Nunca Li Manoel de Barros

1
João Bosquo · Cuiabá, MT
14/11/2014 · 0 · 0
 

Depois da partida, sempre depois,
Podemos confessar e eu confesso
Que nunca li Manoel de Barros
Nunca entrei em seus livros

Sempre fiquei preambulando
Em volta dos versos e dos pós
E nunca, jamais, das pré-coisas
Imersas nas metáforas pantaneiras...

Quando o mar pantanal se criou
O poeta já estava de butuca
Lápis de graveto e papel borboleta

- O livro passeia pela paisagem
E nada como peixinho em águas
A poesia sem retórica universalista.

Sobre a obra

Poema referência ao poeta cuiabano Manoel de Barros.

compartilhe



informações

Autoria
João Bosquo
Downloads
143 downloads

comentários feed

+ comentar

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 2 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados