Feminicídio no Brasil: Até quando?

1
G Marcone · Porto Nacional, TO
13/3/2019 · 0 · 0
 


É denominado feminicídio quando um assassinato é classificado crime de gênero, ou seja, quando o assassino mata a mulher por ser mulher, esta lei que o qualifica entrou em vigor em 2015. É alarmante o número de casos que vem ocorrendo em todas as partes do Brasil.

A violência contra a mulher que já é uma rotina nas diferentes classes sociais tem tomado contornos de tragédia culminando em assassinatos. Quem acompanha os noticiários em todos os meios de comunicação fica chocado pelos crimes bárbaros praticados, geralmente por parceiros das mulheres, e os índices devem ser ainda maiores, pois nem sempre são vistos na imprensa ou inseridos nas estatísticas. Segundo a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), 126 mulheres foram mortas em razão de seu gênero no país desde o início do ano, além do registro de 67 tentativas de homicídio. Isso é um sintoma de uma sociedade doente, marcada por homens desequilibrados que acham que a mulher é um ser inferior atrelado a valores machistas arraigados na sociedade brasileira.

E parece que com o passar dos anos tal crime vem se banalizando como se fosse normal assassinar sua namorada ou esposa, o mal cresce em larga escola, fruto da falta de respeito ao próximo e às leis. E os assassinatos ocorrem de forma mais acentuadas nas classes mais baixas da população. A existência da Lei Maria da Penha para não ser suficiente para evitar que uma violência doméstica, por exemplo, termine de forma trágica. Mulheres ainda jovens com toda a vida pela frente, mortas na frente dos filhos, algumas vezes, em momentos de ciúmes e por motivos fúteis como de um homem que matou a esposa, mês passado, apenas porque a televisão estava fazendo barulho pra ele. Assim, não apenas tiram a vida dela, mas também escrevem uma triste historia de sofrimento para seus familiares.
É um momento de muita reflexão sobre o tema. Momento de as mulheres perderem o medo de denunciarem os agressores, de ter voz mais ativa na sociedade e pedir um basta em tanta impunidade. Onde está a causa dessa violência? A falta de punição e leis mais duras? Leis há, falta um Judiciário mais atuante e os poderes executivos e legislativos proporem políticas públicas de combate ao feminicídio. É inadmissível que mulheres com medidas protetivas sejam mortas, que não contem com espaços seguros. Mas o estado não pode antever quando uma mulher será assassinada, compete também à mulher conhecer melhor o seu parceiro, quem sabe está dormindo com o inimigo e não sabe... Inteirar-se sobre sua personalidade, caráter e equilíbrio emocional, além de saber qual o nível de amor que mostra ter por ela porque depois de uma separação pode ser tarde demais.
O governo precisa promover campanhas que estimulem a luta das mulheres pelos seus direitos e valorização da mulher, necessitamos ter também uma política educacional voltada para o melhor preparo no sentido psicológico e social do cidadão e por fim usar profissionais do convívio das mulheres que as ajudem na denúncia do criminoso. Queremos crer e torcer que todas estas medidas possam corroborar para uma sociedade mais justa com respeito às mulheres, tendo estas mais expectativas de vida que um direito de cada uma delas.

compartilhe

comentários feed

+ comentar

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados