UMA NORUEGA TROPICAL

Camila Mazzini
A Mulher de Oslo em ação no Arena
1
Tehrence Veras · Porto Alegre, RS
25/1/2008 · 29 · 2
 

Quem ainda não teve a oportunidade de assistir A Mulher de Oslo, por favor o faça com urgência. Já rodando pelo estado há mais de um ano, o show, que tem como protagonista a cantora Vanessa Longoni, é, pelo menos, audacioso e original.
O mote do espetáculo vem de um conto de Eduardo Galeano (escritor uruguaio que merece ser lido) de nome A paixão de dizer, que fala de uma mulher em Oslo que canta e conta histórias de sua vida. E é nesse ponto que a pequenina Vanessa vira uma gigante. Tanto pelo sua grande voz, como pela sua hipnótica presença de palco.
Tive a sorte de estrear na platéia da Mulher de Oslo em um teatro que proporciona uma intimidade além do comum entre artista e público: o Teatro de Arena - que, como o próprio nome diz, distribui as pessoas ao redor do palco. Aí é só alegria!

Do início ao fim, A Mulher de Oslo é poesia. A começar pelo cenário, que lembra uma praça durante o outono, com banco de madeira e folhas de plátano secas tapando o chão. Essas folhas secas fazem parte, aliás, do contexto musical da coisa. Porque os músicos caminham pelo palco, pisando nas folhas, e transformando aquele ruído em nuance de som.

De início, a banda entra sozinha, ainda sem sua maestrina. E o primeiro tema não poderia ser mais propício: Dona tá Reclamando – de Dominguinhos Minguinho -, em que os músicos cantam em uníssono o refrão que dá nome à música. E em meio ao clima meio navio negreiro que começa a se instaurar, salta Vanessa, invadindo e tomando de assalto o palco com uma energia sul real. A partir daí, a voz de Vanessa desliza por canções que vão de Elomar e André Abujanra até Alanis Morrisete e Goran Bregovic, sem deixar de fora coisas aqui dos pampas e do prata – Nico Nicolaiewski, Arthur de Faria e Leo Maslíah.

O timbre de Vanessa é privilegiadíssimo e versátil: Potente, suave, agressivo, sensual... Sua fluência em cantar em inglês, espanhol é a mesma que com o português – ela faz isso parecer fácil.
Mas música e cenário são apenas uma parte da Mulher de Oslo. Cada música é intercalada por um texto muito bem costurado e perfeitamente interpretado por Vanessa. Ou por uma instrumentação igualmente redonda.

Enfim, não estamos diante de um simples show musical. Ali temos uma história sendo contada. Com início, meio e fim. Com ritmos, timbres e vozes de todo mundo – dá pra ouvir fados, unza-unza-music, tangos, baladas...Com piano, acordeon, sitar com distorção, viola com delay, violão, baixos, tambores... Um deleite só. Como todos os shows deveriam ser.

A Mulher de Oslo tem - além da já bem citada Vanessa Longoni cantando:Arthur de Faria (piano e acordeon), Angelo Primon (sitar,violas e violões), Clóvis Boca Freire (baixo acústico e elétrico) e Diego Silveira (percussões - baldes, panelas & o que pintar).

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Lu&Arte
 

Oi, Terence

Voltei pra votar. Assisti o espetáculo ontem , realmente muito bom!! Valeu muito a dica!

Lu&Arte · Porto Alegre, RS 25/1/2008 22:08
sua opinião: subir
Mestre Jeronimo - JC
 

Axe'

Parabens!

Parece muito bom o espetaculo.

Meus votos de sucesso, a todos os artistas, e cantora e atriz.

Caso o show esteja no rio, aonde stou agora, irei assistir.

Mestre Jeronimo - JC · Austrália , WW 27/1/2008 00:14
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados