Toy Pussy, série da artista visual Viviane Cardell

Paula Gharmann
Coleção de vaginas produzidas em cerâmica plástica
1
Rodrigo Machado · Brasília, DF
6/8/2023 · 0 · 0
 

Artista visual cria série na qual questiona a assexualidade das bonecas Barbie

Toy Pussy

Coleção de vaginas - produzidas em cerâmica plástica - idealiza uma cura simbólica para a boneca mutilada, com um vazio entre as pernas

O ano era 2006, quando Viviane Cardell, artista plástica com formação também em Antropologia, lançou sua primeira série de vulvas idealizadas. A coleção foi apresentada em Madri, na Espanha, e posteriormente em São Paulo, no ano de 2009. Desde então, suas obras vêm sendo expostas em mostras e galerias particulares.

Recentemente, em dezembro de 2022, Cardell apresentou o projeto VoaVulva na Bienal Internacional de Arte de Cerveira, em Portugal. Nesse, a artista transpôs suas vulvas para o papel de seda de pipas, que ganharam o céu da cidade pelas mãos de mulheres de origens diferentes.

O questionamento levantado pela série Toy Pussy atravessa a hipersensualização de um objeto de consumo [a boneca], que ao mesmo tempo é um mero cabide para acessórios. “quando todos [os acessórios] são suprimidos, e a boneca fica finalmente nua, revela-se a representação de uma mulher assexuada, sem qualquer sinal de vulva entre suas pernas”, aponta a artista.

A série também faz um alerta a um modelo de feminilidade imbuído de uma carga simbólica avassaladora e sustentado pela indústria do consumo, “que incutiu uma fábula na cabeça das crianças”, segundo Cardell. “A de que, para se tornar mulher, é fundamental que se obtenham novas roupas, sapatos, casas, móveis, imóveis, outros bonecos, um mundo inteiro, sempre”, explica.

Viviane não criou suas obras para o público infantil, exatamente, mas foram concebidas por causa dele. Com Toy Pussy “proponho uma reflexão acerca dos papéis sexuais impostos por uma cultura que subtrai uma consciência saudável da própria sexualidade, tratada como tabu, ao mesmo tempo em que o hiperssexualiza, tornando-o vulnerável a toda forma de abuso”, detalha.

Ao conceber a coleção de vulvas imaginárias para a Barbie, “idealizo uma cura simbólica para a boneca mutilada, e para as meninas românticas que crescem sequestradas por um modelo superficial de feminilidade”, almeja a artista. A obra, segundo Cardell, apresenta um contraponto à cultura de padrões rígidos de beleza, “especialmente às mulheres para que se convertam em ‘corpos obedientes’, expressão cunhada por Naomi Wolff em seu livro ‘O Mito da Beleza’”, discute a artista.

Cardell aponta que “são alarmantes as notícias sobre o crescimento exponencial de cirurgias estéticas do órgão genital feminino, com as vaginoplastias, labioplastias e ninfoplastias, com o objetivo de adquirir uma vagina ‘delicada como uma Barbie’, essa tal boneca que não tem vagina”.

Quando apresentadas, a expografia reproduz uma vitrine de brinquedos, onde as vulvas coloridas ficam dentro de caixas acrílicas transparentes com rótulos, como nas embalagens de brinquedos. Mesma inspiração que envolve outros detalhes, como frases que integram as caixas e explicam os brinquedos. No caso das “Toy Pussies”, legendas e bordões cômicos de duplo sentido são traduzidos em diversos idiomas.

Recorrendo ao humor, ainda que ácido, mas também à alegria, à brincadeira, ao lúdico, a coleção aponta o prazer como uma forma de resgatar corpos, cuja castração simbólica se dá por meio de uma lógica mercantil e patriarcal que os converte em objeto, suscetível à violência física, sexual, estética e emocional. Pussy, termo em inglês, pode ser traduzido como um apelido carinhoso dado a gatos domésticos e é uma forma de se designar a vagina. Com isso, a tradução literal da série Toy Pussy, para o português, seria “vagina-brinquedo”, nomenclatura inspirada na boneca globalizada.

A coleção exposta em 2009, em São Paulo, introduziu a série temática Pussies of the World, que fez menção à mutilação genital praticada em algumas partes do mundo, equiparando-a à mutilação simbólica da boneca. Além dessa, apresentou a série especial Bardot Pussies, criada em homenagem à atriz Brigitte Bardot, contemporânea da Barbie, mas símbolo autêntico da liberação sexual feminina.

Passados mais de 10 anos da exposição em São Paulo e depois da campanha “O mundo da Barbie está evoluindo”, lançada pela Mattel (fabricante da boneca), em 2016, poderia se pensar que Toy Pussy estivesse ultrapassado. Porém, tal campanha, utilizando-se dos conceitos de diversidade e inclusão, não passou de uma jogada publicitária para frear a queda nas vendas e expandir seu mercado. Por meio de discretas adequações nos traços faciais, cabelo e formato do corpo da boneca, a Barbie “evoluída” conquistou novas consumidoras mirins de todas as cores, corpos e tipos de cabelos.

E as contradições originais desse ícone persistem: a necessidade de acessórios, agora diferenciados e mais caros, e o vazio entre as pernas. Ao compreender a jogada de marketing da fabricante, Viviane tem trabalhado na nova coleção Toy Pussy Evolution, na qual a artista se debruça sobre as questões da pluralidade. Reitera o conceito inicial do projeto e explora diferentes formatos, cores, texturas e tamanhos para as vulvas, e aborda, ainda, a inclusão de pessoas LGBT+ e de pessoas com deficiência.

A denúncia, nesta nova série, discute a autenticidade desses voos da marca por ares democráticos, “restritos a quem pode pagar pelo caro bilhete de embarque e que se alicerça sobre o clichê contemporâneo da meritocracia com o mote: #VocêPodeSerTudoQueQuiser, que leva em conta o consumo desenfreado, essencial à boneca Barbie, e o eterno vender mais do mesmo.”, acusa a artista.

Para o ano que vem, Viviane Cardell planeja lançar um site interativo com a exposição de suas coleções. Neste ambiente virtual, visitantes poderão apreciar as peças em fotografias 360 graus, no formato de GIF. Cada imagem virá acompanhada de áudio humorístico na voz de atores, atrizes, cantores ou cantoras. “A ideia é agregar mais significados às obras, aprofundando a experiência do observador”, detalha Viviane.

compartilhe

comentários feed

+ comentar

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados