Revelando os Brasis via Overmundo

Murillo Tinoco/ Divulgação
Praça de Muqui (ES) lotada, telão ao fundo
1
Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ
29/5/2007 · 410 · 23
 

A praça fica às escuras, começa a exibição. A cena simbólica já se repete Brasil afora. O projeto Revelando os Brasis, que entra em seu terceiro ano, está levando uma mostra itinerante bem diferente das convencionais para cidades de todo o país. Ele propiciou e vai continuar propiciando a produção de dezenas de filmes por pessoas de municípios com menos de 20 mil habitantes. Selecionados depois de enviar uma história por escrito, os 40 participantes da primeira turma, de 2005, foram ao Rio de Janeiro ter aulas de roteiro, som, iluminação, pesquisa, produção. Depois, voltaram para botar a mão na massa. Agora, os resultados voltam aos berços - todos desprovidos de cinema - com caminhão, poltronas, tela móvel. É luxo só. Serão 61 exibições dos filmes produzidos no primeiro ano em 40 cidades e 21 capitais, numa reunião de esforços do Ministério da Cultura, do Instituto Marlin Azul (do Espírito Santo) e da Petrobras.

Não se surpreenda se encontrar muita coisa sobre isso no Overmundo nos próximos dois meses. O site, por meio de alguns colaboradores, vai pegar carona (literalmente) e acompanhar parte dos 25 mil quilômetros rodados para lotar ruas e mostrar filmes. Bom para o projeto, que poderá contar com a observação de pessoas de fora. Excelente para a rede do Overmundo, sempre interessada em desbravar regiões ainda não tão exploradas por aqui. Tudo a ver: uma comunidade que produz e compartilha idéias culturais vai escrever, ler e trocar idéias sobre um projeto onde cidadãos sem intimidade com cinema fazem seus próprios filmes.

Não somos os únicos filando carona. Dois fotógrafos da oscip carioca Observatório de favelas, do Complexo da Maré, vão acompanhar as caravanas por inteiro, registrado tudo e juntando material para um possível livro ao fim do projeto. Dessas simbioses de projetos muita água boa deve rolar...

Dada a parceria, fui conferir a inauguração do circuito. Uma hora Rio de Janeiro-Vitória. Três horas Vitória-Muqui, cidade ao sul do estado com belos casarões antigos, estação de trem, folia de reis e uma população de cerca de 14 mil habitantes que gosta de festa e de novidade. Muqui abriu o Revelando os Brasis, e por isso recebeu muitos forasteiros - como o secretário de audiovisual do Ministério da Cultura, Orlando Senna, a pesquisadora Ivana Bentes e alguns jornalistas. No lanche, Orlando contava como vivemos tempos que propiciam projetos como este. “A população brasileira cresce com a referência da linguagem da televisão. Há cada vez menos medo de equipamentos, cinema deixou de ser algo inalcançável”, afirmou, contando ainda que quer implementar uma parceria com o Ministério da Educação para levar o ensino de linguagem audiovisual para as escolas.

**

Tela e cadeiras a postos, praça cheia apesar da chuva fina. O apresentador sobe ao “palco” para dar início à noite. Fala bastante e culmina com uma meta com cara de sonho: “Que todo brasileiro possa fazer sua própria imagem”.

Um grito: “Selton, olha pra cá!” Corta para a platéia. Era uma menina no meio de várias, todas empunhando câmeras de celular e digitais, loucas para gastar toda a memória com fotos do mestre de cerimônia Danton Mello – o irmão de Selton, também ator global, e isso importava mais para elas que a confusão de nomes. O tal sonho não parece tão distante, a tecnologia tem ajudado, como se pode ver. Poucos minutos depois, numa inversão pouco usual na rotina, elas veriam o astro desaparecer na multidão para acompanhar no telão, junto com todos, a saga de um cidadão da cidade, daqueles que se vê todo dia. E filmada por outro muquiense, o estudante Ériton Berçaco.

Brilhantino é uma daquelas figuraças que certas cidades incorporam ao ambiente. Com uma corcunda saliente e mais de 70 anos, anda com um saco nas costas e mora há décadas numa caverna. No filme, o senhor de agilidade invejável fala de sua rotina, do porquê da moradia improvisada, da família. E canta, canta muito, sendo, digamos, protagonista e autor da trilha sonora do curta, que tem Monsueto, várias de Roberto Carlos (“cantor não sou porque não quero desbancar o rei”, conta na tela), algumas pérolas bregas e marchinhas (como a sugestiva “Daqui não saio, daqui ninguém me tira”).

Mas se parte da população antes via aquele senhor com alguma indiferença, havia alguém atento a seus passos. Enquanto Ériton agradecia o apoio de uma pá de gente, de João da farmácia ao dono do açougue, ao meu lado, Vera Lucia Cândido, funcionária da escola local, contava-me que o rapaz sempre se ligou naquela vida peculiar. “Lembro que na terceira série ele fez uma redação sobre o Brilhantino. E sempre falava que queria contar a história dele”. Ériton cresceu, foi morar em Vitória para completar os estudos, hoje faz mestrado em Letras. Mesmo com tantas janelas abertas, foi em Brilhantino que pensou quando teve a oportunidade de fazer um filme.

“Brilhantino” é um barato, mas assistir ao filme na praça de Muqui foi experiência especial. Ok, qualquer exibição pública de filmes numa cidade pequena deve reservar algumas doses de emoção. Mas ali o fato de o personagem ser uma figura quase folclórica da cidade ajudou a criar um clima de cumplicidade com o que aparecia na tela. Antes da exibição, ele foi chamado ao palco. Viu o pessoal gritar seu nome e, animado, repetiu o que fez em boa parte do filme: cantou. A mulher do meu lado berrou: “Ihhh, dá corda pra você ver, ele não sai mais daí”. As pessoas se divertiram com a cantoria, impressionaram-se com a facilidade com que ele sobe em árvores, morreram de rir com o chuveiro feito com escorredor de macarrão e olharam com bastante curiosidade a “casa” escondida que, provavalmente, nunca iriam visitar. A vida de Brilhantino talvez não mude muito depois deste dia. Mas a aproximação com a população pelas imagens de cinema deixou sua marca.

Em seguida, boa parte do público continuou por lá para ver os outros três curtas feitos no Espírito Santo ("O Sonho de Loreno", de Alana Almondes; "O Último Tocador", de Valbert Vago, e "Bate-Paus", de Jorge Jacob). Encerrada a sessão, seguiu-se a programação com o intuito de mostrar o melhor da cidade: jantar na paróquia e grito de carnaval, com banda de sopros, bebidas e Brilhantino puxando danças e trenzinhos com alguns de seus oito filhos e 16 netos. A esta altura eu já estava acabada, mas coleguinhas mais animados garantiram que a festança seguiu madrugada adentro pelos (poucos) bares da cidade.

**

Muqui pareceu curtir muito a farra cinematográfica. Vamos ver o que o resto da jornada trará de novidade. Para acompanhar via Overmundo, é só ficar de olho na tag revelando-os-brasis. Boa viagem e até a próxima sessão!





compartilhe

comentários feed

+ comentar
SILVASSA
 

espero na votação

SILVASSA · Salvador, BA 26/5/2007 20:11
sua opinião: subir
Liv Brandão
 

Excelente, Helena! Queria muito ter ido :~

Liv Brandão · Rio de Janeiro, RJ 27/5/2007 22:02
sua opinião: subir
Egeu Laus
 

Já tô de olho, Helena!

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 27/5/2007 23:08
sua opinião: subir
FILIPE MAMEDE
 

Muito bom Helena, excelente post. Iniciativas como essa, são sempre bem-vindas.

FILIPE MAMEDE · Natal, RN 28/5/2007 18:24
sua opinião: subir
Ériton Berçaco
 

Parabéns Helena pelo texto. Sei que é impossível mensurar a sensação das pessoas que estavam na praça para assistirem a Brilhantino na noite de quinta-feira. Mas, lendo sua matéria, posso ver o evento por outros ângulos. Adorei o comentário da professora, dizendo que fiz uma redação sobre o Brilhantino na 3ª série... Na verdade, eu me impressionava com ele e me indignava quando alguém o via de forma bizarra. Acho que sempre quis revelá-lo, para mim, para a própria cidade e para o mundo. No dia, eu fiquei muito emocionado vendo todos os meus conterrâneos, amigos, parentes, no meio da bucólica praça, diante daquela tela enorme, que agigantava Brilhantino de um jeito pouco convencional: o costumeiramente calado flâneur de Muqui falando e rindo de si, se emocionando, cantando e revelando-se tão humano quanto todos que se reconheciam naquelas imagens.
Mais uma vez, parabéns pela leveza e desprendimento do texto, cujo olhar vai além do o que costumo ler por aí. E saiba que, sempre que quiser, Muqui estará esperando por você e por quem quer que queira visitá-la, de portas e janelas abertas, e com um bom café para papearmos ou cantarmos a la Brilhantino!

Ériton Berçaco · Muqui, ES 29/5/2007 10:28
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Helena Aragão
 

Ériton, muito gratificante ler esse seu comentário, obrigada. É quase um texto independente sobre a visão do autor sobre a recepção de sua obra. :) Torço para que você consiga tempo para nos contar mais coisas por aqui. Escrevi uma nota sobre os casarões de Muqui - que me chamaram bastante atenção! Queria ter pesquisado mais sobre o Encontro de Folias de Reis que tem na cidade, mas foi tão corrido! Será que você não se anima a escrever uma notinha no guia sobre isso? Deve ser bárbaro! Ou então me passe informações, não encontrei quase nada na internet!...
Tá combinado, quero tomar café por lá com aqueles doces maravilhosos! Abração

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 29/5/2007 13:07
sua opinião: subir
Ériton Berçaco
 

Ok, ainda sou um incipiente no Overmundo, não sei bem como funciona; mas, vou ler mais sobre o funcionamento do site (creio q tenha sido vc q me deu um folder explicativo, certo?). Ou, então, lhe passarei as informações que souber a respeito da cidade: Folia de Reis, o Boi, a arquitetura e outros vieses da cultura de Muqui.
Espero vc para o café, rs.

Ériton Berçaco · Muqui, ES 29/5/2007 13:50
sua opinião: subir
Helena Aragão
 

Claro, claro. :)
Como preferir.
É, no folder tem explicação, aqui e aqui também. Grande abraço!

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 29/5/2007 14:15
sua opinião: subir
diginois.com.br
 

parabens helena! vc conseguiu passar a experiencia de um projeto maravilhoso. parabens para o orlando senna tb, que projeto!

diginois.com.br · Rio de Janeiro, RJ 29/5/2007 20:54
sua opinião: subir
Ilhandarilha
 

Maravilha, Helena! O Brilhantino é mesmo uma figura ímpar. Agradeço ao Ériton ter mostrado ele pra gente. Fui á exibição aqui em Vitória. Não foi essa festa toda, que na capital o povo é mais blasé, mas foi bem legal ver os curtas daqui no gramado da universidade (também tinha gente chamando: Selton, olha pra cá!).
Ô, Ériton, posta aqui o curta pra todo mundo ver!

Ilhandarilha · Vitória, ES 30/5/2007 09:00
sua opinião: subir
Higor Assis
 

Poxa que bacana hein Helena!

Sua pesquisa foi bem legal, pois nos deixou bem relacionado com a cidade, localização e o impacto que o evento causou na cidade.

Higor Assis · São Paulo, SP 30/5/2007 09:26
sua opinião: subir
Roberta Tum
 

Helena, gostei demais da matéria. E do movimento também. Parabéns!

Roberta Tum · Palmas, TO 30/5/2007 10:40
sua opinião: subir
Edmundo Nascimento
 

... Estamos aguardando... por aqui ? Recentemente tivemos o CINEPORT, festival de cinema dos países de língu portuguesa q deu um "gás" aos cineastas locais.. essa iniciativa, com toda certeza vai colocar mais molho na mistura.. Parabéns ao Projeto.

Edmundo Nascimento · João Pessoa, PB 30/5/2007 13:02
sua opinião: subir
Ériton Berçaco
 

Ilhandarilha, vou verificar a possibilidade de postar o "Brilhantino" aqui. O vídeo está catalogado no PortaCurtas, mas ainda não está disponível para exibição.
Vou verificar e te digo.
O Brilhantino, a princípio, era uma figura maravilhosa que eu queria revelar. Mas, hoje, além disso, tenho também um bom amigo cheio de histórias para me contar. Sempre que estou na cidade, sentamos no bar Vitória (seu point preferido) e ficamos horas conversando. Ele é realmente um encanto.
Que o "Revelando" descubra muitos brasis ainda escondidos nos mais distantes cantos dessa nossa terra!

Ériton Berçaco · Muqui, ES 30/5/2007 13:18
sua opinião: subir
Rodrigo Teixeira
 

Q beleza Helena. Este projeto vai revelar muitos 'Brilhantinos' com certeza. Está na hora do interior pulsar. Imagina quantos 'tesouros escondidos' por este Brasilzão? bj e sorte na vida...

Rodrigo Teixeira · Campo Grande, MS 30/5/2007 15:35
sua opinião: subir
Helena Aragão
 

Obrigada pelos comentários, gente! Rodrigo, sem dúvida há muitos personagens incríveis - e nem sempre compreendidos - pelas cidades do país. Só aqui no Overmundo já recolhemos algumas pérolas, como o Tiozinho de Pijama, de SP, a Véia do Shopping de SE, a bailarina sorridente de RO e o mendigo fashion da BA. Pelo que li, todos eles dariam filmes incríveis... Abraços!

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 30/5/2007 16:06
sua opinião: subir
Zezito de Oliveira
 

Helena,
Sou fã do projeto e já escrevi sobre o "revelando" em coluna de jornal, já enviei carta contendo sugestões para o site do programa e o próximo texto que pretendo publicar aqui no overmundo, cita-o também.
Excelente texto. Parabens!!!

Zezito de Oliveira · Aracaju, SE 30/5/2007 17:51
sua opinião: subir
Gisele Colombo
 

Muito legal sua matéria, Helena! Fico muito feliz em saber que existem pessoas humanas como o Ériton que percebeu beleza num personagem que passava despercebido no meio da multidão e como você, que tem tamanha sensibilidade para divulgar este trabalho. Abcs Gi

Gisele Colombo · Campo Grande, MS 31/5/2007 16:41
sua opinião: subir
Thiago Paulino
 

Muito legal o Texto Helena..
Me senti lá sentado como povo de Muqui.. é bom esta gente vê que também pode se ver nas telonas. Um das belas formas de revelar o nosso país.. espero ler muitas outras impressões de Overmanos por aqui pelo site.
Abraço.

Thiago Paulino · Aracaju, SE 1/6/2007 00:31
sua opinião: subir
SILVASSA
 

exatamente? muito bom!

vida longa

SILVASSA · Salvador, BA 1/6/2007 21:00
sua opinião: subir
Sinvaline
 

Que projeto interessante! Como faço para minha cidade, Estado participar?
Estou encantada com a possibilidade de mostrar os brilhantinos daqui...
bjs
sinva

Sinvaline · Uruaçu, GO 11/10/2007 12:40
sua opinião: subir
Pssil
 

Ah, como eu gostaria de ter estado lá para ver! Sim, o texto fez eu me sentir um pouco lá, mas certamente não é a mesma coisa. Também gosto de observar tipos humanos e achei muito legal a história de que Brilhantino tenha despertado o interesse de um garoto de terceira série, que mais tarde veio a fazer o filme. Emocionante. Parabéns ao Ériton e ao projeto!

Pssil · Porto Alegre, RS 14/2/2008 14:19
sua opinião: subir
Bruno Resende Ramos
 

Um projeto dantesco!

Bruno Resende Ramos · Viçosa, MG 29/3/2008 12:57
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

Orlando Senna foi prestigiar o início do circuito zoom
Orlando Senna foi prestigiar o início do circuito
Momento making of: Brilhantino brinca com a câmera zoom
Momento making of: Brilhantino brinca com a câmera
Ériton e Brilhantino zoom
Ériton e Brilhantino

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados