FOGO NA ROUPA - CAP 1

1
Rodrigo Teixeira · Campo Grande, MS
3/7/2006 · 94 · 1
 

Ele abriu os olhos às 11h11. Sentia os sintomas por ter virado mais uma noite. A boca tinha gosto de guarda-chuva e a cabeça pesava. O estômago clamava por algo. Aos poucos, começou a se mexer na gigantesca cama. Não queria sair dali. Esticou a mão até o cinzeiro de cristal de murano e pegou a ponta sobrevivente da balada do dia anterior. Antes, deu um gole no frasco marrom para acalmar a gastrite. Virou-se para o grande espelho atrás da cama e acendeu a baga. A fumaça foi se espalhando no amplo quarto e o gosto da canabis aqueceu o gelado que o remédio leitoso deixara na língua. Olhando os feixes de luz que escapavam das frestas da janela, percebeu suas roupas jogadas na luxuosa cadeira avermelhada. O anel de prata em cima da carteira fina. As botas estavam caídas ao lado de dois copos com restos de blood mary. Se esforçou para lembrar como havia tirado as pesadas botas e com quem não teve tempo de matar seu drinque preferido. Além da rebordosa, já era comum a amnésia após as baladas.
Caminhou pelado até o banheiro da suíte. Feriado, não escutava os carros na rua. Nada de buzinas, apitos, freadas. Silêncio. Viajou no barulho do chuveiro e no rastro que as gotas d'água deixavam no vidro fumê. Permaneceu em transe durante demorados segundos. Ponto-morto. Não pensava em nada. Vislumbrava. Aos poucos, as imagens dos campos a perder de vista formaram-se na sua cabeça. Um mar verde de terra que engolia o mundo e que transformava gente, em grão. Via um filme. Um sol prata. Uma lua dourada. Um açude marrom. Tentou ouvir alguma movimentação, mas tudo parecia na santa paz. Quebrou a ponta de dois frascos de vitamina A e jogou o líquido oleoso no cabelo. Carequice, definitivamente, não combinava com rock'n roll. Ficou por um tempo sentindo o cheiro do shampoo de algas com o nariz encostado na ponta do pote aberto. Estava exausto e com sede.
Resolveu raspar a barba já crescida. Ao pegar os apetrechos, encontrou uma folha do bloco de recados em cima da portentosa pia branca de mármore. A boca de batom impressa no papel assinava o pequeno texto de caligrafia exemplar: " Não pude esperar. Valeu a balada. Me liga". A noitada passou na sua mente. Deu um sorriso e jogou fora o papel. Havia, finalmente, acordado. Pegou a toalha branca enorme e saiu para atender o maldito ramal interno do telefone. Molhou o carpete macio.
Atendeu.
- Oi.
- Acordou?
- Ahan.
- Então sobe. Quero te mostrar uma coisa muito, muito, muito... hum... você vai ver.
Cacá levantou a cortina e o quarto se iluminou. Do décimo-primeiro andar, apreciou o visual. O azulão do céu de brigadeiro contrastando com o esmeralda das copas das árvores na rua. Pôs o rosto para fora e viu uma das meninas da noite anterior saindo rapidamente pela portaria do prédio e embarcando em um táxi. Encostou a porta sem pressa e ouviu o interfone tocando no quarto ao lado. Seguiu pelo pequeno corredor, entrou na sala e foi para a cozinha. Bebeu três copos de água e aqueceu no microondas o leite para misturar ao café. Era o máximo que conseguia ingerir logo após acordar.
Foi até a mesa redonda da sala e sentou em uma das seis cadeiras. Colocou um biscoito de polvilho na boca antes do café com leite. Percebeu que alguém havia deitado há pouco no sofá de couro e remexido as almofadas. Aproveitou para tomar uma aspirina americana que estava há dias no bolso da camisa. A última coisa que queria era uma dor de cabeça. Foi até a cozinha, deixou a caneca na pia e subiu a pequena escada de degraus pretos que levava ao andar de cima.
- Oiiii. Ei, heyyyy!!.
Debruçou-se na mesa de sinuca e não viu ninguém por ali. A sua palheta estava presa nas cordas já gastas...

* O Capítulo 01 inteiro está em anexo! Pode ser lido tb no blog Matula Cultural!

compartilhe



informações

Autoria
Rodrigo Teixeira (MS)
Ficha técnica
Romance erótico escrito pelo jornalista Rodrigo Teixeira.
Downloads
583 downloads

comentários feed

+ comentar
Bia Marques
 

Já fiquei corada, já comentei na fabrika... Adelante que a curiosidade do enredo tá na veia.
Beijo

Bia Marques · Campo Grande, MS 7/7/2006 18:03
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados