Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

POBRE MILIONÁRIO

Pablo Reis
Há 35 anos, Nivaldo ganhou uma bolada na loteria esportiva, hoje é um excluído
1
Pablo Reis · Salvador, BA
9/8/2007 · 368 · 27
 

A história de Nivaldo Eduardo, um dos primeiros milionários com a Loteria Esportiva no Brasil, que hoje mora na rua e sofre com hanseníase

Era uma vez um jovem de 20 e poucos anos na idade e nas prioridades de vida, estômago e veias sempre calibrados pelos melhores uísques que o dinheiro pode comprar, cercado pelas melhores mulheres cuja companhia pode ser alugada, certo de que ser um nababo é uma condição perene como ser um diabético, por exemplo. Pois aquele moço, que viajou do padrão de assalariado para a rotina de milionário apresentando um bilhete com o placar certeiro de 13 jogos de futebol, agora é este homem abandonado na região do Aquidabã, sobrevivente das migalhas de quem deixa um carro estacionado aos seus cuidados. Nivaldo Eduardo dos Santos, um dos primeiros milionários do Brasil com a Loteria Esportiva, aos 62 anos, perdeu de goleada uma partida em que enfrentou a soberba.

O conto de fadas que nas histórias da carochinha persiste até alguém ser feliz para sempre para Nivaldo durou, no máximo, seis anos. E seu maior pecado foi apenas ter ficado rico repentinamente com 27 anos de idade. “Que experiência que eu tinha?” A bolada recebida por Nivaldo equivaleria hoje a um pouco mais do que R$6 milhões, valores atualizados pelo Índice Geral de Preços ao Consumidor, da Fundação Getúlio Vargas.

Dinheiro suficiente para comprar mais de 300 carros populares, ou cerca de 60 apartamentos de três quartos em um bairro de classe média de Salvador, ou ainda 950 mil sanduíches Big Mac. De certa forma, o prêmio foi torrado nesse tripé: carro, moradia e gastronomia, além de sessões de um hedonismo proporcional a sua conta bancária.

Credita toda a sua ruína a investimentos malfadados em letras mortas e sociedades em negócios falidos, principalmente na instalação do primeiro check-up eletrônico para veículos em Salvador, a Oficina Auto Elétrica 2001, nos Dendezeiros, que originou processos trabalhistas dos quase 20 empregados e uma dívida com a Justiça, que ele precisou pagar cumprindo pena na detenção. Mas parece tomado de uma conveniente amnésia que o faz esquecer dos esbanjamentos em até cinco Dodge Dart ao mesmo tempo na garagem e que se algum arranhasse a lataria no meio-fio, ele providenciaria passar adiante e comprar um novo na sempre solícita concessionária. E não faz questão nenhuma de mencionar que foi o responsável pela emancipação imobiliária de grande parte das mulheres damas do Pelourinho, que conseguiram comprar casas próprias graças a sua generosidade de cliente priápico e bem-dotado financeiramente.

Na fase boa, fazia da ponte aérea Salvador-Rio de Janeiro um percurso tão banal como ir do Farol da Barra até a praia de Stela Maris. Se tinha jogo do Bahia no Maracanã, pagava a viagem de 20 amigos, de avião, para a capital carioca. Nivaldo já foi assíduo companheiro das mulatas de Sargentelli, hoje vive na sarjeta.

Frustração oculta


É do tipo que insiste nunca ficar arrependido, frustrado ou saudosista do período de fausto. Só que todas as suas narrativas querem provar o contrário. Lembra com exatidão o valor do prêmio (2,976 milhões de cruzeiros novos), a data da extração (16 de julho de 1972) e até o número do concurso (nº 96, já que a loteria tinha sido criada em abril de 1970). É como aquele namorado que teima em dizer não sofrer com o fim do relacionamento, mas não esquece o dia em que começaram a namorar, a roupa que ela estava usando e até o perfume com aroma de pêssego misturado com alfazema e uma leve fragrância de pasta de dente, cabelos lavados com xampu de babosa.

Antes, podia gastar o equivalente a R$1 mil por dia que não pensava em pobreza. Hoje, precisa dormir num albergue na Barroquinha e batalha por uma aposentadoria por invalidez. Como se não bastasse a desgraça monetária, Nivaldo ainda é hanseniano. Os dedos encolhidos e parecendo estar pela metade, a pele descascando em úlceras brancas e secas dão os contornos miseráveis de um corpo sendo carcomido pela doença, enquanto a alma é corroída por lembranças. A diferença é que a primeira, cientificamente chamada de hanseníase, é perfeitamente curável com os medicamentos que ele toma. O segundo mal-estar é de difícil tratamento e um dos principais sintomas é o murmúrio reincidente que se ouve como um suspiro: “Que experiência que eu tinha?”

O novo-pobre fala com a boca mole, desdentada, também ela hipotecada pela miséria. Tinha a maioria dos dentes de ouro e quase todos foram extraídos para pagar os estertores de sua riqueza. Os primeiros foram trocados por uma dívida, já os últimos serviram para pagar comida.

Já foi vizinho de craques do Flamengo, nos apartamentos de Ipanema, hoje passa a maior parte do tempo ao lado do casal Ivan e Maria, que estendem um lençol de mendigos na calçada e colocam o filho Ivanzinho como refém e vetor da sensibilidade alheia. Garante não ter arrependimento. “Se tivesse, me suicidava, como já vi muita gente se jogando de carro da ponte Rio-Niterói”.

‘Oreia’

Nas redondezas do Terminal do Aquidabã, a história desse ser humano falido é de domínio público. Honório, o proprietário da farmácia que vende os medicamentos de hanseníase, indica seu local de trabalho diário. Seu Careca, o veterano dono do bar, com quatro décadas de Aquidabã, foi o principal confidente das memórias cheias de dinheiro e aventura de Nivaldo. Ele não trabalha mais no balcão, mas passou todos os capítulos para o filho Roberto. E mesmo assim, perguntar por Nivaldo é o mesmo que nada. É só falar no milionário da loteria que todos se lembram: “Ah, é Oreia”.

Com os lóbulos da orelha alargados e amolecidos, como se fossem os lábios de índios deformados por rótulas da tradição, Nivaldo deixa mais do que boas histórias no convívio com os comerciantes da região. Às vezes, ele larga, involuntariamente, uns pedaços de carne pelo balcão.
Dos nove filhos que teve com mulheres diferentes, cinco já morreram. Dois deles ainda aparecem para ver o pai e o tratam como... leproso. São também desvalidos que só fazem reclamar do fato de ele ter perdido uma fortuna. Nos poucos comentários que elaboram, apenas dizem que estariam melhor de vida se este não fosse tão perdulário. Mas é claro que não dizem com essas palavras. Preferem termos como “imprestável, vagabundo e irresponsável”. A companheira mais fiel foi a última mulher, também uma renegada social, que se apoiavam mutuamente na vida de rua. Morreu atropelada há três meses no Aquidabã e Nivaldo não teve direito a receber nenhum tipo de seguro.

É difícil Nivaldo admitir, mas continua fazendo uma fezinha. Ele vigia o carro do dono da banca da Paratodos, que se tornou amigo e confidente, Ricardo José, e quando este vai pagar R$0,50 ou R$1 pelo serviço Nivaldo pede que jogue na centena ou no milhar. Em mais de 10 anos de hábito seria natural que o ex-milionário ganhasse uns trocados no bicho (apostando no macaco ou na zebra), mas isso nunca aconteceu. “A sorte bateu uma vez na vida dele e pronto. Ele não soube aproveitar”, condena Ricardo.

É também uma visão cartesiana de uma trajetória. O protagonista não acha o mesmo. Quando o álcool do uísque vagabundo ou do conhaque começa a fazer efeito, ele desdenha dos interlocutores na roda onde o papo tem invariavelmente o mesmo julgamento moral: “Como é que você foi desperdiçar isso tudo?” Nivaldo encerra o assunto de forma taxativa: eu aproveitei tudo e bem, vocês vão ter três vidas e não conseguirão gozar tudo que eu tive.

Realmente, deve ser um cansaço repetir sempre a mesma história, responder sempre as mesmas perguntas sobre como é poder comprar qualquer carro, qualquer bebida, ou quase qualquer mulher na hora em que se quer. Por outro lado, é o momento em que Nivaldo se sente vivo, na oportunidade de recordar, de sensibilizar, de oferecer ao outro uma viagem mental por todos aqueles caminhos que ele percorreu em carne e osso. Curtiu a vida igual a uma cigarra daquela fábula sobre ser precavido ou extravagante. Escolheu ser a personagem de quem todos sentem pena no final. “Mas que experiência que eu tinha?”

compartilhe

comentários feed

+ comentar
DaniCast
 

Muito bom.

DaniCast · São Paulo, SP 6/8/2007 10:11
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Elizete Vasconcelos Arantes Filha
 

Gostei muito e está bem escrito.Parabéns.
Elizete

Elizete Vasconcelos Arantes Filha · Natal, RN 6/8/2007 12:12
sua opinião: subir
anamineira
 

Pros lados de cá, mais precisamente em João Monlevade tem um caso assim. Lembro, ainda adolescente, vi o Santana ( era esse seu nome) chegando no restaurante do meu pai, em Alvinópolis, pediu algumas cervejas, e, mandou todo mundo subir no seu carro zero e dançar. No final seu carro ficou todo amassado e ouvi ele dizendo: Tem importancia não, amanhã compro outro. Ficou pobrim...pobrim... Gostei do texto. Um abraço mineiro.

anamineira · Alvinópolis, MG 6/8/2007 22:31
sua opinião: subir
Pablo Reis
 

Isso mesmo, Ana! A história de seu Nivaldo é mais ou menos essa. Obrigado Elizete e Danicast. Um abração

Pablo Reis · Salvador, BA 6/8/2007 22:45
sua opinião: subir
Natacha Maranhão
 

sempre trazendo boas histórias, né Pablo?
mais uma muito boa, parabéns!

Natacha Maranhão · Teresina, PI 8/8/2007 22:54
sua opinião: subir
Marcos Paulo
 

Acho que todo mundo já pensou no que fazer se ganhasse uma bolada da mega-sena. Muita gente só não pensa no que fazer se um dia, caso aconteça, a grana acabar --como foi o caso do Nivaldo.

Recentemente, aqui em Porto Velho, o assunto dos jornais foi a "sorte grande" de um jornalista que acertou o prêmio da mega-sena acumulada. Deu até no fantástico e tudo.

Mas, cá entre nós: o que fariam se ganhasse um prêmio desse?

Marcos Paulo · Porto Velho, RO 9/8/2007 09:07
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Pablo Reis
 

é mesmo um questionamento a ser feito, Marcos Paulo. Todos deveríamos possuir o equilíbrio necessário para lidar com uma situação como essa.
Natacha, você como sempre muito gentil. Obrigado pleos elogios.
Abraços a todos

Pablo Reis · Salvador, BA 9/8/2007 09:30
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Pablo,

que beleza de texto! A tragédia rodrigueana do meu homônimo supera mesmo qualquer uma nascida da imaginação do autor de Vestido de Noiva. Mas ela é didática. E antes que cale silenciosa na alma dos que seguem os trilhos naturais da vida confortável e rotineira, lembremos que a (má) sorte do pobre Nivaldo só nos serve se percebermos que todos nós somos também, de uma certa forma, cúmplices e herdeiros das tragédias humanas. Inclusive da dele. É a lei da vida. Parabéns pelo texto. Um primor.

Um abraço.

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 9/8/2007 18:25
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

Quantos Nivaldos existem? Bom texto...Parabens.
VOTADO abç

Cintia Thome · São Paulo, SP 9/8/2007 19:47
sua opinião: subir
Alexandre Grecco
 

muito bom o texto! E bem triste a história, a ganância parece ter vencido e cobrado seu preço...

Alexandre Grecco · Fortaleza, CE 9/8/2007 20:58
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Andre Pessego
 

Legal, muito bom, bem colocado, bem narrado,
o Pablo é assim mesmo, um abraço, andre

Andre Pessego · São Paulo, SP 10/8/2007 05:26
sua opinião: subir
BETHA
 

Pablo,
gostei muito do texto, e de saber dessa triste história desse homem. Que pena!
Abçs de Betha.

BETHA · Carnaíba, PE 10/8/2007 07:55
sua opinião: subir
FILIPE MAMEDE
 

"Viver pouco como um Rei, ou muito como um Zé?"... "Dinheiro na mão é vendaval"...

Gostei da menção à Priapo. A história é muito boa, menos pro Nivaldo, não é mesmo? Teu texto tem muita fluência; boas sacadas; gosto muito do que escreves... Um abraço.

FILIPE MAMEDE · Natal, RN 10/8/2007 08:41
sua opinião: subir
Cicero de Bethân
 

Sensacional! Principalmente pela força deste homem que apesar de saber o que perdeu quando indaga "mas que experiência que eu tinha?", por outro lado sabe que viveu (e vive) de forma intensa. Este provou o amargo e o doce das terras de anjos e demônios. Parabéns.
Abraço.

Cicero de Bethân · Vitória, ES 10/8/2007 08:43
sua opinião: subir
Guilherme Mattoso
 

sensacional essa história (e muito triste também)! parabéns pela narrativa.

Guilherme Mattoso · Niterói, RJ 10/8/2007 09:18
sua opinião: subir
Oona Castro
 

Exexmplar. Uma vez ouvi falar de uma pesquisa que apontava a porcentagem de pessoas que perdiam tudo o que haviam ganhado na loteria em apenas 5 anos (média próxima ao tempo de Nivaldo). Mas nunca consegui ter acesso a nada assim. Alguém sabe onde encontrar?

Oona Castro · Rio de Janeiro, RJ 10/8/2007 13:01
sua opinião: subir
Lucas Pereira
 

Achei a história bem interessante, e um assunto novo também.

Parabéns!

Lucas Pereira · Sabará, MG 10/8/2007 15:03
sua opinião: subir
luciohaeser
 

Oona. Já vi pesquisa dizer que o nível de felicidade de quem ganha um grande prêmio de loteria volta ao normal cerca de um ou dois anos depois. Tenha a pessoa mantida ou não a grana. Parabéns Pablo. Bela história.

luciohaeser · Brasília, DF 10/8/2007 16:34
sua opinião: subir
luciohaeser
 

Mas bem que de vez em quando eu jogo na mega. E desculpem o erro de concordância. O certo é "mantido"

luciohaeser · Brasília, DF 10/8/2007 16:36
sua opinião: subir
karollekis
 

Morei em salvador, e este homem´que foi milionário faz parte daquele grupo de desvalidos que eu via pela janela do ônibus toda vez que passava pelo Aquidabã.Por que será que tantas pessoas que vivem intensamente acabam se dando mal?será que o prazer anda junto com a insensatez?Parabéns pelo ótimo texto.

karollekis · Jacobina, BA 10/8/2007 21:04
sua opinião: subir
baduh
 

Achei o texto perfeito, a história muito bem contada e, principalmente, muito bem apanhada - na vida.
Tenho, no entanto, uma restrição, de origem, digamos assim, filosófica...
"por outro lado sabe que viveu (e vive) de forma intensa. Este provou o amargo e o doce das terras de anjos e demônios"
Citei Cícero de Bethânia para te lembrar que, na historinha da Formiga e da Cigarra, nem todos enxergam a loucura na primeira, mas, justamente na segunda...
Alguns laivos de moralismo poderiam ser deixados de lado, no belo texto que você escreveu.
"É do tipo que insiste nunca ficar arrependido, frustrado ou saudosista do período de fausto."
Para um homem que, aparentemente, não tem nenhuma instrução - não sei nenhum detalhe da vida deste homem -, Nivaldo é um sábio, não na maneira com que gastou seu dinheiro, mas na forma com que encara a sua sobrevida.
Ponto para Nivaldo.
Parabéns pelo excelente texto.

baduh · Rio de Janeiro, RJ 11/8/2007 00:42
sua opinião: subir
Capoeira Cambará
 

Gostei muito da história e da maneira como foi contada. Parabéns, Pablo.
Agora uma coisa que me chamou um pouco mais a atenção é o fato de nós aqui, leitores, ficarmos tranqüilos e poéticos diante de um texto que diz que mulheres são utilizadas como mercadorias nos mesmos moldes dos carrões, viagens, etc.

Capoeira Cambará · Ananindeua, PA 11/8/2007 08:13
sua opinião: subir
André Gonçalves
 

excelente história, muito bom texto. parabéns. o fechamento da matéria foi perfeito.

André Gonçalves · Teresina, PI 11/8/2007 08:19
sua opinião: subir
Walesson Gomes
 

Texto maravilhoso, rico em palavras!! Continue escrevendo assim. E pro seu Nivaldo...que Deus o abençõe.

Walesson Gomes · Belo Horizonte, MG 11/8/2007 08:59
sua opinião: subir
baduh
 

ahahahah Desculpem a nossa falha! Na historinha da Formiga e da Cigarra, nem todos enxergam loucura na segunda (a Cigarra), mas justamente na primeira, (a Formiga).
É apenas um ponto de vista. De qualquer maneira, o texto é excelente, merece ser publicado nos melhores jornais.

baduh · Rio de Janeiro, RJ 11/8/2007 09:58
sua opinião: subir
Juliaura
 

Pablo Reis,

Narrastes em texto que minha avó Marinalva chamaria de escorreito essa tragédia do jovem tornado nababo pela sorte e por si e as circunstâncias que nos determinam tornou-se um sapo adoentado a perder nacos de si a cada pulo mais alto que dê.

A miséria não está exatamente na falta de dinheiro, penso aqui com o único botãozinho da minha blusinha rota.

E vou levantar da cadeira agora para aplaudir em pé o malungo Capoeira Cambará, pelo preciso comentário de que a circunstância pode nos querer mercadoria, mas não nos devemos render a elas, o que Chaplin, por seu adorável Carlitos, já no milênio passado, em Tempos Modernos, nos assegurava: "homens é que sois".

Quem nos quer mercadoria é a ganância miserável dos que não se tornam milionários pela loteria.

Juliaura · Porto Alegre, RS 11/8/2007 20:33
sua opinião: subir
Gabriel Zanatta
 

Oi Amigos tudo bem??

Escrevemos um Livro bastante interessante sobre Educação Financeira e Investimentos.

DESCUBRA como se TORNAR e PERMANECER Milionário!

Gostaria que voces dessem uma lida nele e colocassem um comentario!

Deem uma olhada: http://www.livrodosmilionarios.com

Que alcancemos tudo que almejamos
Sucesso, Riqueza e Felicidades
Abraços
Gabriel Zanatta

Gabriel Zanatta · Porto Alegre, RS 23/12/2009 22:45
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

Hanseniano, Nivaldo dorme em albergue em Salvador e ganha a vida guardando carro zoom
Hanseniano, Nivaldo dorme em albergue em Salvador e ganha a vida guardando carro

veja também

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados