Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

Tobias Barreto: um condor solitário

Dominio Público
Tobias Barreto
1
Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE
3/5/2008 · 142 · 9
 

"No pó que habito não terei as rosas,
As doces preces que os felizes têm;
Pobres ervinhas brotarão viçosas,
E o esquecimento brotará também".


(Pressentimento, Tobias Barreto, 1868.)

Tobias Barreto foi um poeta que não recebeu, necessariamente, o reconhecimento que merecia. Menosprezada pela crítica, sua obra poética não foi explorada o bastante, tampouco evidenciou-se sua qualidade estética. É necessário que se revele ao público esta boa produção, que se revejam posições críticas a seu respeito e que se faça justiça.

Tobias Barreto de Menezes (07-06-1839/26-06-1889), mestiço, pobre, nasceu na vila de Campos, província de Sergipe, e faleceu em Recife, Pernambuco. Bacharel em direito pela Faculdade do Recife, foi jornalista, advogado e deputado provincial. Destacou-se no campo da filosofia por sua atuação polêmica contra o conformismo retórico. Questionou a concepção de física social do positivismo, relacionou o conceito de cultura à constituição de normas para a compreensão do social e do humano. Entendia a metafísica como teoria do conhecimento divergindo profundamente do positivismo. Admitia a liberdade humana como realidade não empírica. Defendeu o liberalismo na política, a emancipação feminina e a libertação dos escravos. Foi uma figura central na Escola do Recife, disseminando o pensamento filosófico alemão no Brasil que, naquela época, sofria forte influência da cultura francesa. Certamente, foi um importante pensador brasileiro no século XIX.

Publicou Ensaios e estudos de filosofia e crítica (1875), Dias e Noites (1881), Estudos alemães (1883), Menores e Loucos (1884), Discursos (1887) e Questões vigentes de filosofia e direito (1888). O restante de sua obra, dispersa em jornais, foi reunida em três edições de Obras completas, em 1925, 1963 e 1989.

Dias e Noites foi seu único livro de poesias e, pelo que sei, teve sete edições.

O que observo nos estudos que se fizeram até o momento sobre sua obra é que boa parte dos críticos classificam-no como um grande pensador, filósofo e revolucionário das idéias, não como poeta. Realmente o foi, leve-se em conta que a maior parte de sua produção tenha tido cunho filosófico, conta-se apenas um único livro de poesias. Entretanto, ao contrário de outros autores de “livro único”, como o paraibano Augusto dos Anjos, que tiveram seu nome registrado na história literária brasileira, Tobias Barreto é sempre colocado num segundo plano.

Sua obra, quando mencionada por alguns críticos ilustres, ocupa pouquíssimas linhas em que se delineiam comentários não muito amistosos. José Veríssimo (1) chega mesmo a afirmar que sua educação roceira e rudimentar fazia sobressair-lhe nos textos mais o aspecto rústico do que o letrado de sua personalidade, o que justificaria sua predileção pela vulgaridade, que não raro chegava ao chulismo da expressão. Afrânio Coutinho(2) afirma que sua produção lírica descai para o mau gosto e para a banalidade, que Dias e Noites (1881) nada vale e ninguém se lembraria de Tobias Barreto, não fossem as apologias de seu amigo Sílvio Romero. Sugerindo ainda que alguns de seus textos nada mais eram que plágio de poesias de Casimiro de Abreu. E ainda, além disso, quase sempre a crítica coteja sua produção com a do poeta baiano Castro Alves colocando-se em evidência esta em detrimento daquela.

Não pretendo aqui, por puro bairrismo, supervalorizar a obra do sergipano encontrando-lhe forçosamente traços de genialidade turvados pelo visível preconceito a ele dirigido pela crítica. Tampouco colocá-lo nos píncaros da glória como fazem, o mais das vezes, com o seu contemporâneo baiano. Busco, sobretudo, uma reflexão equilibrada sobre o real valor literário que pode ser atribuído a vários poemas seus e, de certa forma, pretendo, mesmo que de maneira incipiente, dissipar a densa nuvem de segregação que se instaurou sobre sua obra poética, obscurecendo-lhe a importância no cenário literário brasileiro.

Talvez o primeiro contato com a poética tobiática não pareça despertar no leitor a sensação de grandiosidade e altivez que se nota em alguns poemas de Castro Alves ou de Gonçalves Dias. Entretanto, “genialidade” não é algo que se possa requerer de nenhum artista, tampouco constância. Os grandes nomes de nossa Literatura não produziram somente obras-primas. Uma análise criteriosa (talvez tendenciosa) de qualquer grande obra quase sempre termina por encontrar-lhe o que se poderia chamar, levianamente, de falhas. Houve os que, pretensiosamente, encontraram-nas em Os Lusíadas! É mister, portanto, concordar-se que há nelas textos a que se possa atribuir valor literário e outros desprovidos deste.

O que se percebe nitidamente em determinados críticos é uma predisposição gratuita a depreciar os poemas de Tobias Barreto e uma mesma predisposição a supervalorizar poemas outros de outros autores.

O poema Ano Bom (3), por exemplo, é uma amostra de pobreza poética, ausência de lirismo e, talvez, chulismo de expressão. Parece não ter havido nenhuma outra preocupação formal, tão somente a de rimar o final dos versos. O poema está distribuído em doze estrofes de quatro versos à maneira das quadras populares, com rimas somente no 2º e 4º versos de cada estrofe, mantendo-se o 1º e 3º versos ímpares. Estranhamente ao que estava em voga na época (a preferência por versos livres e brancos), o texto é decassílabo. Em seus versos, repletos de um prosaísmo extremo, há quase ausência de conotação:

Chega a viola, o único pecúlio
De um dos muitos escravos da fazenda:
Mas falta arame; manda-se um moleque
Buscar depressa um carretel na venda.

Volta o emissário; a coisa está completa;
E o sertanejo afina o instrumento. (...)


Além de sua linguagem, em alguns momento, beirar o mal-gosto:

Nem sequer sabe dar uma embigada!...

Salva-se no texto a temática que, segundo o título e a data de sua criação, sugere uma festa de Reveillon aristocrática (que pode ser percebida pela presença do piano – instrumento incomum nas camadas sociais mais modestas) cuja harmonia é interrompida pela presença inusitada de um sertanejo rudemente caracterizado que pede uma viola – instrumento representativo da camada popular – para demonstrar sua cultura. A oposição entre o aristocrático e o popular, que deixa transparecer o preconceito e a discriminação entre os dois extremos da sociedade, consiste numa abordagem mais equilibrada e reflexiva das questões sociais, sem apelos a idealizações, característica notória de uma poesia mais madura da fase condoreira do nosso Romantismo.

O que não se pode, entretanto, é afirmar que as poesias de Tobias Barreto são chulas ou grosseiras tomando-se por parâmetro um único poema, ou alguns menos burilados. Castro Alves produziu também, se não grosserias, ao menos poesias sem poeticidade, prosaicas ou simplesmente descritivas e nem por isso rotulam-no de poeta medíocre.

Tobias Barreto, a exemplo de qualquer outro poeta, produziu também seus textos medíocres, contudo, em sua antologia podemos destacar composições dignas de figurar em qualquer compêndio de Literatura Brasileira ao lado de outros grandes nomes. Veja-se, por exemplo, Eu Amo o Gênio (4). Um lirismo ímpar e envolvente é trabalhado em cinco quartetos decassílabos, também à maneira de quadras populares, com rimas apenas no 2º e 4º versos de cada estrofe, trazendo o 1º e 3º versos ímpares, traço marcante na produção do vate sergipano. A musicalidade presente no texto, que justifica o subtítulo Modinha deixa evidente não somente seu estro lírico, como também sua profunda habilidade em adequar os aspectos formais aos aspectos temáticos, utilizando estruturas funcionais, o que comprova seu domínio sobre as técnicas de produção do artefato poético. Não parece haver chulismo de expressão, tampouco mau gosto ou banalidade nos fragmentos que se seguem:

(...)
Há sempre um gozo no correr das lágrimas,
Há sempre um riso no murchar da flor...

Quando sublime de sofrer, um ‘alma
Rompe dos prantos o sombrio véu.
São glórias tuas, virginais desmaios,
Quedas de rosas nos jardins do céu.


Percebe-se, na elaboração do poema, a maestria com que trabalha as oposições luz/trevas, Deus/sofrimento. Refletindo sobre o efeito catártico deste, sobre o júbilo divino pela redenção das almas. Aqui ainda temos um Tobias menos céptico, menos contestador, contava apenas vinte anos. Mesmo assim, é notória sua habilidade e sua erudição. Procedimento reflexivo ausente, por exemplo, na produção do poeta Casimiro de Abreu quando aborda temas semelhantes, repleta de superficialismos, clichês e apelos sentimentais lúdicos desprovidos de uma abordagem mais profunda:

Que pode haver maior do que o oceano,
Ou que seja mais forte do que o vento?! –

Minha mãe a sorrir olhou pr’os céus
E respondeu: - “Um ser que nós não vemos
“É maior do que o mar que nós tememos,
“mais forte que o tufão! Meu filho, é – Deus!(5)


Isto parece contrariar a sugestão de plágio, haja vista a erudição, a superioridade formal, o tom grandiloqüente e inquiridor e a lucidez do sergipano.

Há em Tobias Barreto uma sensibilidade poética capaz de construções líricas que conseguem renovar a sensação do inusitado já adormecida em metáforas e temas gastos como é o caso de O Beija-flor (6), veja-se:

E a fresca rosa orvalhada,
que contrasta descorada
do seu rosto a nívea tez,
beijando as mãozinhas suas,
parece que diz: nós duas!...
e a brisa emenda: nós três!...


Entretanto, talvez sua maior força resida em sua veia filosófica. Sua grande erudição permite-lhe abordar de forma estética notável temas viscerais da condição humana, a exemplo de Escravidão (7). O texto é composto de duas oitavas com esquema rímico fixo (ABBCDEEC) em redondilha maior, ou seja, há um retorno à estrutura medieval, característico do estilo Romântico. Sua temática, contudo, além de questionar a estrutura escravista do regime monárquico em vigência, opondo-lhe a República e a Abolição, procede a uma reflexão filosófica profunda acerca da Divindade dogmática como instituição mantenedora das desigualdades sociais, e conivente com a exploração do homem pelo homem:

Se é Deus quem deixa o mundo
Sob o peso que o oprime,
Se ele consente esse crime,
Que se chama escravidão,
Para fazer homens livres,
Para arrancá-los do abismo,
Existe um patriotismo
Maior que a religião.


Encontramos um eu-lírico céptico e questionador de todos os dogmas religiosos que não se furta a apontar as falhas Divinas:

(...)
Nesta hora a mocidade
Corrige o erro de Deus.


Postura que se mostra muito mais eloqüente e incisiva em Ignorabimus (8) (convém transcrever o soneto completo):

Quanta ilusão!... O céu mostra-se esquivo
E surdo ao brado do universo inteiro...
De dúvidas cruéis prisioneiro,
Tomba por terra o pensamento altivo.

Dizem que o Cristo, o filho do Deus vivo,
A quem chamam também Deus verdadeiro,
Veio o mundo remir do cativeiro,
E eu vejo o mundo ainda tão cativo!

Se os reis são sempre os reis, se o povo ignavo
Não deixou de provar o duro freio
Da tirania, e da miséria o travo,

Se é sempre o mesmo engodo e falso enleio,
Se o homem chora e continua escravo,
De que foi que Jesus salvar-nos veio?...


Encontramos sua forma mais sublime em O Gênio da Humanidade (9). Composição distribuída em sete estrofes de dez versos, com esquema rímico (ABABCCDEED), em redondilha maior. Mais uma vez consegue harmonizar os aspectos formais aos temáticos numa composição de grande densidade poética. Sua musicalidade acentuada se distribui num ritmo que, ao longo do poema, parece que se vai tornando mais intenso, assumindo na segunda metade uma conotação quase dramática que produz no leitor uma espécie de efeito catártico. O sergipano mergulha profundamente em movimentos reflexivos que demonstram sua erudição filtrada, é claro, por sua sensibilidade e sua habilidade artística que lhe permitem aproximar questões fundamentais para a humanidade à plasticidade estética da poesia:

Sou eu quem assiste as lutas
Que dentro d’alma se dão,
Quem sonda todas as grutas
Profundas do coração:
Quis ver dos céus o segredo;
Rebelde, sobre um rochedo
Cravado, fui Prometeu;
Tive sede do infinito,
Gênio, feliz ou maldito,
A humanidade sou eu.


Não há, no entanto, uma unicidade de pensamento poético ao longo da obra, o que denota que não houve uma pretensão de fazer uma proposta poética definida. Daí encontrarmos posturas contraditórias em relação a determinados temas. Contudo, isso não lhe diminui o valor, apenas mostra que suas poesias foram compostas isoladamente e só depois coligidas para a publicação. No poema Pressentimento (10), por exemplo, não mais encontramos um sujeito lírico céptico, que afronta a Divindade exigindo-lhe, ao menos, resignação (11), mas alguém cansado, de quem a fé vai-se desvanecendo no decurso da jornada:

Sofrendo, aos poucos minha fé se apaga


Ao longo de quatro estrofes de oito versos, o sujeito lírico se deixa esvair em notas de pessimismo e lamentações, bem à moda dos poetas da segunda geração, na tentativa de evadir-se para a morte. Caracteriza sua existência como um martírio que o oprime e que se lhe opõe aos ideais:

Meu Deus!... não mais este laurel de espinho,
Não mais a dor, que o coração devasta;
Minha alma é farta de martírios... basta!

Tudo conspira para o meu tormento;

Estranha nuvem denegriu-me a sorte,


A exemplo do que diz Vicente de Carvalho: (A felicidade) Existe, sim: mas nós não a alcançamos/Porque está sempre apenas onde a pomos/ E nunca a pomos onde nós estamos.(12), o “eu”, atormentado pelas limitações que lhe são impostas pela existência, localiza sua realização num outro plano, que não seja a realidade que se lhe apresenta, e suplica a Deus que o deixe partir:

Deixai esta ave procurar seu ninho.

Entretanto, fica explícito no poema o sentimento da injustiça sofrida pelo “eu”. Ser de quem a vida privou da sorte, de quem foram usurpadas oportunidades ou possibilidades de realização. Note-se a oposição que é feita no 5º e 6º versos da primeira e da quarta estrofes:

No meu sepulcro não terei as rosas,
As doces preces que os felizes têm;

No pó que habito não terei as rosas,
As doces preces que os felizes têm;


E numa espécie de refrão de vaticínio que é repetido ao final de cada estrofe:

Pobres ervinhas brotarão viçosas,
E o esquecimento brotará também.


É como se o “eu” já vivesse esquecido em vida e o pressentisse em morte. É como se sempre fosse colocado em segundo plano, sempre preterido em detrimento de outrem. Contudo, vaticina: Pobres ervinhas brotarão viçosas, como quem diz: Minha semente foi lançada e, embora timidamente, germinará! Curva-se, contudo, diante de algo mais contundente: ...o esquecimento brotará também. Algo que, possivelmente, sufocará suas ervinhas.

É, no mínimo, estranho que tais procedimentos poéticos tenham passado despercebidos aos olhos da crítica.

Se sua popularidade não alcançou o nível nacional como a de seu contemporâneo baiano, talvez seja pelo fato de Castro Alves ter partido do Recife para o eixo Rio-São Paulo aos vinte e um anos de idade (em pleno auge de sua produção) com recomendações do ilustre José de Alencar. Enquanto Tobias Barreto permaneceu restrito ao cenário pernambucano.

Se não se pode encontrar na obra poética do sergipano – como já foi dito – traços de genialidade, ao menos se deve reconhecer que seu estro poético não está aquém do dos poetas de sua época. Repito: genialidade não é algo que se possa exigir de artista algum.

Se seu nome não é divulgado ou reconhecido como deveria e merecia, talvez pela hegemonia imposta por parâmetros sulistas em relação à produção cultural nacional e pela tendência, não sem pretensões, de se lhe depreciar a obra em favor das obras de autores outros.

Urge, ao menos, que se reconheça sua importância no cenário literário nacional, se não como gênio, ao menos como o precursor do condoreirismo que fez de Castro o reconhecido gênio; como precursor de novas idéias mais realistas.

Busque-se mostrar sua boa produção. Que seja apresentada ao público de nossos dias e que o veredicto popular se faça valer. Que se revejam posições críticas. Que se debrucem sobre seus textos novos críticos. Que se lhe faça justiça.

Notas
(1) In “História Da Literatura Brasileira”, José Veríssimo, Ministério da Cultura –Fundação Nacional do Livro - Biblioteca Virtual Nacional, p. 168.
(2) In “A Literatura no Brasil” , Vol. 3, Parte II/Estilos de Época – Era Romântica – 4ª Edição, revista e atualizada, Global Editora – SP, 1997, p. 206.
(3) Tobias Barreto, 1º de janeiro de 1882.
(4) Tobias Barreto, Itabaiana, 1859.
(5) In “Deus!”, dezembro de 1858, Casimiro de Abreu – Nossos Clássicos/Poesia, 1958; Livraria Agir Editora, RJ, p. 45.
(6) Tobias Barreto, 1860.
(7) Tobias Barreto, 1868.
(8) Tobias Barreto, 1880.
(9) Tobias Barreto, 1866.
(10) Tobias Barreto, 1868.
(11) Essa lágrima invisível/ que verteis límpida e calma,/ Tem nome caindo n’alma, / Se chama: - resignação! (Dia de Finados no Cemitério – TB, 1863).
(12) Citação feita por Marilena Chaui em “Convite à Filosofia”; editora Ática S.A., SP, 1996; p.357.


Bibliografia

BARRETO, Tobias. Dias e noites – Edição Comemorativa; Editora Record – Instituto Nacional do Livro, Ministério da Cultura, RJ, 1989.
BARRETO, Tobias. Crítica de literatura e arte – Edição Comemorativa; Editora Record – Instituto Nacional do Livro, Ministério da Cultura, RJ, 1990.
VERÍSSIMO, José. História da literatura brasileira, Ministério da Cultura –Fundação Nacional do Livro - Biblioteca Virtual Nacional, 2000.
COUTINHO, Afrânio. A literatura no brasil , Vol. 3, Parte II/Estilos de Época – Era Romântica – 4ª Edição, revista e atualizada, Global Editora – SP, 1997.
MONTELLO, Josué. Os teólogos da civilização - “A polêmica de Tobias Barreto com os padres do Maranhão”, RJ, Livraria José Olympio Editora, 1978.
ABREU, Casimiro de. Deus! – Nossos Clássicos/Poesia; Livraria Agir Editora, RJ, 1958.
CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia; editora Ática S.A., SP, 1996.
HOUAISS, Koogan. Enciclopédia e dicionário digital, Versão 1.0, 1998.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Renata Silva
 

PARABENS, VOTADO

Renata Silva · Aracaju, SE 2/5/2008 23:01
sua opinião: subir
ANIBAL BEÇA
 

Meu caro Jorge Henrique, um ensaio bastante interessante, com metodologia como se quer.Parabéns! Na verdade, vc. está coberto de razão. Tobias Barreto é quase um desconhecido. Atiotudes de se debruçar sobre a obra do poeta como a sua é que fazem a diferença.

Abraço amazônico

ANIBAL BEÇA · Manaus, AM 3/5/2008 10:04
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Diógenes de Souza
 

Excelente texto. Tobias Barreto foi um poeta maravilhoso, uma pena não lhe darem o mérito merecido. Iniciativas como a sua podem traçar um cenário diferente, que a obra dele seja conhecida e tão admirada quanto as de outrem.

Diógenes de Souza · Aracaju, SE 3/5/2008 23:31
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Poeta Jorge Henrique
 

Obrigado, amigos, pelos comentários.

Apenas a título de acréscimo, professor Luiz Antônio Barreto, responsável pela organização, em 1989/1990, das Obras Completas de Tobias Barreto para a editora RECORD/INL/Governo de Sergipe, e grande estudioso da obra do poeta sergipano em questão, tendo lido este meu trabalho, fez sobre ele algumas considerações (via e-mail) que posto logo abaixo:

"Olá professor Jorge Henrique, acessei ao seu texto e gostei muito do que li, considerando uma excelente oportunidade de tratar de literatura e especificamente de poesia em sala de aula de escola pública, embora tenha pequenas divergências. Tobias foi, verdadeiramente, um poeta e suas poesias sobre a Guerra do Paraguai são insuperáveis. O fato dele não ter ficado como poeta, na memória dos brasileiros, se dá, na minha opinião, por ele ter uma obra de pensador do Direito, da Filosofia, da Crítica Política e Social, e ter abraçado, como "atalho" ao conhecimento o germanismo, que caminhava, em todo o mundo, com as novas teorias científicas e culturais. Ainda hoje, por isto mesmo, tem autores brasileiros e estrangeiros que estão debruçados sobre a obra de Tobias, como o brasileiro Celso Lafer ou como o italiano Mário Losano, o argentino Eugenio Raul Zafaroni, dentre outros. A propósito informo que as Obras Completas de Tobias Barreto, que organizei em 1989/1990, para a Editora RECORD-INL-Governo de Sergipe, sairá nos próximos meses, no Rio de Janeiro, pela Editora IMAGO. Parabéns pelo belo ensaio e um abraço do Luiz Antonio Barreto".

Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE 5/5/2008 10:16
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Poeta Jorge Henrique
 

Outra observação: A obra Dias e Noites, de Tobias Barreto, foi editada seis vezes desde que apareceu em 1881. No 4º parágrafo, afirmei, equivocadamente, que seriam sete edições. No caso, as três edições primeiras, organizadas por Sílvio Romero, vieram a público, por editoras do Rio de Janeiro, respectivamente em 1881, 1893 e 1903. Preparada por Oliveira Teles em 1925, sai a quarta edição. Em 1951 é editada no Rio de Janeiro por Simões dos Reis a quinta edição e em 1978, pelo Governo do Estado de Sergipe, a sexta. A edição de dispus é a sexta, revista e aumentada, cuja organização ficou a cargo de Paulo Mercadante e Antonio Pain e que teve direção geral de Luiz Antônio Barreto com introdução e notas de Jackson da Silva Lima publicada pela Editora Record com 378 páginas em 1989 em edição comemorativa por ocasião do Centenário da República.

Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE 5/5/2008 10:24
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Poeta Jorge Henrique
 

Retificando a observação acima

(...) Em 1951 é editada no Rio de Janeiro por Simões dos Reis a quinta edição e em 1978, pelo Governo do Estado de Sergipe. A edição de que dispus é a sexta (...)

Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE 5/5/2008 12:23
sua opinião: subir
Compulsão Diária
 

Ah, saquei a linha do overblog. ensaio crítico, enfim!
Valeu

Compulsão Diária · São Paulo, SP 7/6/2008 16:18
sua opinião: subir
Rodrigo Slama
 

Muito Legal.
Estou fazendo um esaio sobre o negro em Tobias Barreto, e seu ensaio vai me ajudar, com certeza.
Até.

Rodrigo Slama · Natal, RN 22/12/2008 10:47
sua opinião: subir
Poeta Jorge Henrique
 

Olá, Rodrigo, que bom poder ajudá-lo (de alguma forma) em seu ensaio. Assim que concluí-lo, gostaria de ter o prazer de ler. Você irá postar aqui no Over?

Um abraço.

Poeta Jorge Henrique · Nossa Senhora da Glória, SE 22/12/2008 14:13
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

veja também

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados