Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

Quem tem medo de jiló?

1
Rodolfo Noronha · Rio de Janeiro, RJ
5/2/2007 · 125 · 10
 

Quem tem medo de jiló?
Talvez exista uma cultura comum entre os diversos botecos da cidade. E talvez o jiló tenha algo a ver com isso.


Jiló não é legume, pra começar a conversa. É um fruto, mas esse não é o motivo de tanta discriminação pela qual ele tem sofrido ao longo dos anos.

Tudo bem, não se trata aqui de escrever um libelo em defesa desse injustiçado. Mas me chamou a atenção o fato de que o recém-lançado (novembro foi outro dia) guia Rio Botequim, em sua 7ª e especialíssima edição, dedicada à famosa e suculenta comida de botequim, não se refere a nenhum - nenhum - petisco que leve esse malfadado fruto em consideração.

É verdade que o Jiló, bar localizado no Leblon (mas ao qual ainda não fui devidamente apresentado) lá estava. Mas nenhuma referência ao dito cujo. Nem em meio a alguma salada (é verdade, também são vendidas saladas em botequins!), ou escondido dentre outros petiscos, como na mistura que envolve jiló, salsichinhas e cebolinhas do Real Chopp, outro que ficou de fora dessa edição apesar do maravilhoso e único pastel de carne seca. Ou alguém mais já conheceu algum pastel de carne seca molhado? Molhado?!? Ao menos, o Real Chopp já figurou em outras edições do guia. O jiló, coitado, jamais passou por suas páginas.

Tá bom, tá bom, talvez eu esteja forçando a barra um pouco. Afinal, gosto é gosto. Ninguém é obrigado a gostar de jiló tanto quanto eu (acho que tenho um pouco de passarinho em vidas passadas, vai saber), tanto quanto é verdade que garçons de boteco não precisam ser bem humorados (quem já foi - e continuou indo depois disso - ao Bip Bip, dentre outros, sabe do que estou falando). Vida que segue. A questão é que a presença do jiló no cardápio (ou fora dele, mas ao menos exposto no balcão) é um dos itens que caracterizam um verdadeiro boteco.

Junto com outras duas perguntas - de onde viemos? Para onde vamos? - uma terceira atormenta a vida de boêmios: o que faz de um boteco boteco? O que lhe garante poder ostentar esse nome? Essa pergunta não faria sentido anos atrás, quando os lugares para comer e beber eram divididos entre botecos e restaurantes, basicamente. Não havia nenhum dilema, era escolher entre beber com os amigos (ou sozinho) ou levar a família. Algo do tipo "mulher para comer" e "mulher para casar" (poucas frases são tão machistas quanto essa... mas tinha a ver com o contexto, então...). Bastava escolher o que se desejava no momento. Eis que essa paz foi interrompida com o advento das "novas tradições": velhos bares que mudaram seus ares (como o Belmonte, por exemplo), ou novos estabelecimentos e redes de bares, pipocando por toda a Cidade Maravilhosa. E o título de "boteco" colado a muitos desses novos nomes.

Antes de continuar devo dizer que nada tenho contra esses novos bares, ou essas "novas tradições": pelo contrário, a princípio, são bem-vindas. Boa comida, boa bebida, bom ambiente e bom preço (para o bolso dos proprietários, claro...) fazem parte do cardápio. O problema é que talvez estejamos concordando com a concessão de um título que talvez não seja devido, não seja merecido. É como a escolha de um novo Barão, um novo Conde: deve ter algum motivo muito claro para a pessoa receber esse título. O que nos traz de volta à velha pergunta: afinal, o que faz de um boteco um boteco? Talvez exista uma cultura comum entre os diversos botecos da cidade, que o caracterizam como tal. E talvez o jiló tenha algo a ver com isso.

São essas perguntas, caro(a)s leitore(a)s, que pretendo desvendar nessas mal traçadas linhas. E desconfio que o jiló seja a chave... Ou parte dela. O seu sumiço das prateleiras e do cardápio, comida de macho (e de "macha"), de quem sabe apreciar um legume (fruto! fruto!) de sabor bem forte e que combina divinamente bem com cerveja, pode querer nos dizer alguma coisa. Sinal dos novos tempos? Onde ainda se pode encontrar o bom e velho jiló, bem temperado? Quem tem medo de jiló? Perguntas, perguntas, perguntas. E talvez descobrindo isso, descobrimos afinal o que faz de um boteco boteco.

Em tempo: no Belmonte "original" (na Praia do Flamengo, realmente não vi nos demais), lá está ele, impávido colosso: os balcões estampam bem temperados jilós. Vida longa ao Belmonte!

Ic!

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Egeu Laus
 

Vida longa ao jiló!

De preferência grelhado na brasa (como prefiro) ou frito (com pouco óleo como gosta o Moacyr Luz).

Para os mais sofisticados o jiló pode substituir a berinjela na famosa receita "à parmegiana".

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 5/2/2007 11:18
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Camafunga
 

Minha avó fazia um doce de Jiló, muito elogiado, mas o preconceito nunca me permitiu prova-lo.

Camafunga · Pelotas, RS 5/2/2007 19:00
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Rodolfo Noronha
 

Doce de jiló é novidade para mim, mas deve ser bacana...
Isso é outra coisa boa do jiló, é fácil de fazer e são diversas as variações possíveis.
Ic!

Rodolfo Noronha · Rio de Janeiro, RJ 7/2/2007 19:04
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
brigitte
 

Farofa de jiló com ovo mexido. Delícia. Vai uma porção aí?

brigitte · Goiânia, GO 11/2/2007 18:17
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Egeu Laus
 

Como é a receita, Brigitte??

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 21/2/2007 16:09
sua opinião: subir
brigitte
 

Receita de farofa de jiló com ovo:
1- dourar meia cebola picada em óleo ou azeite;
2- acrescente os jilós cortados em cubos e deixar refogar, com uma pitada de sal;
3- numa frigideira,doure a outra metade da cebola;
4 - acrescente 1 ou 2 ovos, mexa e junte os jilós refogados. Mexa e acrescente farinha de mandioca torrada( não refinada).
Misture tudo e tempere a gosto.
Bom apetite. Ótimo para acompanhar carnes cozidas e churrasco.Ou conforme o seu gosto.

brigitte · Goiânia, GO 21/2/2007 21:34
sua opinião: subir
Rodolfo Noronha
 

Opa, vou testar hoje mesmo!

Rodolfo Noronha · Rio de Janeiro, RJ 27/2/2007 10:58
sua opinião: subir
Fabiano Barroso
 

Em Belo Horizonte existe no bar do Sylvio (boteco para profissionais, com tira-gostos de primeira) a insuperável porção de Jiló à Milanesa.
Mlagrosa. Porque faz até quem torce o nariz para jiló gostar!

Fabiano Barroso · Belo Horizonte, MG 30/4/2007 13:53
sua opinião: subir
anamineira
 

Adoro giló.
Já comi em boteco porção de músculo ao molho madeira acompanhado com giló cozido inteiro. Delícia!!!
Salada de giló, picadinhoem lasquinhas bem fininhas, temperado com sal, azeite e limão é um "xuá".
Um abraçao mineiro.

anamineira · Alvinópolis, MG 1/4/2008 15:35
sua opinião: subir
victorvapf
 

Pega o jilo, corta em fatias finas, frita igual batatinha. meio torradinho ou nao, serve e depois me diz...

victorvapf · Belo Horizonte, MG 23/2/2009 13:16
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados