O Seticismo é uma doença

1
Caloan Walker · Salvador, BA
5/12/2014 · 1 · 0
 

Basta você chegar ao Centro, ir até a rua sem nome mais decente, perguntar a qualquer um dos ociosos “Onde posso encontrar Crendilsson, o Sético?” e obterá a direção precisa sem ajuda de um Global Positioning System.

Você não buscará Crendilsson, o Sético, por imaginar que ele é um homem interessante. Ele não é. O que aconteceu com ele, sim.

Um meninote inocente. Sua mãe disse apenas uma vez a clássica “Fique revirando os olhos assim, aí o vento passa e vai ficar desse jeito para sempre” e Crendilsson manteve uma retidão ótica jamais vista em lugar algum do mundo.

Um adolescente cândido. Num domingo de calor, na igreja, o pobre sentiu um leve incômodo, uma coceira, e foi ajustar o volume em sua calça de linho, o que de acordo com o olhar de relance do pai significava um indício de depravação. “Se você ficar se tocando assim, vai nascer cabelo em suas mãos!” Desde então, prefere contorcer-se em público, alegando estar recebendo espírito divino, debatendo-se freneticamente até a coceira passar, a ter de aliviar-se como todos os homens fazem casualmente.

Um adulto questionável. Dúvidas acumuladas durante anos costumavam repelir certos conselhos, opiniões, palpites; a sabedoria popular ansiava por sua sanidade mental, sem saber se contava ainda com sua encarnação mais fiel, ou se estava perdendo-o para bruxarias. Foi então que teve sua alcunha fixada sobre a testa.

Contam os vizinhos que esse foi o único deslize da vida de Crendilsson, mas custou-lhe uma vida normal. Voltou da Autoescola todo casquilho, com sua carta de motorista na lapela da camisa pólo de liquidação, rumo ao barzinho.

“Só dois dedos e meio de cervejinha hoje, Seu Bingote, que eu passei com honras no teste e agora posso dirigir!”, pavoneou-se.

“É, né pra desmerecer nada não, mas todo mundo aqui dirige, com carteira ou sem. Também num tem nem mistério, é só ir pra frente, frear de vez em quando, e lembrar de não dar seta”, cumprimentou-o assim Senhor Bingote.

“Está repreendido! Se o instrutor disse que eu tenho de indicar com a seta se eu for mudar de faixa, ou entrar numa rua?!”

“Homem de Deus, não faça isso! É que nem exame de toque, você faz uma vez só e aí fica falado na vizinhança inteira! O povo aí que comenta que teve alguém aí, sei lá há quantos anos atrás, que deu seta uma vez e aviadou, e enlouqueceu, e perdeu o emprego e tudo mais!”

Crendilsson, frustrado, confuso e com a vaidade bulinada, bebeu apenas o meio dedo de cerveja com raiva e saiu. Tirou o carro da garagem. Pela janela da porta ainda se via o mesmo homem-cordeirinho de sempre. Engatou a primeira. Acelerou. Engatou a segunda. Sentiu a pressão. Na terceira, atirou o juízo pela janela e deu seta para pegar a via principal.

Acharam-no na manhã seguinte num bairro vizinho, desorientado. “Quem somos nós? De onde viemos e para onde iremos?”, repetia. Dava dois passos, mancava, no sexto passo era certo que titubeava um pouco. Se fosse virar à direita ou à esquerda, indicava sempre, fosse com o dedo, com uma mexidinha do pé, com um tique nervoso na nádega correspondente.

Foi encaminhado à Previdência Social para aposentar-se por invalidez. Foi chamado de vagabundo. Perdeu mulher e filhos. Virou alcoólatra. Hoje se prostitui por um copo de pinga, o miserável que inventou de dar seta em trânsito, o querido Crendilsson, o Sético.

Sobre a obra

Crônica satírica parcialmente fictícia (inspirada em vários motoristas), publicada no perfil do autor em 14 de janeiro de 2014.

compartilhe



informações

Autoria
Caloan Guajardo
Ficha técnica
Crônica satírica, parcialmente fictícia (inspirada em vários motoristas), escrita e publicada no perfil do autor no Facebook, em 14 de janeiro de 2014.
Downloads
171 downloads

comentários feed

+ comentar

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 4 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados