José Silveira Niterói, RJ

José Silveira

sobre o colaborador

Dizem-me poeta, se; pequeno. Sou homem comum, vivendo e compondo por novos caminhos. Célere qual um cometa, arrasto para o meu pensar ensinamentos vividos no dia a dia com os meus semelhantes, tornando os meus voos sem limites.
E assim vivendo, percebi que "Palavras não devem voar esvaziadas de sentidos, dos bons ou não". E eu, humano que sou, em breves lapsos me esqueço disso. Quando acontece, e percebo que algumas das minhas palavras macularam e feriram, eu sofro. Hoje, quando nada tenho para falar ou escrever de bom; prefiro pensar, beber, amar, dormir e sonhar. Nunca todas essas ações juntas, e nem necessariamente na mesma ordem, como qualquer mortal.

Palavra de poeta.


colaborações recentes

SÃO ÁGUAS APENAS... banco
15/12/2012 00:21 · 1

+

LEIA ESTE POEMA PRA MIM... AMOR banco
29/1/2010 18:55 · 3

+

DEVASSOS banco
11/2/2009 19:50 · 55

+

Respeitável público!... Vou declamar! banco
22/1/2009 23:04 · 70

(Hê, Hê,... misifio! Si mureco tá cum escrevedô muito baratinado) +
+listar todas

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados