Toda ternura de Nhozinho*

Arquivo Casa de Nhozinho. Reprodução do livro
O artista em seu ateliê
1
Zema Ribeiro · São Luís, MA
15/3/2009 · 154 · 16
 

São Luís será palco da exposição Nhozinho – imensas miudezas, quando também será lançado o livro homônimo bilíngue, sobre a vida e a obra deste imenso artista maranhense que de miúdo tinha apenas o apelido.

Depois do sucesso no Rio de Janeiro, onde recebeu mais de cinco mil visitantes, na Galeria Mestre Vitalino do Museu do Folclore Edison Carneiro, a exposição Nhozinho – imensas miudezas chega à São Luís e terá como palco a Galeria do Cofo na casa que leva o nome do artista, localizada na Rua Portugal, 185, Praia Grande (com acesso também pela Rua de Nazaré 2-A, no mesmo bairro).

Antonio Bruno Pinto Nogueira, o Nhozinho (1904-1974), é um dos maiores expoentes da cultura popular maranhense, essa sua principal fonte de inspiração, tão belo, delicado e detalhista o trabalho que o artista, natural de Bacuripanã, Cururupu/MA, criou.

Além da abertura da exposição, que fica em cartaz até o dia 14 de abril (das 9h às 18h), acontecerá hoje (13) o lançamento do livro Nhozinho – imensas miudezas (2007), edição bilíngue sobre a vida e obra do artista, com artigos de Lélia Coelho Frota (escritora e historiadora da arte), Luciana Carvalho (antropóloga), Maria Michol (pesquisadora e, à época, Superintendente de Cultura Popular da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão), Paulo Herkenhoff (crítico e curador de arte) e Zeca Baleiro (cantor e compositor) e prefácio do poeta e crítico Ferreira Gullar (um artigo sobre Nhozinho publicado na revista Manchete em 1956).

Pertencentes a diversos acervos espalhados pelo Brasil, em museus e coleções particulares, algumas peças da exposição ilustram as páginas do livro, ambos patrocinados pela indústria química e farmacêutica Merck S.A. (a exposição e o lançamento do livro marcarão a despedida da empresa do Maranhão, após 40 anos de atuação), através da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura. A realização é da Sábios Projetos, Arco Arquitetura e Produções e Superintendência de Cultura Popular da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão. A Comissão Maranhense de Folclore, a Prefeitura Municipal de Cururupu, o SESC maranhense e a Pousada Portas da Amazônia apóiam a iniciativa.

Nhozinho – A itinerância da exposição Nhozinho – imensas miudezas pretende ser também um incentivo a pessoas com deficiência, além de uma ação de inclusão social. Hoje notável por suas esculturas, o artista maranhense teve que vencer, desde os 12 anos de idade, limitações e deformações causadas por uma doença congênita. Chegou, ele mesmo, a fabricar um carro de madeira para facilitar a sua locomoção.

Como nos conta o maranhense Ferreira Gullar no citado prefácio: “Aos doze anos, quando a doença chegou, já ele sabia fazer seus barcos de buriti, seus papagaios de papel. Num serviço paciente e sinistro, com inchações doloridas que lhe foram tomando os braços, as pernas, as mãos, os olhos – a doença feriu e torceu-lhe o corpo durante vinte e dois anos. Quando ela acabou o seu serviço, Nhozinho começou a serrar madeira e a fazer o carro que o levaria a passear e brincar (já com trinta e quatro anos) pelo Ribeirão e pela Praia do Caju. Nhozinho pagava garotos que lhe empurravam o carro e, nas tardes de domingo, se era tempo de papagaios-de-papel, comparecia com o seu à Beira-Mar. Quando o primeiro carro quebrou (10 anos de uso), Nhozinho começou a fazer um que não necessitasse de gente empurrar: ele mesmo faria andar: “Mas estava ficando tão grande que desisti; não ia caber dentro de casa”. Fez o segundo no estilo do primeiro, com algumas inovações”.

Em Nhozinho? por que Nhozinho?, um dos textos introdutórios ao volume, Alice Cavalcante (da Sábios Projetos) e Heloisa Alves (da Arco Arquitetura e Produções) apresentam-nos vários motivos para a escolha deste artista singular: “Nhozinho, pelo artista que foi, porque sua obra merece ser conhecida pelos brasileiros ou, quem sabe melhor dizer: os brasileiros merecem conhecer sua obra. Nhozinho, pela importância do precioso e preciso registro que fez do bumba-meu-boi, manifestação popular proibida e perseguida durante décadas, que hoje é sinônimo da identidade maranhense. Nhozinho, pela excepcional figura humana que superou adversidades, limitações físicas, dor e preconceito, sem perder a capacidade de criar, a alegria de viver”.

A exposição – Toda composta por peças originais do artista, a exposição tem aproximadamente cem obras, dos acervos da Casa de Nhozinho e das famílias Alcântara, Dino e Zelinda Lima. As diversas fases de sua produção estão contempladas e Nhozinho – imensas miudezas traz também antigas fotografias de apresentações do bumba-meu-boi e da região de Cururupu – para onde as produtoras ainda sonham em levar a exposição um dia –, objetos originais da manifestação popular (como indumentárias diversas e instrumentos musicais, além do próprio boi, é claro) e um documentário com depoimentos de familiares e amigos de Nhozinho, brincantes e organizadores de grupos – sobretudo o de sotaque costa-de-mão, característico da região onde o artista nasceu –, artesãos, estudiosos e especialistas.

O livro – Luxuosa edição bilíngüe (português/inglês), Nhozinho – imensas miudezas traz, ilustrando os artigos que o compõem, diversas fotografias de peças criadas pelo artista-artesão – com toda a redundância que possa residir aqui – além de fotografias dele em várias fases da vida. Repetem-se na obra, os acervos da exposição, clicados pelos fotógrafos Marcelo Rangel, Paulo Rodrigues e Wilton Montenegro.

Uma foto, na página 22, foi colocada por engano: durante o processo de pesquisa, chegou às mãos dos realizadores como sendo da família de Nhozinho. A legenda da imagem anterior (a produção tratou de adesivar todos os livros, sobrepondo uma foto de “Nhozinho cercado por crianças” conforme a legenda, do mesmo acervo), pertencente à Casa de Nhozinho, dizia: “O artista, sentado (3º da esquerda para direita) com a família”. Trechos do artigo de Luciana Carvalho, na página da fotografia e seguinte, falavam de suas origens – “a mãe (...) “descendente de índio, português e africano”, fato ao qual uma sobrinha atribui o nascimento de filhos tão diferentes” e “sua infância transcorreu normal, apesar das perdas materiais vivenciadas depois que o pai vendeu a maior parte dos bens e a família se mudou de Bacuripanã para uma casinha na cidade de Cururupu” – não caracterizando danos à imagem da família do Sr. Antonio Augusto Brandão, que chegou a procurar a produção exigindo “satisfação pública em jornal de grande circulação”. Espero que este convite à beleza de Nhozinho – imensas miudezas, a exposição, que ora faço a todos os leitores do Overmundo, (também) lhe sirva.

*O título do texto faz referência à música Nhozinho, de Henrique Guimarães, gravada por Zeca Tocantins, com participações especiais de Fátima Passarinho e do Instrumental Pixinguinha, no disco Terreiro de Todo Canto. Leia mais sobre a exposição e o livro Nhozinho – imensas miudezas no site http://www.nhozinho.art.br

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Hermano Vianna
 

puxa... como perdi esta exposição quando estava em cartaz aqui no Rio?!!! se tivesse lido este texto do Zema antes, não teria perdido... pelo menos agora temos o livro e o site (o link está no final do texto do Zema, mas repito aqui, pois vale a visita): que beleza!

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 12/3/2009 19:38
sua opinião: subir
Zema Ribeiro
 

amanhã estarei na abertura da exposição/lançamento do livro. se der, volto aqui para contar como foi. abração!

Zema Ribeiro · São Luís, MA 12/3/2009 19:44
sua opinião: subir
Hermano Vianna
 

volte sim, pir favor!

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 12/3/2009 19:49
sua opinião: subir
Zema Ribeiro
 

o ambiente quente da casa de nhozinho era refrescado por batida de bacuri e guaraná jesus, iguarias tipicamente maranhenses. numa mesa na entrada do segundo andar -- a galeria do cofo, palco da exposição -- os visitantes podiam servir-se de arroz de cuxá, idem. tudo, uma delícia. uma tv exibia o documentário, narrado por zeca baleiro, com entrevistas com familiares e amigos de nhozinho e personalidades da cultura maranhense: além do narrador, figuras como maria michol, chico maranhão e zelinda lima, entre outros. as peças da exposição somavam-se às do acervo permanente da casa de nhozinho, o próprio nos recepcionando, a escultura que reproduz o ambiente de trabalho. no pátio do acesso pela rua de nazaré, uma roda de tambor de crioula fazia a festa. vale muitíssimo a pena a visita. voltarei lá, armado de minha pessimáquina fotográfica.

Zema Ribeiro · São Luís, MA 14/3/2009 13:40
sua opinião: subir
graça grauna
 

votado. Abraços

graça grauna · Recife, PE 14/3/2009 20:24
sua opinião: subir
Zema Ribeiro
 

obrigado, graça! abraço!

Zema Ribeiro · São Luís, MA 15/3/2009 12:18
sua opinião: subir
lilia diniz
 

Eita Nhozinho do Brasil...

lilia diniz · Imperatriz, MA 15/3/2009 13:01
sua opinião: subir
Zema Ribeiro
 

é isso mesmo, lília. grande! abração!

Zema Ribeiro · São Luís, MA 15/3/2009 13:03
sua opinião: subir
Zema Ribeiro
 

este texto, publicado na edição de sexta-feira (13) do jornal tribuna do nordeste, também está em meu blogue: http://zemaribeiro.blogspot.com/2009/03/nao-perca.html

Zema Ribeiro · São Luís, MA 15/3/2009 13:05
sua opinião: subir
Doroni Hilgenberg
 

Zema,
Grande exposição, grande homem!
Geralmente as pessoas com algum tipo de deficiência,
extrapolam todos os limites e se sobressaem de maneira maravilhosa
Parabéns pelo Texto
bjs

Doroni Hilgenberg · Manaus, AM 15/3/2009 23:07
sua opinião: subir
Zema Ribeiro
 

obrigado, doroni. com uma inspiração dessas -- nhozinho e sua obra -- o texto sai fácil, fácil. grande abraço!

Zema Ribeiro · São Luís, MA 16/3/2009 10:54
sua opinião: subir
Zema Ribeiro
 

o texto também foi publicado no portal da revista raiz: http://revistaraiz.uol.com.br/portal/index.php?option=com_content&task=view&id=1680&Itemid=163

Zema Ribeiro · São Luís, MA 16/3/2009 11:24
sua opinião: subir
Sara Muniz
 

Ótimo saber... não vou deixar de dar uma olhada no trabalho desse maranhense de reconhecido trabalho, exemplo de talento e superação. Bjs!

Sara Muniz · São Luís, MA 17/3/2009 18:19
sua opinião: subir
Zema Ribeiro
 

vá mesmo. eu voltarei. abração!

Zema Ribeiro · São Luís, MA 17/3/2009 19:48
sua opinião: subir
Drica Crisanto
 

Parabéns pelo texto!

Drica Crisanto · João Pessoa, PB 18/3/2009 13:05
sua opinião: subir
Zema Ribeiro
 

gracias, drica! abrazo!

Zema Ribeiro · São Luís, MA 18/3/2009 14:15
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

Nhozinho - imensas miudezas, o livro zoom
Nhozinho - imensas miudezas, o livro
Roda de bumba-meu-boi, uma das peças do livro/exposição zoom
Roda de bumba-meu-boi, uma das peças do livro/exposição
Reprodução do ambiente de trabalho, exposta em vitrine na Casa de Nhozinho zoom
Reprodução do ambiente de trabalho, exposta em vitrine na Casa de Nhozinho

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados