Santa simplicidade - entrevista com Diogo Bomtempo

Divulgação
Diogo Pixies no comando do Santo Maroto
1
Guilherme Mattoso · Niterói, RJ
14/2/2009 · 180 · 7
 

Diogo “Pixies” Bomtempo é manjadíssimo no underground niteroiense. Desde o final dos anos 90, o cara já circulava nos shows, bares e festas da cidade. É uma figura que, em uma época onde a molecada só queria saber de hardocore, heavy metal... ouvia muitas bandas “alternativas” como Pixies, daí o apelido homônimo. Para alguns, é camarada. Para outros, sempre foi meio metido, mas enfim, é uma pessoa que, ao meu ver, sempre despertou sentimentos de amor e ódio nos roqueirinhos(as) de Niterói. Mas deixa pra lá...

Fato, é que Diogo demorou muito para formar sua própria banda, mas a espera, talvez, possa ter valido à pena. Na liderança do trio Santo Maroto, Pixies mostra suas próprias letras e harmonias, em músicas simples e letras curtas. E foram essas características que me chamaram a atenção, além do fato do cara realmente ainda acreditar e viver muito o underground de cidade de Araribóia. Confiram a entrevista:

Como partir de um projeto solo para uma banda?
Desde sempre fui um compositor de canções e nunca tive uma oportunidade confortável para formar uma banda. Dos meus amigos, fui o último a aprender como se toca, mas antes disso, já escrevia letras em cima de bases conhecidas. Comecei com Nirvana... Enquanto não formava a minha própria banda tentava criar harmonias para as músicas já compostas e arranjadas por mim. Meu primeiro trabalho, A introdução do Beat Rock, tinha como destaque, não muito positivo, a presença de bateria eletrônica. Por isso “beat”. Com um relativo “sucesso”, emergiram as possibilidades e alguns amigos se dispuseram a tocar. Então, foi formado no início de 2008 o power trio Santo Maroto, comigo no baixo, João "PX" Pinaud (Projeto Secreto) na guitarra e Armando Francisco, este praticamente nunca havia tocado bateria...

Por que o nome Santo Maroto?
Santo significa pureza e Maroto significa malícia, um paradoxo que define bem o estilo de vida underground de Niterói.

As músicas têm um pezinho nos anos 80 e em algumas coisas dos anos 90, tipo o que chamavam de “college”, “guitar”... quais são as referências na hora de compor?
Exatamente! As minhas principais influências são definidas por um período da história do rock alternativo: final dos anos oitenta, início dos noventa até a explosão ''grunge''.

E que bandas você tem ouvido?
Obviamente um bom compositor escuta tudo o que se tem pra ouvir, do mainstream ao independente. Eu posso citar algumas: Artic Monkeys, Radiohead, Queens of Stone Age, White Stripes, Franz Ferdinad, Cansei de ser sexy e outras mil.

Com a internet chacoalhando a forma de se trabalhar com música, vocês pensam em lançar as canções em formato físico?
De maneira alguma! Enquanto amador, prefiro o lógico, pratico e barato.

E como as pessoas que visitam o site estão recebendo as músicas de vocês?
Uma unanimidade: O som é bom e promete. Produção e harmonia fraca.

Há muitos anos circulando pelo circuito underground de Niterói, como você encara a produção musical na cidade, hoje?
Caminha lentamente. Eu vejo uma diversidade de bandas abraçando trabalhos medíocres ou clichês de bandas de sucesso. Original, de qualidade, e ainda com um extenso repertório “seria um sonho”. Mas acredito no amadurecimento e na nova geração. Está já surge adequada ao conceito de produção independente, onde os músicos acumulam as funções da produção executiva, da produção fonográfica, da gravação, do marketing, do design etc.

Encarando uma maré pouco favorável na música independente, como você planeja os próximos passos com o grupo?
Eu pouco acredito no cenário alternativo. Acredito que a produção independente possa nos alavancar no mercado. Vamos trabalhar harmonia e produção, abandonando os trabalhos concluídos até atingir o objetivo. Para isso eu preciso de experiência e novos músicos. Minha vontade é aumentar a banda: colocar teclados, um baixista no meu lugar. Mais uma guitarra, um novo batera... estou no meio de um processo (duro, penoso e interminável) de aquisição dos meios necessários: um estúdio para ensaios, gravação e produção. “A falta de recurso é nosso pior inimigo”.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
crispinga
 

"Don Quixotes" lutando contra os moinhos de vento. É dura a vida dos artistas, principalmente para os que são fiéis ao próprio estilo, não se deixam seduzir por modismos. Conheço de perto o universo musical. Muito esforço para pouco retorno financeiro. Mas o prazer de subir ao palco, para eles, vale qualquer sacrifício.
Boa sorte e fôlego aos músicos do Santo Maroto.

crispinga · Nova Friburgo, RJ 14/2/2009 19:19
sua opinião: subir
Claudia Puget
 

Alô Alô Niterói ! Aquele abraço !

Claudia Puget · Muqui, ES 14/2/2009 20:57
sua opinião: subir
Guilherme Mattoso
 

oi cris! oi claudia!

valeu pela força!

cris, vc sabe... fazer arte não é fácil...

Guilherme Mattoso · Niterói, RJ 14/2/2009 21:01
sua opinião: subir
Luiz Cabelo
 

Boa matéria, tá votado!

Luiz Cabelo · Porto Alegre, RS 15/2/2009 18:02
sua opinião: subir
Pixies
 

Ficou ótimo Matoso. Obrigado pela parte que me toca.

Pixies · Niterói, RJ 16/2/2009 10:55
sua opinião: subir
joaozinho pinaud
 

Muito bom! Parabéns pela matéria.
E muita força na peruca!

joaozinho pinaud · Niterói, RJ 16/2/2009 17:24
sua opinião: subir
Guilherme Mattoso
 

fala luiz, valeu pelo elogio.

pixies e px, que bom que curtiram o texto.

abrá!

Guilherme Mattoso · Niterói, RJ 17/2/2009 09:50
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

Armando, Pixies e PX zoom
Armando, Pixies e PX

áudio

Eu quero agora

Instale o Flash Player para ver o player.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados