O espelho e suas faces: produzir e fruir.

Cláudio Marconcine
Como não crer na alteridade?
1
Marconcine · São Luís, MA
20/8/2007 · 77 · 1
 

O fazer está imbuído de representações que nos são caras. Em tudo que tocamos reforça o nosso desejo em viver, buscando orientações daquilo que nos cabe, percebendo que energias nos fazem aproximar ou não de alguém ou alguma coisa. Saber o que nos move, o que nos movimenta, é fundamental para que essa alteridade entre os seres se efetive em ato. Nada mais justo do que sair do urbano e perceber que há vida na periferia. Nenhuma novidade para os que lêem jornal escrito, para os que assistem à televisão, ou que participam, de uma forma ou de outra, da vida existente na periferia das cidades.

Imperatriz, segunda cidade no Maranhão em população, foi uma das primeiras a serem contempladas com um Ponto de Cultura.

Executado em Imperatriz desde novembro de 2005, o Projeto Ponto de Cultura “Folguedos Boi Valente” é fruto de uma parceria do Instituto Sinergia com o grupo de dança popular Boi Valente, financiado pelo Ministério da Cultura, através do Programa Cultura Viva. O projeto oferece oficinas culturais a adolescentes e jovens da Região do Grande Santa Rita. Dentre as atividades do projeto têm-se as Caravanas Culturais: apresentação das produções do ponto para a comunidade.

Via de regra, as caravanas constam de dança do Cacuriá e do bumba-meu-boi; participação de outros grupos como o Kizomba (danças populares), Quadrilha do Zé Comeu e Lindô da Dona Francisca - danças características de parte do estado do Maranhão -, bem como de atividades lúdicas, como cantigas de roda, pula-corda, pintura, leitura e jogos com bola, como pelada de várzea e queimada.

Nada mais justo, não só como contrapartida do financiamento, mas também como mecanismo em disponibilizar à comunidade a outra face do espelho. Em uma cidade que carece de espaços de cultura e de cidadania, com altos índices de analfabetismo, pobreza que assola – não estou sendo dramático, acreditem – é inegável o sorriso estampado nas crianças por onde a caravana passa. E não é a bolacha de água e sal e o refrigerante local, que chamam de "espoca-bucho", que faz a alegria das crianças, mas sim o desejo de pegar na bola, e no tecido que parece tenda de circo. Joana e Rita são irmãs, e nunca viram um circo de verdade, e gritam "olha o circo, olha o circo", quando teimam em não deixar a bola cair de sobre o tecido colorido.

Quando o estado se faz presente é quando fica mais perceptível a sua ausência. Nice Rejane, coordenadora do Sinergia, reforça essa presença/ausência do poder público quando diz que "a participação governamental é adequada, na mediada em que democratiza os recursos a projetos executados em cidades do interior, de difícil acesso a tudo".

Por mais que essas atividades sejam pontuais, a representatividade dessas ações está além do instante em que se mostram. E não é a constância dessas caravanas nesses locais – provavelmente elas não passem novamente pelo mesmo caminho piçarrado – que vai fazer com que percam importância e qualidade. Quando percebemos nosso reflexo, refletimos sobre nossa vida, sobre o nosso fazer. E refletir é um dos caminhos para a mudança, quer seja individual quer coletiva. Quando lia a proposta das caravanas, não percebia esse caráter, essa abrangência. Depois que constatei, através de acompanhamento para registro, de algumas delas, pude perceber o que retrato agora: meus olhos exigentes do concreto, deixaram de ver que as pequenas ações são determinantes para um processo se iniciar, e sem retorno possível.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Lumenezes
 

Adorei, Marconcine! Meus parabéns.
Luciana

Lumenezes · Nova Friburgo, RJ 19/8/2007 15:14
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

Danças, como o Cacuriá, reinventam o ritmo através dos animais. zoom
Danças, como o Cacuriá, reinventam o ritmo através dos animais.
Uma bola de borracha, um tecido colorido - não há competição. zoom
Uma bola de borracha, um tecido colorido - não há competição.
As pequenas ações são determinantes para um processo se iniciar. zoom
As pequenas ações são determinantes para um processo se iniciar.
É inegável o sorriso estampado nas crianças por onde a caravana passa. zoom
É inegável o sorriso estampado nas crianças por onde a caravana passa.
As atividades pontuais vão além daquilo que se mostra. zoom
As atividades pontuais vão além daquilo que se mostra.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados