Carlos Garrocho · Belo Horizonte, MG 23/2/2007 23:03
sua opinião: subir
Luiz Carlos Garrocho
 

Não sei o que está acontecendo. Não consigo publicar o link. Então digito o endereço: www.culturaemercado.com.br/ (Notícias do dia 13/02/07).

Luiz Carlos Garrocho · Belo Horizonte, MG 23/2/2007 23:07
sua opinião: subir
Celim
 

Descrição de quem conhece o lugar... E o avalia com olhos de quem vê de fora.

Celim · Belo Horizonte, MG 23/2/2007 23:23
sua opinião: subir
Zéduardo Calegari Paulino
 

Você me transportou de volta aos dias do pelourinho na minha vida, há 12 anos atrás... E sabe que a essência não mudou? Estar lá, cheirar o lugar dá outra perspectiva.
Belo trabalho, Patrick!

Zéduardo Calegari Paulino · Campo Grande, MS 24/2/2007 01:34
sua opinião: subir
Raquel Gonçalves - Grupo TR.E.M.A.
 

Patrick, estive no Pelourinho pela primeira vez no último agosto. Vi muita coisa que vc descreveu, mas nao era carnaval, isso deve fazer do lugar um pouco diferente daquilo que vivenciei. Gostei muito do texto e do retrato do pelourinho. Acho que vai demorar para eu trocar o carnaval de Pernambuco e sentir esse clima diferente do Pelourinho no príodo de carnaval. Mas é para isso que existe retratos como o seu. Valeu !! ;)

Raquel Gonçalves - Grupo TR.E.M.A. · Fortaleza, CE 24/2/2007 23:57
sua opinião: subir
odracir sotnas
 

Patrick, como seu conterrâneo, sei do que você tá falando. Mas a força do texto renovou meu espanto, minha perplexidade. bacana.

odracir sotnas · Vitória da Conquista, BA 21/3/2007 16:11
sua opinião: subir
maramarina
 

bem descritivo e poético.
Mostra um carnaval que não é os dos trios.

bacana.

maramarina · Aracaju, SE 10/5/2007 17:59
sua opinião: subir
maramarina
 

ah, sem contar que é lindo o título.

abs e axés

maramarina · Aracaju, SE 10/5/2007 18:00
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados