Só um vazio

1
Igor Caribé · Brasília, DF
12/7/2011 · 0 · 0
 

De frente para a janela, os carros atropelavam seus tentados sonhos. Deitada, ela podia ouvir o mundo, ruidos de uma conversa próxima, suas recordações; ouvia o recente choro agora ausente de uma criança morta. Misturava-se à sua frente o amontoado de vozes do cotidiano, que ecoavam por entre a soturna lembrança da perda do filho. Havia dias que não dormia bem. Acumulava-se para isso esta eterna labuta do cotidiano. Ter de trabalhar, dívidas a pagar, ter de acordar e tudo isso viver. Era inevitável ter de viver, mas viver tinha sido até ali esperar. O dia-a-dia era o espaço em suspenso ao aguarde do fim do primeiro ciclo, o ciclo materno de ser para continuar sendo. A realidade desfacelara-se à sua frente e, impotente, ela, Juliana Sabatela, não conseguia dormir. Pouco a pouco seu mundo lúcido confundia-se com o horizonte onírico da verdade. Não fosse pelas frequentes visitas que ela, por vários querida, recebia, talvez tivesse mesmo perdido-se para sempre. O sentido do outro era confirmar a realidade compartilhada com o outro, e nossa mente, quando muito sozinha, multiplica-se e abranje, tornando-se companhia e realidade única, tornando-nos loucos. Ela demonstrava claros sinais de perda da razão, e vinha mesmo preocupando os que lhe cercavam. Mas os que mais intimamente conheciam de pé de ouvido sua história de vida, por mais que sensibilizasem ainda mais, por outro lado entendiam perfeitamente o porque do surto. Há quatro anos que Ivan a acompanhava mensalmente para que se cumprisse o tratamento conceptivo. Quando finalmente Renan nasceu, a juventude daquele casal eternizara-se no novo ser, e todos os projetos de ambos, lançados à revelia da paixão, rompiam-se agora largando-os num mundo sem chão.

Igor L.C.

Sobre a obra

MOVIMENTO NEO-CANDANGO

A construção não termina em seu projeto
nem em sua realização concreta
é sonho além do ferro, da conta, do empréstimo.

concreto
de construido abaixo virá
só para derrubar o teto que cobre a chuva fina

pois é se molhando que se entendo o mundo
mas não se joga lama no povo
pelo menos não de novo

e se para construir
desconstrução precisar ser
desconstrução torna-se ação
e o criar o preencher

menos cidadãos, mais construtores
fora a corja de lá, Brasília é aqui.

MOVIMENTO NEO-CANDANGO - A Construção Não

compartilhe



informações

Autoria
Igor Lago Caribé
Ficha técnica
o que isso quer dizer?
Downloads
253 downloads

comentários feed

+ comentar

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados