A lenda dos marreteiros

1
Flávio Herculano · Palmas, TO
29/12/2011 · 1 · 1
 

Amostra do texto

Um dos aspectos que caracterizam qualquer cidade são suas lendas acerca do sobrenatural, passadas pelos anciãos, recontadas às crianças pelos irmãos mais velhos e relembradas a cada noite de lua cheia. Tornam-se a verdade de um povo pela repetição. Em Palmas, ouvi diversas vezes aquela que, talvez, seja a única lenda de nossa jovem cidade. Diz respeito a seres que agem em altas horas das madrugadas, de marretas em punho.

Entre os que me relataram a estória, ninguém os viu. Mas todos disseram conhecer alguém que presenciou a aparição de um desses seres. Fala-se, são figuras robustas, de quase três metros de altura, corpo curvado, vestidas de negro e sempre solitárias. Surgem no extremo das ruas ou nos canteiros das vias públicas. Com poucos golpes de marreta, lascam o meio-fio, abrindo espaço para que, por aquela brecha, possa vir a passar um pneu de bicicleta, uma moto ou, até mesmo, que ali sirva de acesso para carros. E o fazem sem causar barulho ou deixar resquícios do concreto arrebentado. Simplesmente agem e somem, rápidos e sorrateiros.

Não há nenhuma quadra em Palmas, nenhuma avenida, onde não haja resultado da ação desses seres. Até mesmo nas regiões centrais de cidade, em lugares onde o fluxo de pessoas nunca para, lá está a obra dos marreteiros, sem que jamais eles tenham se deixado fotografar ou filmar em plena era da hiperconectividade.

Como não sou eu quem vai rever a história e julgar se Lampião e seu bando de cangaceiros foram heróis ou bandidos, também não sou eu quem vai apontar se esses seres são malignos ou iluminados. Sim, caso existam, eles depredam o bem público, mas os motoristas que moram em quadras com somente duas entradas e saídas bem que fazem uso das gambiarras abertas pelos marreteiros, alegando que, com isso, economizam tempo combustível. Em algumas quadras até já se estabeleceu fluxo de mão, contramão e preferência de passagem de veículos nessas gambiarras.

Um colega, pessoa até esclarecida a quem admiro pela lucidez, afirmou não somente ter certeza da existência dos marreteiros, como inclusive chegou a dizer que admira o trabalho deles e defendeu que deveriam ampliar seus serviços, passando a abrir, também, acesso nas calçadas para os cadeirantes.

Eu prefiro me isentar de opinião, até porque não creio em marreteiros. Mas que eles existem, existem!

Sobre a obra

Crônica escrita para a revista cultural Klep.

compartilhe



informações

Autoria
Flávio Herculano
Downloads
184 downloads

comentários feed

+ comentar
ayruman
 

Bela crônica. E toda lenda tem seu cunho de verdade amigo.

Esta dos marreteiros é muito significativa e com certeza muito dos oprimidos operários do poder público que já passaram para o outro lado, de quando em vez aparecem para auxiliar os que por aí ainda estão vivos...

Luz e a Paz do menino Deus em 2012!

ayruman · Cuiabá, MT 30/12/2011 23:19
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter