Abril pro Rock 2006: Primeiro dia

1
Bruno Nogueira · Recife, PE
25/4/2006 · 77 · 2
 

O 14º Abril pro Rock começou ontem, no Centro de Convenções, e já é a edição mais peculiar de todas. Sem muitos rodeios, este foi o ano com mais interesse da mídia pelo evento e com menos interesse de público. O que leva pensar que muita gente, no fim das contas, não faz um bom show. Mas pouca gente definitivamente faz um show ruim. E o pavilhão nunca esteve tão vazio. E isso nunca foi tão incômodo.

Quem chegava ao Centro de Convenções percebia de cara a novidade. O pavilhão onde o Abril pro Rock acontece todos os anos estava fechado. Uma área menor fazia um “palco 3” logo na entrada, onde aconteceriam todas as apresentações da noite.

Sim, essa foi a tal noite eletrônica. Depois dela acho que dá para concluir duas coisas. Ou esse público aqui é muito pequeno, ou ele não serve para nada. Porque às 23h, quando o Montage subiu no palco, não tinham nem 300 pessoas ainda para conferir o que seria uma das melhores apresentações da noite. Mesmo com uma estrutura de som péssima que só rendia ruídos, Daniel, uma mistura de Brian Molko-David Bowie-Vive la Fete, roubou a cena com uma presença de palco para lá de divertida.

A música não trazia muita novidade. É aquele eletrônico afetado, meio rock, feito com uma guitarra e um computador. Letras em português e inglês, que não fariam tanta diferença, não fosse o público já cantando elas de cor, colados no palco. Pensar em Internet é pensar que o público do Abril está mais refinado e, talvez por isso, tão restrito. Quando a apresentação terminou de meia noite, o pavilhão continuava com o clima vazio.

A disposição da programação do Abril pro Rock é bem engraçada. Este ano, o que eles têm de atração forte, ficou no meio e não no fim da noite. Na sexta, pareceu que eles quiseram entregar logo as cartas, mostrar o que tinham trazido de melhor e pior logo de cara. Porque depois do Montage, subiu uma das escolhas mais infelizes do evento, a dupla Kook and Roxxy. Supostamente alemã, já que a menina, a Roxxy, é daqui do Recife.

Com declarações de que “é muito lindo tocar em casa”, a dupla não acrescentou muita coisa além de caretas na cara do público. O “Palco 3”, inaugurado clandestinamente pelo The Playboys ano passado, agora é oficial e também muito pequeno. A aparelhagem técnica tinha melhorado o som da dupla, mas o espaço parecia pouco para a menina que não parava de dançar esquisitamente no palco.

Hora de lavar a alma, com o toque da meia noite no relógio e a dupla Stereo Total se organizando no palco. Não tem como negar um sorriso para a simpatia dos dois. Uma mistura de Walter Matthau com Kramer (do Seinfeld) e uma professora de colégio americano, mais o delicioso sotaque inglês (eles são da Alemanha) e uma hora de música eletrônica-minimamente-fofa.

O show mais legal da noite teve ainda o pessoal que estava na frente do palco subindo, tocando os instrumentos, dançando e cantando junto. Tudo num clima ótimo e bem divertido, desses para guardar como boa lembrança. Talvez por isso, pareceu demorar muito mais que a uma hora que teve de duração. Perto das mil pessoas, o Abril pro Rock chegava ao seu ponto alto. O que fez valer a noite.

Diplo funcionou como uma espécie de divisor de águas da noite. Com a injusta tarefa de se apresentar em uma hora, o DJ americano fez um set pra lá de misturado. Com o esperado funk a remixes legais das velhas músicas de sempre. Divertido, mas naquele momento, a noite começava a ficar mais segmentada. Algumas pessoas já iam se afastando, cientes que não conseguiriam nada melhor que aquilo. Teria sido muito legal, não fosse a inocente idéia de Diplo de homenagear Chico Science. Desnecessário.

Nos bastidores, o DJ, bem eufórico, disse que tinha sido uma de suas melhores apresentações. Não entendeu, no entanto, porque o público não tinha gostado tanto da homenagem que ele fez a Chico Science. Bem vindo ao Recife, Diplo. =)

Quando o DJ Dolores entrou com seu bloco Mega Hits já eram três da manhã. Pouquíssima gente, um calor infernal. A idéia de Helder Aragão (alcunha que um dia foi o nome verdadeiro de Dolores) é muito, mas muito legal. Também é totalmente deslocada da noite do Abril pro Rock. Uma orquestra de verdade, da Bomba do Hemetério (um dos bairros barra pesada do Recife), tocando aqueles sucessos mais batidos de uma festa cansada. Depeche Mode com Eye of the Tiger (isso mesmo, a trilha da cine-série Rocky).

Bizarro, o ator Mateus Nachtergaele, completamente louco, subiu no palco e tentou cantar (ou era recitar?) alguma coisa.

Quando a noite entrou na reta final, já era dia. Quatro da manhã, João Gordo e Igor Cavalera no palquinho, Black Sabbath na caixa. A dupla fez o set hetero do Abril pro Rock. Som pesadão, com hip hop e muita guitarra. Mas depois da maratona, era preciso muita boa vontade para agüentar mais uma hora de música. Pelo menos nesse contexto bem irregular que foi o repertório da sexta-feira.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Jesuino André
 

pelo visto o evento foi um fracasso. ao menos nessa primeira noite. agora gostaria de saber qual o interesse maior da mídia...

Jesuino André · João Pessoa, PB 24/4/2006 11:58
sua opinião: subir
Helena Aragão
 

Bacana a cobertura! Será que todo festival tem seu momento assim, alguma edição em que a coisa fica meio morta e aí os organizadores têm que repensar os rumos? Imagino que sim, né...

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 24/4/2006 19:46
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados