A Pertinência do Manuscrito na Literatura

1
Fábio Pacheco · Recife, PE
10/3/2006 · 1 · 1
 


Um Pouco da História do Manuscrito:

Eis aí um tema importante e ainda pouco abordado no estudo do universo da Literatura. O manuscrito surgiu entrelaçado diretamente com a própria escrita. A princípio esta servia apenas para enfatizar as questões ligadas à religião, às leis, aos impostos dentre outras necessidades práticas da sociedade. Com o passar dos séculos, o ser humano percebeu que as histórias até então narradas de forma oral e transmitidas de pessoa para pessoa ou de pessoa para um grupo pequeno de ouvintes (receptores de uma tribo, de uma vila, ou de qualquer tipo de conglomerado de baixa densidade demográfica) poderiam muito bem serem transformados em material escrito em papel, pedra, couro, madeira, e etc. Foi a partir desse momento que de fato surgiu a Literatura, evidentemente ainda rústica e superficial.

Na Idade Antiga ocorreu o primeiro refinamento literário com os intelectuais gregos e romanos. O grego Homero produziu as obras mais importantes do seu tempo: a Iliada e a Odisséia, as quais permitiram aos historiadores o estudo do período anterior ao séc. VIII a.C., isso feito por meio dos versos poéticos das duas obras. E na Literatura Romana podemos destacar relevantes manuscritos como por exemplo a Eneida do poeta Virgílio.

Na Idade Média surgiu o ofício dos copiadores, os quais são personagens importantíssimos na preservação da Cultura Ocidental. Neste período histórico a instituição encarregada de preservar toda a produção artística era a Igreja Católica. De tal forma que existiam monastérios dedicados unicamente a guardar a riqueza cultural das civilizações grega e romana. Os monges copistas viviam grande parte da sua vida dentro das bibliotecas eclesiásticas copiando as obras consagradas a fim de que o acervo da Igreja aumentasse e por conseguinte mais pessoas pudessem conhecer tais obras literárias.

Com o advento da Idade Moderna ocorre uma progressiva democratização da Cultura. Surgem as primeiras universidades, as primeiras bibliotecas públicas, ambas financiadas pela Igreja e pela aristocracia européia. E é justamente nesse momento que surge a tipografia, a qual acentuou ainda mais a expansão do conhecimento humano. Também foi nesse interim que o manuscrito deixa de ser preponderante e torna-se apenas a primeira fase na elaboração de uma obra.

E finalmente a Idade Contemporânea profissionaliza o escritor, idolatra-o, e enriquece alguns. Surgem as grandes editoras, as grandes tiragens, as grandes distribuições por diversos países e consequentemente sepultam definitivamente o valor cultural do manuscrito. A influência dessa má conduta é tão grande que o próprio escritor começa a considerar o manuscrito algo marginal, secundário, até mesmo desonroso perante os olhos dos seus leitores e dos estudiosos.

Conceito e Opinião:

O manuscrito é a fase onde ocorre a concepção da obra literária, normalmente escrita à mão pelo próprio escritor (apesar de alguns terem se servido de assistentes no passado e até mesmo no presente). Feito à lapis, à caneta esfereográfica, à nanquím, até mesmo à hidrocor, dependendo tão somente das preferencias do escritor. É nela que tranparece o gênio ou a mediocridade do narrador. Normalmente são utilizados cadernos universitários ou folhas de papel paltado para esse trabalho. É de fato a fase menos dispendiosa fianceiramente, contudo também é a fase mais cansativa das três que abaixo destacarei, devido a depender exclusivamente do potencial criativo do autor. Eis abaixo as três fases básicas na elaboração de uma obra literária:

1- Produção do Manuscrito;

2- Processo de Digitação do Texto;

3- Processo de Revisão de Texto.

Julgo que o manuscrito tem uma importância singular, pois é nele que se encontram o contexto social e a personalidade do escritor. Os estudiosos da Literatura poderiam à partir dos manuscritos produzirem incontáveis obras ensaísticas nesse campo. Portanto, fica aqui a minha breve explanação sobre tão contudente assunto.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Fábio Pacheco
 

O manuscrito pode ser usado como tema para um estudo antropológico. nele se esconde o universo rico do escritor ainda sem a contaminação das edições.
Além disso, pode ser utilizado como temática para a produção de sites especiulizados no assunto, os quais colocariam trechos de manuscritos de autores consagrados ou ainda desconhecidos.
Então, caros leitores, voltemos os olhos aos

Fábio Pacheco · Recife, PE 11/3/2006 14:58
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados