Festival independente agita BH

Júlia Cascaes
King Size Box participou pela terceira vez do festival
1
Hipertexto Comunicação · Belo Horizonte, MG
30/9/2014 · 1 · 0
 

Ocupar as ruas com cultura e ampliar o espaço da música independente são intenção


No lugar de pranchetas, réguas e computadores, um baixo e muito rock‘n’roll. Nas horas de folga, o formal Alexandre Nagazawa, sócio-diretor da Bloc Arquitetura, dá lugar ao baixista Xan Nagazawa, um dos componentes da banda King Size Box. No último sábado (27), Xan esteve entre os artistas que subiram ao palco da 3ª Edição do Rock Street, evento independente que sacudiu a Praça da Savassi. Além da King Size Box, se apresentaram as bandas Zonbizarro, Lively Water e Colt 45.

Promovida de forma totalmente independente, o Rock Street foi criado com intenção de aproximar músicos e público. Neste ano, a organização escolheu trabalhar com financiamento coletivo, que é, basicamente, uma forma de patrocínio em que tanto grandes empresas quanto o público em geral podem fazer doações via internet, com cotas que vão de R$10 a R$500. Como o minifestival é gratuito para o público, essas contribuições servem para subsidiar a insfraestrutura para as performances dos músicos.

Nagazawa compara o festival com as intervenções culturais comuns na Europa e nos Estados Unidos e acredita nele como uma boa forma de ocupação do espaço público. “Pela forma como o Rock Street evoluiu desde a primeira edição, ele merece atenção, especialmente, em um contexto em que falta espaço para bandas independentes. A música fica restrita a festivais de megapatrocinadores”, afirma. Ele acrescenta que, desde sua criação, o projeto aparece como alternativa para ampliar o cenário independente de Belo Horizonte. “É uma espécie de tomada do ambiente público urbano, uma vez que os locais privados priorizam bandas covers e quase não dão chance pra cena independente”, pondera.

“Música, arquitetura e urbanismo acabam se tornando áreas afins, pois não há melhor lugar do que as ruas para se alcançar o público e permitir que a música contribua com a importância que cabe a ela na formação da identidade das pessoas e na arquitetura de uma cidade”, acredita Nagazawa. Ele aponta que tocar não simplesmente ao ar livre, mas em um evento totalmente aberto, sem que as praças ou ruas sejam cercados, promove a troca espontânea entre músicos e público. “Isso amplia a experiência urbana, e enriquece a cultura e identidade das pessoas que vivem ali.”, finaliza o músico-arquiteto.

compartilhe

comentários feed

+ comentar

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados