SARAU DO ZÉ GERAL - A EDIÇÃO 520 FOI ASSIM.....

BDL
Zé Geral no Sarau do BDL (blog do lingua) em São Paulo / janeiro/2007
1
Zé Geral · Campo Grande, MS
13/7/2007 · 98 · 6
 

Oi pessoal!!! Tomei coragem e depois de alguns pedidos, transcrevo aqui pra vocês a "historinha" que já há algum tempo escrevo sobre meu Sarau e a cultura de onde vivo, a maravilhosa e deliciosa Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul. Esta crônica é referente a edição de n.° 520, que aconteceu quarta-feira passada, dia 4 de julho. Tentarei anexar uma música nova, numa gravação caseira, que fiz em parceria com o Carlos Melo, o Castelo e a qual, dedico à Fundação de Cultura do Mato Grosso do Sul. Espero que vocês gostem do texto e da música! Beijos! Comentem por favor! Um grande abraço do Zé Geral!

SARAU 520 - Independência? USA? Brasil? Nossa?

04 de julho.... Hoje, pela data, me lembrei da grande amiga, ajudante fiel do Sarau em épocas remotas, a “americaninha” Bethany Burton, que na verdade é brasileira pra caramba! Mas 4 de julho é aniversário da Independência dos EUA (que pena!) e a amiga Beta, nasceu lá. Não tive dúvidas em dedicar (depois do sopro do anjo) o Sarau a ela e de quebra, à memória de um grande romancista, poeta e draumaturgo, o escritor Oswald de Andrade. Com o pensamento de que realmente independência é uma coisa poderosa e que é ela que busco desde pequenino, comecei a semana, com a mesma rotina das últimas: - Tentando me acertar com as idéias, atitudes e decisões que devem ser tomadas daqui para a frente para a concretização do sonho: Centro Cultural Maria. E a coisa vai caminhando como eu esperava: Muitas dificuldades! Pouca ajuda! Vários projetos eu venho desenvolvendo atualmente, entre eles, o Sarau Infantil e o Rock Total, que estréiam em 11 de agosto, além do trabalho que dá, a manutenção e sustentação de movimento tão peculiar como meu Sarau. Artes finais, propagandas, aulas, entrevistas, divulgação, manutenção do espaço, remanejamento de pessoal e equipamentos para o Sarau, busca incansável de parcerias, colaboradores e patrocinadores, elaboração de horários e programações de eventos que já começam a acontecer por lá, além de manter família, casa e cachorro. Tudo isto realmente toma tempo e gasta muitos neurônios. E o pior de tudo é que não os reponho, muitos pelos contrários. Mas isso é uma outra estória. Independência é minha busca, meu caminho, minha meta de vida! Se sou um pobretrão, vocês podem ter certeza que é em função desta minha teimosia em ser independente, desvinculado como sempre fui do poder, da política e de toda sujeira produzida por estes Merdas! Por estes Calhordas!

Se realizo um movimento que tem o alcance e o respeito que tem .... É por meu próprio mérito!!! Evidentemente o Sarau do Zé Geral, que é o maior encontro de músicos que este terra conhece, fomentou inúmeros projetos parecidos, tanto em caráter independente, como em cópias e imitações baratas de produtores, donos de bares e da própria Fundação e Secretaria de Cultura, deste e de outros governos do Mato Grosso do Sul. Vocês querem saber mesmo..... – Eu não estou nem aí pra tudo isto!!! Simplesmente eu faço de coração e amor à música, à arte e aos artistas desta terra que tanto amo e que tanto apanho! Mas eu faço o que gosto e o que for preciso! Com dignidade e respeito!!!

Pulemos as entrelinhas da semana que corrida continua sendo, para chegar logo a quarta-feira 4, amanhecida sob o domínio do sol e do “calor” deste “inverno” de julho. Meu vizinho foi assaltado.... Pudera... O mato do quintal de meu outro vizinho e a falta de muro na entrada do imóvel, facilitou a ação dos bandidos. Queixei-me com o proprietário do imundo quintal. Prometeu providências! Vamos ver! De manhã fui ao Centro Cultural. Cuidei da parte elétrica do palco que exigia reparos. Recoloquei nossa faixa publicitária na frente, montei o som e perto de uma da tarde, fui em casa buscar minha Val, para organizar as fichas e material do bar, que hoje, devido a uma falha muito grande do sócio Alex, será administrado e “servido” por nosso atual fornecedor. Ai, ai, ai, ai, ai..... Que será desta noite?

Às 20:00, depois de uma correria sem tamanho, para que meu violão “falasse” e em busca do cubo para o baixo, levei minha menina, a Emmilim, que se deslocou pra feira, buscar meus incensos, enquanto eu retornava à casa para buscar a Val e a Tawane. Oito e meia. Todo mundo a postos. Roberlei, o fornecedor, já havia coordenado o pessoal para a noite e passado as fichas para a Val. Minhas meninas, prontas para ajudar a mãe. Patrícia já na portaria, Davi também. Gabi assumiu seu posto às nove, enquanto o Alex, buscava os últimos produtos de bar e higiene para a noite. Nove e meia, benzeção feita, Brasil.... 1x0... Comecei a cantoria. Desde a semana que antecedeu a dedicatória ao Alex Batata eu introduzo a abertura do Sarau, com Panis et Circenses, do Gil e do Caetano, com um enorme sucesso de gravação com Os Mutantes. Enquanto cantava, corria meu olhar para me aperceber do imenso público, formado em sua maioria por lindas mulheres que aproveitam da promoção e entram antes das 22:00 hs, economizando o dinheiro do ingresso. Minha previsão de público para hoje, mais uma vez estava certa e eu ao menos, estava preparado para os noventa músicos que viriam. O pessoal do bar.... falhou feio e mais uma vez, várias reclamações acirraram meus ouvidos e os da Val. 500 pessoas foi muito pra eles! Paciência! Semana que vem não vou deixar mais isto acontecer! Mas não vou deixar mesmo! Vocês acreditam que escutei da Emmilim, que além do dinheiro do bar, também queriam o da bilheteria? Mas vejam bem... Se bem que eu não o vi, também!

Mas... Voltando ao início do Sarau... Sem a bateria, que só seria montada por volta de 22:30 hs, fiz uma sessão de violão, cantando Caetano, Geraldo Espíndola e outras músicas minhas. De praxe cantei Magoada Senhora, depois de Senhorita do Zé Geraldo. Chamei para a primeira canja o Bicho Grilo, que com seu carrón, já estava no palco comigo e o Celso Cordeiro na flauta. Depois dele chamei a dupla Paz Armada. Pop e regional rolava. De repente foi uma chuva de músicos de uma só vez: Zeca do Trombone, Zé Pretim, Caxingue, Leandro Abrão, Lucio Val, Jucy Ibanes, Carlinhos batera, Zezinho do Forró, Caio Costa, Linquinho Gouveia, Eduardo Akimura.... Nos olhares eu percebia a “sede” por tocar e cantar! Bateria montada, banda de apoio formada com Kundera, Jane Jane, que mais uma vez conseguiu emprestar o cubo para o baixo, Caxingue na guitarra mais a percussão do BG, cantei mais umas três com a banda e chamei o Eduardo Cunha, que veio de Jardim para uma canja no Sarau, trazidos pelos amigos Dagô e Dino, que me alegraram e muito, com a presença no nosso “novo” espaço! Altíssimo astral....... Nestas alturas o ambiente já estava quase que completamente lotado. Subiu ao palco, aproveitando da banda montada o Vitor Verruga da 7 Copas, que cantou umas quatro de seu repertório Legianístico! Enquanto isso, memorizei as chamadas, mais ou menos por ordem de chegada, depois do Moreto, chamei o Zé Pretim que mais uma vez “enlouqueceu” a platéia que delirava com tanta diversidade musical nesta noite. Fez uma meia dúzia de ótimos blues e aí chamou o Zeca do Trombone para lhe acompanhar e solar um pouco.... Só um pouco! E o público delirava! Cedeu o palco para a Jucy Ibanês, com o Lucio Val, no baixo, dando merecido descanso à Jane Jane, nossa princesinha, que confessara a mim, não estar muito boa hoje, com problemas estomacais. Seu Kundera, meu batera, também descansou para que o Carlinhos acompanhasse a Jucy. Sem contar que o Bahia, também deu canja na bateria, no começo. E dê-lhe flauta, com o Celso Cordeiro fazendo várias intercessões. Em seguida à excelente apresentação da queridíssima Jucy, chamei o Caio Costa, que ao chegar à cidade, meses atrás, foi no Sarau, que ele encontrou “sua turma”. Mais uma vez, seu suingue foi contagiante! Black music e pop rock. Quanta música boa! Quantos músicos bons! E veio meu brado: - Viva os artistas e a música do Mato Grosso do Sul!!! Terra abençoada! Foram noventa, os músicos presentes hoje. O menino da escaleta voltou e acompanhou vários. No meio aquele aperto de gente, pude ver o Miguel Ângelo (nunca mais nos falamos... Eu e o cineasta), o Randolfo bateu algumas fotos e tomou algumas cervejas. Presentes também: Ângelo Augusto, Beto Cavaco, Bruno Piazza, Coringa, Danilo Rosa, Cristiam, Demétrius, Diego, Eder, Suzana Nakasato, Joe, Wellington Leitoa, Silvio Aguiar, Ricardo Cunha, alguns dj’s e a malabarista e pirofagista, que me perguntara se sempre caberia sua apresentação. Bastava uma ajudazinha... a qual eu prontamente: - Ta na mão!!!

À noite transcorria numa paz e numa alegria que “dava gosto”. Depois de algumas providências pra banir e varrer dali, pessoas desagradáveis que “inflamam” a frente da casa, tumultuando um pouco e energizando negativamente o local, pude perceber pelo bom fluido de músicos e músicas que a “coisa” rolava às mil-maravilhas. 13 músicos fizeram cadastro hoje. Todos aprovados! Depois da canja do Caio Costa, que teve ajuda nos vocais de uns três novatos, eu pedi a presença no palco do Lincoln Gouveia, para nos animar com sua boa sessão de reggae. Ele subiu com um baixista que me esqueci o nome, infelizmente, e depois de detonar a ponto de quase ficar sem voz, deu passagem para mais uns três novatos. Depois o Eduardo Akimura (Sãos e Sóbrios) matou sua saudade do Sarau, tocando e cantando MPB, regionais e Pink Floyd. Chamei então o Harley Castro, que hoje recebeu uma orientação minha, para a melhora de suas canjas no sarau. Houve também a canja do Luciano Mauro e da Camila com algumas mpbs. Cantei mais no final que no começo do Sarau. Aproveitei o momento de MPB e deixei o Caxingue debulhar meu violão. Popular e Bossa-nova num instrumental de primeiríssima qualidade. Houve algumas interrupções, mas a noite terminou com o Caxa ao violão e já eram 6 da manhã, quando guardávamos tudo. Eu e Ricardinho. Alan não veio hoje. Estava adoentado. Patrícia se desdobrou. O bar foi um fiasco e infelizmente várias pessoas saíram com uma má impressão, por conta do péssimo atendimento. Mas com tudo isso, a noite foi tão maravilhosa que um único constrangimento ocorreu quando, por volta de três e meia da manhã um carro tranca nosso portão de saída, por quase uma hora, impedindo o Roberlei, que trouxera mais cervejas, de sair e dar a carona pras minhas meninas, obrigando-me a repetir várias vezes o chamado ao proprietário do veículo. Chamei umas duas vezes, cantei durante um blues no improviso um repente para o tal carro. Até que quase uma hora depois, irritado, dei uns berros ao microfone, para o distraído motorista, que em seguida desocupou finalmente a saída. Depois de guardar tudo ao som do Pink Floyd e acertar com os “donos do bar” o movimento da noite, peguei meus dois violões: O Pinho que não estava muito bom, depois da última visita à oficina do Seu Zé e a Val, que com barriguinha à mostra foi comigo numa padaria que descobri, aqui pertinho de casa, na 15 de Novembro, tomar o Café da Manhã. Teimosa bebeu antes o seu. Foi tão bom, que a partir de hoje suspenderei minha passagem pelo posto da Afonso Pena, em busca de chocolates! Por falar em padaria, minha comadre Ivone, para minha alegria, esteve lá hoje, com o maridão! Estou feliz com eles, que com muito trabalho, em 3 anos, conseguiram sua independência financeira. Por falar em independência, agora mais do que nunca é ela a direção. Sexta, 6, me desabafei, perante uma incompetente comissão, lá na Fundação de Cultura, instituída para decidir os participantes do Som da Concha, Mais uma vez, estou fora! Prometi então, depois de passar por uma humilhação e um constrangimento medonho, nunca mais por meus pés lá! E assim farei! Desisti de pedir a Lenilde Ramos pra me ajudar com o som que preciso pra começar o Rock Total, junto com o Sarau Infantil e tomei a decisão de aqui por diante dedicar a minha composição NÃO-CANÇÃO, em parceria com o Carlos Melo, para esta instituição chamada de Fundação de Cultura do Mato Grosso do Sul. A letra do Castelo, coube como uma luva pra referida fundação, mas a que eu deveria cantar mesmo é aquela musiquinha que rolou na net por várias semanas consecutivas..... Anexei minha dedicatória! Espero que goste! Até a semana que vem! Fique com Deus!!!

compartilhe

comentrios feed

+ comentar
Helena Aragão
 

Uau, o famoso Zé Geral em pessoa! :) Legal, sempre ouvimos falar muito de você por aqui. Confesso que para nós, que não podemos ir no sarau, talvez tenha ficado um pouco confuso por causa das tantas referências que você dá. Mas, claro, vale mesmo assim! Só uma obs: não consegui ouvir a música... Será que foi algum problema de postagem ou foi só comigo?
Abraço!

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 10/7/2007 19:01
sua opinio: subir
Ilhandarilha
 

Eu consigo ouvir, embora tenha demorado a baixar.

Ilhandarilha · Vitória, ES 10/7/2007 21:06
sua opinio: subir
Rodrigo Teixeira
 

Que beleza você por aqui Zé! Finalmenteeeeee... espero só que vc continue agora colocando TODAS as suas historinhas do Sarau e não apenas ESTA. Grande abraço e VIDA LONGA ao SARAU do ZÉ GERAL!

Rodrigo Teixeira · Campo Grande, MS 12/7/2007 14:11
sua opinio: subir
Zé Geral
 

Então.... Sou devagar com essas coisas... Vou procurar colocá-las semanalmente então. Espero que a galera do overmundo, goste, comente e vote...

Zé Geral · Campo Grande, MS 17/7/2007 21:33
sua opinio: subir
RIVERS
 

Zé, sucesso pra vc sempre!!!
Fique com Deus
:)

RIVERS · Campo Grande, MS 8/5/2008 10:36
sua opinio: subir
Rodrigo Teixeira
 

Zé Geral, em frente. Volte a colocar as estorinhas aqui nesta nova fase. Retorne Zé. abs

Rodrigo Teixeira · Campo Grande, MS 2/7/2008 01:46
sua opinio: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faa primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

udio

NÃO-CANÇÃO

Instale o Flash Player para ver o player.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Voc conhece a Revista Overmundo? Baixe j no seu iPad ou em formato PDF -- grtis!

+conhea agora

overmixter

feed

No Overmixter voc encontra samples, vocais e remixes em licenas livres. Confira os mais votados, ou envie seu prprio remix!

+conhea o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados