UM POUCO DA HISTÓRIA DO CARNAVAL

Ulisses Holanda
CARNAVAL EM ARAGUAÍNA
1
jjLeandro · Araguaína, TO
17/2/2007 · 90 · 9
 

UM POUCO DA HISTÓRIA DO CARNAVAL

Se você está se preparando para a folia de Momo, o melhor que faz é cair no samba. Epa! Aqui no Brasil, quando o assunto é Carnaval, já não se pode mais falar assim – taxativamente – cair no samba. A nossa maior festa popular tem diversos sons predominantes nas várias regiões para animar os foliões: no Rio, o samba; em Pernambuco, o frevo e o maracatu; na Bahia, o Axé; e por aí afora.

Mas se você quer saber um pouco sobre a história do Carnaval então se prepare para a primeira surpresa: ele não é, como muita gente pensa, genuinamente brasileiro. Esse pensamento pode até ocorrer porque foi aqui que ele ganhou a maior dimensão no mundo e tornou-se, além de uma festa popular, um produto de exportação que atrai em cada início de ano milhares de turistas para os espetáculos do Rio, São Paulo, Salvador e Recife, principalmente.

Mas o caminho até nossos dias foi longo e com muita meleca e muito líquido. Para a sua origem, muitos estudiosos buscam as mais variadas datas, referências e locais e quase nunca estão de acordo. Uns dizem ter remotos 10 mil anos (nos rituais festivos por boas lavouras). Outros menos, aí por uns seis mil anos, no Egito, em intenção à deusa Ísis. No mundo greco-romano o proto-caranaval conheceu a introdução da bebida e do sexo, segundo alguns autores. Em Roma, aconteciam bacanais, saturnais e lupercais, festejando também deuses pagãos como Baco, Saturno e Pã.

E quando o Carnaval chegou ao Brasil, você já deve estar se perguntando. A nós, é isso que interessa. Claro que sim. Por aqui, a data mais aceita como a da sua chegada é 1723, trazido pelos portugueses das ilhas da Madeira, Açores e Cabo Verde. E veja só: não era ainda o carnaval como o conhecemos hoje. E por isso não tinha ainda esse nome. Conheciam-no por...Entrudo! cuja palavra vem do latim introitus e se refere às solenidades litúrgicas da Quaresma.

Vá lá, cada tempo com o seu evento. E a animação? Pensa você que já era assim blocos, escolas de samba, trio-elétrico, essa sofisticação toda? Não e não! Alegria havia, claro que sim. Mas a brincadeira no entrudo compunha-se de correrias desenfreadas, muita melança com farinha e água com limão. Praticamente pouco mudou até quase a metade do século XIX, constituindo-se a festa de muita meleira e molhação. Os escravos eram animados na folia e polvilhavam-se uns aos outros e esguichavam água pelas ruas com uma enorme bisnaga de lata. Os senhores da alta sociedade segregavam essa festa da rua, preferindo o refúgio de suas casas para a brincadeira com, entre outras coisas, as laranjinhas – bolas de ceras que quando se espatifavam lançavam água perfumada. Mas também veja só: nem sempre eram educados os tais senhores, pois jogavam em quem passava na rua um líquido fétido (você pode adivinhar qual é? Eu, hem?!) Passar debaixo de uma janela nesse período era banho certo, por isso a movimentação nas ruas era pequena. No Primeiro Império o sucesso para a elite governante eram os bailes de máscaras, que a partir da década de 1840 popularizou-se.

No final do século XIX surgiram os primeiros blocos de carnaval e os famosos corsos. A festa começou a tomar a feição que tem hoje. Já era comum as pessoas se fantasiarem, e no início do século XX ganharem as ruas fantasiadas e com os carros enfeitados. Alguns sugerem que aí nasceu a idéia do carro alegórico – item obrigatório nos desfiles das escolas de samba. A introdução das marchinhas de carnaval no início do século XX deixou-o muito mais animado e fortaleceu o seu crescimento. No Rio, a primeira escola de samba foi a Deixa Falar, criada por Ismael Silva em 1928, no bairro do Estácio. No início dos desfiles, em 1932, as escolas percorriam as ruas acompanhadas de populares. Mas em 1935, a disputa passou a ser para valer. Hoje o carnaval cresceu tanto e de tal forma virou um produto comercial que temos até os carnavais fora de época. Acontecem Brasil afora em muitas cidades e capitais. Foi por influência da micareta baiana que o carnaval fora de época proliferou. Para ficar todo mundo ciente da universalidade do carnaval, em Araguaína, além da tradicional folia de Momo, em fevereiro ou março, os foliões se animam no Arafolia, que sempre acontece em agosto ou setembro.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Thiago Camelo
 

Opa JJLeandro, muito bacana a sua colaboração. O mais engraçado é que a segunda - só hoje - que conta a história do Carnaval até chegar no Brasil. Vê aqui. Sabe o que seria bacana? Se vc colocasse a tag carnaval-2007 na sua colaboração. Foi a tag que a comunidade combinou de colocar nas colaborações referentes ao Carnaval. Acaba tornando muito mais fácil achar os textos sobre as festas. Abração!

Thiago Camelo · Rio de Janeiro, RJ 14/2/2007 18:43
sua opinião: subir
jjLeandro
 

Legal, Thiago. Não sabia da combinação vou colocar agora. Sei que muitas outras colaborações afins vão chegar, pois o assunto é específico. Mas isso é bom e interessante, umas vão completando as outras.
Abraços e obrigado pela lembrança da tag

jjLeandro · Araguaína, TO 14/2/2007 19:28
sua opinião: subir
Egeu Laus
 

Legal, Leandro.
Como falei também com o Eduardo que postou sobre a história do carnaval, seria legal falar também sobre o carnaval de Araguaína.
Abraço!

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 15/2/2007 09:58
sua opinião: subir
jjLeandro
 

Egeu, seu desejo foi cumprido. Tá lá na agenda, para edição.

abcs

jjLeandro · Araguaína, TO 15/2/2007 23:11
sua opinião: subir
SILVASSA
 

bacana

SILVASSA · Salvador, BA 17/2/2007 13:19
sua opinião: subir
jjLeandro
 

Falou Gustavo, obrigado!

abcs

jjLeandro · Araguaína, TO 17/2/2007 19:20
sua opinião: subir
Egeu Laus
 

Pela importância da notícia reproduzo aqui o post de Christiane de Assis Pacheco, do Rio de Janeiro, na Agenda de Samba e Choro:

"Ufa, nem tudo está perdido neste mundo! Recife, que está a anos luz do Rio em termos de organização do carnaval, proibiu na última quarta-feira o uso e a venda do maldito spray de espuma, que depois do descaso dos governantes e dos pitbóis, é a coisa que mais atrapalha o carnaval desta cidade.

Até em blocos infantis como o Gigantes da Lira, cheio de bebês de colo, lá estão os malas do spray. E vocês acham que é só a criançada que joga aquilo na nossa cara? Nada disso, a maioria são manés de mais de 30 anos, geralmente sem fantasia.

Recomendo ao digníssimo sr. alcaide que dê um pulinho em Recife e Olinda pra fazer um curso intensivo de carnaval. Que a alegria dos pernambucanos o contamine e ele resolva importar para cá coisas até agora desconhecidas como decoração para a cidade, banheiros para os foliões, segurança, controle do trânsito etc. Ai, ai, não custa sonhar...

E viva o confete e a serpentina!

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 20/2/2007 11:06
sua opinião: subir
Agenda do Recife
 

Pessoal que curte carnaval , mas ainda não conhece o carnaval de Recife . Podem conferir a programação do autentico carnaval de rua em Recife e Olinda no site: http://www.programacaocarnavalrecife.com.br/

Agenda do Recife · Recife, PE 12/1/2011 14:07
sua opinião: subir
Débora Maria Macedo
 

Sei também um pouco da história do carnaval, mas sob o ponto de vista de neta do inventor do trio elétrico: http://www.overmundo.com.br/overblog/dodo-pelo-som-e-pelos-seus

Débora Maria Macedo · São Paulo, SP 6/8/2013 20:53
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados