Planalto, Planilhas, plataformas e palafitas

Henrik Moltke
DJ Wesley- tecnobrega
1
diginois.com.br · Rio de Janeiro, RJ
6/5/2007 · 186 · 14
 

Planalto, planilhas, plataformas e palafitas.

O mês de março aqui no Rio foi de intensos debates sobre a indústria cultural. Um mais voltado para a indústria da música e seus afluentes, outro com foco nas últimas pesquisas do IBGE sobre a conectividade no Brasil e seus implicadores e implicados e ainda outro sobre exemplos dados pelas periferias latino americanas sobre modelos de negócios nascidos da informalidade.

Na verdade antes de começarmos seria bom introduzir o termo Indústria Criativa já que o mais conhecido por nós é Indústria Cultural.

Comecemos por esse trecho da entrevista feita no Portal Literal por Bruno Dorigatti com Anna Jaguaribe. Anna é socióloga e trabalhou como consultora da Unctad (Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento) para as indústrias criativas e redigiu o documento do órgão sobre o assunto.

Anna disse:

“A idéia da indústria cultural, termo muito utilizado pela Unesco, foi rejeitada nesse processo de criação do Centro Internacional da Economia Criativa, pois a idéia é enfatizar mais a relação entre a criatividade e uma economia que produz e faz circular bens simbólicos. E quando se utilizava o termo indústria cultural, na verdade, o que a Unesco procurava enfatizar era a relação entre o comércio e as tradições culturais, entre o que eles chamam de patrimônio cultural e inovação. E o que nós estamos aqui levantando é que não é tanto uma questão de você olhar para o seu patrimônio e dizer: "Olha, isso aqui é um patrimônio cultural em movimento". Estamos saindo da idéia de cultura como uma espécie de repositório de símbolos para transformá-la em inovação. Mas é fato que a forma de produzir e circular símbolos modificou-se, e isso que é o cerne principal dessa questão das indústrias criativas. Essa diferenciação é uma outra maneira de cair fora de uma discussão que, no fundo, é inútil para estes propósitos, a clássica discussão sobre se estamos ou não comercializando a cultura. Quando você pensa em termos da economia criativa, você já parte do predisposto que existe uma circulação de bens e serviços simbólicos. O que me interessa saber é como isso se produz”.


Bruno Dorigatti acresenta: “como isso se produz e como pode ser usado para modificar um cenário de crescente oligopolização, não só da circulação e do controle sobre a distribuição, mas, também do controle sobre a informação”.

O advogado da FGV Bruno Magrani, que voltou recentemente da Nigéria, nos deu algumas pistas sobre indústrias criativas e nos contou que lá existe uma Indústria Cinematográfica chamada Nollywood( referência óbvia a Hollywood e Bollywood), as duas maiores indústrias do Cinema Mundial.

Nolywood produz mais filmes que as duas, 1.200 filmes por ano contra 900 e tanto de Bolywood e 800 de Hollywood. Cada filme custa em media 10 mil dolares para ser produzido e 3 dolares para os consumidores nas ruas. Isso mesmo, nas ruas, ou no camelô se você preferir. Na Nigéria não existe nenhuma sala de cinema.Antes em videocassette e agora em dvd, os filmes são assistidos em casa.
Com o período de Guerra e a ditadura esquerdista que veio a seguir, foi proibido a entrada do cinema americano lá. Isso e a criatividade de um empresário local para desencalhar milhares de videocassetes seus, produzindo o primeiro filme, possibilitou uma outra engrenagem bastante simbólica de produção, circulação e comercialização de bens.

Exemplos como esse vemos aqui bem perto. É o caso do “mundo funk carioca”, do tecnobrega no Belém do Pará ou das lan houses nas favelas brasileiras.

O Ministério da cultura, o BNDES, a Petrobrás, a Ancine, etc, por sua vez já perceberam que o grande gargalo da cultura é a distribuição ou circulação desses bens culturais por eles incentivados. Como lemos acima esses modos de distribuição já apresentam novas e diferentes formas de fazer circular a cultura.

Porque então ainda pensar em MERCADO num país que consegue distribuir mal apenas 60 filmes por ano e esses filmes não tem retorno financeiro?

E não precisamos só ficar na esfera cinematográfica, a maior persona do teatro brasileiro, Fernanda Montenegro, não produz nenhuma peça sua sem incentivo fiscal. O mesmo pode se dizer dos grandes icones da nossa MPB. Alguma especiê de vício? Pode ser também…

Mas mesmo assim penso como a advogada da FGV Oona de Castro, já que os cds, filmes, livros, peças, balés, etc, não tem por diversos motivos uma sustentação e circulação satisfatórias com esse modelo herdado, porque não modificar as leis e proporcionar que um número bem maior de empresas tenham que praticar a lei de incentivo a cultura?. Se o mastercard gasta uma fortuna para dizer na sua propaganda que “vale mais o sorisso do seu filho que qualquer outro ben financeiro”, acredito que levar cultura gratuitamente para a população interesse ao target do seu ou de qualquer marketing empresarial.

Os produtores por sua vez que já foram remunerados em toda a sua cadeia produtiva seriam generosos com a circulação desses bens a um preço bem barato ou até de graça para a população pois também lhes interessa que cheguem ao maior número de pessoas possível.

Penso no filme Cartola que acabou de estrear em 12 salas de cinema no Brasil todo. Será que se o dvd do filme fosse vendido a 1 real na Rocinha não veriamos a multiplicação de “salas” de cinema?
Se para o autor seria bom, se para a empresa patrocinadora também, que dirá para a população que teria finalmente acesso a todo tipo de filme, música, livro, etc por um preço aquisecível.
Fui recentemente a um concerto de música clássica com meu filho no Teatro Municipal. Custava 1 real. Lotou de ficar gente para fora. Quando o maestro pediu que levantasse a mão quem nunca havia visto uma orquestra no municipal, 99% do teatro quase fez uma Hola!

Como disse a Fernanda Montenegro, “não vamos dividir a miséria”. Se a lei for modificada serão centenas de editais, cada um com um tipo de curadoria diferente, contemplando assim um número diversificado de produções e no país inteiro.

Na Inglaterra já foi criado o Ministério das Indústrias Criativas. As criações britânicas empregam 1,3 milhões de pessoas e geram 194 bilhões e 992 milhões de dólares.

Nos Estados Unidos já são o Segundo maior produto de exportação. E Segundo dados do Banco Mundial já representam 7% do PIB do planeta.

No Brasil ficam entre 1 e 3% do PIB.

Já que a quantidade de computadores e tvs vendidos ano passado foi quase a mesma e inevitavelmente a conectividade irá se multiplicar ano após ano, seria interessante se todos pudessem visualizar uma rede de tv digital com tv pública “linkadas” a lanhouses e escolas de segundo grau, camelôs, vendedoras de cosméticos, casas de show, radiolas, cine clubes digitais e o que mais for sendo inventado.

Se o bolsa família conseguiu tirar 11% da população da linha da miséria, fazer a cultura circular gratuitamente nesse país possibilitaria ai sim, a formação primeiramente de uma platéia mas bem instrumentalizada para depois, quem sabe, chegarmos de fato em algum MERCADO.

Política e economia andam juntas desde sempre, ciência e arte são velhas parceiras, o encontro entre a cultura e a economia, sob um novo prisma, é recente e está apenas no começo.

Que as novas plataformas na web 2.0 e os números nas novas planilhas governamentais venham a apresentar semelhantes ramificações.

Planalto, planilhas, plataformas e palafitas.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Hermano Vianna
 

bem-vindo ao Overmundo, Lucas!

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 4/5/2007 02:31
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Alexandre Inagaki
 

Artigo bastante interessante, Lucas. Falta apenas uma revisão final em termos grafados no texto como "sorisso" ou "aquisesível". Mas isso não prejudica o valor de um artigo que cita algo que eu desconhecia completamente, o Ministério das Indústrias Criativas na Inglaterra. Parabéns e um abraço!

Alexandre Inagaki · São Paulo, SP 4/5/2007 07:30
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
diginois.com.br
 

obrigado hermano.
opa! valeu alexandre, vou corrigir agora mesmo, obrigado!

diginois.com.br · Rio de Janeiro, RJ 4/5/2007 13:52
sua opinião: subir
andre stangl
 

Jóia Lucas, nosso ministro gil tb tem falado muito em economia criativa, acho q o caminho tem q ser esse mesmo, valorizar mais a criação/criador/criatura e liberar a reprodução. o problema é q reproduzir, como as editoras, os estúdios e as gravadoras parece ser mais fácil e concentrar mais grana. por outro lado valorizar quem cria, pode implodir a base de quem só copia e revende (os herdeiros da mentalidade industrial). Acho q o consumo sublima a criação, se todos fôssemos estimulados a criar, quem consumiria...? ô... eu quero é mais, tudo free e todos criando, alguns reciclando, outros circulando, o valor é ser elo.
grande abraço

andre stangl · Salvador, BA 7/5/2007 02:28
sua opinião: subir
diginois.com.br
 

valeu Andre! acho importante não só falar de economia criativa como você coloca acima, no sentido da criação e circulação mas também no sentido de termos, como bem me disse Hermano outro dia, planilhas de números como os outros ministérios para provar o quanto é importante o papel da cultura tanto economicamente como estratégicamente.

diginois.com.br · Rio de Janeiro, RJ 7/5/2007 08:31
sua opinião: subir
FILIPE MAMEDE
 

Excelente texto. O título é muito inventivo e o conteúdo é seríssimo. A cultura precisa ser democratizada. Como disse o André ai em cima: "tudo free". Abraço.

FILIPE MAMEDE · Natal, RN 7/5/2007 08:55
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
diginois.com.br
 

valeu filipe! tudo isso depende muito de nós né?

diginois.com.br · Rio de Janeiro, RJ 7/5/2007 09:51
sua opinião: subir
bruno.d
 

Bom text, Lucas. Segue o link para a entrevista com a Anna Jaguaribe. Abraços Bruno Dorigatti

bruno.d · Rio de Janeiro, RJ 7/5/2007 14:17
sua opinião: subir
diginois.com.br
 

ae! prazer bruno! ja te citei la no diginois e postei essa sua entrevista com ela na integra e tambem publiquei este aqui do overmundo no jornal folha-gavea-leblon. jornal do bairro.
obrigado pelo link. recomendo a todos!

diginois.com.br · Rio de Janeiro, RJ 7/5/2007 14:31
sua opinião: subir
Marcelo Birck
 

Muito massa, acho ótimo ter contato com informações que tratam dessa mudança de paradigma que estamos atravessando.

Marcelo Birck · Porto Alegre, RS 26/5/2007 19:57
sua opinião: subir
diginois.com.br
 

Ih! deu tilt! como havia saido do overblog esse texto, eu resolvi colocá-lo no banco de cultura. será que fiz algo errado??? estranho.
alô hermano, help me! dá para tirar aqui do overblog e colocar l´å no banco de cultura?
bom, valeu grande Birck!!! quando ouvimos esse cd novo. estou ansioso!
abs!

diginois.com.br · Rio de Janeiro, RJ 26/5/2007 20:03
sua opinião: subir
Marcelo Birck
 

Lucas, o CD vai rolar no segundo semestre, estou em pleno processo de produção.

Marcelo Birck · Porto Alegre, RS 26/5/2007 20:06
sua opinião: subir
Hermano Vianna
 

Lucas: não precisar tirar daqui não - agora fica nas duas seções

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 26/5/2007 21:30
sua opinião: subir
diginois.com.br
 

ok, desculpem ai overmanos. a intencao era colocar no banco de cultura.
Bacana, Birck! evoé! axé! que saia tudo como você está querendo e merece.
abração!

diginois.com.br · Rio de Janeiro, RJ 26/5/2007 21:58
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados