Seu Alves, o sapateiro

Grupo TR.E.M.A.
1
Pedro Rocha · Fortaleza, CE
20/3/2006 · 213 · 10
 

Ali sentado na calçada, passando cola no solado, costurando bico, remendando uma sandália, pitando outra, Seu Alves, o sapateiro, conta os anos que se passaram. Toim, filho mais novo e herdeiro do ofício do pai, avisa: “rapaz, você vai dormir, acordar, e ele ainda ta falando.” Deboche de filho. De história em história, virou reportagem, dessas de televisão, jornal, rádio, até a tv a cabo, mas essa ele não assistiu, “é tv de gente rica.”

“Ei menino. Leva esse bilhete na casa do Zé Pereira que na volta eu te dou um pedaço de rapadura e uma mão chêa de farinha...” Honorato era menino véi, coisa de 8, 9 anos. Saiu rodando Flecherinha na cata do destinatário. “Né aqui não viu... É bem ali” E tome Honorato a andar debaixo do sol quente, o suor descendo e da poeira da piçarra subindo, indo e voltando feito besta , “tá bem pertim...”, e mais um apontava tangendo Honorato. Na porta da casa de uma senhora de idade é que o bilhete chega ao dono: “Meu filho, vá simbora pra casa que você num vai ganhar nada não. Aqui tá escrito: ‘bote esse burro pra andar’.”

Honorato Alves Pereira nasceu 1930 em Tauá (349 km de Fortaleza), mas ainda nos braços da dona Maria chegou em Flecherinha, onde passou infância. Menino aperriado, com 12 já tava em Fortaleza, no ofício de engraxar sapato. Aperriado é pouco, dizem por aqui que essas pessoas têm um frivião no cu, e é bem capaz dele aos 76 anos se espalhar numa risada quando ouvir isso. Com 20 e poucos, tava no Rio de Janeiro, trabalhando no Aeroporto Santos Dumont, pra mais na frente tá carregando peso na tal da Brasília de Kubitschek, o JK. Goiânia, Anápolis, Fortaleza – só de passagem! – sobe! que o pau de arara tá saindo, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Bahia, Minas, construção civil, ajudante de topógrafo, na roça plantando feijão, arroz, milho... Pra depois voltar fastiado, porque “quem anda só no mundo não tem valor”. Saudade da mãe. 1962.

Da primeira vez que inventou de ir pro Rio, foi de navio, mas sem pagar a passagem. Clandestino, escapou fedendo de uma baldeação em uma das paradas. “Era quando os homi iam checar de um por um quem tava clandestino no navio”. Pois nessa, ficou na terra mesmo, nem tentou subir de novo. Ouviu das margens de Recife o navio apitando rumo a capital do Brasil daqueles tempos.

Mas não o navio ou essas andanças que do Seu Alves história contada em jornal. Nem foi o pandeiro tocado nos forrós ou as tantas mulheres em que ele “passou o pavil”. O que fez Seu Alves, o sapateiro, reportagem, foi a arrumação de sair pintando a calçada do seu ponto, ali na beirada da Av. Engenheiro Santana Junior, perto do Terminal de Ônibus do Papicu. Quem passa por ali recebe um “Feliz Natal” ou “Feliz Ano Novo”, testemunha do amor (ti-amo mãe) e da fé (“A porta que Deus abre ninguém fecha”) do homem “amigo do pobre e conhecido do rico”, mas que sabe que quando a Cherokee pára do lado, o preço vai ser maior um pouquinho.

Explica o ocorrido. Fala que quando chegou naquele ponto, há 12 anos, não tinha cliente, ai foi começando a pintar, colocar uns banquinhos, plantou esse castanhola onde estamos sob a sombra, ai foi indo... Começou a chegar cliente, mais um aqui, outro aculá. O certo é que o homem é notícia e não pára de chegar gente de pé ou no carro que encostar rapidinho pra deixar o serviço. Veio a prefeitura também, pra botar pra fora que não é coisa de se admitir a privatização de uma calçada pública!, mas um vereador que passava por lá, na intenção de recauchutar o calçado, resolveu os problemas.

Os horários do expediente estão lá no muro. Vai das 8 às 18 em dia de semana. No sábado é só até a metade do dia. Pode aparecer, mas tem que ser com o calçado em mãos para a avaliação ser precisa, na hora. E leve o adiantado, porque se o serviço for pra mais de 8 reais, metade do pagamento você deixa junto com o sapato. Atenção. Se não vier pegar o calçado em trinta dias, vai pra revenda

“Traga o pandeiro”. Magnaldo, que tá aprendendo a transformar sapato velho em novo, corre na casa do seu Alves, ali pertinho, na Travessa Paredes, pra buscar o instrumento. Mal chega a morena com o cabresto da "sandalha" rebentado, ele já vai se aprumando, mete a mão no pandeiro, galanteador, malaca... Canta Morena Dengosa de Roberto da Silva.

Quando começa a cantar, ele encarrilha uma, duas, três músicas. Alegre, canta pra quem passa indiferente na avenida. A voz desafinada e o pandeiro é que o consolam nos dias tristes. Só não agrada muito a senhora que resmunga contrariada com o bico de seu tênis ainda descolado, feito uma língua pra fora de tanto anos de caminhada.

De mulher e música ele entende, pelo menos é o que diz. É bruto, “minhas mulher é tipo táxi, eu pego e mando sair fora.” Mas na verdade é muito é mole., “música que esculhamba mulher eu não gosto não, dô valô a música que baba mulher”. Sem falar nos 19 anos e 10 filhos que ele passou rodando no táxi da dona Francisca Ferreira Alves, mãe do Toim. Pra ficar com a comparação dele.

O burro rodou anos, aprendeu a ler e escrever ainda no Rio, na sua passagem por lá. O bilhete? Na época, um envelope pelo correio com um tanto de C$ cruzeiros pra mãe. “A letra é uma comunicação oculta sabe. O caba pode ser calado, falar nada, mas escrevendo ele diz o que quer”. Não fale muito não seu Alves, que é capaz de um dia o senhor encontrar um rapaz bem parecido, de paletó e sapato impecável, querendo carregar o senhor pra ir dar palestra de marketing pelo mundo. Olha que o senhor já tem 76, não ta mais em tempo ficar com essas putarias.

*mais fotos
*esse texto faz parte da proposta do blog: www.grupotrema.blogspot.com

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Lori Jones
 

a proposta do texto é interessante, um desconhecido que viveu muito, esteve em muitos lugares do Brasil em alguns momentos importantes, mas sinceramente, não gostei do texto.

Lori Jones · Salvador, BA 21/3/2006 13:59
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Psychojoanes
 

Conheci o Seu Alves em 2004. Achei o texto divertido, mas gosto mais dos de Joana&059;


http://ubbibr.fotolog.com/juanitasuarez/?photo_id=8250921
http://ubbibr.fotolog.com/juanitasuarez/?pid=10032260
http://ubbibr.fotolog.com/juanitasuarez/?pid=10019327

Essa foto é bem essência ó&059;
http://ubbibr.fotolog.com/juanitasuarez/?pid=10006213


Psychojoanes · São Domingos do Prata, MG 21/3/2006 22:24
sua opinião: subir
Pedro Rocha
 

O texto é mais ou menos isso mesmo... divertido. Não queria que o principal fosse o pitoresco, nem muito menos o que a Lori Jones, identificou como um cara que passou por vários lugares e tal. Acho que não consegui realmente fugir muto disso, mas talvez tenha pincelado coisas importantes como a visão do cara da comunicação, da escrita, da leitura, a relação de satisfação dele com a música ou mesmo com o próprio trabalho.

O tom dele é de muita brincadeira, causo por cima de causo. E eu tentei colocar isso no texto tá entedendo, porque foram só dois encontros, não sentia a segurança pra abordar por exemplo a morte da mãe dele atropelada, da frustação dele não poder feito mais por ela.

No final das contas é a história de um cara que eu via todo dia da janela do ônibus Parangaba/Papicu.

Pedro Rocha · Fortaleza, CE 21/3/2006 22:41
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Edson Wander
 

Pedro,
Animal o seu texto. Ficou um misto de perfil (e de uma figura interessante apesar de completamente anônima) com crônica (perfilado crônico, crônica perfilada ou coisa que o valha). E não foi à toa que ganhou destaque na capa do site, lembre-se.
Abraço e continue participando.
Edson, GO

Edson Wander · Goiânia, GO 22/3/2006 16:17
sua opinião: subir
Hermano Vianna
 

Eu também gostei muito do texto. Acho que poderia até dar início a uma série aqui no Overmundo. Pessoas interessantes que enriquecem as culturas das ruas de todo o Brasil. Seria uma coleção de retratos de gente de todos os lugares. Alguém topa?

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 22/3/2006 16:51
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Joana Joana
 

O texto está bacana. Já fiz uma sessão de fotos informal, já a um bom tempo, com o Seu Alves. O resultado ficou muito, muito bom. pra quem interessar, o link de algumas:

http://www.flickr.com/photos/josoares/31457055/
http://www.flickr.com/photos/josoares/116792033/
http://www.flickr.com/photos/josoares/116792035/
http://www.flickr.com/photos/josoares/116792040/
http://www.flickr.com/photos/josoares/116792041/

um grande abraço!

Joana Joana · Fortaleza, CE 23/3/2006 11:41
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Ricardo Sabóia
 

Pedro, também achei ótimo o texto sobre o Seu Alves. Tomei conhecimento do TR.E.M.A. pelo Tiago Coutinho, quando ele distribiui os mini zines decretando a morte do lide (hehe) no zine-se. Muito boa a iniciativa.

Ricardo Sabóia · Fortaleza, CE 23/3/2006 20:43
sua opinião: subir
Joana Joana
 

Ah, voltei aqui só pra dizer: vocês lembram que antigamente ele colocava uns cartazes com mulher pelada, escrito embaixo: "onde o velho fica novo?" Hilário!

Joana Joana · Fortaleza, CE 24/3/2006 16:40
sua opinião: subir
Vandete Rocha
 

Gostei do rexto Pedro, seu Alves até parece ficção.

Vandete Rocha · Manaus, AM 13/4/2006 19:50
sua opinião: subir
http://www.sapatonet.com.br
 

Gostei do texto seu Pedro, é de boa iniciativa comentar como é bom uma pessoa ser viajado , conhecendo varios lugares.
http://www.sapatonet.com.br

http://www.sapatonet.com.br · Canoinhas, SC 20/12/2006 11:06
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados