Um Acordo chamado Internet

1
uira · Fortaleza, CE
30/1/2013 · 9 · 0
 

Foto: Krzysztof Poltorak (Creative Commons)

De quem é a internet? Essa pergunta, certamente capciosa, vai muito além de uma simples provocação, mas é um convite à reflexão sobre os princípios fundamentais do maior conglomerado de informações já produzido pela humanidade. E para responder a esse convite, é preciso saber: O que é a internet?

Ela não é uma coisa palpável, não é uma instituição legalmente constituída ou um clube de sócios. Segundo a wikipedia#, "a Internet é o maior conglomerado de redes de comunicações em escala mundial e dispõe milhões de computadores interligados pelo mesmo protocolo de comunicação (...)".

O grifo nos termos "redes" e "protocolo de comunicação" são para frisar que esses são dois princípios básicos. As tais redes são possíveis graças à existência de um protocolo (IP# - “Internet Protocol”) que é aberto. Ou seja, a Rede é composta por um número cada vez maior de pessoas que utilizam dispositivos e máquinas que escolheram adotar esse mesmo protocolo.

Um terceiro princípio é também em função de outro. Como o protocolo é aberto, a rede é descentralizada. Qualquer pessoa, em qualquer lugar, que queira trocar informações (bits#) pode criar uma nova rede. Por isso o artigo da wikipedia fala em "conglomerado de redes".

A Internet não é uma coisa: é um acordo. Um acordo em que todos resolvem adotar o mesmo protocolo para trocar informações. É isso que afirma um famoso e já antigo texto, Mundo de Pontas (“World of Ends”)#, de dois grandes precursores das reflexões sobre a internet e a cultura digital, Doc Searls# e David Weinberger#,

Sabendo que a internet não é propriedade de alguém, mas sim um acordo do qual todos decidem, voluntária ou involuntariamente, participar, imagino que você, como provável usuário da internet, pode estar mais interessado em saber como anda esse acordo e como ele pode mudar e, eventualmente, influenciar de maneira decisiva sua vida e a vida da sociedade em rede da qual fazemos parte. Estou certo? Não necessariamente.

Isso porque hoje vivemos em uma cidade que é regida por leis que a maioria da população não conhece. Um bom exemplo é a Lei Orgânica do Município#, que define as 'regras de comportamento' dos cidadãos e instituições que compoem a municipalidade, mas que muitas pessoas sequer sabem que existe. Então por que com a internet seria diferente?

Estamos falando do Marco Civil da Internet#, que, segundo um de seus idealizadores, professor Ronaldo Lemos#, se propõe a "definir claramente as regras e responsabilidades com relação a usuários, empresas e demais instituições acessando a rede" #. A idéia é criar uma lei para regulamentar direitos e deveres das pessoas e organizações brasileiras que participam da internet.

A idéia se transformou em projeto de lei, passou por uma série de debates realizados através de encontros presenciais e ancorados em uma plataforma inovadora# que permitiu transformar o processo de consulta pública, geralmente analógico e limitado, em um grande debate sobre direitos e deveres na internet. Depois de quase dois anos de discussões e estudos, foi apresentado o Projeto de Lei 2126/2011# ao congresso nacional. O texto já teve parecer e substitutivo apresentados em comissão especial constituída para debater o projeto, que tramita hoje como PL 5.403/2001# e aguarda na fila para entrar em votação no plenário da Câmara.

O PL, que teve sua votação adiada pela terceira vez no último dia 5 de dezembro, tem como principais barreiras o lobby da indústria autoral e das empresas de telecomunicações, além do desconhecimento das pessoas.

É do interesse das grandes corporações das telecomunicações e indústria cultural, que visam prioritariamente o lucro, o adiamento de regulamentações que podem limitar a capacidade de continuar explorando a diferença e a desigualdade de acesso como forma de aumentar seus ganhos.

Por outro lado, deveria ser interesse de toda a sociedade e, portanto, de seus representantes, que, justamente por isso, tais regulamentações sejam não somente aprovadas, mas divulgadas como forma de garantir que as pessoas gozem plenamente de seus direitos e exerçam responsavelmente suas responsabilidades.

A capacidade de melhorar a sociedade depende da consciência e compreensão de seu modo de funcionamento. Da mesma forma que a capacidade de acompanhar e cobrar governos e representantes eleitos é diretamente proporcional ao esclarecimento sobre seus papéis e suas realizações. Também a possibilidade de melhoria de um meio de comunicação tradicional depende, em tempos de internet, de sua capacidade de se tornar cada vez menos tradicional.

Desse modo, mais do que defender ou criticar uma posição ou projeto, é importante que se compreenda o funcionamento dos acordos aos quais estamos submetidos. No caso da internet, precisamos saber que, além dos serviços e infraestrutura infinitamente mais avançados que os tradicionais, o modo de organização da grande rede, aberto e descentralizado, está imprimindo na sociedade contemporânea uma nova maneira de se organizar e se expressar. Quem sabe se com o surgimento de um Marco Civil forte e soberano para a Internet no Brasil, esse movimento não nos inspire a criar novos marcos democráticos para a organização da sociedade pós-digital?

Participe do movimento para estabelecer regras que garantam os direitos e deveres básicos dos participantes da internet: http://www.avaaz.org/po/petition/Aprovacao_do_Marco_Civil_da_Internet_no_Brasil/


Uirá Porã é Diretor Presidente do Instituto Brasileiro de Políticas Digitais - Mutirão (www.institutomutirao.org) e Conselheiro de Cultura Digital de Frente Parlamentar Mista em Defesa da Cultura do Congresso Nacional.

Uma versão resumida desse texto foi originalmente publicada pelo jornal O Povo : http://bit.ly/X8lEgK

compartilhe

comentários feed

+ comentar

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados