PUNK BRASILEIRO NO JAPÃO - NOMARES

cedida pela banda
nomares
1
Roberto Maxwell · Japão , WW
18/5/2007 · 153 · 4
 

A noite ainda é daquelas agradáveis numa das maiores cidades do Japão. Nagoya foi o palco do evento que levou a banda brasileira Mukeka di Rato a tocar num dos templos do rock local, o Huck Finn. Abrindo a noite, estavam os caras do Nomares, única banda local formada por brasileiros no line up da noite. A história do caras que formam o Nomares só difere da grande maioria dos brasileiros que são forçados a imigrar por um singelo detalhe: eles amam a música e decidiram fazer algo mais do que apenas escutar. Decidiram produzir. Músicos brasileiros tentando a sorte por estes lados não faltam. É de conhecimento de muita gente que os japoneses curtem a música brazuca mais tradicional. Porém, novamente, Rafael, Akira e Caju são exceções: o que eles produzem juntos é o mais puro punk rock. E estão quebrando barreiras. Perdão pela colocação aparentemente fora de contexto, mas aqui no Japão tem valido a máxima chicobuarquiana: “você não gosta de mim, mas a sua filha gosta”. Os julinhos-da-adelaide locais sofrem o preconceito de trabalharem em serviços não-qualificados nas fábricas e por descenderem de imigrantes que deixaram o Japão em alguns de seus momentos mais críticos. Ou seja, para muitos japoneses, os nikkeis brasileiros, a despeito de o contrário ser a regra em muito dos casos, são apenas trabalhadores sem instrução, originários de famílias camponesas pobres. É o desconhecimento histórico que leva ao preconceito. Mas que, também, pode estar fazendo com que muitos jovens não dêem a mínima para a origem dos nikkeis imigrantes. E, quem sabe por isso, para muitos deles o Brasil — e os brasileiros, incluindo os nikkeis — é/são uma fonte inesgotável de ritmos e estilos musicais.

Na noite de 2 de maio, o que se viu foi bem diferente da tensão que separa funcionários brasileiros e japoneses em muitas fábricas. Embora no começo fosse possível ver os jovens em grupos separados, na hora do pogo, nacionalidade foi o que menos importou. Cabeças-quentes, apenas as dos organizadores, todos (muitos) anos acima do mínimo permitido para a entrada no evento. No final, os japoneses que inicialmente exclamavam surpresa pelo número de brasileiros na casa, comentavam, positivamente, sobre o jeito louco dos burajirujin (brasileiros, na língua local). O punk rock propôs uma experiência que alguns daqueles moleques nunca tinham vivido.

Talvez isso já seja suficiente para entender uma turnê do Mukeka di Rato no Japão e a existência e o sucesso entre os japoneses de uma banda como o Nomares. Pode ser que eles não sejam os responsáveis pelo fim das divergências étnicas entre japoneses e nikkeis brasileiros no Japão. Até porque eles só pensam em se divertir com a galera. No entanto, pelo menos uma porta de convivência está sendo aberta. Hajimemashite, muito prazer!

Sem mais delongas, Nomares:

Roberto Maxwell -
Só um profile rápido do Nomares...


Rafael - O Nomares foi criado em 2005, né? ...

Akira - Isso!

Rafael - ... fevereiro de 2005. A gente está aí na batalha já vai fazer 2 anos... Em 2005, a gente gravou uma demo (nota: Pensamento Mal ê o nome do trabalho) que está aí sendo distribuída pelo Japão, tenho reconhecimento dos públicos japonês e brasileiro. Tá sendo bem legal pra gente porque...

Akira - ...está tendo bastante retorno de shows, pessoas entrando em contato no nosso myspace...

RM - E como foi tocar hoje na mesma noite que o Mukeka di Rato e o Vivisick?

Rafael - Cara, sem palavras porque, assim, com 17 anos a gente ouvia Mukeka di Rato, bicho. Hoje a gente tem a oportunidade de tocar aqui com o Mukeka di Rato, com o Muga — que é uma banda japonesa de amigos da gente...

Akira - ... das mais respeitadas bandas japonesas. Sem contar a casa de show, que é...

Rafael - 30 anos? nota: (o Huck Finn abriu em 1981, segundo o site deles.)

Akira - É um CBGB daqui...

Rafael - É considerado um CBGB daqui.

Akira - É muito, assim, gratificante para nós.

Rafael - A gente tenta sempre batalhar o nosso ideal, se dedicando para alcançar nosso ideal que é, tipo, agradar as pessoas...

RM - Além da banda, vocês fazem outra coisa? Vocês já conseguem viver só da banda?

Rafael - Bicho, eu trabalho em fábrica de segunda a sábado.

Caju - Todo mundo é dekassegui aqui.

Akira - Não tem jeito mesmo...

Caju - Isso aqui é diversão nossa.

Akira - É um prazer. Não tem jeito mesmo.

Caju - Música é diversão nossa. Ensaiar e tocar aqui...

Akira - A gente tem outras responsabilidades: trabalhar em fábrica como todo brasileiro aqui. Eu e o Rafael também temos uma outra banda de metal tradicional. A gente tenta conciliar tudo isso aí com trabalho, namorada, família, tudo...

Rafael - Então, o momento gratificante da gente estar se divertindo aqui já basta.

Akira - É só ter força de vontade e fazer de coração mesmo.

RM - Mas, rola uma intenção de profissionalizar a banda?


Caju - Isso é conseqüência do que a gente vai fazer mas é diversão. Acima de tudo, é diversão o que a gente faz.

Akira - Acho que tudo começa com isso dentro do underground. Igual o Caju falou é conseqüência se um dia de estourar...

Caju - Mas, se isso não acontecer só pelo fato de você conhecer as pessoas, de você tocar para as pessoas, já valeu a pena.

Rafael - Resumindo, ter o reconhecimento da galera, ver a galera pulando ali, acho que é mais gratificante isso... O tempo que a gente deixa de descansar, a gente está ensaiando... E quando a gente toca aqui e vê esse pessoal pulando aqui para a gente, sem palavras.

Akira - Sem barreira de línguas: japonês, brasileiros... Isso aí é muito legal.

RM - Como vocês vêem a cena de rock produzido por brasileiros aqui no Japão?

Rafael - [...] A gente sempre incentiva o pessoal, tipo, a fazer o som aí, mandar bala... Bem legal, a gente está sempre apoiando a galera aí, a gente está sempre tocando.

RM - Mas, você acha, assim, que não há uma cena?

Rafael - Há uma cena...

Akira - Olhando antigamente, o negócio tá caminhando, assim, lentamente, mas está.

Rafael - Existe muito festival brasileiro de bandas...

Caju - Esse negócio, assim, de banda, acho que uma incentiva a outra. A gente foi incentivado, pelo menos para mim, por Diagnóstico, que gravou e teve música própria, fazia show. A gente viu aquilo e “nossa, que da hora”... Fomos lá e tentamos fazer, sabe? E, tipo, uma banda vai seguindo a outra, né cara?

Akira - Tem muitas bandas batalhando aí no cenário e isso é gratificante. Tá caminhando o underground aqui dentro, assim, em matéria de shows, pessoas que estão organizando se profissionalizando, divulgação na mídia, em geral mesmo.

Rafael - Isso é legal, cara, ver pessoas brasileiras aí tocando e tal... Hoje a gente viu uma banda japonesa que se chama Curioso cantando em português. Isso é gratificante porque você vê que o japonês gosta da música vinda do nosso país, certo? Isso também é legal pra gente. Fico feliz de ver isso aí também.

Links Para o Nomares
myspace - www.myspace.com/nomares
youtube busca - http://www.youtube.com/results?search_query=nomares&search=Search

compartilhe

comentários feed

+ comentar
André Gonçalves
 

dá pra ouvir o mukeka "aki" no overmundo?

André Gonçalves · Teresina, PI 19/5/2007 08:05
sua opinião: subir
ronaldo lemos
 

Roberto, seu artigo está ótimo. Adorei conhecer o Nomares, já fui no Myspace deles e também no Youtube ver os vídeos. Punk rock de primeira mesmo. Legal o fato deles cantarem em portugues no Japao (fico aqui pensando nas bandas brasileiras que cantam J-Rock em japones por aqui). Bons artigos sobre rock, como o seu, acabam indo mesmo muito alem da musica.

André, o myspace do Mukeka é http://www.myspace.com/mukekadirato.

ronaldo lemos · Rio de Janeiro, RJ 19/5/2007 12:58
sua opinião: subir
Roberto Maxwell
 

Nossa, Ronaldo, muito bacana seu comentario. Obrigado mesmo. Bem, Andre, tem uma materia do mukeka que eu fiz aqui e tem um link em video nela. Da uma olhada. Procurando pela busca mukeka di rato vc encontra.

Roberto Maxwell · Japão , WW 19/5/2007 14:28
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
hcnaveia
 

põe umas fotos do mukeka ahe....

hcnaveia · Rio de Janeiro, RJ 25/5/2007 15:38
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados