Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

Os males do monstruoso foot-ball

Arquivo Pùblico de Uberaba
1
André Azevedo da Fonseca · Uberaba, MG
13/8/2006 · 67 · 3
 

Nesta ressaca prolongada da Copa do Mundo e entre as reprises dos gols da última rodada do Campeonato Brasileiro, eis que cai em minhas mãos um livro improvável, deliciosamente antiesportivo, escrito em 1940 por um obscuro jornalista do interior mineiro. Em pleno Estado Novo, tempo em que o esporte era considerado uma estratégia de moralização do corpo, o comunista Orlando Ferreira (1886-1957), conhecido na cidade de Uberaba como “Doca”, irrompeu sua retórica furiosa, recheada de conceitos filosóficos e científicos, em direção a uma das maiores paixões nacionais. Trata-se do livro Forja de Anões, um libelo contra aquilo que considerava a maior anomalia da cultura brasileira: o gosto pelo jogo de bola.

Doca lamentava a visível “decadência física da mocidade”, sobretudo tendo em vista os avanços científicos do século. Ele argumentava que a classe médica poderia contribuir para a saúde dos rapazes, “se ela não estivesse envenenada pelo dinheiro” – pois os doutores estavam estimulando os esportes violentos para lucrar com o aumento de pacientes. Ele culpava também a imprensa pela ruína dos jovens, pois com os “relatos minuciosos e repetitivos de feitos esportivos” e os “elogios aos campeões” ela “estimula os jogos violentos, como o foot-ball e outros, cujos malefícios são relatados por ela mesma”. No entanto, o jornalista defendia que médicos e imprensa ainda poderiam tornar-se forças favoráveis ao progresso, caso combatessem as forças maléficas, como “os vícios, as doenças, os esportes violentos, sobretudo o monstruoso foot-ball”.

Para defender sua tese antiesportiva, Doca dizia que o homem não é um animal de atividade muscular, mas um ser cerebral, voltado para a consciência. Por isso, o esgotamento físico é um entrave para a inteligência, haja vista a estreita correspondência entre fadiga corporal e fadiga intelectual. “Um cérebro fatigado possui uma consciência morta, nula, estéril.” Segundo ele, somente o repouso favorece o pensamento. “A fadiga é uma grande inimiga do cérebro e assassina do pensamento”. Doca lembrava que as grandes criações da humanidade foram fruto de pensamento em ambiente tranqüilo, como os laboratórios. “Que seria da sociedade se esta fosse composta somente de corredores fatigados? Estaríamos engolfados no atraso, na miséria física e moral”.

Doca defendia que o homem é por natureza um “animal imóvel”, “frágil”, características que nos diferenciam da besta: “Que importância tem a nossa carreira ante a agilidade diabólica dos animais inferiores, da prodigiosa desenvoltura da serpente, do galope, do cavalo, do salto do leão, do vôo da águia? Proporcionalmente, que vale a força humana ante a força da pulga? No entanto o homem é o mais temível dos animais.” De que adiantam os músculos, questionava, se o homem é um animal sociável, preparado viver pacificamente; se possui inteligência, que vale mais que a força? “A musculatura e a inteligência tem ambas a sua finalidade: aquela, em maior escala, para os animais dotados de garras e dentes afiadíssimos poderem exercer a sua missão triste e bestial; esta, para o homem viver a vida fraternal e transformar o mundo.” Por tudo isso, Doca dizia que o governo deveria mesmo proibir o futebol, para o bem da nação.

Apesar da fúria, Orlando Ferreira sabia que seria esquecido. “Escrevo, porém, sob a mais dolorosa das impressões: a do desânimo. Ninguém, tenho certeza absoluta, se importará com as minhas palavras, que talvez poderão ter méritos apenas: o de aumentar o número de meus rancorosos inimigos.” Mas ao nos lembrarmos de Forja de Anões em pleno século 21, fica aí uma viva provocação aos novos entusiastas do futebol.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Saulo Frauches
 

Curiosíssimo, André. Se não fosse seu texto, acho que provavelmente não saberia sobre as idéias do Doca. Agora, cá pra nós, é muito azar um sujeito que odeia a bola nascer no país do futebol...

Saulo Frauches · Rio de Janeiro, RJ 10/8/2006 16:51
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
André Azevedo da Fonseca
 

Poisé, Saulo. O Doca é desses que só andam na contramão! Uma figura!

André Azevedo da Fonseca · Uberaba, MG 11/8/2006 14:44
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
ronaldo lemos
 

Adorei esse texto, nem preciso explicar porque...

ronaldo lemos · Rio de Janeiro, RJ 14/8/2006 12:07
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados